04/03/2013

Nicolo Paganini: O violinista do inferno


Quando ele passava por uma cidade o caos se instalava. Não só pelos fãs, principalmente jovens histéricas desesperadamente apaixonadas, mas também pelos outros músicos, que acorriam de muito longe apenas para ouvi-lo, observando atentamente cada gesto de seus dedos sobre as cordas do instrumento. Era muito fácil reconhecê-los: durante o espetáculo, enquanto a multidão chorava e gritava em delírio, eles ficavam muito quietos, pálidos, com os olhos cravados no palco, a boca crispada, no desespero sem fim daqueles que sabem que nunca serão assim tão bons. Ninguém podia competir com ele, mas o pior era a atitude, inconveniente e desaforada. Tinha vindo de uma família muito pobre e acumulara uma enorme fortuna com seu talento: podia muito bem agir como quisesse, permitir-se todos os excessos. Em dois anos e meio, por exemplo, percorreu 40 cidades da Europa, que caíram aos seus pés.

Naturalmente, como todo gênio, tinha inúmeros inimigos e circulavam a seu respeito os boatos mais sinistros, boatos que ele nunca fez o menor esforço para desmentir. Acima de tudo, era completamente indiferente às opiniões da sociedade, que o adorava e temia ao mesmo tempo. Diziam que o seu talento muito acima do normal era fruto de um pacto com o Diabo, o que só fez aumentar o seu carisma. Diziam que as cordas com que tocava eram muito especiais, feitas das entranhas de seu mestre. Depois teria feito um outro jogo com as de uma amante que se matara especialmente para isso. No entanto, a lenda acrescenta que apenas uma pessoa que o amasse e que cedesse espontaneamente sua vida poderia tornar-se parte de seu instrumento. O certo é que ele produzia sons que ninguém tinha ouvido antes fora de um pesadelo.

Quem assistiu as suas apresentações, refere que, ao seu comando, a sala parecia encher-se de espectros, almas em tormento, uivando como a tempestade. Quando tocava podia-se ouvir o choro das crianças, o riso dos demônios, o grito arrepiante de um universo em agonia. Grupos religiosos protestavam quando ele chegava a uma cidade, acusando-o de ter pacto com o Diabo, mas ele apenas sorria e chegou a compor uma melodia perturbadora citando-o explicitamente. Seus trajes estranhos, seu comportamento silencioso e polido contrastando com a fúria no palco, onde se transformava em uma fera, com os olhos em chamas e um sorriso maligno, tudo contribuía para essa fama que o tornou uma lenda inesquecível.

Essa história aconteceu há quase duzentos anos atrás, principalmente entre 1828 a 1831, período máximo da glória de Nicolo Paganini, compositor e o maior violinista de todos os tempos. A lenda sobre o encordoamento tem origem no fato de que as tripas de carneiro que compunham as cordas do violino poderiam, de fato, ser substituídas por um jogo humano, ganhando assim uma sonoridade sobrenatural. A estranha personalidade de Paganini contribuiu bastante para aumentar as lendas. Diz-se que, a partir dos 30 anos, nunca mais ensaiou e que vivia cercado por uma nuvem vigilante de aprendizes, discípulos e mesmo adversários, sempre em busca dos segredos de sua técnica. Os relatos de seus espetáculos fariam empalidecer de inveja os Beatles ou qualquer grupo de rock até hoje, assemelhando-se mais a uma experiência próxima do êxtase coletivo ou do pavor absoluto. Choro convulsivo apenas rompia o silêncio absoluto quando ele queria e, quando queria o contrário, fazia corar as donzelas com acordes muito próximos da agonia do orgasmo e todos sentiam uma fúria incontrolável tomar conta de sua alma. Em quase todas as cidades em que se apresentava saía dos teatros carregado em triunfo pelas ruas, naturalmente até alguma casa mal-afamada na qual o ópio, o vinho e o haxixe pontuavam uma orgia incendiária e minuciosa.

Como podemos perceber desse relato que oscila entre o verídico e o lendário, os poderes da música provocam efeitos muitas vezes imprevisíveis, pelo fato de que os acordes ressoam no coração do ouvinte, tangendo uma corda sutil que afina os nossos estados da alma.

Uma melodia pode ser tranquila e comovente e ainda assim ser maligna, por predispor a um estado, por exemplo, de profundo desalento e melancolia. A banda Siouxsie and The Banshees, adepta do vodu haitiano, é uma ilustração muito clara desse princípio. Por outro lado, uma música erudita, de um autor clássico, também pode ter uma influência nefasta, ao trazer referenciais emocionais arcaicos, obsoletos, naturalmente quando a pessoa não se identifica com ela, ouvindo-a apenas por pedantismo ou mero hábito, porque lhe disseram que era isso o de que deveria gostar.

Acima de tudo, é preciso estar consciente de que, preferências à parte, cada um de nós tem uma freqüência vibratória emocional única, específica, e que muda a cada instante. Assim, o importante é utilizarmos a energia maravilhosa das harmonias musicais para expressarmos livremente as nossas emoções, seja ouvindo ou tocando algum instrumento. Não é por outra razão que a música sempre faz parte dos rituais religiosos, seja em forma de canto, percussão ou outras. Nas igrejas Gospel, por exemplo, muitas pessoas sem fé ou de outra fé vão aos cultos apenas para ouvir os corais, de poderosa musicalidade. Nas religiões afro, por outro lado, o ritmo febril dos tambores e atabaques tem derrubado mais de um cético e feito mais de um ateu cair em transe possuído por alguma divindade.

Fonte: Esfera Cósmica

11 Comentários
Comentários
11 comentários:
  1. Um cara ser legal e sinistro ao mesmo tempo é muito foda!

    ResponderExcluir
  2. Q porcaria...soh blasfemia....sem fonte setico...

    ResponderExcluir
  3. interessante, eu nunca havia ouvido falar desse sujeito... como que pode?
    Sera que sua fama de diabólico foi suficiente para que a poderosa Igreja enterrasse sua fama?

    ResponderExcluir
  4. Apesar do virtuosismo, ele era só mais um ser humano. Por que não acreditamos no potencial da espécie ? Nota: Paganini teve que apresentar carta que ele trocava com sua mãe para provar que não veio do "sobrenatural".

    ResponderExcluir
  5. realmente pensavam que paganini tinha pacto com o diabo, mas por duas razoes, o seu estilo sombrio, e uma tecnica que ele apurou desde o inicio de seu aprendizado, tocar as musicas com uma corda só. No meio da apresentação ele arrebentava algumas cordas do violino e tinha a capacidade de tocar a musica com uma ou duas cordas sem que afeta-se consideravelmente a qualidade. Essas duas coisas combinadas deram a ele o estigma de pacto com o diago.
    As suas musicas nao tem nada de diabolicas, sao otimas, até hoje as 24 paganini capriche são os solos de violino mais incriveis ja feitos.

    ResponderExcluir
  6. So mais coisa, ao anonimo que comentou sobre a questao da igreja ter enterrado a sua fama. isso nao ocorreu. Somente acontece que ele nao é tao famoso quanto mozart e etc para ser conhecido pela massa. porem qualquer amante de musica classica o conhece.

    ResponderExcluir
  7. Eu sou violinista e digo paganini nao e de Deus kkk as musicas deles são para quem estuda 10 horas por dia .... São dificílimas e de extrema técnica ele foi um otimo violinista incrivel e muito perfeito ..

    ResponderExcluir
  8. é niccolo paganini..

    ResponderExcluir
  9. Gosto muito das músicas de Paganini, se eu tivesse vivido na mesma época em que ele viveu, talvez fosse uma das fãs apaixonadas (risos). Fiz questão de ler esta postagem ao som de um dos 24 caprichos para violino.
    Não sabia da existência desse boato, é incrível como as pessoas adoram atribuir dons extraordinário a pactos com entidades sobrenaturais. Acho que vou até escrever um conto a respeito disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da ideia de vc escrever um conto...rsrsrsrs

      Acredito que muitos "músicos rivais" rivais foram os criadores de tais lendas, como desculpa para o grande talento de Paganini. Algo semelhante aconteceu com Robert Johnson...na minha humilde opinião...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave