17/03/2016

Assassinatos de Villisca



Na noite de 9 de junho e na manhã de 10 de junho de 1912, seis membros da benquista família Moore e dois hóspedes foram golpeados até a morte com um machado, em Iowa. Houve muitos suspeitos, mas o crime ainda não foi resolvido.

O assassinato da família Moore e duas jovens no dia 10 de Junho de 1912, chocou a cidade de Villisca no sudoeste de Iwoa, principalmente por causa da brutalidade do crime, mas também pelo número de mortes. Josias, 43 , Sarah, 39, seus quatro filhos: Herman, 11, Katherine, 10, Boyd, 7, e Paulo, 5, além das irmãs Ina e Lena Stillinger, de 8 e 12 anos, foram mortos a machadadas dentro da residência da família.


O Crime

Depois do culto da igreja presbiteriana, a qual a família era devota, Sarah convidou Ina e Lena Stillinger para passarem a noite na residência. Ambas participaram do Programa de Dia das Crianças, que Sarah Moore coordenara. Depois do culto, que acabou por volta das 21h30, as crianças dirigiram-se de volta para a casa Moore. Esta foi a ultima vez que os Moore e as duas Stillinger foram vistos vivos.

Às 7 da manhã do dia seguinte, Mary Peckham, vizinha dos Moore, ficou preocupada quando percebeu que a família não havia saído de casa para fazer suas tarefas matinais. Ao bater na porta, e não obtendo resposta, Mary chamou Ross Moore, irmão de Josias, que, também não recebendo respostas às batidas e aos chamados, abriu a porta da casa com uma chave reserva que tinha em seu poder. Enquanto Peckham ficava na varanda, Ross Moore adentrou a casa e dirigiu-se ao quarto de hospedes, onde encontrou os corpos desfigurados de Ina e Lena na cama.

O oficial Hank Horton foi chamado por Peckham, e este chegou ao local pouco depois, encontrando toda a família morta. A causa da morte: todos foram brutalmente espancados até a morte por um machado. O machado era pertencente à Josias, e foi encontrado no chão do quarto de hospedes.

Hank Horton
Os legistas da cidade concluíram que os assassinatos ocorreram entre meia-noite e cinco da manhã. O assassino - ou assassinos - começou pelo quarto principal, matando Josias e Sarah Moore. Josias foi, particularmente, mais brutalizado que as outras vítimas, recebendo inúmeras machadadas no rosto, que ficou completamente desfigurado a ponto de seus olhos saltarem das órbitas. Em seguida, o assassino dirigiu-se ao quarto das crianças, espancando-as da mesma maneira que fez com seus pais. Por último, o assassino foi até o quarto de hospedes e repetiu a atrocidade com as irmãs Stillinger.

Quarto de hospedes, local onde foram encontrados os corpos de Ina e Lena
Os investigadores acreditam que todas as vítimas, exceto Lena, estavam dormindo na hora dos assassinatos. Eles também afirmam que Lena tentou revidar o ataque, pois foi encontrada deitada em cruz sobre a cama, com feridas defensivas em ambos os braços. Pra piorar, Lena estava com a camisola empurrada até a cintura e sem roupas de baixo, levando os oficiais a especularem que o assassino molestou-a sexualmente ou tentou fazê-lo.

Investigação e Suspeitos

Com o tempo, muitos possíveis suspeitos surgiram, dentre eles, nomes como o reverendo George Kelly, Frank Jones, William Mansfield, Amoroso Mitchell, Andrew Sawyer e Henry Lee Moore - este último não 
tem parentesco com as vítimas. Entretanto, nenhum deles foi condenado pelo massacre da família Moore em Villisca, e o caso está sem solução até hoje.

Abaixo, conheça alguns destes suspeitos:

Andrew Sawyer

Qualquer sem-teto, pedinte, vagabundo ou desaparecido era considerado também como suspeito nos assassinatos. Um destes suspeitos era um homem chamado Andrew (Andy) Sawyer, embora não houvesse nenhuma evidência real que o ligasse aos crimes.

Nas fotos, os túmulos da famíla Moore, assim como o das meninas Stillinger

De acordo com Thomas Dyer, capataz de uma ponte em construção e motorista de um bate estaca de Burlington-Iowa, Sawyer se aproximou dele e de seus empregados em Creston às 6h00 da manhã dos assassinatos, procurando emprego. Sawyer estava bem barbeado e usava um terno marrom quando chegou. O que chamou atenção de Dyer, foi que seus sapatos estavam cobertos de lama e suas calças molhadas até os joelhos, mas, como ele precisava de mão de obra extra, deu o empregou à Sawyer.

Dyer testemunhou que mais tarde naquela noite, quando a equipe chegou em Fontenelle-Iowa, Sawyer comprou um jornal e saiu sozinho para ler. O jornal trazia na primeira página, notícia dos assassinatos em Villisca e de acordo com Dyer, Sawyer "estava muito interessado nisso." A equipe de Dyer reclamou que Sawyer dormiu de terno e estava ansioso para ficar sozinho. Eles também estavam inquietos sobre o fato de que Sawyer dormiu com seu machado do lado e muitas vezes falava dos assassinatos em Villisca.

Aparentemente, ele havia dito à Dyer que havia estado pessoalmente em Villisca no domingo, e tinha ouvido falar do massacre. Disse que tinha medo de se tornar um suspeito, e que foi por isso que saiu de Villisca. Dyer achou-o suspeito e entregou-o para o xerife de Villisca no dia 18 de junho de 1912.

Antes do delegado chegar, Dyer testemunhou uma crise de loucura de Sawyer, que começou a esfregar a cabeça com as mãos e subitamente levantou-se e gritou para si mesmo: "Vou cortar a droga das suas cabeças!", ao mesmo tempo que fez movimentos notáveis com o machado e começou a bater em pilhas de caixas.

O filho de Dyer (JR) também testemunhou que quando a equipe atravessou Villisca, Sawyer disse que ele mostraria a JR onde e como o homem que matou a família Moore saiu da cidade. Ele disse que o homem que fez o trabalho saltou sobre um aterro que ele apontou cerca de alguns metros de distância e, em seguida, mostrou onde ele cruzou a linha férrea, local esse que havia pegadas no solo encharcado ao norte do aterro. Ele então disse para JR olhar para o outro lado do carro e ele iria mostrar-lhe uma velha árvore, onde ele disse que o assassino entrou no riacho.

De acordo com JR Dyer, ele olhou e viu a tal árvore ao sul da cerca, há quatro quarteirões de distância. Sawyer, no entanto, foi descartado como suspeito no caso, quando se descobriu que ele foi capaz de provar que ele tinha estado em Osceola, Iowa, na noite dos assassinatos. Ele havia sido preso por vadiagem.

Reverendo George Kelly

Rev. Kelly era um ministro viajante que estava na cidade na noite dos assassinatos. Kelly foi dito ser "peculiar", tendo sofrido de algum tipo de colapso mental quando adolescente. Como um adulto, ele foi acusado de "voyeurismo", além de ter pedido à mulheres jovens e meninas para que posassem nuas para ele em várias ocasiões. Em 8 de junho de 1912, ele chegou a Villisca para palestrar no Dia das Crianças na igreja em que a família Moore frequentava. Ele e sua esposa deixaram a cidade às 05h00, 05h30 do dia 10 de junho de 1912 , horas antes dos corpos serem descobertos.


Nas semanas que se seguiram, ele mostrou uma fascinação crescente pelo caso, e escreveu muitas cartas para a polícia, investigadores, e para a família dos falecidos. Isto despertou a suspeita, e um investigador particular escreveu de volta ao Reverendo Kelly pedindo detalhes de como ele sabia tanto sobre os assassinatos. Kelly respondeu com grandes detalhes, alegando ter ouvido sons e alegou até que possivelmente testemunhado os assassinatos. Sua doença mental fez as autoridades questionarem se ele tinha esses detalhes sobre os assassinatos porque ele os cometeu, ou se ele apenas havia imaginado.

Em 1914, dois anos após os assassinatos, ele foi preso por enviar material obsceno por correspondência para uma jovem (ele estava assediando sexualmente essa mulher, que havia se candidatado a um emprego como sua secretária) e foi enviado para o Hospital St. Elizabeth, o hospital psiquiátrico nacional em Washington, DC. Este voltou a levantar a possibilidade nas mentes dos investigadores que Kelly poderia ser o assassino.

Em 1917, ele foi preso pelos assassinatos em Villisca. A polícia obteve uma confissão dele, no entanto, a confissão foi desconsiderada por que foi obtida de maneira questionável depois de muitas horas de interrogatório, e Kelly depois se retratou. Depois de dois julgamentos separados, ele foi absolvido.

Frank Jones

Frank Jones era um residente em Villisca e um senador estadual de Iowa. Josias Moore tinha trabalhado para Frank Jones em sua loja por muitos anos antes de sair para abrir sua própria loja. Diz-se que Moore afundou os negócios de Jones, incluindo uma muito bem sucedida concessionária de carros. Também há rumores de que Moore tinha um caso com a filha adotiva de Jones, embora nenhuma evidência suporta isso.


William Mansfield

Outra teoria é que o senador Jones contratou William "Blackie" Mansfield para assassinar a família Moore. Acredita-se que Mansfield foi um assassino em série, porque ele assassinou sua esposa, seu filho ainda bebê, e sogros com um machado dois anos após os crimes de Villisca; e acredita-se ter cometido assassinatos a machadada na cidade de Paola, e em Kansas City, quatro dias antes dos crimes de Villisca; e cometeu o duplo homicídio de Jennie Peterson e Jennie Miller em Illinois. Os locais destes crimes eram todos acessíveis por trem, e todos os assassinatos foram realizados exatamente da mesma maneira.


No entanto, Mansfield foi libertado depois que um Grande Júri especial em Montgomery, recusou-se a indiciá-lo por causa de seu álibi. Nove meses antes dos assassinatos em Villisca, outro caso semelhante de assassinato a machadadas ocorreu em Colorado Springs, Colorado. Dois casos de homicídio do mesmo modo dos demais aconteceu em Ellsworth e Paola, amboas cidades de Kansas. Todos os casos foram semelhantes o suficiente para que a possibilidade de que todos tivessem sido cometidos pela mesma pessoa era impossível de ignorar. Outros assassinatos mencionados como sendo "ligados" a esses crimes incluem os inúmeros assassinatos não resolvidos de machado ao longo da Ferrovia Sul Pacífico a partir 1911-1912, o bárbaro assassinato sem solução de Nova Orleans, assim como vários outros assassinatos a machadada durante este período de tempo.

Segundo o site " Assassinatos Villisca Axe House", Mansfield também era o principal suspeito do Detetive James Newton Wilkerson, que estendeu a teoria de que ele era um serial killer viciado em cocaína. De acordo com a investigação de Wilkerson, todos os assassinatos foram cometidos exatamente da mesma forma, o que indica que o mesmo homem os cometeu. Wilkerson afirmou que ele poderia provar que Mansfield esteve presente em cada um desses lugares, na noite dos assassinatos.

Wilkerson conseguiu convencer um júri para abrir uma investigação em 1916 e Mansfield foi preso e levado para o Condado de Montgomery a partir de Kansas City. Registros da folha de pagamento, no entanto, colocaram Mansfield em Illinois, no momento dos assassinatos em Villisca. Ele foi libertado por falta de provas e, posteriormente, ganhou uma ação judicial movida contra Wilkerson e foi premiado com $ 2.225. Wilkerson acredita que a pressão de Jones resultou não só na libertação de Mansfield, mas também na subsequente detenção e julgamento do Reverendo Kelly.

No entanto, um senhor "RH Thorpe", proprietário de um restaurante de Shenandoah, identificou Mansfield como o homem que viu na manhã dos assassinatos em Villisca embarcar em um trem em Clarinda. Este homem disse que ele estava em Villisca. Além disso, foi relatado que a "Sra. Vina Tompkins", de Marshalltown, testemunhou que estava a caminho de casa, quando ouviu três homens na mata tramando o assassinato da família Moore pouco tempo antes dos assassinatos.

Henry Lee Moore

Henry Lee Moore, que não tinha parentesco com as vítimas, também era suspeito de ser um serial killer, e que também foi condenado pelo assassinato de sua mãe e avó vários meses após os assassinatos em Villisca, sendo sua arma, um machado. Antes e depois dos assassinatos em Villisca, assassinatos a machadada muito semelhantes mencionados acima foram cometidos, e todos os casos mostram semelhanças marcantes, criando à forte possibilidade de que alguns, ou todos os crimes foram cometidos por um serial killer e, assim como "Blackie" Mansfield, Henry Moore também pode ser considerado um suspeito em alguns desses assassinatos, mas o caso continua em aberto.


Sam Moyer

No inquérito , foi relatado que Sam Moyer (cunhado de Josias), muitas vezes ameaçou matar Josias Moore. No entanto, após uma investigação mais aprofundada, o álibi de Moyer inocentou-o do crime.

Assombrações na antiga casa dos Moore

Essa história não diz respeito apenas aos assassinatos. De acordo com testemunhas, as mortes brutais ocorridas na cada dos Moore, transformaram o lugar em uma casa assombrada.


Após as mortes, a casa passou por 8 proprietários diferentes, - a última aquisição ocorrida em 1994 por Darwin Linne, que restaurou a casa e a abriu como um museu paranormal - todos alegaram presenciar fatos paranormais na casa.

Nos jornais da época, a notícia sobre o assassinato em Villisca estampou as primeiras páginas.

Os relatos de uma das famílias que foram donas da casa é surpreendente. O pai da família disse ter visto a figura de um homem sombrio com um machado ao pé de sua cama. Ele também encontrou seus sapatos cheios de sangue e presenciou portas que abriam e fechavam à noite. Eles foram vistos e ouvidos pelos vizinhos, correrem gritando da casa por volta das 3h00 da manhã uma noite. Há ainda o relato do seu filho, que acordou durante uma noite ao som de crianças chorando em seu quarto. Muitas vezes, ao voltar pra casa, os ex-inquilinos encontravam seus pertences espalhados por toda a casa. Roupas eram literalmente arrancadas dos guarda-roupas e jogadas ao chão. As crianças testemunharam o pai afiando uma faca na cozinha, quando, de repente, virou-se e apunhalou-se com força no polegar. Mais tarde, ele explicou que sentiu como se alguém tivesse segurado em seu pulso. A família partiu de casa naquele dia e não retornou.

A casa foi investigada pela equipe do programa Ghost Adventures. Durante a investigação, fenômenos de voz eletrônica (FVE) foram realizadas, e uma das FVE's aparentemente mostra uma voz masculina dizendo: "Eu matei seis filhos". Outra FVE revelou os nomes de Lena e Paulo, duas das crianças assassinadas. Quando perguntado sobre quem matou as oito pessoas, uma gravação revelou o nome, "Andy", que era um dos possíveis suspeitos.

Várias investigações paranormais foram realizadas na casa, resultando em muitos FVE's, vídeos e fotografias, levando os investigadores de Ghost Adventures sugerirem que a casa é realmente mal-assombrada.

Equipe do Ghost Adventures em frente à casa
Como dito acima, os últimos proprietários restauraram a casa e abriram-na para visitação. De acordo com o site oficial, tours já foram interrompidos por vozes infantis, luminárias caindo e objetos voadores. Videntes confirmaram a presença de espíritos que habitam a casa e muitos realmente se comunicava com os espíritos.




Vídeos com supostos FVE's e outros registros capturados na casa




Agradecimentos ao amigo Elson Antonio Gomes pelo envio dessa dica.


Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



0 Comentários
Comentários
Nenhum comentário :

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave