05/12/2013

Polícia encontra 16 jovens em 'fábrica de bebês' na Nigéria


A polícia nigeriana descobriu um novo assentamento ilegal em Owerri, onde 16 meninas grávidas esperavam pelo nascimento de seus bebês que seriam vendidos, anunciaram as autoridades policiais.

"Nós realizamos uma incursão em uma residência em Owerri após o recebimento de um relatório da inteligência. Salvamos 16 jovens grávidas", indicou à AFP Joy Elomoko, porta-voz da polícia do estado de Imo, cuja capital é Owerri. "As jovens têm entre 14 e 19 anos e estão em diferentes estágios da gravidez", disse ele.

O dono da casa, que foi preso, tinha afirmado que esta propriedade era a sede de uma organização não governamental que promovia os direitos das mulheres e crianças, de acordo Elomoko. No local também foi encontrado uma arma automática.

As jovens disseram à polícia que receberiam 100 mil nairas (466 euros) por cada bebê, que seria vendido depois de seu nascimento, contou Elomoko.

A polícia também lançou uma investigação sobre o desaparecimento de um recém-nascido neste estabelecimento ilegal.

"O suspeito não foi capaz de explicar onde está um bebê que nasceu recentemente no local", disse o porta-voz. "Achamos que o bebê foi vendido para ser usado em rituais de magia negra", explicou.

As forças de segurança descobriram várias "fábricas de bebês" deste tipo nos últimos meses na Nigéria, especialmente na região sudeste.

No final de outubro, seis adolescentes foram encontradas em uma clínica ilegal na cidade petrolífera de Port Harcourt, no sul.

O tráfico de seres humanos é muito comum na África, onde as crianças muitas vezes são compradas para ajudar nos campos, minas, fábricas ou no trabalho doméstico.

Também há casos de prostituição infantil e, menos frequentemente, de tortura e sacrifícios em rituais de magia negra.

Fonte: Terra

9 Comentários
Comentários
9 comentários:
  1. Nossa que coisa isso Nando,o ser humano sempre dando um jeito de se superarquando se trata de atrocidades e falta de respeito com a vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...como fala no texto, a policia acredita que esse tráfico de crianças tem haver com praticas de magia negra...isso meio que me embrulha o estômago...

      Excluir
  2. '-'

    Tem o que falar sobre o quanto isso nos deixa indignados?
    Logo que vi o comecinho do post eu tinha que vir ver o resto, eu achava que o misticismo ia só até o sequestro e assassinato de afrodescendentes albinos, magia negra para 'travar' o amante no parceiro que está traindo... Mas isso? Uma fábrica de pessoas?! Mães entregando seus filhos ainda no ventre por dinheiro?! Medo dessa gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior é que muitas dessas mães sabem qual será o destino da criança...sei lá eu simplesmente não consigo entender tais coisas...

      Excluir
  3. que triste é isso... esperar por um filho por 9 meses para ele ser vendido...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas dessas mulheres não querem a criança quando descobrem que estão grávidas, mas será que elas não se apegam nenhum pouco a essa vida que cresce dentro delas nesses 9 meses? ainda mais sabendo que destino espera essa criança no caso delas serem vendidas...é trite...

      Excluir
  4. Que absurdo! Como uma mãe consegue fazer isso com o próprio filho.. como conseguem dormir de noite sabendo que, desde o nascimento, a vida dele vai ser de puro sofrimento e terror? Isso se ele sobreviver..

    Credo, que nojo.. por mim, era uma azeitona na cara dos "traficantes" e três na cara dessas """""mães""""".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não consigo entender como essas pessoas conseguem vender os filhos dessa forma...

      Excluir
  5. Nossa eu fico horrorizada quando vejo noticias desse tipo. Como é que alguem passa nove meses com um bebezinho na barriga sentindo cada movimento dele com o passar do tempo e depois simplesmente vende.
    Tem tantas mulheres que queriam o privilegio de ter um filho e não podem.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave