25/12/2015

O triângulo do Alasca


Diferentes pontos da Terra parecem sempre ligados a mistérios, desaparecimentos, criaturas, etc. Um desses lugares recebeu o nome de "Triangulo do Alasca". Muitas vezes essas áreas envoltas em mistérios acabam chamadas de Triângulos, talvez uma referência ao mítico triângulo das Bermudas, ou talvez por ser uma forma simples de delimitar áreas de terra, ou seja, basta delimitar uma área usando um triângulo formado por linhas que cruzam três cidades das proximidades do local dito misterioso.

O blog Noite Sinistra já teve e suas páginas várias matérias a respeito de lugares misteriosos que acabam apelidado como triângulo, como por exemplo: Triângulo do DragãoTriângulo BridgewaterO "Triângulo das Bermudas" da Romênia, O Triângulo de AlgomaTriângulo de Molebka - o "Triângulo das Bermudas" Russo. Hoje é a vez de dedicarmos uma matéria especial ao famigerado Triangulo do Alasca, conforme vocês poderão conferir na matéria abaixo.

O misterioso Triângulo do Alasca


Muitos já conhecem ou ouviram falar dos mais famosos destes lugares, como o Triângulo das Bermudas. Entretanto, existem outras dessas zonas anômalas perdidas por todo o mundo, como já foi citado acima. Talvez uma das menos conhecidas destas regiões que aparentam ter "fome de almas", visto o grande número de desaparecimentos misteriosos relatados, é a vasta extensão de terra desértica que se situa no estado mais ao norte do Alasca, EUA: um lugar frio e que tem o hábito de colecionar vítimas.

"Triângulo das Bermudas do Alasca" é conhecido por abranger uma grande parte do estado, que concerne todo o caminho desde a região sudeste perto de Juneau e Yakutat, até todo o caminho para o norte, em direção a cordilheira Barrow, e para Anchorage, no meio do estado. Dentro desta zona estão vastas áreas, grande parte inexplorada, de um imenso deserto branco, que incluem florestas, picos de montanhas escarpadas e desoladas, e a estéril tundra.

A região ostenta um número crescente de vítimas; turistas e moradores locais que se aventuram por suas terras gélidas e simplesmente desaparecem da face da Terra, sem deixar qualquer resquício. Aviões também desapareceram ou inexplicavelmente caíram no local. Diz-se que desde 1988 cerca de 16 mil pessoas desapareceram no chamado "Triângulo do Alasca".

Um dos mais conhecidos casos de desaparecimento no Triângulo do Alasca ocorreu em outubro de 1972, quando um avião Cessna 310 que levava nada menos que dois políticos proeminentes, o líder da maioria na Câmara, Hale Boggs e seu representante, Nick Begich, juntamente com seu assessor Russell Brown, e seu piloto Don Jonz, desapareceu misteriosamente na região, enquanto a caminho de Anchorage. O desaparecimento de tais figuras públicas de prestígio provocou uma intensa busca que durou 39 dias e envolveu mais de 400 aeronaves, incluindo um avançado SR-71 da Força Aérea Americana, e dezenas de barcos, incluindo 12 da Guarda Costeira. Até hoje, o paradeiro do avião e de sua tripulação permanece um mistério e todos foram declarados mortos. O desaparecimento realmente provocou algumas teorias da conspiração, com algumas pessoas alegando que o acidente tinha sido orquestrado, ou pelo menos foi encoberto por J. Edgar Hoover, chefe do FBI na época, devido à uma intensa luta de poder que ele tiveram com Boggs, mas é claro que nenhuma prova sobre esse fato foi encontrado.

O que está acontecendo neste remoto e inexplorada deserto que faz com que tantas pessoas desapareçam sem deixar vestígios? Isso depende a quem você perguntar. A área tem sido associada com espíritos malignos na tradição do povo Tlingit, nativos da região, que associa o local com uma entidade notória, o Kushtaka, um demônio que é conhecido por se parecer com um cruzamento entre o homem e uma lontra, e diz-se ter o poder de atrair pessoas infelizes para sua condenação, em especial aqueles que estão perdidos. Outra teoria é que o Triângulo do Alaska compreende um dos chamados "vórtices", ou áreas geográficas ao redor do planeta postulado pelo pesquisador e criptozoologista americano Ivan T. Sanderson, que alegadamente apresentam uma extrema força eletromagnética, assim, exibindo anomalias como vórtices de energia, também chamados de linhas Ley, que são teorizadas como correntes eletromagnéticas subterrâneas. Naturalmente, o mais famoso desses vórtices é o aclamado Triângulo das Bermudas. De acordo com Sanderson, existem outros lugares com o mesmo do Triângulo das Bermudas, como os confins de Timbuktu, o Vale do Indo, no Paquistão, Volcano Hamakulia no Havaí, o " Mar do Diabo "perto do Japão, o Atlântico Sul, e ambos os pólos norte e sul. Monumentos famosos como o Stonehenge, a Ilha de Páscoa, e as Pirâmides do Egito também podem ter sido construídos em possíveis territórios de vórtices, e de fato, muitos estudiosos acreditam que esses sejam os motivos que levaram os povos antigos a construírem tais monumentos nesses lugares em particular. Esses vórtices de energia são, de acordo com a teoria de sua existência, capazes de criar todos os tipos de fenômenos estranhos. Eles poderiam, por exemplo, afetar os seres humanos de várias formas físicas, mentais e emocionais, como causar visões, demonstrando poderes milagrosos de cura, e gerando picos de criatividade ou epifanias profundas. Esses locais também podem induzir alegadamente desorientação, confusão e alucinações visuais e de áudio, bem como causar uma delicada desequilíbrio elétrico que causa mau funcionamento em equipamentos elétricos. Teorias mais "loucas"sugerem que os tais vórtices são, na verdade, portais para dimensões espirituais, ou são portas de entrada para outros reinos. Todas estas coisas poderia explicar porque as pessoas e veículos, tais como navios ou aviões desaparecem nessas regiões em uma taxa tão surpreendente.


Há algumas coisas interessantes que parecem apoiar a ideia de que o Triângulo do Alasca poderia ser um desses vórtices. O Alasca é coberto com uma grande concentração de anomalias magnéticas, alguns dos quais podem interromper bússolas, a ponto de marcarem 30º errados. Além disso, algumas equipes de busca e salvamento que trabalharam na área relataram ter alucinações auditivas lá, mais comumente descritas como "um som que se assemelha a um enxame de abelhas raivosas", e de sentirem-se desorientados ou sofrerem vertigens. Algumas leituras de áreas no suposto Triângulo do Alasca de fato produziram várias anomalias e picos de atividade eletromagnética incomuns. Isso poderia ter algo a ver com os desaparecimentos? Infelizmente, não está claro se esses vórtices existem verdadeiramente, e a teoria foi atingida por uma boa quantidade de ceticismo, por isso é difícil dizer com certeza.

Segundo as autoridades, os desaparecimentos são causados devido a uma razão completamente diferente. Estatisticamente, o Alasca tem relatórios de pessoas desaparecidas anuais em maior quantidade do que qualquer outro lugar do país; o dobro da média nacional. Ele também tem o maior número de pessoas desaparecidas que nunca foram encontradas. Em 2007, por exemplo, 2.833 pessoas foram dadas como desaparecidas, e quando comparado com a baixa população do estado, cerca de 670 mil na época, chega-se a um resultado que equivale a cerca de 4 em cada 1.000 pessoas; uma quantidade impressionante.

As razões para isso são muitas. O Alasca tem vastas áreas de deserto remoto; mais da metade dos deserto federais, em torno de 57 milhões de hectares para ser mais exata, sem contar as áreas quase completamente intocadas pelo homem. Esta paisagem agreste é cheia de todos os tipos de perigos, incluindo o tempo implacável, terreno perigoso, animais selvagens e perigos geológicos angustiantes, já que o Alasca é residência de cerca de 100 vulcões ativos.

Considerando o elevado montante de deserto, cheio de incontáveis ​​perigos potenciais, e ao fato de que muitos turistas que vêm até a região sem qualquer preparo, não é surpresa que uma boa quantidade de pessoas possa se perder no meio do nada, encontrar algum perigo que os incapacite e/ou os impeça de voltar à civilização ou simplesmente seja morta por animais selvagem. Mas por que os desaparecimentos aparentemente são mais concentrados no Triângulo do Alasca do que em outras partes do estado? Quem sabe, mas é fato que o local engloba grandes áreas de algumas das tais terras mais selvagem e indomáveis no estado. Este deserto também poderia explicar o número de pessoas que nunca são encontradas. Imagine o quão difícil deve ser para as equipes de busca percorrerem essa terra inóspita e fria. O tempo extremo e os invernos imprevisíveis limitam ainda mais o tempo de um salvamento.

Como pode esta majestosa terra de vista pura e beleza natural engolir tão avidamente tanta gente sem deixar vestígios? Se os misteriosos desaparecimentos do Triângulo do Alasca são o resultado de perigos naturais, vórtices de energia ou maus espíritos antigos, ele é certamente alarmante. É provável que nunca cheguemos a uma compreensão completa do mistério que envolve esse lugar belo e assassino, e as únicas pessoas que sabem a resposta para suas perguntas são aquelas que nunca voltaram para contar a história.

Documentário sobre o Assunto

A série "Desaparecidos do Alasca", do History Channel, investiga estranhos desaparecimentos no Alasca, na região conhecida como triângulo do Alasca. Confira abaixo alguns vídeos dessa série.

Episódio 1



Episódio 2



Episódio 3





Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



0 Comentários
Comentários
Nenhum comentário :

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave