12/07/2015

Jozef Tiso e a perseguição aos judeus na Eslováquia


Hoje voltamos a falar de um homem que, segundo a história oficial, teve grande participação na morte de judeus durante a segunda guerra mundial. O tema de hoje nos foi sugerido pelo leitor Stefano, que deixou um comentário em outra postagem do blog Noite Sinistra sugerindo que falássemos um pouco sobre Jozef Tiso.

Monsenhor Jozef Tiso (13 de outubro de 1887 – 18 de abril de 1947) era um sacerdote católico eslovaco que foi deputado do parlamento tchecoslovaco, membro do governo tchecoslovaco, e finalmente presidente da República Eslovaca "Independente", entre 1939-1945 – república essa criada durante a invasão da Alemanha nazista, sob a benção do terceiro reich. Segundo a história oficial Tiso foi responsável por deportar cerca de 60.000 judeus para os campos de concentração nazistas, além de perseguir opositores do regime nazista na Tchecoslováquia. Depois da Segunda Guerra Mundial, Tiso foi executado pelas autoridades tchecoslovacas por traição e colaboração com o nazismo.

Início da carreira

Tiso iniciou sua carreira como um padre católico no império Austro-Hungaro, e rapidamente subiu nas fileiras. Como tal, ele falava principalmente na língua húngara. No entanto, logo após o desmembramento do Império Austro-Húngaro e da criação da Tchecoslováquia, Tiso transformou-se em um eslovaco nacionalista e construiu uma carreira como político. Em 1918, a filosofia política de Tiso foi avidamente pro-Eslovaca e antissemita. No entanto, ele teria suavizado sua retórica depois que ficou claro que o antissemitismo em conflito com a doutrina social cristã ("amar o próximo") e esta visão hipócrita pagou dividendos políticos pobres. Para os próximos 20 anos, a carreira política de Tiso (principalmente como ministro da Saúde) continuou sem evidência de comportamento antissemita. Porém quando seu partido político começou a modelar-se sobre as influências dos nazistas alemães o antissemitismo tornou-se mais popular. Tiso manteve sua postura moderada, e até que foi acusado por alguns radicais de ser "suave sobre os judeus."

A segunda guerra mundial bate a porta

Em outubro de 1938 a Alemanha nazista ocupou a região dos Sudetos, uma parte do território da Tchecoslováquia com grande número de habitantes oriundos da Alemanha. O partido Agrário acabou se aliando aos alemães, o que fez com que Tiso fosse nomeado o líder do governo eslovaco na região ocupada pelas tropas nazistas.


Como parte de seu objetivo de desmantelar o Estado checoslovaco restante, representantes alemães em fevereiro de 1939 tentaram convencer Tiso a declarar a República Eslovaca totalmente independente. Durante fevereiro 1939 Tiso começou secretamente reuniões diretas com o representante austríaco Arthur Seyss-Inquart , em que Tiso inicialmente expressou dúvidas quanto a saber se uma Eslováquia independente seria uma entidade viável.

Inicialmente o sentimento nacionalista de Tiso o manteve um tanto inseguro em relação a aliança com a Alemanha, pois ele sentia como se estivesse vendendo seu país aos nazistas. No entanto Hitler convidou Tiso para que o mesmo fosse a Berlim para uma reunião. Hitler então ofereceu assistência e suporte financeiro para a nação eslovaca. O líder alemão alertou Tiso que se ele a Eslováquia não declarasse imediatamente sua independência “sob a proteção alemã”, a Hungria estaria disposta a anexar ao seu território as áreas pertencentes a Eslováquia. O governo da Hungria era aliado de Hitler, e já havia solicitado ao líder nazista a sua “benção” para anexar os territórios da Eslováquia, porém Hilter temia que com isso a Hungria se tornasse um aliado “grande demais”, e quando os aliados são muito “grandes”, as vezes, é preciso dar a eles regalias demais para que a aliança continue. Hitler não querendo simplesmente dizer não aos húngaros, convocou Tiso. Essa seria uma jogada política do líder alemão, que afirmou aos húngaros que precisava de Tiso para manter a ordem no território eslovaco.


O plano de Hitler deu certo, assim ele e Tiso assinaram um acordo em Berlim (sem o consentimento da Assembleia Eslovaca). Tiso posteriormente apresentou na Assembleia Eslovaca o processo de independência como um fato consumado, que, por iniciativa do presidente nacionalista da assembleia, Martin Sokol, subscreveu uma declaração de independência. Em 15 de março, após forçar Hacha em pedindo proteção Alemã, a Alemanha ocupou as terras tchecas.


Eslováquia tornou-se a República Eslovaca, um estado nominalmente independente, mas na verdade um estado fantoche da Alemanha nazista. Tiso foi inicialmente o primeiro-ministro a partir de 14 de marco de 1939 até 26 de outubro de 1939. Em 1 de outubro de 1939 tornou-se presidente Tiso oficial do Partido do Povo da Eslováquia. Em 26 de outubro, ele se tornou Presidente da Eslováquia e nomeou o advogado Vojtech Tuka como primeiro-ministro. Depois de 1942, Tiso também foi denominado Vodca ("Líder"), uma imitação na língua nacional do Führer.

Vojtech Tuka

A extradição dos judeus

Em uma conferência realizada em Salzburgo, na Áustria, em 28 de julho de 1940, foi alcançado um acordo para estabelecer um regime Nacional Socialista na Eslováquia. Participara da conferência nomes como: Tuka, Hitler, Tiso, Joachim von Ribbentrop, Alexander Mach (chefe da Guarda Hlinka) e Franz Karmasin, chefe da minoria alemã local. Como resultado da conferência, duas agências estatais foram criadas para lidar com "assuntos judaicos". A "Cúpula Salzburg" resultou em uma colaboração mais estreita com a Alemanha. Tuka e outros líderes políticos aumentaram os seus poderes, em troca do da manutenção do conceito original de Tiso: um estado corporativo Católico. O acordo previa duplo comando pelo Partido Popular Eslovaco e da Guarda Hlinka (HSLS), e também uma aceleração nas políticas antissemitas da Eslováquia.

O governo alemão nomeou Manfred von Killinger como representante alemão na Eslováquia. Tiso aceitou essas mudanças em conversa posterior com Hitler. O diretor da SS Dieter Wisliceny foi despachado para a Eslováquia a atuar como um "conselheiro" sobre questões judaicas. O partido sob liderança de Tiso e Tuka alinhou-se com a política nazista com e anexou o antissemitismo a legislação da Eslováquia. O ato principal foi o Código judaico, sob o qual os judeus na Eslováquia não poderiam possuir quaisquer bens imóveis ou bens de luxo, os judeus foram impedidos de ocupar cargos públicos, eles não poderiam participar em eventos desportivos e culturais, foram excluídos das escolas secundárias e universidades e eram obrigados a usar a estrela de David em público.

Joachim von Ribbentrop
Algumas fontes afirmam que Tiso mesmo tinha uma postura antissemita como característica pessoa. Mas existem opiniões divergentes por parte de políticos modernos sobre seu papel nas deportações de judeus da Eslováquia.


É claro que ele acolheu e incentivou essas ações antissemitas. Em 1942, ele fez um discurso em Holíč no qual ele justifica deportações de judeus eslovacos. Hitler comentou mais tarde a alguns conselheiros seus o seguinte: "É interessante como este pequeno padre católico Tiso está enviando-nos os judeus!".


Em fevereiro de 1942, o regime concordava em iniciar as deportações de judeus e a Eslováquia tornou-se o primeiro aliado nazista a concordar com as deportações. Os nazistas tinham solicitado o envio de 20.000 jovens judeus saudáveis. Tiso esperava que o cumprimento dessa solicitação iria ajudar no retorno de 120.000 trabalhadores eslovacos que estavam na Alemanha.

"Até o final de junho de 1942, cerca de 52.000 judeus eslovacos haviam sido deportados, principalmente para Auschwitz, onde encontravam a morte. Em seguida, no entanto, as deportações desaceleraram para uma paralisação. A intervenção do Vaticano, seguido pelo suborno de funcionários eslovacos por iniciativa de um grupo de judeus locais ["Grupo de Trabalho"] acabou por desempenhar um papel ... Isso subornar os eslovacos contribuiu para um impasse nas deportações durante dois anos... ". (Friedländer, S. "A Alemanha nazista e os judeus 1933-1945". Harper Perennial, 2009. p. 306.)

O conhecimento das condições em Auschwitz começou a se espalhar. Mazower escreveu: "Quando o Vaticano protestou, o governo respondeu com desafio: 'Não há intervenção estrangeira que iria parar-nos no caminho para a libertação da Eslováquia a partir de judeus", insistiu o presidente Tiso."

Quando o Vaticano fez a primeira reclamação contra Eslováquia por conta das extradições, Tiso respondeu: “Não há intervenção estrangeira que iria parar-nos no caminho para a libertação da Eslováquia a partir de judeus.” Ficou claro aqui que, uma das condições impostas por Hitler para apoiar a “independência eslovaca”, era a participação do novo país na política de extradição de judeus.

Relatos de espancamentos por parte dos guardas Hlinka, na estação Distressing, onde os judeus eram enviados para a Alemanha, acabaram estimulando protestos na comunidade, inclusive de líderes clérigos como o Bispo Pavol Jantausch. O Vaticano chamou o embaixador eslovaco duas vezes para saber o que estava acontecendo na Eslováquia. Estas intervenções de membros do vaticano teriam levado Tiso a reconsiderar a participação da Eslováquia no programa nazista.

Giuseppe Burzio, um diplomata do vaticano, teria relatado a Tiso que os alemães estavam assassinando os judeus deportados. Inicialmente Tiso hesitou, mas depois ele acabou se recusando a enviar a Alemanha os 24000 judeus restantes. O descontentamento do povo eslovaco contra o governo ao tomar conhecimento do que de fato estava acontecendo e as pressões da Igreja acabaram determinando o fim da política de deportação.

Porém em 1943, rumores de novas deportações passaram a acontecer. Burzio e Angelo Roncalli (mais tarde, o Papa João XXIII), alertaram o vaticano a respeito de novas deportações e as pressões contra o governo voltaram a acontecer. Em 5 de maio o vaticano enviou ao episcopado eslovaco uma carta em que condenava o totalitarismo e o antissemitismo, e em 8 de maio de 1943 o governo foi obrigado a recuar novamente por conta de protestos públicos.

Papa João XXIII
Em agosto de 1944, iniciou-se a Revolta Nacional Eslovaca contra o regime Tiso. As tropas alemãs foram enviadas para sufocar a rebelião. Burzio implorou diretamente a Tiso a liberdade de judeus e de católicos presos durante as manifestações. Burzio afirmou que “a injustiça causada pelo seu governo é prejudicial para o prestígio de seu país e os inimigos vão explorá-lo para desacreditar o clero e da Igreja em todo o mundo”. Tiso ordenou a deportação dos judeus remanescentes no país. Estes foram enviados para os campos de concentração - a maioria para Auschwitz. Com a ocupação da Eslováquia pela Alemanha após a revolta, Tiso teve seus poderes diminuídos, e o processo de independência da Eslováquia foi anulado. Durante a ocupação da Alemanha, de 1944 a 1945, mais de 13500 judeus foram deportados. Cerca de outros 5000 foram presos, sendo que muitos deles acabaram mortos na própria Eslováquia, em Kremnicka e Nemecká.


Julgamento e morte de Tiso

Tiso perdeu todos os restos de energia quando o exército soviético conquistou as últimas partes da Eslováquia ocidental em abril de 1945. Ele fugiu primeiro para a Áustria, em seguida, para um mosteiro capuchinho em Altötting, Bavaria. Em junho de 1945 ele foi capturado pelos americanos e extraditado para a Tchecoslováquia em outubro de 1945, para ser julgado. Em 15 de abril de 1947, o Tribunal Nacional da Tchecoslováquia (Národný Sul) considerou-o culpado de muitas (mas não todas) das alegações contra ele, e condenou-o à morte por "estado de traição, traição da insurreição nacional eslovaca e colaboração com o nazismo".

Eles concluíram que o governo de Tiso tinha sido responsável pelo rompimento da República da Tchecoslováquia e que "Tiso foi um iniciador, e, quando não um iniciador, em seguida, um incitador da solução mais radical da questão judaica". Tiso apelou ao presidente tcheco Edvard Benes e espera de um indulto; o promotor havia recomendado clemência. No entanto nenhum adiamento foi próximo.

Vestindo seu traje clerical, Tiso foi enforcado (em uma execução que foi inicialmente mal feita, de modo que morreu lentamente por asfixia, não instantaneamente por conta do pescoço quebrado) em Bratislava, em 18 de abril de 1947. O governo da Tchecoslováquia sepultou-o secretamente para evitar que seu túmulo se tornasse um santuário, embora seguidores de Tiso erroneamente identificaram uma sepultura recente como sendo sua, e lá criaram um memorial.


Discussões a respeito do papel de Jozef Tiso

Sob o regime comunista, Tiso foi classificado como um "fascista clerical". Com a queda do comunismo em 1989, e a subsequente independência da Eslováquia, um acalorado debate começou novamente em torno de seu papel. James Mace Ward escreve: "Na pior das hipóteses, [o debate] foi o combustível para uma tentativa ultranacionalista reconstruir a sociedade eslovaca, ajudando a desestabilizar Checoslováquia Na melhor das hipóteses, o debate inspirou uma reavaliação cuidadosa de Tiso e incentivou os eslovacos a lidar com o legado de colaboração".

Há duas escolas de pensamento sobre a vida de Jozef Tiso. A primeira, e de longe a mais difundida, e concorda com o resultado do julgamento, que condenou e executou-o: que Tiso foi cúmplice no genocídio dos judeus na Eslováquia. A segunda escola de pensamento é que o julgamento teria martirizado um dos defensores mais fortes da nação eslovaca e um protetor do segredo dos judeus contra os nazistas. James Mace Ward apresentou provas de que a segunda escola de pensamento não possui mérito. Embora Tiso tenha sido menos radical em seu fascismo do que alguns de seus contemporâneos, ele de todo o coração sancionou a expropriação e expulsão de judeus e tinha pleno conhecimento de que eles estavam sendo enviados para a morte.

Agradecimentos ao leitor Stefano que nos sugeriu esse assunto.


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...


Compartilhe nossas postagens

1 Comentários
Comentários
Um comentário:
  1. Curiosidades: TIso jamais foi excomungado pela igreja. Tiso também perseguiu opositores e ciganos. Ele ajudou Hitler a invadir a Polônia e a URSS.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave