30/01/2015

John George Haigh: O Vampiro de Londres


John George Haigh comumente conhecido como o “Acid Bath Murderer”, mas também conhecido como Vampiro de Londres, foi um serial killer inglês com atuação durante a década de 1940. Ele foi condenado pelo assassinato de seis pessoas, embora ele alegou ter matado um total de nove, dissolvendo seus corpos em concentrados de ácido sulfúrico antes de forjar documentos a fim de vender seus bens e recolher quantias substanciais de dinheiro.

Durante a investigação, ficou evidente que Haigh estava usando o ácido para destruir os corpos das vítimas, pensando que, se os corpos das vítimas não pôde ser encontrado, em seguida, uma condenação por homicídio não seria possível. Mas felizmente ele estava enganado. As provas substanciais além da ausência de vítimas seus corpos era suficiente para ele ser condenado pelos assassinatos e, posteriormente executado.

Inicio da vida do vampiro de Londres

John George Haigh nasceu em 24 de julho de 1909 em Stamford, Lincolnshire. A família mudou-se para Outwood, West Yorkshire, onde Haigh passou os próximos 24 anos de sua vida. Ele foi criado em uma família fanaticamente religiosa onde foram utilizadas referências ao 'Senhor' com freqüência para lembrar o jovem Haigh. Anos mais tarde Haigh afirmou que sua infância foi triste e solitária. Seus únicos amigos eram os poucos animais de estimação e um cachorro do vizinho. Seu pai havia construído uma cerca alta em torno da casa, para manter o jovem Haigh afastado das ruas. O garoto praticamente fica preso em casa, para que não tivesse contato com práticas que pudesse desviar o menino do caminho de Deus.


Os pais de Haigh pertencias a uma seita religiosa conhecida como Irmãos de Plymouth, que eram purista e anticlerical. Histórias da Bíblia eram a única forma de entretenimento.Mesmo participar de qualquer tipo esportes era proibido ao garoto.

Os pais de Haigh falavam para o garoto que uma mancha azul apareceria em sua cabeça caso ele cometesse algum pecado, esse seria o toque do diabo. Não se sabe se os pais do garoto usavam isso como forma de assustar o garoto de disciplinar o garoto e como maneira de evitar que ele fizesse coisas escondido, ou se os pais de Haigh realmente acreditavam nisso. Anos mais tarde Haigh revelaria que isso o deixava aterrorizado.


Com o passar dos anos o jovem descobriu a mentira sobre a fábula do toque do diabo. Isso acabou gerando uma grande revolta no jovem John George Haigh.

Durante a juventude John Haigh sofria com os pesadelos, nos quais árvores se transformavam em crucifixos e jorravam sangue.

Nessa época Haigh passou a exibir um comportamento manipular. Ele foi descrito como um mentiroso compulsivo, disposto a inventar qualquer história para se ver livre de alguma situação comprometedora. No memento de sua prisão pelos casos de assassinato, ele começou a agir como um maluco, pois sabia que isso poderia ser usado a seu favor no caso de alguma condenação.

Em 1934 Haigh parou de frequentar a igreja de seus pais e se casou com Beatrice Hammer, uma mulher de 21 anos de idade, que mal conhecia. Apesar de ter ficado impressionado com costumes e charme de Haigh, ela estava incerto sobre quem de fato ele era, mas ainda foi em frente com o casamento em 06 de julho de 1934.

Os pais de Haigh permitiram que o casal a vivesse com eles, embora o casamento durou apenas cerca de quatro meses, terminando quando Haigh foi preso em outubro de 1934 e enviado para a prisão por fraude. Enquanto ele estava encarcerado, Beatrice deu à luz a uma menina, que ela deu para adoção.

Haigh passou um bom tempo preso, por causa de suas práticas fraudulentas, que envolveram diversas empresas ilegais. Ele havia até atuado como advogado, sem nunca ter passado perto de um curso superior nessa área.

Foi na prisão que ele acabou tomando contato com ácido sulfúrico. Ele experimento o produto em ratos, testando os efeitos do ácido no tecido dos animais. Foi assim que ele desenvolveu o pensamento de que usando esse produto corrosivo ele poderia dar fim a corpos humanos.

Liberdade

Em 1943 Haigh acabara de se ver livre da prisão. Nesse mesmo ano ele passou a trabalhar como contador com uma empresa de engenharia. Logo depois, por acaso, ele esbarrou em McSwan no pub Cabra em Kensington. McSwan apresentou Haigh a seus pais, William e Amy, que mencionaram que tinham investido na propriedade.

Os crimes

Em 06 de setembro de 1944, McSwan desapareceu. Haigh mais tarde admitiu bater-lhe sobre a cabeça depois de atraí-lo em um porão da 79 Gloucester Road, London SW7. Ele, então, colocou o corpo em um tambor e lhe banhou com um concentrado de ácido sulfúrico. Dois dias depois ele retornou e encontrou o corpo que “tornou-se lama”, que eliminou jogando no bueiro.

William Donald McSwan
Senhora McSwan
Ele disse aos pais de McSwan, William e Amy, que seu filho tinha fugido para a Escócia para evitar ser chamado a cumprir serviço militar. Haigh, em seguida, assumiu a casa McSwan e quando William e Amy ficaram curiosos para saber porque seu filho não tinha retornado, isso quando a guerra estava chegando ao fim, ele os assassinou também – em 2 de julho de 1945, ele atraiu-os a Gloucester Road e eliminou-os.

Haigh roubou de William McSwan, desde pensão, cheques e vendeu suas propriedades – roubou cerca de R$ 8.000 (£ 256,000, quando ajustados para a inflação ) – e se mudou para o Tribunal Onslow Hotel em Kensington . Até ao Verão de 1947, Haigh, que era um jogador, porém estava ficando sem dinheiro, mas uma outra oportunidade de lucrar lhe surgiu. Ele encontrou um outro casal para matar e roubar: Dr Archibald Henderson e sua esposa Rose.

Ele alugou uma pequena oficina em Leopold Road, Crawley, West Sussex, e mudou-se para lá deixando Gloucester Road. Em 12 de fevereiro de 1948, ele procurou Henderson, sob o pretexto de lhe mostrar uma invenção. Quando eles chegaram Haigh deu um tiro na cabeça de Henderson com um revólver que tinha roubado mais cedo de casa do médico. Ele, então, atraiu a Sra. Henderson para a oficina, alegando que seu marido tinha caído doente, e atirou contra ela também.

Dr Archibald e Rose Henderson
Após a eliminação do casal Henderson em tambores de óleo cheio de ácido, ele forjou um documento que lhe dava poderes jurídicos sobre os bens do casal, o que permitia que ele vendesse seus bens. Haigh vendeu todos os seus bens dos Hendersons (exceto o seu cão, que ele manteve).

Próxima vítima seria Olive Durand-Deacon, 69 anos, viúva e também residente no Tribunal de Justiça Onslow Hotel. Ele convidou-a para conhecer sua oficina em Leopold Road, em 18 de fevereiro de 1949, e uma vez lá dentro ele atirou na parte de trás da cabeça da senhora, retirou suas joias, incluindo um casaco de cordeiro persa, e a colocou no “banho” de ácido. Dois dias depois, amigo de Durand-Deacon, Constance Lane, informou seu desaparecimento.

Olive Durand-Deacon

Os detetives que passaram a investigar o desaparecimento de Deacon, logo suspeitaram de Haigh, que vivia no mesmo prédio da vítima e que já tinha um histórico na polícia. A polícia conseguiu mandato para investigar a oficina de Haigh, e lá eles encontraram um recibo de uma lavanderia relacionado com a lavagem do casaco da senhora Durand-Deacon, assim como documentos referentes a Henderson e McSwans. Foram encontrados ainda "peças anatômicas" e parte da arcada dentária da senhora Durand-Deacon.

Prisão e Julgamento

De posse de tais descobertas a policia caiu em cima de Haigh, que confessou que não só matou apenas Durand-Deacon, os McSwans e os Hendersons, mas também outras três pessoas: um rapaz chamado Max, uma menina de Eastbourne, e uma mulher de Hammersmith.


Depois da prisão, Haigh permaneceu sob custódia na cela 2 da delegacia da polícia em Horsham, até seu julgamento.


O procurador geral, Sir Hartley Shawcross KC, (mais tarde Lord Shawcross) pediu ao júri a rejeitar a defesa de Haigh que alegava insanidade, afirmando que ele agiu com malícia e que seus atos foram muito bem planejados, principalmente no que diz respeito a eliminação dos cadáveres.


Haigh foi condenado a morte na forca por seus crimes, e esperou seu castigo preso em Wandsworth. Ele foi levado para a forca e enforcado pelo executor Albert Pierrepoint em 10 de agosto de 1949.

O caso de John George Haigh foi um dos casos pós Segunda Guerra Mundial que mais ganhou destaque na mídia inglesa da época.


Fontes: Paixão Assassina e Crime Investigation
Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Já reparou que a maioria desses psicopatas tinham os pais religiosamente fanáticos? E pq vampiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse ao Juliander nos comentários do facebook "Foi um apelido dado pelos jornais, como vc pode ver na imagem do jornal publicada no texto. Talvez o termo vampiro tenha sido usado por ele se beneficiar das posses das vítimas, ou seja ele era um sangue suga...um usurpador..."

      ou pode ter haver com a passagem do texto que fala o seguinte:

      "Durante a juventude John Haigh sofria com os pesadelos, nos quais árvores se transformavam em crucifixos e jorravam sangue."

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave