16/12/2015

Cinco evidências científicas que dão sentido a episódios da Bíblia


Há pessoas que não acreditam em nada que está escrito na Bíblia, há quem acredite cegamente no que ela diz... Independente de vínculos religiosos, existem algumas evidências históricas e científicas que foram trazidas à tona que por vezes dão embasamento a alguns preceitos do sagrado livro e outras vezes questionando a veracidade das afirmações.

Essa matéria não tem a intenção de confrontar a fé de ninguém, muito menos fazer apologia a alguma religião em especial. Vivemos em um país onde, felizmente, ainda temos liberdade de escolher nossa orientação religiosa.

A seguir poderemos conferir 5 evidências científicas que apoiam alguns eventos descritos na Bíblia. É claro que podem existir outras evidências, ou até mesmo alguns grupos de pesquisadores contestar a veracidade de algumas das afirmações abaixo, mas considerei o assunto interessante, e por isso compartilhei com vocês...

A física da Arca de Noé


Quatro alunos de física da Universidade de Leicester, na Inglaterra, decidiram investigar a possibilidade de a arca de Noé flutuar enquanto carregava um par de cada espécie animal. Para isso, no ano de 2014, os estudantes começaram a analisar de acordo com a física o passo a passo das instruções encontradas na Bíblia.


Primeiramente, o grupo converteu os cúbitos, medida utilizada na Bíblia, em centímetros, determinando que um do primeiro correspondia a 48 do segundo. Seguindo esse raciocínio, a arca teria 145 metros de comprimento, 24 metros de largura e 14 metros de altura.

Noé foi instruído a construir a arca com a “madeira de gofer” cuja densidade é parecida com a do cipreste, que foi utilizada pelos estudantes para realizar os cálculos. Com isso, eles descobriram que a arca vazia teria um peso de 1,2 milhão de quilos. Para flutuar, a densidade da embarcação teria que ser menor do que a da água.

Com base nessas pesquisas, os estudantes concluíram que a arca poderia carregar 51 milhões de quilos, ou seja, segundo estimativas ela poderia ter carregado um casal de cada espécie animal existente na época de Noé.

A pedra de Pôncio Pilatos

Enquanto escavavam, em 1961, um teatro construído por Herodes, o Grandes, em Cesareia, em Israel, uma equipe de arqueólogos descobriu uma pedra. Ela possuía uma inscrição na lateral com os dizeres: “Pôncio Pilatos, prefeito da Judeia, a dedica”. Essa foi a primeira evidência física da existência do personagem bíblico.

Pedra de Pilatos atualmente localizada no museu de Israel

O Reservatório de Siloé

No livro de João na Bíblia, após curar um cego de nascença, Jesus lava os olhos deste com as águas do Reservatório de Siloé. A comunidade acadêmica acreditava que João não estava fazendo uma referência a um local de verdade, e sim usando um conceito religioso para ilustrar a passagem. No entanto, em 2005, um grupo de encanadores encontrou a reserva de água na Cidade Velha de Jerusalém. “Encontramos o Reservatório de Siloé exatamente onde João disse que ele estava”, afirma James Charlesworth, especialista no Novo Testamento.

A parede do rei Salomão

Segundo o primeiro livro dos reis, no Antigo Testamento, há o relato de que o rei Salomão ordenou a construção de uma muralha em Jerusalém. Em 2010, uma parte da construção foi encontrada durante uma escavação conduzida pela Universidade Hebraica de Jerusalém. A muralha possuía 70 metros de comprimento e 6 metros de altura e, além dela, foram escavadas uma guarita de segurança e uma torre.

Cidadela da Primavera

Após 20 anos escavando a Cidade de Davi, principal sítio arqueológico de Jerusalém, foi descoberta a fortaleza “Cidadela da Primavera”. “A cidadela foi construída para salvar e proteger a água da Fonte do Giom dos inimigos que queriam conquistar as cidades, bem como proteger as pessoas que queriam beber água e voltar para a cidade”, afirma Oriya Dasberg, diretor de desenvolvimento da Cidade de Davi.

Os arqueólogos acreditam que essa é a mesma estrutura conquistada pelo rei Davi em passagem de Samuel e o mesmo local onde Salomão foi ungido rei.

Considerações finais

O fato de existirem tais evidências não comprovam que aqueles relatos escritos na bíblia aconteceram tal como estão escritos lá, mas dão mais alguns argumentos a eterna discussão a respeito de um dos livros mais importantes do mundo. Algumas pessoas afirmam que a bíblia seja apenas um livro de fábulas inspiradas em alguns eventos reais, outras pessoas usam ele como o livro da lei de Deus. Mas é inegável a importância da bíblia na cultura ocidental.

No caso do estudo realizado pelos ingleses a respeito da Arca de Noé, ainda podem haver contestações, mas esse estudo pode dar um novo ânimo para os defensores da existência da arca - muitos afirmam que os restos da arca estariam no monte Ararat, na Turquia.


Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA





9 Comentários
Comentários
9 comentários:
  1. Tem um estudo que foi mostrado no History Channel de que além da Arca de Noé poder carregar os animais, ela também navegava perfeitamente.
    E já disse aqui em outra postagem e repito: procurem na internet sobre arqueologia bíblica que aparecerá vários fatos descobertos que comprovam o que está escrito na Bíblia. E disse "fatos" e não "teoria", como um vídeo que comprova a travessia do Mar Vermelho por Moisés.

    ResponderExcluir
  2. Legal. No ano três mil vão comnprovar que o Home-Aranha existiu quando acharem as ruínas de Nova York.

    Isso não prova nada, só que usaram dados da época para montar uma fábula

    ResponderExcluir
  3. Eles provaram que poderiam construir a arca hoje, mas, construir é uma coisa, a parte do folclore subsequente é outra.
    Edson, existem muita falsificação que eles implatam covardemente para tentar promover a religião, colocam nome de coisas bíblicas em qualquer achado e com isso tentam provar forçadamente a bíblia.
    Quantas arcas de noé já não acharam?
    Quantas sodoma e gomorra?
    E não confunda a palavra "teoria" usada comumente com "teoria cientifica", são completamente diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Master Leodin, não sou uma pessoa que frequenta religião, porém numa época da minha vida fui em varias para poder ver como eram as coisas e não escutar ou ler coisas que pessoas que nunca foram diziam. O que vc diz sobre falsificações para promover religiões realmente te dou toda razão, até pq é o que mais a Igreja Católica faz e para mim a maior falsificação é o Santo Sudário. Porém a arqueologia é uma ciência e ela vem descobrindo coisas que não sei explicar, mas tenho minha teoria, de pq não são divulgadas abertamente. E teoria é teoria. Isto é gramatica. O significado da palavra não muda. Porém se eu respeito a opinião do Homem-Aranha mais acima, pq não respeitarei a sua que é inteligente.

      Excluir

    2. Meu URI,
      leia isso:

      http://hypescience.com/o-que-e-uma-teoria-cientifica/

      Falsificações acontecem demais na evangélica tambem.
      Arqueologia é uma ciência, arqueologia biblica é uma pseudo ciência.
      Você sabia que muitos que fazem essa pseudo ciência acabam virando ateus ou agnósticos por nunca acharem nada de concreto e vêem muitos colegas partirem para a falsificação?

      Excluir
    3. To aqui imaginando um casal de tamanduás bandeira sendo carregado nas costas de um casal de jacarés do papo amarelo sendo guiados através através do oceano Atlântico por um casal de araras azuis, chegando na África do Sul cruzando o deserto do Saara, escalando o monte Sinai e chegando na Arca de nóe, isso sem falar nos diabos da Tasmânia que foram montados nas cotas dos dragões de Komodo , um casal de coalas na bolsa do casal de cangurus ...Resumindo nem que eu tivesse metade do meu cérebro faltando eu ia acreditar num conto de fadas com o enrendo mais falho que já li na vida ...

      Excluir
  4. Esqueci! O vídeo que cito, é um vídeo feito pelo Ron Wyatt que ele mergulha no local da travessia e mostra varias provas do que ocorreu ali. Infelizmente religiões estão usando este vídeo e acabou tirando o foco cientifico dele. Mas mesmo assim ele é interessante e bem explicativo.

    ResponderExcluir
  5. Então o pensamento é inverso: não é a bíblia que contém fatos que hoje são comprovados, e sim de coisas que aconteceram em um passado, alguém colocou em um livro e criou-se assim a mitologia judaica/cristã. Isso é simples.

    Da mesma maneira que hoje alguém aqui escrever um livro que diz que "um dia, um navio titânico veio a pique pois foi construído sobre a promessa de que nem Pokemons podem afundá-lo. O homem desafiou o ar, e os pokemons derrubaram vários pássaros metálicos para mostrá-los que o controle da natureza os pertence".

    Assim criaremos em um futuro uma nova crença, de coisas que aconteceram em nossa época, mas que no futuro será conhecido por intervenção de novas divindades. E acharão os destroços do navio titânico e carcaças de aeronaves. Logo: a bíblia não prova nada, e sim compilou acontecimentos da época a qual atribuíram a Deus. Um Deus que manda exterminar povos.

    Lógico que Poncio Pilatos existiu. Existem inúmeras moedas com sua efígife. Mas quando partimos para Adão e Eva e dinossauros, aí a coisa complica

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave