12/09/2012

Creepypasta - Orpec


Após uma noite de sonhos perturbadores e incessantes, Samuel Orpec acorda sentido-se estranho, parecia sentir-se mais aliviado após alguns sonhos terríveis terem acabo, mas sentia algo estranho em si mesmo. Fitou-se no espelho, tocou seu rosto, quando então, ouviu o primeiro sussurro de seu próprio fim. Era apenas um resmungo ininteligível, mas podia se sentir a dor nele. Não sabia de onde vinha, mas parecia que vinha da parte de trás da sua própria cabeça. Passou a mão sob sua nuca, e foi subindo em direção ao cocuruto, quando fora interrompido por uma mordida em sua mão. Congelou, o pânico que isto lhe trouxera era imensurável até então, respirou fundo e saiu em busca de algum outro espelho, parou em frente ao espelho em seu vestíbulo e posicionou um pequeno espelho de mão atrás de sua cabeça, de tal modo que pudesse vê-la. O terror voltara a tomar sua mente. Percebera que havia outra face em seu crânio. Não uma face comum, mas uma face disforme, demoníaca, onde a maldade era visível, e ela ria. Percebeu que a face tinha consciência própria, percebeu que a face era má, percebeu que naquele dia sua agonia iria ruir sua sanidade. O sadismo da face o fez, nos primeiros instantes, pensar em suicídio, ideia essa que fora abandona após alguns minutos, quando Orpec percebera que isso só traria mais prazer à face, e ele não pretendia se render a ela tão facilmente. Sentou-se em sua cama, e bateu com a parte de trás de sua cabeça na parede, somente para causar dor à face. Cometera um terrível engano, a dor que sentira fora imensa, e só aumentou o prazer da face, que agora gargalhava ante a dor de Orpec. Tomado por uma fúria intensa, Orpec busca seu canivete no bolso de seu paletó e cega um dos olhos da face. Cai no chão, sentindo talvez a maior dor que humano algum possa ter sentido um dia, desmaia.

Já era noite quando Orpec acordou, via seu quarto de modo disforme. Já não tinha mais noção de quem era, a face às vezes tomava poder de seu corpo, e fazia com que Orpec se feri-se só para ter algum prazer. Quando tinha controle sobre seu corpo, Orpec tentava esquecer que a face lá existia, mesmo que ela o impedisse de sair de seu apartamento. Fazia três dias que ela aparecera e Orpec ainda não havia aberto cortina alguma de seu apartamento. Rumou à cozinha e serviu-se com uma aguardente que guardava, tomou um trago e abriu a cortina. Então percebeu que a face detestava a luz, a escuridão a deixava mais forte. Virou-se de costas à janela, e deixou que a luz cega-se, outra vez, a face. A cicatriz no olho esquerdo da face começa a sangrar, e ela, pela primeira vez sente dor. Um urro desumano é ouvido. Orpec ri. Então, também pela primeira vez, a face fala:

- Ah, então tu ris de minha desgraça, tu assumes ser tão mal quanto eu, pobre humano, assumes que não sabes lidar com minha presença, fraqueja ante ela, tem em teus sonhos, os mesmos sonhos que eu.

- Orpec manda que a face se cale, e ela então outra vez gargalha, e parece dormir. Orpec senta em uma cadeira contra a janela, e encara o sol, e então descobre que já não é capaz de ver a luz, sem que a face o permita. Já não é capaz de sentir o prazer, a dor, já não é capaz de sentir, sem que a face também sinta, já não é capaz de viver, sem que a face também viva. E sente, pela terceira vez, todo o horror que ela lhe traz. É tomado por um vazio intenso, que parece ruir sua espinha, parece lhe dissolver a mente, e sabia que sua'lma já havia fugido de seu corpo.

Passam mais quatro dias, e então a face acorda outra vez, dessa vez ela já acorda sorrindo, e sussurra para Orpec:

- Bom dia, espero que consigas continuar... - E é interrompida sendo golpeada contra a parede outra vez, e outra vez gargalha ao sentir a dor de Orpec. E ele então cai sob o chão, de joelhos, e urra, urra injurias tão nefastas que humano algum um dia dissera, amaldiçoa a face que o amaldiçoava, e então busca a garrafa de aguardente, ainda sobre a mesa, e inebria-se ante a loucura que a face o trazia, mas parecia que quanto mais ele bebia, mais lúcido ficava, e mais a face o destruía. Buscou o espelho de mão, fitou-se outra vez, e encarou a face, que de antes desumana, agora era quase idêntica a face de Orpec, que ficava cada vez mais disforme. Ela ria, e ria cada vez mais alto, Orpec tampava seus ouvidos, caia ao chão, e ela cada vez mais contente parecia ficar, então ela para, e sussurra outra vez:

- Temes que eu nunca pare de rir, mas sabes que no fundo, o prazer que eu sinto é o mesmo que tu sentes, tu és eu, eu sou tu, somos a mesma pessoa, a mesma aberração, o mesmo câncer da raça humana, somos nada além de um moribundo sem esperança, um indigente cavando sua própria cova, tu já te embalsas mesmo antes de morrer.

- Cala-te demônio, tu és minha assombração, e se tiver eu que viver com tua presença, prefiro que me mates.

A face ri outra vez, e outra vez ela dorme.

Meses se passam, e a face cada dia mais se torna humana, e Orpec cada vez mais se deforma. Não sabe mais quem é quem, já não consegue dissociar-se da face, já não sabe mais quem é, e ainda não sabe de onde a face veio, mas sabe que o mal que ela carrega é desumano. Ainda mais que as noites, a face exalava um forte cheiro de enxofre, e sussurrava injurias para Orpec, só para atormentar seu sono. Quanto mais Orpec definhava, mais a face parecia ficar mais forte, parecia que ela já estava criando braços nas costas de Orpec, parecia que ela qualquer dia sairia dele e o deixaria em seu quarto, deixaria apenas uma massa disforme em qual o transformaria, e sairia livre pelo mundo espalhando maldades. O tempo acabou atenuando o efeito das injurias sobre Orpec, e no fundo, a face acabou por corrompe-lo, era já tão mal quão ela, já não era mais puro, já não sabia se ainda era vivo sem ela, já não sabia se afinal, ele não era ela.

Em uma noite de inverno, Orpec então resolve sair, ignorando todo e qualquer incomodo que a face poderia lhe causar, vestiu um casaco, ergueu o colarinho, tentou plasticamente tampar a face com um cachecol, vestiu um chapéu, e saiu. Caminhou sem rumo por quase duas horas, e entrou em uma Igreja na praça central da cidade, ao dar os primeiros passos na igreja a face começou a blasfemar, e o sacerdote encarou austeramente Orpec. Porém, o sacerdote então percebeu a natureza da situação, e fez um sinal para que Orpec o seguisse. Entraram em uma pequena porta a esquerda da sacristia, onde havia uma escada circular para baixo, e parecia que era tão funda que chegaria ao centro da terra. Após chegar a base da escada, Orpec presenciou um corredor com sete portas, três à direita, três à esquerda, e uma pequena porta de ferro no final do corredor. Seguiram reto até tal porta, e o sacerdote buscou em sua batina um molho de chaves, e entre elas buscou uma chave que aparentava ser feita de ouro, e com esta chave então, abriu a porta, e Orpec se deparou com, talvez, a única coisa que naquele momento poderia o surpreender. Orpec encarou a si mesmo, sentado em uma cadeira no meio de um quarto vazio. Ainda era o mesmo de sempre, ainda sem a face, ainda humano. Estava acorrentado, e havia uma poça de sangue embaixo da cadeira, já um pouco seca. Conseguia ver as chagas em seu corpo, mas não via mais seu corpo de onde estava. Percebeu ser uma consciência sem corpo, percebeu então não ser mais quem era. Já não sabia mais se era só, ou se a face era parte de si mesmo. Seguiu até seu corpo, o rodeou, e percebeu uma enorme cicatriz em suas costas. Percebeu que havia sido liberto da face, percebeu que era apenas um só outra vez. Percebeu também, que estava lá sentado, consciente, e que não estava dentro de si, percebeu que havia sido expulso de seu corpo, e que a face havia tomado posse dele. Em um impulso, tocou a cicatriz e se associou ao corpo outra vez, em certo estado de transe, quebrou as correntes e levantou-se. Rumou em direção a porta e ajoelhou-se sob ela, sentiu a dor mais forte que já sentira um dia, e caiu deitado no chão, inconsciente.

Acordou em seu quarto, ainda com a face, mas sentia-se vazio, sem a maldade da face, aliás sentia que a face era pura, inocente. Tão inocente que lhe enojava, como uma aberração tão cruel agora podia se tornar tão pura, tentou soca-la de raiva, mas não controlava seus braços, tento levantar-se, mas não tinha mais controle de seu corpo. Começou então a tentar ofende-la, mas nada saia de sua boca, além de resmungos ininteligíveis, não sentia nada além de ódio pela maldita face que surgira, a maldita face que havia o condenado a viver sem controle de si mesmo, sua sanidade havia desaparecido, já não sabia quem era, até que sentiu uma mão passando sobre seu rosto, tomado pela raiva, mordeu-a com toda a força. Sentira então a maior dor que um dia sentira, e já sem sanidade alguma, começou a rir dela, e quanto mais se contorcia de dor no chão, mais prazer sentia.


Quando amanhecer, você já será um de nós...


3 Comentários
Comentários
3 comentários:
  1. Trocaram de lugar foi isso? e.e.. Ótimo blog cara continua assim

    ResponderExcluir
  2. Eles trocaram sim...obrigado pelo elogio...retorne sempre...

    ResponderExcluir
  3. o cara fez cirurgia plástica ou tem era apenas retardado

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave