03/08/2016

Deep web: O comércio criminoso que prospera nas áreas ocultas da internet

A deep web é capaz de operar longe dos radares das autoridades mundiais
A existência de uma parte da internet operando fora do controle dos gigantes da tecnologia e das autoridades voltou a ser notícia após a polícia de Munique, na Alemanha, revelar que o homem que matou nove pessoas em um shopping da cidade poucos dias atrás comprou uma arma no submundo conhecido como a deep web - a internet secreta.

David Ali Sonboly fez os disparos com uma pistola Glock 17 de 9 mm que já tinha sido usada como adereço no teatro, mas que foi posteriormente restaurada. Mas como ele fez isso usando a internet? E quais outros produtos circulam ilegalmente, fora do radar das autoridades?

Quem acompanha o blog Noite Sinistra já deve ter lido algumas matérias a respeito da Deep Web. Essa não é a primeira vez que um criminoso faz uso de vantagens obtidas na Deep Web para cometer algum ato violento. Basta lembrar o caso de Armin Meiwes, popularmente conhecido como "O canibal de Rotemburg", que encontrou sua vítima, Bernd Jürgen Armando Brandes, em um fórum de canibalismo na Deep Web, matou e comeu a vítima (clique AQUI para conhecer mais a respeito).

Os fóruns da Deep Web são um caso a parte, muitos dos crimes e da "diversão" que acontecem pela internet sombria começam nos fóruns. Esse espaço é amplamente utilizado pelos cibercriminosos como já foi explicado aqui no blog Noite Sinistra em uma matéria especial sobre o assunto (clique AQUI para acessar esse texto).

Mercado oculto


"Pense em um produto ilegal e quase certamente você poderá encontrá-lo à venda na deep web", disse à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Lee Munson, especialista em segurança da empresa Comparitech.com. A deep web concentra todo o conteúdo que circula em redes criptografadas, as darknets, que usam a World Wide Web (internet comum), mas exigem programas especiais ou autorizações de acesso.

"Não são coisas que você vai encontrar ou vai aparecer em uma pesquisa no Google. Elas não são indexadas pelos robôs de busca e precisam de programas específicos, autenticação e até mesmo um convite para o acesso", explica Brian Laing, vice-presidente de produtos da empresa de segurança da informação Lastline.


Um dos programas mais conhecidos é o Tor, que oculta a localização e a atividade de quem usa a rede. E, embora tenha usos legítimos por aqueles que querem ou precisam proteger sua identidade, um estudo apresentado em março pelo King's College, de Londres, revelou que o uso mais comum da deep web é criminoso. No Tor e em outras redes existem mercados equivalentes à Amazon e o eBay. "A manifestação digital do mercado negro está em pleno florescimento", diz Laing.

Para acessar a deep web é necessário ter programas específicos e até ser convidado
O caso mais famoso talvez seja o de Silk Road (clique AQUI e saiba mais a respeito desse site), o primeiro dos modernos mercados negros on-line, que foi fechado em 2013 pelo FBI (Polícia Federal americana). De acordo com reportagens da época, 70% dos mais de 10 mil itens à venda eram de drogas ilegais de vários tipos, mas havia também identidades falsas e produtos eróticos.


O site notavelmente proibia a venda de pornografia infantil ou armas. Mas não eram os únicos nem as suas regras universais. "Há muitos mercados que ainda vendem produtos ilegais. Cada vez que um fecha, dois ou três aparecem no lugar", afirma a jornalista australiana Eileen Ormsby, que detalha o assunto no livro Silk Road.

Mas quais são os produtos mais comuns nesses mercados negros?

Drogas

"Os mais populares são as drogas", diz Orsmy, que passava longas horas navegando na deep web em busca de material para seu livro e ainda tem contatos nesse mundo oculto. "Há todos os tipos imagináveis: de heroína a cocaína, ecstasy, LSD, maconha, metadona, medicamentos e esteroides."

Na deep web são comercializadas drogas, material de pornografia infantil e até anabolizantes
A Pesquisa Global sobre Drogas 2016, lançada em junho, confirmou uma tendência crescente de adquirir substâncias proibidas através da deep web. O estudo constatou que 8% dos entrevistados nunca tinham usado a deep web para procurar por drogas, enquanto 75% disseram que algumas das substâncias que eles experimentaram pela primeira vez foram compradas lá.

Identificações e dinheiro falso

"Esses itens também são populares: informações roubadas de cartão de crédito ou contas do Paypal, tutoriais sobre como roubar etc.", diz Ormsby. "As pessoas também pagam por dados hackeados. Por exemplo, as informações roubadas do site de traições Ashley Madison", que foi centro de um escândalo no ano passado após ter informações de seus cadastrados vazadas.

Usuários da deep web vendem até dados de usuários de site de traição
"É possível obter documentos falsos e dinheiro, mas pode ser difícil encontrar um vendedor legítimo desses produtos", acrescenta. Em março, autoridades de diferentes países europeus realizaram buscas em 69 casas da Bósnia Herzegovina, França, Alemanha, Lituânia, Holanda, Rússia e Suíça, onde encontraram, além de drogas, identidades holandesas e italianas falsas, cartão de crédito e contas bancárias que eram negociadas em sites da deep web.

Ferramentas para hackear

Programas e instruções para invadir computadores também estão entre os itens mais populares, relata Ormsby. De fato, na mesma operação citada, as autoridades encontraram evidências de troca de serviços de hackers e de programas à venda para realizar ataques DDoS (quando um site é inundado de pedidos) e tutoriais para operar sites ilegais de streaming.

Armas

"Certamente, as vendas de armas são anunciadas e parece que algumas pessoas conseguiram obtê-las desta forma, mas muitas vezes são fraudes", conta a jornalista.
Em junho deste ano, um dos argumentos da procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, para defender uma série de ações executivas do presidente Barack Obama para o controle de armas foi o fato de que elas são negociadas na deep web. Lynch disse que as medidas ajudariam a combater a venda ilegal, à medida que essa parte da internet não está acessível para o "consumidor médio".

Especialistas acreditam, no entanto, que - ao menos proporcionalmente falando - o número de armas que trocam de mãos por meio da deep web é muito pequena. O estudo do King's College atribui à compra de armamento apenas 0,8% dos "serviços ocultos" praticados na deep web.

Pornografia infantil

A deep web também é o lugar onde muitos pedófilos compartilham pornografia infantil.

Em 2014, uma investigação da BBC descobriu que dezenas de milhares de pessoas usam a rede secreta para essa finalidade. Uma das páginas envolvidas recebia cerca de 500 visitas por segundo, apontou a pesquisa.
Para abordar esses e outros crimes, o Reino Unido criou uma célula de operações conjuntas que até agora "envolveu mais de 50 sites que tem o abuso sexual de crianças como atrativo, embora seja provável que esse tema represente uma pequena parte do sites que a agência conhece", diz Lee Munson.

O problema a combater

Um dos elementos que permitem o comércio florescer na deep web é o fato de que os produtos que circulam pelo correio em pacotes comuns. "Os envelopes não são distinguidos dos bilhões que circulam ao redor do mundo todos os dias. 

Não importa o que você vê na TV, nenhum país tem os recursos para colocar cães para verificar cada um deles", diz Orsmby. "Os vendedores são muito bons em esconder o que está nos envelopes. Eles chamam isso de discrição e são até avaliados por isso".

Com a ascensão da moeda virtual bitcoin, a deep web encontrou facilidade para fazer transações ilegais
Na outra extremidade do problema está o pagamento.

"Antes, as empresas podiam recusar pagamentos com cartão de crédito de sites suspeitos para dificultar o recolhimento do dinheiro", diz Brian Laing. "Agora, com a proliferação do bitcoin, a deep web tem uma nova moeda incontrolável, eliminando a maneira mais fácil de detectar e impedir as operações."

Em 2014, a DARPA – agência do governo americano que desenvolve tecnologias militares – anunciou uma missão inspirada pela ficção científica: criar um motor de busca que pudesse encontrar coisas na deep web, que rastreadores do Google não conseguem ver.

O projeto Memex já está em andamento e, pela primeira vez, pudemos ver em ação esta ferramenta para combate ao crime. A DARPA demonstrou a tecnologia para a Scientific American e ao programa de TV 60 Minutes, e os recursos parecem alucinantes. O Memex – combinação das palavras “memória” e “índice” em inglês – parece vagamente algo que você veria em Minority Report.

O objetivo do Memex é conseguir também “ler” as páginas da Dark Web, em sites mais ocultos. Estas páginas têm um endereço a terminar em .onion, estão acessíveis apenas pelo browser TOR e só podem ser vistas por quem saiba a sua morada específica. A maior parte destas páginas é considerada um Hidden Service e passa despercebida aos radares da Internet convencional, noticia a Wired.

Quem tiver interesse em saber mais a respeito do Projeto Memex, pode clicar AQUI e acessar a matéria completa a respeito desse assunto que foi publicada em Julho de 2015 aqui no blog Noite Sinistra.

Fonte: BBC Brasil

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



1 Comentários
Comentários
Um comentário:
  1. If you are looking for the best Bitcoin exchange company, then you should go with YoBit.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave