16/07/2015

A cidade do suicídio tentou aprender a sorrir


Um artigo publicado no jornal australiano Sunday Times em 17 de outubro de 1937, narrava uma nova tendência presente em Budapeste, capital húngara, após a Primeira Guerra Mundial. Por causa dos altos índices de melancolia e de suicídios em ocorrência naquela capital durante o período, dois homens tiveram a ideia de ensinar o povo a sorrir.

Abaixo os amigos e amigas poderão conferir essa história publicada no Sunday Times, assim como algumas fotos da revista holandesa Het Leven.

Cidade do Suicídio Torna-se a Cidade do Sorriso

Embora atraia turistas de todas as partes do mundo, Budapeste é chamada pela sua própria população de a Cidade do Suicídio. Budapeste sofreu muito após a Guerra e tem recebido uma publicidade negativa pelo números de casos de auto destruição ocorrendo todo ano. Alguns destes casos estão sendo supostamente inspirados pela canção “Domingo Melancólico”, mas, sendo ou não esta a causa, a taxa de suicídios em Budapeste é definitivamente alta.


O método de suicídio favorito adotado pelos melancólicos budapestenses é o afogamento, e barcos de patrulha ficam ancorados próximos às pontes para que possam resgatar os cidadãos que procuram consolo nas águas escuras do Danúbio.

Todavia, um “Clube do Sorriso” foi inaugurado para combater a moda do suicídio. Originalmente o clube iniciou mais como uma piada do Professor Jeno e por um hipnotizador de nome Binczo. Mas de alguma forma o clube se tornou popular. Seus organizadores agora têm uma escola permanente e garantem que podem ensinar o sorriso Roosevelt, o sorriso Mona Lisa, o sorriso Clark Gable, o sorriso Dick Powel, o sorriso Loretta Young, e vários outros tipos de sorrisos, e os preços variam de acordo com as dificuldades encontradas.


Jeno diz que os métodos empregados em sua escola, acompanhados com a melhoria das condições de negócios em Budapeste, estão fazendo que o sorriso se torne popular e espera-se que em pouco tempo Budapeste passe a ser chamada de Cidade do Sorriso.

Ironicamente, aqueles que fizeram o curso ainda tiveram que enfrentar os horrores da Segunda Guerra Mundial, que já se fomentava naquele momento. O fato é que até hoje a Hungria ainda apresenta um alto índice de suicídio — o país ocupa o décimo lugar em uma lista de taxas de suicídios no mundo organizada pelo portal Business Insider a partir de dados da Organização Mundial de Saúde.


Sorrir, tanto como uma terapia ou mesmo como uma fuga psicológica, para muitos ainda pode ser uma das poucas maneiras de se encontrar refúgio no nosso mundo dominado pela violência. Estranho ainda é o fato de ter que se matricular em uma escola para reaprender a sorrir. Mas se esta medida for realmente necessária, nada como um cardápio de sorrisos que contenha o sorriso de La Gioconda.



Quando amanhecer, você já será um de nós...

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




1 Comentários
Comentários
Um comentário:
  1. Conheci Budapeste esse ano. Chamou-me a atenção o culto à morte na cidade... Coroa de flores, velas acesas em frente aos casarões dão um ar estranho e sinistro à cidade. a arquitetura da cidade é meio fantasmática, weird (rsrsrs). Foi maravilhoso conhecer.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave