18/02/2016

10 civilizações que desapareceram misteriosamente


Hoje volto a falar de uma assunto que muito me agrada: os Mistérios do Passado. Ao longo da nossa história, a maioria das civilizações tiveram uma morte lenta ou foram exterminadas por desastres naturais ou invasões. Mas há algumas sociedades cujo desaparecimento deixam os estudiosos verdadeiramente perplexos.

Confiram uma lista com algumas dessas civilizações e povos que estranhamente desapareceram e que ainda hoje em dia intrigam os estudiosos.

Os olmecas

Dita como uma das primeiras sociedades mesoamericanas, os olmecas habitaram as planícies tropicais do centro-sul do México. Os primeiros sinais dos olmecas são de 1.400 a.C., na cidade de San Lorenzo, sendo a cidade principal, que foi apoiada por dois outros centros, Tenochtitlan e Potrero Nuevo. Os olmecas eram ótimos construtores, sendo que suas cidades continham templos cerimoniais, muitas casas, grandes pirâmides cônicas e monumentos de pedra, incluindo as cabeças colossais, construção mais conhecida deles . A civilização olmeca se baseou fortemente no comércio entre as diferentes regiões olmecas e com outras sociedades mesoamericanas. Os olmecas são considerados um dos povos mais desenvolvidos de sua época e são apontados como a cultura-mãe de muitas outras civilizações mesoamericanas.


Para onde eles foram?

Cerca de 400 a.C., a metade oriental das terras dos olmecas foi despovoada, possivelmente devido as alterações ambientais. Provavelmente eles mudaram após atividade vulcânica na área. Outra teoria popular é que eles foram invadidos, mas ninguém sabe quem foramos invasores. Apenas teorias, nada está comprovado.

Os nabateus

Os nabateus eram uma cultura semita que habitava parte da Jordânia e Canaã, no século VI aC.

Eles são mais conhecidos como os construtores da cidade de Petra, que foi sua capital. Petra é uma cidade impressionante esculpida ao lado de um penhasco. Os nabateus adquiriram sua riqueza por ser um ponto importante em uma complexa rede comercial, através do qual eles negociavam marfim, especiarias, metais preciosos, pedras preciosas, incensos, açúcar e produtos medicinais. Ao contrário de outras sociedades do seu tempo, não havia escravidão e cada membro da sociedade contribuía nas tarefas de trabalho.


Para onde eles foram?

Durante o século IV d.C., os nabateus abandonaram Petra e ninguém sabe o porquê. Evidências arqueológicas provam que seu êxodo foi organizado e sem pressa, o que nos leva a crer que eles não foram expulsos de Petra por outra cultura. A explicação mais provável é que as rotas comerciais, a qual dependiam, foram movidas para o norte, mas não há nada comprovado.

O Império Axumita

O Império axumita começou no primeiro século d.C., no que é hoje a Etiópia e acredita-se ser o lar da famosa rainha de Sabá.

Aksum foi um grande centro comercial com exportações de marfim, recursos agrícolas e ouro. Negociavam no mar vermelho, mediterrâneo e com a Índia. Devido a isso, Aksum era uma sociedade muito rica e foi a primeira cultura Africana a emitir sua própria moeda, o que nos tempos antigos era um sinal de grande importância. Os monumentos mais famosos de Aksum são as estelas, obeliscos gigantes esculpidos que atuaram como lápides de reis e nobres. Aksumites primitivos adoravam vários deuses, mas seu deus principal era chamado Astar. Em 324 dC, o rei Ezana II se converteu ao cristianismo e desde então Aksum era uma cultura zelosamente cristã, e é ainda supostamente a casa da Arca da Aliança.


Para onde eles foram?

Segundo a lenda local, uma rainha judia chamada Yodit derrotou o Império axumita e mandou queimar suas igrejas e livros. No entanto, outros acreditam que a rainha pagã do sul, Bani al-Hamwiyah, levou os axumitas ao declínio. Outras teorias incluem as alterações climáticas, isolamento comercial e queda na agricultura, gerando fome. Teorias...teorias...sem comprovação.

Os micênicos

Crescendo fora da civilização minóica, os Myceanaeans se fundiram em torno de 1600 aC, no sul da Grécia. Sendo distribuídos ao longo de duas ilhas e no sul do continente. Os Myceaneans construíram e invadiram muitas grandes cidades como Micenas, Tirinto, Pilos, Atenas, Tebas, Orchomenus, Iolkos e Cnossos.

Muitos mitos gregos foram "criados" pelos micênicos, incluindo a lenda do Rei Agamenon, que liderou as forças gregas durante a Guerra de Tróia . Os Myceaneans eram uma potência dominante naval e usaram suas proezas navais para o comércio com outras nações, bem como para os esforços militares. Por causa da falta de recursos naturais, os Myceaneans importavam muita matéria prima e transformavam-nas em produtos manufaturados, e, portanto, tornaram-se mestres artesãos, conhecidos em todo o Mar Egeu pelas suas armas e jóias.


Para onde eles foram?

Ninguém sabe ao certo, mas uma teoria é que a agitação entre a classe camponesa e da classe dominante levou ao fim dos Myceaneans. Fatores naturais, como terremotos, também são citados. Mas a teoria mais popular é de que eles foram invadidos por uma civilização do norte como os dórios e jônios (que se instalaram na região após a queda dos Myceaneans) ou os povos do mar (que na época estavam migrando dos Bálcãs ao Oriente Médio ). Nenhuma destas questões explica de onde floreceu a cultura micênica, já que também eram invasores. Nada comprovado e o mistério continua.

O Império Khmer

O Império Khmer floresceu no que hoje é o Camboja, em torno do 9 º século d.C. e se tornou um dos mais poderosos impérios no Sudeste Asiático.

O império é conhecido pela maioria das pessoas como a civilização que construiu Angkor, no Camboja. O Khmer foi uma cultura incrivelmente poderosa e rica. Estavam abertos a sistemas de crenças diversas, incluindo o Hinduísmo, o Budismo Mahayana e Budismo Theravada, que eram as religiões oficiais do império. Seu poder também incluiu o militar, pois eles lutaram muitas guerras contra os anamitas e chams.


Para onde eles foram?

O declínio do Império Khmer pode ser atribuído a combinação de vários fatores. O primeiro é que o império era governado por um rei, mas com a introdução do Budismo Theravada, que ensina a auto iluminação, fez com que o rei esquecesse a população, impactando na quantidade de alimento que deveria ser produzido. Durante o reinado de Jayavarman VII, uma rede de estradas elaboradas foi construída para facilitar o transporte de mercadorias e tropas por todo o Império. Mas alguns estudiosos acreditam que estas estradas trabalharam contra eles, tornando mais fácil para os invasores, como a Ayuthaya, indo direto ao Angkor. Esquecendo o achômetro, ninguém sabe verdadeiramente para onde foram.

A Cultura Cucuteni-Trypillian

Na Roménia são os Cucuteni, na Ucrânia são o Trypillians e na Rússia são os Tripolie: a cultura do neolítico que floresceu entre 5500 aC e 2750 aC.

No seu auge, a sociedade Cucuteni-Trypillian construiu os maiores assentamentos do Neolítico da Europa, com cidades de até 15.000 pessoas. Um dos maiores mistérios desta cultura é que a cada 60 a 80 anos queimavam a aldeia inteira para reconstruí-la em cima da velha. A cultura Cucuteni-Typillian era matriarcal, as mulheres foram as chefes de família e também faziam o trabalho agrícola, cerâmica, têxteis e vestuários. Os homens eram caçadores , fabricantes de ferramentas e foram responsáveis ​​por cuidar de animais domésticos. Sua religião era centrado em torno da Grande Deusa Mãe, que era o símbolo da maternidade e da fertilidade agrícola. Eles também adoravam o touro (fertilidade, força do céu) e uma cobra (eternidade e movimento eterno). Existem algumas teorias que falam sobre a Era astrológica de Touro, que explicaria porque consideravam o Touro como a força do céu e a cobra/serpente era o símbolo dos "deuses", como demonstrei em outras matérias.


Para onde eles foram?

Uma das principais teorias sobre o fim da cultura Cucuteni-Trypillian é a hipótese de Kurgan, que afirma que eles foram conquistados pela cultura Kurgan. No entanto, os pontos de arqueologia mais recentes, demonstram uma mudança climática drástica, que poderia ter levado a uma das piores secas da história da Europa, sendo devastadora para uma cultura que se baseou fortemente na agricultura. Ok, mas isto não responde para onde eles foram.

Cultura Clóvis

Pré-históricos nativos americanos, a cultura Clovis remonta a 10.000 aC. Centrada nas planícies do sul e centro da América do Norte, são arqueologicamente reconhecidos por lanças de sílex lascados, chamados pontos de Clóvis.

Eles usaram lanças para caçar animais grandes como mamutes e bisões e animais pequenos como veados e coelhos. Estudiosos dizem que Clóvis foram os primeiros habitantes humanos do Novo Mundo e são considerados os ancestrais de todos os povos do Norte e culturas indígenas sul-americanas. Existe a crença de que eles cruzaram o estreito de Bering da Sibéria para o Alasca, durante a idade de gelo, e depois seguiram para o sul , onde há climas mais quentes.


Para onde eles foram?

Há várias teorias em torno do desaparecimento da cultura Clovis. A primeira afirma que uma diminuição na megafauna juntamente com menos mobilidade em sua cultura o levaram a se ramificar e formar novos grupos culturais, como a cultura Folsom. Outra teoria é que as espécies de mamute e outras se extinguiram devido ao excesso de caça, deixando Clovis sem uma fonte de alimento viável. A teoria final gira em torno de um cometa que caiu naTerra ao redor da região dos Grandes Lagos e afetou significativamente a cultura Clovis.

Os Minóicos

Nomeados após o lendário rei Minos, os minóicos habitavam o que é hoje Creta entre 3000-1000 a.C.

Na mitologia grega, Minoa era a terra do Minotauro, um mítico meio-homem meio-touro que vivia em um labirinto e matava qualquer um que entrasse nele. Na realidade, os minóicos foram a primeira civilização conhecida da Europa. Hoje tudo o que resta da civilização minóica são seus palácios e os artefatos encontrados dentro. A civilização minóica foi de grande organização social, arte e comércio. Os Minóicos no início falavam uma língua que nós chamamos Linear A, que durante os períodos posteriores foi substituído por Linear B, sendo que ambas foram baseadas em pictogramas. Não há nenhuma evidência de qualquer cultura militar encontrada nos palácios de Minoan e parece que seu poder era puramente econômico.


Para onde eles foram?

Muitos estudiosos acreditam que os minóicos foram aniquilados por uma erupção vulcânica na ilha de Thera (Santorini agora), mas há evidências de que eles sobreviveram. No entanto, a erupção teria matado toda a vida vegetal, assim, gerando fome, e danificando seus navios, levando-os ao declínio econômico. Acredita-se também que durante este tempo eles foram invadidos, possivelmente pelos Myceaneans. Será?

Os Anasazis

Os Anasazis ou Pueblos ancestrais, eram uma cultura nativa americana que surgiu na área de Four Corners, nos Estados Unidos (Novo México, Arizona, Colorado e Utah) por volta de 1200 a.C.

Os Pueblos eram caçadores e coletores que viviam em casas de cova rasa. Mais tarde, eles desenvolveram a horticultura e agricultura: milho, feijão e abóbora. Também é encontrado em sítios arqueológicos dos Anasazis cerâmica, cestos de junco elaborados, sandálias, roupas de peles de coelho, pedras de moagem e arcos e flechas. Os Anasazis esculpiram cidades inteiras em penhascos, feitas de pedra ou lama de adobe, como em Chaco Canyon. Estas cidades eram centro de muitos eventos culturais e cívicos, e foram ligadas umas as outras por centenas de quilômetros de estradas.


Para onde eles foram?

Por volta de 1300 dC, os Pueblos ancestrais abandonaram suas casas espalhadas nos penhasco. Muitos estudiosos acreditam que, depois de uma explosão populacional, métodos agrícolas pobres e uma seca regional trouxeram a fome a esta civilização. Devido a esta falta de alimentos, os Anasazis migraram para ao longo do Rio Grande ou para as mesas Hopi, assim, muitos índios modernos acreditam que são descendentes dos Anasazis. Estudos recentes comprovam que esta mudança do clima não poderia explicar o declínio da Anasazis e sugerem que fatores sociais e políticos, como um conflito, levou a seu fim. Assim vemos que a criatividade não faz parte da história tradicional, pois a maioria das explicações falam a mesma coisa. O mistério persisti.

Tempos atrás eu publiquei aqui no Noite Sinistra uma matéria falando exclusivamente desse impressionante povo perdido da América do Norte (clique AQUI para acessar a matéria). 

A Civilização do Vale Harappan

Está civilização habitou uma área do tamanho da Europa Ocidental, no que é hoje o Paquistão e oeste da Índia, do vale do Indo ou Harappan, floresceu esta civilização em 3300-1300 aC, embora a área já fosse habitada desde 7000 aC.

Apesar de ser uma das maiores civilizações antigas, não se sabe muito sobre os Harappan, principalmente porque a sua linguagem nunca foi decifrada. Sabemos que eles construíram mais de cem cidades e vilas, incluindo as cidades de Harappa e Mohenjo-Daro, cada um dos quais foi construída com um layout organizado, e um sistema de encanamento complexo. Evidências sugerem que Harappan teve um governo unificado e que não existiam classes sociais. Também não há evidência de atividade militar, por isso é provável que eles viviam em paz. Eles eram astrônomos hábeis e foram bem versados ​​na agricultura, cultivo de trigo, cevada, ervilha, melão, gergelim e algodão (tornando-se a primeira civilização a produzir tecido de algodão) e domesticando vários animais como bovinos e elefantes.


Para onde eles foram?

Há várias teorias sobre o que aconteceu com a civilização do Vale do Indo. Algumas pessoas acreditam que eles declinaram por causa de mudanças no seu ambiente, como a diminuição no tamanho do nível dos rios ou as temperaturas mais frias, mais secas, que também são evidentes em todo o Oriente Médio. Outra teoria popular é que os arianos invadiram por volta de 1500 aC. Livros como Mahabharata afirmam que estas cidades já existiam há doze mil anos, tinham carros voadores chamados vimanas e armas de grande tecnologia. Fica evidente que a história tradicional está perdida quanto ao início e o fim desta grande civilização.

Fonte: AbOrigine

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA





1 Comentários
Comentários
Um comentário:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave