14/06/2013

Sopro de primavera antes da festa da Fifa

O texto abaixo é quase uma continuação do texto anterior (Milhares já escolheram sapatos que não vão apertar). Ele também fala das ondas de protestos que estão sendo realizados.

A história se repete. Em Porto Alegre, a primeira reação da parcela graúda da imprensa foi desqualificar os protestos contra o aumento da passagem de ônibus e inflacionar os episódios de vandalismo, ignorando a motivação dos que se manifestavam. Só que a cada novo ato havia mais gente na rua, mesmo com o aumento da repressão policial. Até que a parcela graúda da imprensa resolveu tentar entender por que os jovens estavam se manifestando, para não ficar falando sozinha. Já era um pouco tarde.

Em São Paulo, na noite desta quinta-feira, vivia-se ainda a fase em que a parcela graúda da imprensa fala sozinha e mostra que não enxerga um palmo a frente do nariz. A Polícia Militar instala o caos, prende pessoas por porte de vinagre, agride jornalistas, atira balas de borracha contra quem está ajoelhado pedindo calma. Mijam sobre as pessoas e a imprensa diz que é chuva. Mas o protesto foi maior, a população se indignou com a violência e a cobertura já mudou.

Os discursos foram parecidos, repetiram-se as polêmicas sobre os limites dos protestos, como se fosse possível organizá-los como se organiza uma quermesse. Em Porto Alegre, a Justiça acabou determinando a suspensão do aumento, a prefeitura acatou a decisão e as manifestações, em parte, arrefeceram. Em São Paulo pode acontecer o mesmo, mas isso já não é mais importante. O alto custo e a má qualidade do transporte coletivo nas grandes cidades viraram mero detalhe nessa história.
As manifestações, que se iniciaram pela causa específica do aumento da tarifa do transporte coletivo, têm como pano de fundo esse processo que vai tornando as cidades cada vez mais hostis para as pessoas. Gentrificação, elitização, higienização, cada um nome dá o nome que quiser. As cidades estão se tornando lugares onde trafegam carros, se erguem empreendimentos imobiliários, os pobres são mandados para longe e tudo o mais é proibido. As pessoas estão se sentindo sufocadas e a reação óbvia é que cada vez mais estão indo para as ruas – a maior arquibancada do Brasil.
A truculência com que agiu a Polícia Militar de São Paulo veio mostrar que o Estado de exceção não é um exagero ideológico.  Ele ficou escancarado, como se fosse preciso, na detenção e agressão desavergonhada contra jornalistas (em tese, a polícia teria mais pudores em agredir a imprensa, mas não).  Esse Estado de exceção faz, inclusive, com que as manifestações ganhem novo significado. E tudo isso tem a ver com a Copa do Mundo e com a Copa das Confederações, que começa neste fim de semana.
Porque a organização brasileira para estes megaeventos esportivos não é nada mais do que um catalisador deste processo de exclusão violenta que vem ocorrendo nas grandes cidades e sufocando as pessoas. E que vem sendo utilizada como pretexto para a limpeza social e para a implementação de várias medidas que devem ser chamadas pelo que são: autoritárias.
A tentativa de proibir o acarajé e as festas juninas foi uma brincadeira de criança. Há coisas muito mais graves avançando a passos largos em esferas oficiais. Deve ser votado até agosto deste ano um projeto de leique pode tipificar ações de movimentos sociais como terrorismo – vinagre, então, será considerado arma química. Outra proposta em tramitação no Senado quer definir alguns tipos de crimes que não poderão ser cometidos especialmente durante o período da Copa, incluindo “limitações ao exercício do direito de greve”. Em Minas Gerais, a Justiça já proibiu a realização de dois sindicatos nestes dias de Copa das Confederações. Tudo para o país ficar pronto para a “Copa de todos”.
Por isso, não enxerga um palmo à frente do nariz quem continua achando que os manifestantes que estão aparecendo nas capitais brasileiras são vândalos sem nada melhor para fazer ou que estão simplesmente protestando pela redução na tarifa do transporte coletivo. As manifestações já não são mais – se é que um dia foram – só por causa da passagem. O que já foi chacota hoje é virtude: protesta-se contra tudo que aí está. Seja na Avenida Paulista, seja nas vilas removidas. Contra o aumento, contra remoções forçadas, contra a derrubada de árvores. As pessoas estão se manifestando, basicamente, pelo direito de viver na cidade. E quase sempre alheias aos partidos, que, assim como a parcela graúda da imprensa, não sabem o que acontece nem na própria rua.
Qualquer semelhança com o que ocorre em outras partes do mundo não é coincidência. A indignação, sobretudo da juventude, aumenta na proporção inversa da falência da política tradicional, que virou uma despachante de interesses privados incapaz de responder aos problemas da população. Há um sopro de primavera no Brasil. E até a Copa, tenham certeza, vai ser maior.
2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. eu particulatmente odeio politica....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A politica é algo tão podre, que dificilmente encontraremos alguém que goste dela...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave