14/10/2015

Documentário afirma que fugitivos famosos de Alcatraz podem ter vindo para o Brasil


Alcatraz é sem dúvida uma das prisões mais emblemáticas do mundo. Por muito tempo a prisão vou retratada como a prova de fuga, e chegou a abrigar criminosos famosos dos EUA, como como Al Capone, Robert Franklin Stroud (o Birdman of Alcatraz), Alvin Karpis e Frank Morris. A prisão foi fechada em 21 de Março de 1963, menos de um ano após a primeira fuga realizada na prisão. O governo alegou que o complexo foi fechado devido ao seu alto custo de manutenção, e ao facto de que não garantia uma total segurança, em relação às prisões mais modernas. Era mais fácil e mais barato construir uma prisão nova do que melhorar as condições de Alcatraz.

Um documentário do History Channel promete contar essa história, e aponta que os fugitivos podem ter se escondido no Brasil, apos a bem sucedida evasão do famoso presídio, conforme os amigos e amigas poderão conferir na matéria abaixo, que nos foi enviada pelo amigo e colaborador Elson Antonio Gomes.

Os irmãos John e Clarence Anglin, ao lado de outro preso, Frank Morris, protagonizaram uma das fugas de prisão mais famosas e elaboradas da história ao escaparem em 1962 do antigo presídio nacional de Alcatraz, que fica numa ilha em meio às águas geladas da baía de São Francisco, na Califórnia (EUA). Eles teriam sido os únicos a sobreviver entre os 36 prisioneiros que tentaram escapar da penitenciária.

A ação, retratada em Fuga de Alcatraz (também chamado de Alcatraz: Fuga Impossível, de 1979), um filme de sucesso estrelado por Clint Eastwood (no papel de Morris), teve um desfecho misterioso. Após meses de planejamento, no qual os três cavaram um buraco na parede de suas celas, produziram bonecos para enganar os guardas e construíram uma jangada improvisada para navegar na baía, eles conseguiram deixar a ilha, mas nunca ficou claro se conseguiram sobreviver à investida nas águas geladas –seus corpos nunca foram encontrados.

Ken e David Wildner, sobrinhos de John e Clarence Anglin, participaram de um documentário do canal norte-americano History sobre a fuga e afirmaram que os dois tios sobreviveram e possivelmente ainda estão vivos, aos 85 e 84 anos, respectivamente, e morando no Brasil.

Uma foto divulgada no documentário mostra dois homens à beira de uma estrada nos anos 1970, supostamente no Brasil. Ela foi examinada por peritos norte-americanos, que fizeram um trabalho de reconhecimento facial e disseram que é muito possível que os homens sejam realmente os fugitivos de Alcatraz.


A imagem foi entregue à família em 1992 por um amigo de infância dos irmãos, Fred Brizzi, que disse tê-los encontrado no Rio de Janeiro em 1975. Brizzi, que traficava drogas da América do Sul para o Estado da Flórida na década de 1970, teria, então, visitado uma fazenda que os irmãos possuíam no Brasil e tirado a foto no local.

No encontro com Brizzi, eles também teriam relatado com detalhes a fuga da baía. A suspeita é que os fugitivos utilizaram um cabo para prender a jangada a uma balsa de passageiros e, assim, se distanciar de Alcatraz. Há suspeita, inclusive, de que Brizzi tenha ajudado os irmãos a fugir, utilizando um barco para rebocá-los.

"Prova mais efetiva"

Art Roderick, ex-investigador norte-americano que ficou responsável pelo caso por 20 anos, se disse impressionado com a imagem. Para ele, essa é a "prova mais efetiva" que os investigadores já receberam.

"Quando você trabalha nesses casos, existe uma sensação no momento em que as coisas começam a se encaixar. Estou tendo essa sensação agora", disse Roderick ao jornal "New York Post".

Roderick conduziu dez novas entrevistas após verificar a foto e agora tenta convencer os investigadores norte-americanos a apurar o suposto paradeiro deles no Brasil. Mesmo que uma extradição não seja possível, caso eles sejam encontrados, Roderick diz que gostaria de conversar com os irmãos e descobrir como eles conseguiram sobreviver à fuga. Se por acaso eles estiverem mortos, os sobrinhos desejam levá-los para o cemitério onde a família está enterrada, na Flórida.

A atitude dos sobrinhos é a primeira colaboração da família com a investigação depois de anos de hostilidade em relação ao FBI, que cercou os Anglin após a fuga.

Além da foto, a família entregou cartões de Natal que John e Clarence assinaram e teriam enviado à mãe durante três anos depois da escapada. As assinaturas foram verificadas e confirmadas por peritos, mas eles não conseguiram checar se a data correspondia ao período pós-fuga de Alcatraz.

Os fugitivos teriam colocado cabeças de manequim, feitas de papel mache e cabelo humano, em seus beliches.
Os familiares também permitiram que os restos mortais de Alfred Anglin, irmão de John e Clarence, fossem desenterrados para cruzar o DNA com uma ossada encontrada na baía de São Francisco em 1963, até então um indício de que os prisioneiros haviam morrido afogados. Os testes apontaram que o DNA não corresponde ao dos irmãos Anglin –a possibilidade de o material ser de Frank Morris, que já não possui familiares vivos, continua existindo.

Clarence, John e Alfred Anglin foram presos após roubarem um banco no Alabama com uma arma de brinquedo. Clarence e John foram transferidos para Alcatraz depois de tentarem fugir de uma penitenciária estadual.


Durante seus 29 anos de funcionamento, Alcatraz teve condenados famosos, como o mafioso Al Capone, e registrou 36 presos que tentaram fugir da cadeia. A aura de "inescapável" foi abalada com a ação de Morris e dos irmãos Anglin, e o presídio foi fechado pelo governo de John F. Kennedy em março de 1963, nove meses depois da fuga do trio. Hoje, a antiga prisão é um dos principais pontos turísticos de São Francisco.


Agradecimentos ao amigo Elson Antonio Gomes pelo envio dessa dica.

Fonte: UOL e Wikipédia

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



1 Comentários
Comentários
Um comentário:
  1. Todos os países do mundo que estão a procura de bandidos e não acham nenhuma pista deles em seus territórios, podem vir procurar no Brasil. Todos vem para cá e alguns ainda com o aval da presidência.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave