04/04/2013

Cabeças encolhidas



Saudações atormentados e atormentadas, hoje trago a vocês mais um material, que não deixa de ser  relacionado ao assunto de mumificações. Quem acessa o Noite Sinistra com certa frequência, sabe da minha paixão por múmias. O texto de hoje fala um pouco sobre as lendárias cabeças encolhidas e ao final poderemos apreciar uma pequena galeria de imagens. Espero que aproveitem...

A pratica de encolher cabeças é um costume associado em certas culturas tribais. Essas tribos geralmente habitam a região do Amazonas, África e ilhas isoladas do Pacifico. É costume desses povos preservar os crânios de seus inimigos e usa-los como talismãs ou troféu de guerra, em outros casos, o encolhimento de cabeças representa apenas um ritual de mumificação, para preservar o corpo, ou pelo menos parte dele, de seus entes queridos, na esperança de possam mesmo após a morte, estes ainda se tornem símbolos de proteção de uma tribo, clã ou família.

Técnica usada para realizar o encolhimento

A técnica utilizada pelos indígenas Shuaras, um grupo étnico que habita uma faixa da floresta Amazônica entre o Peru e Equador e conhecidos como encolhedores de cabeças, consiste em diversas etapas. A cabeça é retirada do corpo na altura do tronco, em seguida é feito um corte na parte na parte traseira da cabeça, por onde são retirados os ossos e separada a carne da pele. Uma vez limpo o couro, este é fervido em água quente com taninos, uma substancia extraído do quebracho, uma planta usada para curtir peles, após a pele ser curtida, é posta para secar com pedras quentes, que são introduzidas em seu interior, e para que não haja deformação, os nativos Shuaras usam uma espécie de clipe de palmeira para manter a boca fechada. O clipe também é aplicado nas orelhas. Todo o processo leva seis dias para ser concluído e no ultimo dia é celebrado do final dos trabalhos com festa com uma festa ritual chamada Tzantza.

Em Papua-Nova Guiné, o resultado do encolhimento de cabeças esta associada ao desejo de preservar o corpo de seus entes queridos e para isto usa-se o processo de defumação após a retirada dos ossos da cabeça.

A situação na América do sul

Os jivaros são um grupo indígena que habita o Equador e parte do território peruano. São conhecidos por seu espírito guerreiro, e mais especificamente por terem desenvolvido (e aplicado), com indiscutível talento a técnica de encolher a cabeça de seus inimigos. Segundo algumas fontes, ao cortar e reduzir a cabeça do adversário, os jivaros estariam se assegurando de que o espírito deste não voltaria para se vingar. Eles próprios explicam que isso é lenda, o verdadeiro objetivo teria a ver com questões práticas e nada esotéricas. Porém, seja qual forem os motivos, a questão é que as cabeças existem, e apesar de hoje tratar-se de um procedimento em desuso (ao menos com cabeças humanas), é possível ver algumas delas espalhadas em museus por aí. A proibição se deu por conta de que muitos turistas passaram a comprar as cabeças, como se fossem um tipo de "lembrança", assim as autoridades proibiram a prática, pelo menos aqui na América do sul, até onde eu averiguei, com medo que esse comércio fosse desencadear mortes, visando a confecção das pequenas cabeças. A lei proíbe a "fabricação" das cabeças, mas não regulamente o comércio das cabeças que já existem.

Hoje em dia podemos encontrar réplicas, feitas de pano, palha e com couro e pêlos de animais. Há quem diga que existe um mercado negro especializado em cabeças legítimas, eu não vou duvidar, pois o ser humano já provou ser capaz de loucuras para conseguir dinheiro.

Abaixo podemos ver uma pequena galeria de fotos de cabeças encolhidas















Fonte principal: Goosebumpsbr.

3 Comentários
Comentários
3 comentários:
  1. Poxa, maneiro mesmo, Parabens pelo trabalho, ficou bem explicado e bem elaborado Parabens mesmo

    ResponderExcluir
  2. Lembrei do filme Cabeças Voadoras, tá ligado? hehe

    ResponderExcluir
  3. Tem um desafeto meu ke eu adoraria encolher sua cabeça como essas das fotos..

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave