26/06/2013

Pesquisadores afirmam que o manuscrito de Voynich possui uma mensagem genuína


Em uma das mais antigas postagens aqui do Noite Sinistra, falamos sobre o misterioso Manuscrito de Voynich (Clique aqui para recordar). Basicamente esse é um antigo manuscrito codificado, que nunca chegou a ser de fato deduzido, o que levou muitos especialistas a afirmaram que ele seria uma fraude. Porém algumas figuras retratadas no manuscrito de Voynich, mostram plantas e animais desconhecidos na época (cerca de 600 anos atrás), mostrando inclusive o desenho de um dinossauro, sendo que essas criaturas ainda nem haviam sido descobertas até então. Mas pelo visto o assunto continua gerando pesquisas, pois recentemente um grupo de pesquisadores afirmaram que o manuscrito de Voynich possui uma mensagem genuína em suas misteriosas linhas.

Novos capítulos dessa polêmica

O manuscrito foi até mesmo investigado por uma equipe de proeminente ‘quebradores de códigos’ da Segunda Guerra Mundial, os quais já tinham decifrado complexas mensagens enviadas por seus inimigos, mas no caso do manuscrito, fracassaram.

Embora muitos tenham chegado à conclusão de que o manuscrito seja uma fraude, um recente estudo apresentado na publicação Plos One, sugere que o manuscrito possa na verdade ser uma mensagem genuína.

Cientistas dizem ter encontrado padrões linguísticos reais dentro do texto.

O manuscrito, que foi datado do início dos anos 1400, desapareceu dos olhos públicos até 1912, quando um negociante de livros antigos chamado Wilfrid Voynich o adquiriu, bem como outros livros de publicações de segunda mão na Itália.

Marcelo Montemurro, um físico teórico da Universidade de Machester, no Reino Unido, despendeu muitos anos analisando os padrões linguísticos do manuscrito e espera descobrir seu mistério. Ele acredita que sua nova pesquisa está um passo mais próximo de fazê-lo.

Em entrevista com a BBC News ele disse: “O texto é único, não há trabalhos similares e todas as tentativas de decifrar quaisquer possíveis mensagens no texto falharam. Não é fácil descartar o manuscrito como uma simples balbuciação sem sentido, pois ele mostra uma estrutura [linguística] significante.

O Dr. Montemurro e um colega usaram um método estatístico computadorizado para a análise do texto; uma abordagem que tem funcionado com outras linguagens.

Eles focaram nos padrões de como as palavras foram distribuídas, a fim de extraírem palavras que continham sentido.

Existe uma evidência substancial de que palavras que contêm sentido tendem a ocorrer em padrões agrupados, onde são requeridas como parte de uma informação específica que está sendo escrita“, explica Montemurro. “Em longos trechos do texto, as palavras deixam uma assinatura estatística sobre seu uso. Quando o tópico muda, outras palavras são necessárias. As redes semânticas que obtemos claramente mostram que as palavras relacionadas compartilham similaridades nas estruturas. Isto também acontece a certo grau em linguagens reais.

O pesquisador acredita ser improvável que estas características tenham sido simplesmente ‘incorporadas’ no texto para tornar uma farsa mais realística, pois a maior parte do conhecimento acadêmico requerido dessas estruturas não existiam na época que o manuscrito Voynich foi criado.

Embora ele tenha encontrado padrões, o significado das palavras ainda é um mistério. O fato de que por um século brilhantes mentes analisaram o trabalho e não obtiveram sucesso em decifrá-lo faz com que alguns acreditem que a única explicação para isso é que se trate de uma farsa.

Gordon Rugg, um matemático da Universidade de Keele, no Reino Unido, é tal acadêmico. Ele até mesmo produziu seu próprio código complexo deliberadamente similar ao “voynichense”, a fim de mostrar como um texto pode parecer ter padrões significativos, embora se trate de uma farsa.

Ele diz que a nova descoberta não descarta a teoria de que seja uma farsa.

As descobertas não são novidades. Tem sido aceito por décadas que as propriedades estatísticas do voynichense são similares, mas não idênticas às das linguagens reais. Eu não acho que haja muita chance para que o manuscrito de Voynich seja simplesmente uma linguagem não identificada, porque há muitas características em seu texto que são muito diferentes de qualquer coisa encontrada em qualquer linguagem real.

Rugg não acredita que ela contenha um código desconhecido, como propõem outra teoria: “Algumas características do texto do manuscrito, tais como a forma que ele consiste em palavras separadas, são inconsistentes com a maioria dos métodos de codificação de texto. Os códigos modernos quase que invariavelmente evitam ter palavras separadas, pois estas são uma forma fácil de decifrar a maioria dos sistemas de codificação“.

Craig Bauer, autor de Secret History: The Story of Cryptology (História Secreta: A História da Criptologia ), diz que um código poderia “estar escondendo qualquer coisa. Ele poderia solucionar um grande crime, revelar um tesouro escondido que vale milhões ou, no caso do manuscrito de Voynich, reescrever a história da ciência“, diz ele.

A opinião do Dr. Bauer quanto ao manuscrito ser verdadeiro, ou não, muitas vezes oscila, ele admite. Apesar de recentemente ele ter acreditado que o manuscrito era uma farsa, a nova análise fez com que ele mudasse de opinião. Mas apesar disso, ele ainda acredita que seja uma linguagem fabricada e não uma que evoluiu naturalmente, ou ela “teria sido decifrada há anos“.

Porém, eu ainda acho que esta é uma questão aberta e eu posso mudar de ideia algumas vezes antes que uma prova seja obtida de um jeito ou de outro“, diz ele.

Mas o Dr. Montemurro acredita firmemente e argumenta que a hipótese da farsa não pode possivelmente explicar os padrões de semântica que ele descobriu.

Ele está ciente que sua análise deixa muitas questões ainda não respondidas, tais como: o manuscrito é uma versão codificada de uma linguagem conhecida ou uma linguagem totalmente inventada?

Após este estudo, qualquer novo apoio à hipótese da farsa deveria se referir ao surgimento desta estrutura sofisticada explicitamente. Até agora, isto não ocorreu. Deve haver uma história por detrás dele, a qual poderemos nunca saber“, adicionou o Dr. Montemurro.


Fonte: OVNI Hoje.

Quando amanhecer, você já será um de nós...
7 Comentários
Comentários
7 comentários:
  1. Eu estava lendo um post no medo sensitivo sobre akakor... E vi um techo muito intessante...:
    "de acordo com estudiosos da TE, a expectativa de que nós, humanos, tenhamos outro dedo daqui uns 200 mil anos"...
    Então fui pesquisar sobre o mesmo e não encontrei muita coisa.... Queria que você pudesse pesquisar sobre o assunto e postasse aqui...
    Dá pra ser...?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vou procurar...dei uma olhada rápida e não encontrei nada que falava em um dedo a mais, na verdade eu encontrei material falando que devemos perder um dos dedos do pé...mas como eu disse antes, vou continuar procurando!!!!

      Excluir
  2. O ser humano é foda, só porque eles não resolveram o manuscrito já vão dizer que é falso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso quando não acabam "encontrando" uma explicação extremamente fantástica para as coisas...

      Excluir
  3. Respondendo o post acima...Os 5 dedos da mão tem haver com o fato de o homem ser feito de 5 elementos (na Alquimia antiga representavam O Akasha,O Fogo,O Ar,A Agua e A Terra,hoje são conhecidos em liguagem atual como Hidrogênio,Nitrogênio,Oxigênio e Carbono os 4 elementos que constituem nosso DNA o Akasha ainda não tem correspondente no mundo físico).Sobre os 6 dedos se supõem um avanço/evolução na estrutura do homem,alguns Seres em estado de mumificação achados no Egito e Peru com media de 1,30 tinha 6 dedos...por ai já dá pra dizer do que se trata o acrescimo.

    ResponderExcluir
  4. nao sei bem sobre o assunto , mas talvez essa historia de 6 dedos seja uma unica e rara mutação em algumas pessoas , nao necessariamente para todos os humanos.deve ser só mais um doença de genética hereditária . (minha humilde opinião )

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave