08/08/2017

The Dead Mother, o quadro amaldiçoado de Edvard Munch


Edvard Munch (12/12/1863 - 23/01/1944) foi um importante artista plástico norueguês, sendo considerado por muitos estudiosos das artes plásticas, como um dos artistas que iniciaram o expressionismo na Alemanha.  Munch se tornou um artista famoso por uma tela de aspecto macabro chamada de "O Grito" que vem causando perturbação e questionamento há pouco mais de um século (ele é de 1893).

Mas não é desta obra que falaremos na matéria de hoje, e sim de "The Dead Mother" (A Mãe Morta) uma obra menos conhecida do expressionista e que tem uma história muito estranha ao seu redor, levando muitas pessoas a acreditar que a mesma era amaldiçoada.

Infância sofrida do pintor

A própria história de vida de Munch certamente inspirou o artista em algumas das suas obras, pelo menos nas consideradas mais macabras. Munch foi um sujeito que teve uma vida foi bastante sofrida.


Nascido no interior da Noruega no século XIX, Munch teve uma educação esmerada na mesma proporção que abusiva. Seu pai era um religioso que beirava o fanatismo, sobretudo após a trágica morte de sua esposa e filha, quando Edvard tinha apenas cinco anos. O pai jamais conseguiu aceitar as mortes e chegou a culpar o filho mais novo de ter sido o causador da doença que levou as duas, Edvard teria sido o primeiro a adoecer, mas por milagre conseguiu se recuperar de um grave quadro de tuberculose. Apesar de se recuperar, Munch sempre foi frágil, sofrendo diferentes aflições, algo presente em toda sua família que contava com uma irmã confinada numa instituição para perturbados mentais, um primo hemofílico e outros parentes gravemente doentes.

A dor inspira o artista

Sua preocupação com os aspectos transitórios da vida e o sofrimento se refletem em sua obra marcada por telas carregadas de uma forte energia negativa. Apesar de ter conseguido fama como um dos pioneiros do Expressionismo, muitos consideravam as pinturas de Munch perturbadoras o que atrapalhou sua carreira e fez com que ele atingisse o auge da popularidade apenas após sua morte.

Em 1885 ele iniciou a pintura de um quadro intitulado como: a criança doente. Esta obra inicia uma temática que surgiria como uma linha de força em todo o seu caminho artístico. Fez inúmeras variações sobre este último trabalho, assim como sobre outras obras, e os seus sentimentos sobre a doença e a morte, que tinham marcado a sua infância. Essa obra em particular representaria a morte da irmã Sophie, em 1877, vítima de tuberculose, quando ela tinha apenas 15 anos de idade e ele 14.


Outros quadros obscuros foram pintados pelo artista como: Melancolia (1895) e O Leito da Morte (1895).

O Leito da Morte

O amaldiçoado quadro "The Dead Mother"

"The Dead Mother" parece refletir alguns elementos mais pesarosos e recorrentes da carreira de Munch, a angústia, o desespero e a insanidade, elementos que se cristalizam em uma imagem realmente perturbadora e difícil de ser encarada de modo passivo. Muitos dizem que quando o quadro foi apresentado pela primeira vez causou uma reação tão visceral no público que culminou com desmaios e pessoas chorando copiosamente.

A obra retrata uma jovem menina - supostamente a irmã de Munch, de costas para uma cama na qual descansa o corpo sem vida de uma mulher, sua mãe. A criança tapa os ouvidos com as mãos e apresenta uma expressão que mistura surpresa, descrença e medo. Munch descreveu a obra na época de sua maneira amarga: "Doença, loucura e morte são os anjos negros que assistem minha vida desde o berço".

A pintura já seria suficientemente perturbadora por si só, mas a história se torna ainda mais bizarra.

Pessoas que tiveram a pintura em sua posse, diziam que os olhos da menina eram realistas além da conta. Realistas demais! Eles conseguiam traduzir em imagem toda dor e o colossal sentimento de perda da criança.


Diziam ainda que os lençóis da cama pareciam se mover e que toda pintura emanava uma espécie de miasma reminiscente de um quarto de hospital o que talvez tenha levado as pessoas a acreditar em uma espécie de maldição presa ao quadro, a de que seus donos estavam destinados a sofrer de alguma doença incurável e inevitavelmente mortal.

Existe o boato de que "The Dead Mother" estaria associado a uma maldição que faz proliferar pestilência e morte para quem o contempla demasiadamente.

Pintado em 1899, o quadro também serviu como um mau presságio para as décadas seguintes em que epidemias letais, como a de Gripe Espanhola, varreram o mundo e mataram milhões de pessoas conforme os amigos e amigas podem conferir clicando AQUI.

Fontes: Mundo Tentacular e Portal Médico

Quando amanhecer, você já será um de nós...

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Realmente, não é uma pintura bonita pra se ter em casa....é macabra demais. Serve mais para ficar em museu. Igual aqueles quadros das crianças chorando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato...Eu já acho qualquer tipo de arte meio depressiva, como o caso desse quadro, algo que deve ser evitado, pois pelo menos para mim, obras e artefatos melancólicos incitam em mim melancolia...

      Agradeço a participação...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave