11/07/2014

A trágica história de Elsie Paroubek


Eliška "Elsie" Paroubek (1906-1911) foi uma jovem norte americano de origem Checa, que foi vítima de sequestro e assassinato, na primavera de 1911 na cidade de Chicago. Seu desaparecimento e sua busca comoveu e mobilizou os estados de Illinois, Wisconsin e Minnesota. Seu funeral foi assistido por entre 2.000 e 3.000 pessoas. A história de Elsie Paroubek, e, especialmente, a sua fotografia publicada no Chicago Daily News, foram duas das principais inspirações para Henry Darger escrever seu romance fantasioso "A História das Vivian Girls". Esse foi mais um caso que comoveu e sensibilizou a opinião pública Norte Americana. O crime continua sem solução.

Elsie era a sétima filha de uma casal do casal de imigrantes checos Karolína Vojáček e František (Frank) Paroubek.

Desaparecimento

Na manhã de 8 de Abril de 1911, Elsie, que na época teria cinco anos de idade, deixou sua casa em 2320 South Albany Avenue, em Chicago, dizendo à mãe que estava indo visitar tia, que era a Sra. Frank Trampota irmã de Karolina, que residia em 2325 South Troy Street. Enquanto ela se dirigia para a casa da Sra. Frank, Elsie encontrou seu primo, de 9 anos, Josie Trampota, e uma série de outras crianças que estavam ouvindo um tocador de realejo na rua (realejo é uma espécie de caixa de música, onde o músico pode mudar a melodia, e ao girar uma manivela ele bota o aparelho em funcionamento, tocando a melodia escolhida). Quando o músico mudou-se para canto da rua 23, as crianças o seguiram passando defronte o portão da Sra. Trampota - com exceção de Elsie, que ficou para trás. Naquele momento, ninguém percebeu que ela havia deixado de fazer parte do grupo.

Várias horas depois, a mãe de Elsie se dirigiu para a casa dos Trampota para buscar a filha que ainda não havia retornado. Quando ela chegou a casa da família Trampota, acabou descobrindo que Elsia não havia chegado até o local.Como a menina tinha muitos amigos no bairro, as mulheres pensaram que ela pudesse ter ido visitar outra casa. Às 21:00 da noite, Frank Paroubek chegou do trabalho e ficou sabendo sobre a ausência de Elsie. Ele não era tão indiferente como sua esposa e sua cunhada e foi imediatamente para a delegacia de polícia em Hinman Street para denunciar seu desaparecimento. Inicialmente, a polícia concordou que era provável que ela tivesse ficado na casa de algum dos amigos, mas quando Elsie não havia voltado para casa na manhã seguinte, o capitão John Mahoney assumiu pessoalmente a busca pela garota desaparecida.

As investigações

Vários policiais, de várias delegacias diferentes, passaram a fazer parte do grupo de buscas, e um suspeito logo apareceu. Um garoto chamado John Jirowski disse aos detetives da delegacia de Maxwell Street, liderada pelo Inspetor Stephen K. Healey, que tinha visto uma carroça "cigana" em Kedzie Avenue, um quarteirão a oeste de Troy Street. Havia duas mulheres no vagão e uma delas segurava uma menina. A polícia soube de vários acampamentos ciganos ao longo do rio Des Plaines, perto Kedzie, e se dirigiu para esses locais para falar com os moradores. Eles disseram aos investigadores que um vagão tinha deixado a caravana na manhã do dia 9 de abril. Na época a ideia de que a jovem Elsia tivesse sido raptada por ciganos era muito aceita, principalmente depois do sequestro de Lillian Wulff, quatro anos antes. Lillian havia sido encontrada com um grupo de ciganos.

Grupo de ciganos fotografados na época de 1911
Enquanto isso, Frank Paroubek tinha oferecido suas economias de US$ 50 (cerca de $ 1.165 hoje) como uma recompensa para o retorno da garota. Detetives procuraram a criança nos bairros italianos nos arredores, onde foi relatado que uma menina, cuja descrição se assemelhava a de de Elsie, tinha sido vista em companhia de um tocador de realejo.

O Inspetor Healey ordenou que os canais de drenagem fossem vasculhados em 12 de abril, e novamente em 15 de abril, ele acreditava que se algo de mal tivesse acontecido com a menina, seu corpo poderia ser encontrado nesse local. O governador de Illinois, Dan S. Deneen pediu ao público para ajudar na busca. Logo, havia milhares de pessoas à procura para a menina - mas ela estava longe de ser encontrada.

Frank Paroubek, acompanhado pelos detetives Komorous e Sheehan, foi em busca da carroça cigana que teria partido segundo relatos de outros ciganos. Inicialmente acreditava-se que essa carroça estivesse indo para Round Lake, Illinois, uma pequena cidade a cerca de 50 km a noroeste de Chicago, pois muitos dos ciganos que foram interrogados pela polícia haviam mencionado que esse seria o próximo destino da caravana. Os moradores de Round Lake foram avisados a respeito do desaparecimento de Elsia, e foi pedido a eles que entrassem em contato com a polícia caso uma criança com tais características fosse vista junto dos ciganos.

Infelizmente, muitos dos moradores locais se encarregaram de pressionar e interrogar os ciganos e tentar pesquisar nos seus vagões. Incomodados os ciganos resolveram levantar acampamento no meio da noite, eles se dirigiram para Volo, Illinois.

Residentes em Volo informaram que uma criança que correspondia à descrição de Elsie, havia sido vista junto com o grupo de ciganos. As declarações dos moradores afirmavam que essa criança parecia estar dopada e parcialmente coberta com um cobertor. Eles também tentaram invadir e vasculhar as caroças ciganas antes da chegada da polícia, o que mais uma vez coincidiu com a partida do grupo cigano, dessa vez para McHenry, Illinois, a cerca de 60 quilômetros de Chicago. Quando a polícia finalmente alcançou o grupo em McHenry, eles descobriram que a menina era uma cigana e não Elsie. Ambas tinham mesma altura e idade, mas a fisionomia era totalmente diferente. A caçada ao grupo cigano havia se mostrado uma grande perca de tempo e recursos.

Em 17 de abril, o Capitão Mahoney recebeu um telefonema anônimo dizendo que uma criança com uma descrição semelhante com a de Elsie, tinha sido vista com um homem em um hotel em Western Springs, Illinois. Mais uma vez, os detetives foram enviados para o hotel, mas não encontraram nada.

Na segunda semana após o desaparecimento de Elsie, Lillian Wulff, agora com 11 anos, veio até a polícia para lhe oferecer ajuda. Ela tinha sido objeto de uma caçada humana idêntica, quatro anos antes, quando ela tinha sido "roubada" por ciganos e forçada a trabalhar durante seis dias mendigando nas ruas. Ela foi recuperada depois de ser descoberta por um agricultor, enquanto ela estava caminhando atrás de uma carroça cigana nos arredores de Momence, Illinois. Lillian, foi chamada para dar detalhes sobre o comportamento típico dos ciganos. Um dos homens que haviam sequestrado Lillian foi localizado na prisão e sugeriu que a polícia fizesse contato com Elias George - o "Rei dos Ciganos" - para obter ajuda. George foi encontrado em Argyle, Wisconsin, mas "não conseguiu dar a informação desejada" e foi liberado. Neste ponto, Inspector Healey novamente ordenou que o canal de drenagem fosse vasculhado, junto com uma pesquisa em poços, cisternas e outros locais em que Elsie pudesse ter caído.

Lillian Wulff
Elsie já estava desaparecida há três semanas e a cidade estava em alvoroço. O superintendente das escolas, a Sra. Ella Flagg Young, pediu que todos os alunos na área de Chicago participassem de buscas nas suas vizinhanças durante o período de férias de primavera. Em meio a esse período de tempo, Frank Paroubek, por desespero, consultou uma médium vidente, que disse que Elsie estava em Argo, Wisconsin. O político  de Chicago Charles J. Vopicka, enviou policiais para a área que a vidente indicou, mas não havia nenhum sinal da menina. As buscas passaram de Illinois para Wisconsin, de Wisconsin para Minnesota e depois voltaram novamente para Illinois, mas sem sorte.

No meio da investigação, algo sinistro começo a acontecer. Poucos dias depois que Elsie tinha desaparecido, Frank Paroubek começou a receber cartas anônimas. As cartas foram todos escritas em Inglês, porém Frank Paroubek não sabia ler em inglês. Ele pediu vizinhos para lerem os textos. Nas cartas alegou-se que Elsie tinha sido raptada por alguém que "odiava" os Paroubeks e acusou a família de maltratar a garota. Frank estava tão irritado com as acusações que ele acabou queimando as cartas.

A comunidade checa em Chicago reunira-se para ajudar a família Paroubek. As mulheres do Clube Bohemia também decidiram ajudar nas buscas, criando o que elas chamaram de uma "carta corrente infinita", que foi enviado para todos os pontos da cidade, pedindo que os destinatários enviassem cópias a todos que conheciam. O clube beneficente Bohemian ofereceu uma recompensa de US$ 500. O Governador Deneen pediu ao Congresso para rever os estatutos para que uma recompensa podesse ser oferecida pelo estado de Illinois. Naquela época, as leis estaduais não permitem a oferta de uma recompensa para a apreensão de sequestradores, como acontecia com os assassinos. Um fundo de recompensa foi criado, e qualquer pessoa poderia fazer uma doação.

A polícia acabou sobrecarregada com chamadas de pessoas interessadas em conseguir para si a recompensa. Cada vez que uma menina em um vestido vermelho era avistada em um acampamento de ciganos, a polícia era chamada. Por volta de 1 de Maio, no entanto, os investigadores acabaram abandonando a ideia de que Elsie tivesse sido raptada pelos ciganos. Daí em diante a polícia voltou seus esforços de busca aos poços, rios e canais. O Juiz Joseph Sabath opôs-se às praticas da polícia, afirmando que a medidas tomadas pela polícia eram sem brilho. Ele alegou que a caçada policial estava se tornando "apática", porque os pais de Elsie eram pobres. Ele vinha recebendo contribuições para o fundo de recompensa de todo o país e aumentou a sua própria contribuição para US$ 100.

Joseph Sabath
Enquanto isso, os detetives Zahour e Zalasky ainda estavam procurando o escritor das cartas que haviam sido enviadas aos Paroubeks. Eles acreditavam que o homem morava perto de Madison e Robey Streets e que sabia mais sobre o desaparecimento do que ele estava dizendo. Tenente Costello, apoiado pelo Inspector Healey, categoricamente declarou: "Elsie Paroubek caiu no canal de drenagem da Ponte Kedzie Avenue ou perto dela Ela não foi assassinada.". Eles acreditavam que o autor das cartas testemunhou a queda.

A busca nos acampamentos ciganos continuaram. Até 7 de maio, por volta de vinte e cinco acampamentos tinham sido pesquisados e várias pistas falsas tinham aparecido.Capitão Mahoney anunciou tristemente sua crença de que Elsie estava morta, mas prometeu que a polícia iria continuar a procurar, nem que fosse o corpo dela.

O corpo de Elsia é encontrado

A partir dali a busca não durou muito tempo. Dias depois, um engenheiro elétrico chamado George T. Scully, juntamente com outros funcionários da usina Lockport, perto de Joliet, descobriu um corpo flutuando no canal de drenagem. No início, eles pensaram que era um animal de uma das fazendas próximas, mas pouco depois ele acabaram percebendo que o corpo parecia pertencer a uma criança. Eles enviaram um barco para recuperar o corpo. O legista William Goodale, que foi chamado para examinar o corpo, que segundo ele parecia se encaixar na descrição de Elsie Paroubek: "A descrição computada para a cor do cabelo, a textura das meias, e a tonalidade do vestido se parecem com as de Elsie". Ele afirmou que o corpo estava na água por várias semanas. Nos relatórios originais disse que não havia "nenhuma marca de violência no corpo".

O canal de drenagem próximo Lockport em 1911
Goodale notificou as autoridades de Chicago, que enviou o Tenente Costello para a casa Paroubek. Quando ela viu o policial mal-encarado em sua porta, de chapéu na mão, Karolina Paroubek começou a gritar pedindo para que o homem falasse que sua filha estava viva. Frank foi levado para a funerária Goodale à meia-noite. Ele afirmou que as roupas eram parecidas, mas que não conseguia reconhecer o rosto, afinal o mesmo estava totalmente inchado pelo tempo que esteve na água. Seria necessário que Karolina verificasse o corpo.

Na manhã seguinte, Karolina foi trazida para a sala de visitas do agente funerário. Ela identificou positivamente a menina morta como sua filha. Ela teria dito ao corpo: "É você, minha querida. Graças a Deus que te encontrei e você não está nas mãos dos ciganos". Durante a hora seguinte, ela andou para frente e para trás ou sentou nervosamente com o marido em uma sala adjacente. Frank segurou suas mãos e eles choraram e rezaram juntos. Goodale, que acompanhou as investigações sobre o desaparecimento da menina nos jornais, fez uma declaração para a polícia: "O corpo parece ter estado na água por cerca de um mês, o que coincide com a data do desaparecimento de Elsie Paroubek. A criança, quando ela saiu de casa, estava sem chapéu, e suas contagens de roupas combinam em todos os aspectos com os encontrados no corpo morto. Não havia nenhum anel ou outro enfeite, e, nesse aspecto as descrições correspondem. Excetuando apenas a cor dos olhos, o que não pode ser claramente observado que a cor, as descrições são idênticos."

Os arranjos foram feitos para um inquérito, com William Wunderlich de Will County presidente. Frank Paroubek foi chamado como a primeira testemunha. Desconsiderando ao que foi dito pelo médico legista, Paroubek insistiu que sua filha tinha sido assassinato. Através de um tradutor, ele disse ao júri: "Estou certo de que os ciganos roubaram minha menina e então, quando eles sabiam que estávamos atrás deles, eles a mataram e jogaram seu corpo no canal."

Nesta afirmação, o caos irrompeu na sala do júri. Karolina começou a gritar e saiu correndo da casa funerária onde o inquérito estava sendo realizada, gritando: "Minha Elsie está morta! Ela foi assassinada, assassinada!" Seu marido e o Detective Zelasky, tentaram acalmá-la, mas em sua extrema aflição, ela começou a correr de um lado para o outro na rua, atraindo uma multidão de curiosos. Ela insistiu que os ciganos tinha matado Elsie, e que a polícia não tinha feito nada a respeito. Frank finalmente foi capaz de acalmá-la e ajudou-a em embarcar em um bonde para casa.

Os resultados do inquérito foram inconclusivos. Juiz Wunderlich declarou: "Este caso atraiu tanta atenção que um exame minucioso será feito. Não vamos nos contentar com nenhum inquérito superficial. O júri irá se recusar a apresentar os seus convicções até que a autópsia foi realizada. Queremos que o estômago da menina seja examinado, e os pulmões também. O pai acusa de assassinato. É certamente possível que ele está certo."

Durante a autópsia, dois médicos, EA Kingston e WR Paddock, confirmaram que Elsie não havia se afogado - não havia água em seus pulmões. Kingston disse que ela tinha sido "atacada" (um eufemismo para o estupro) e assassinadas antes de seu corpo ser atirado na água. Já Paddock disse que não havia evidência de que ela havia sido "ferida" antes de ser morta. Mais tarde Tenente Costello disse à imprensa que ela havia sido "maltratada", o que parecia indicar que a morte dela não tinha sido o trabalho dos ciganos. Eles também descobriram cortes profundos no lado esquerdo de seu rosto. Embora os médicos relataram "marcas azuis na garganta, como se a vítima tivesse sido sufocada", outro exame pelo Dr. ER LeCount e Dr. Warren H. Hunter do escritório do legista revelou que Elsie tinha sido sufocada e não estrangulado.

A causa da morte foi dada como desconhecida, mas o legista Peter Hoffman afimrou concordar com o pai da menina, segundo ele Elsie teria de fato sido assassinada, embora não seja possível determinar com exatidão como isso aconteceu.

Enquanto isso, o tenente Costello voltou para investigar as cartas anônimas que foram enviadas para os Paroubeks, acreditando que elas sejam a chave para resolver o caso.

O funeral

A família de Elsie não tinha dinheiro para realizar o funeral da meninna, pois segundo Karolina disse ao juiz Sabath, a busca pela criança havia esgotado todo o dinheiro que a família tinha. O juiz deu-lhe um cheque de $ 25,00 e prometeu levantar mais fundos. Amigos e familiares ajudaram com dinheiro e também levantou-se mais dinheiro fazendo uso do fundo de recompensa. Sra. Sophie Johanes conseguiu mais de $ 50, dando uma festa de benefício e solicitando doações de Bohemians na Costa Oeste.

O funeral de Elsie foi realizada no dia 12 de maio, no gramado da frente da casa Paroubek. Horas antes de ter sido programada para começar a cerimônia, os curiosos começaram a se reunir. Eles lotaram o pátio, ao redor da casa, e as varandas das casas próximas. Não havia sala no bairro grande o suficiente para mantê-los todos. Aos Paroubeks tinha sido oferecido o uso de uma sala de união, mas Frank sabia que havia gente demais e ele não queria mandar ninguém embora. Ele disse: "Eles vieram para dizer adeus a minha Elsie. Não deixe que eles se decepcionem."

Reinicio das investigações

Com o final do funeral, o inquérito policial foi reiniciado. O chefe de polícia John McWeeny prometeu dedicar toda a força policial de Chicago para encontrar o assassino.

O chefe de polícia John McWeeny
Os investigadores logo chegaram a um suspeito - um homem chamado José Konesti. Descrito como um "mascate eremita", ele disse em conversas soltas e ébrias ter "muitas vezes seduzido meninas para sua cabana que ficava próximo do canal de drenagem - o mesmo canal onde o corpo de Elsie foi descoberto. Ele morava em um barraco cerca de um quilômetro e meio da casa Paroubek e tinha sido sido freqüentemente visto nas proximidades. A dona do barraco em que ele vivia, a Sra. David Shaughnessy, disse à polícia que ela havia se queixado várias vezes sobre o fato de Konesti trazer as crianças ao redor da casa, e ele teria sido despejados em 9 de maio. 

Um dia depois de Konesti ficar sabendo que ele era suspeito da polícia pela assassinato, ele se jogou na frente de um trem e foi morto. Cinco dias depois, porém, ele foi inocentado de qualquer irregularidade.

Em 15 de maio, Frank Paroubek tinha informação para os investigadores. Ele disse aos detetives que ele tinha falado com um homem que ele não conhecia, e que lhe disse que tinha visto Elsie no final da tarde de 8 de abril em Kedzie Avenue, ao sul da 28th Street. Tenente Costello encarregou seus detetives de encontrar o homem.

Costello tinha suas próprias ideias sobre o caso.Ele não concordou com o relatório do legista e tornou-se convencido de que a morte de Elsie foi um acidente. O problema era que o inspetor Healey tinha realizado constantes varreduras nas valas e canais durante a busca pela menina, e em nenhuma dessas varreduras seu corpo havia sido encontrado.


Depois de mais de um século, nós ainda não sabemos o que realmente aconteceu com pouco Elsie Paroubek.

Um estranho fato

Como foi mencionado no início desse texto, a morte de Elsie Paroubek serviu de inspiração para Henry Darger escrever seu romance fantasioso "A História das Vivian Girls". Henry (12 de abril de 1892 - 13 de abril de 1973), foi um recluso artista que trabalhava como zelador em Chicago. Os manuscritos da sua grande obra "A História das Vivian Girls", foram descobertos e publicados após a sua morte. Tal fato levou muitas pessoas a afirmar que Henry poderia ser a pessoa que escreveu as cartas para Frank Paroubek, afinal ele teria cerca de 19 anos na época.

Ilustração feita por Henry Darger
Henry Darger
Traduzido de: Troytaylorbooks

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Links Relacionados:
O caso Elizabeth Olten.

VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

11 Comentários
Comentários
11 comentários:
  1. Muito boa a historia. Realmente sinistro... Não encontrei outras referencias ao livro "a historia das Vivian girls" Você podia falar mais sobre isso? Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No link abaixo vc poderá ler mais a respeito...vá até o item 3 da lista...

      http://www.megacurioso.com.br/literatura/42729-confira-5-dos-mais-bizarros-livros-ja-escritos.htm

      Excluir
  2. E ninguém investigou o homem do realejo...

    ResponderExcluir
  3. Elson Antonio Gomes14 de julho de 2014 15:46

    Infelizmente há muitas outras neste nosso mundo.

    ResponderExcluir
  4. E SE O HOMEM DO REALEJO FOSSE O HENRY DARGER

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma hipótese...o problema é que na época a polícia correu atrás dos ciganos, levando em conta um caso anterior ele acabaram se municiando de pré conceitos a respeito dos ciganos, e não levantaram muitas outras ideias, ou pelo menos, não investigaram tão a fundo essas outras ideias.

      Certamente nunca saberemos da verdade...

      Excluir
  5. essa narrativa me prendeu do começo ao fim com muita atenção boa postagem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses textos onde a principal vítima é uma criança possuem uma carga negativa muito forte. Afinal uma morte, seja por acidente ou assassinato é sempre triste, mas quando envolve uma pessoa que mal sentiu o gosto da vida...é triste demais.

      Agradeço pelo elogio...

      Excluir
  6. nota 10 o post. e nota 1000 o blog.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave