18/07/2014

Dia 17 de Julho, o dia amaldiçoado para a aviação mundial


No dia 17 de julho de 2014, mais uma notícia a respeito da queda de um avião chocou o mundo, principalmente pelo número de vítimas, mas também pelas circunstâncias que causaram a queda da aeronave. Mas essa não foi a primeira vez que um acidente aeronáutico aconteceu no décimo sétimo dia do mês de julho. Confira abaixo alguns outros casos de acidentes aéreos que também aconteceram nessa data, que já esta sendo considerada como "O dia maldito da aviação mundial".

A Maldição do dia 17 de julho para a Aviação

17 de julho de 1996 – Voo 800 TWA - O voo 800 da TWA (Trans World Airlines) decolou do aeroporto JFK, em Nova York, Estados Unidos. Em poucos minutos de voo, a aeronave explodiu e matou todas as 230 pessoas a bordo. As investigações apontaram um curto circuito no sistema elétrico do tanque de combustível de uma das asas. Após meses de boatos sobre a explosão do avião no ar.


O presidente do NTSB (Painel Nacional de Segurança nos Transportes), órgão norte-americano responsável pela área, Jim Hall, afirmou na ocasião que o avião não foi alvo de sabotagem. "Se tivéssemos achado indícios disso, teríamos informado imediatamente as autoridades competentes para que as medidas apropriadas fossem tomadas", declarou.

17 de julho de 2000 – Voo 7412 Alliance Air - O voo 7412 da Alliance Air tinha como rota Calcutá-Nova Déli, na Índia, fazendo escalas em Patna e Lucknow. Três pessoas sobreviveram, mas 55 morreram com a explosão da aeronave a 2 quilômetros do aeroporto de Patna.


O avião caiu em cima de duas casas e matou quatro pessoas. De acordo com o banco de dados da Aviation Safety Network, a provável causa do acidente foi um erro humano. O piloto teria perdido o controle da aeronave por não seguir os procedimentos da forma correta.

17 de julho de 2007 - Voo JJ 3054 TAM - Noite de caos em São Paulo. Um Airbus A320 da TAM não conseguiu pousar na pista do aeroporto de Congonhas e matou 199 pessoas. A aeronave atravessou a Avenida Washington Luiz e parou dentro do prédio da TAM do lado contrário do aeroporto de Congonhas. Este é o pior desastre do aviação brasileira.


Na ocasião, uma série de especulações surgiram desde situações inadequadas no aeroporto até imprudência do piloto. No entanto, a investigação da Aeronáutica concluiu que o avião acelerou em vez de frear - um dos reversores (dispositivo que ajuda a frear) estava inoperante. Desde então, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proibiu que aviões com reversores nessa situação pousassem em Congonhas.

17 de julho de 2014 – Voo MH17 Malaysia Airlines - Um avião da Malásia com 298 pessoas a bordo (283 passageiros e 15 da tripulação) caiu próximo ao leste da Ucrânia, na região da fronteira com a Rússia. As causas do acidente estão sendo investigadas e a hipótese de um míssil ter atingido a aeronave não estão descartadas.


O avião comercial era da Malaysia Airlines, mesma companhia da aeronave que desapareceu em março deste ano. O avião voava de Amsterdã para Kuala Lumpur e estava 10 quilômetros acima do solo no momento em que teria sido atingido. A base de dados do Flightradar 24, site especializado em cobertura em tempo real de voos, informa que o avião teria desaparecido após ultrapassar a cidade de Kremenchuk.

O presidente ucraniano Petro Poroshenko declarou "que não exclui" a possibilidade de o avião malaio ter "sido abatido". "Este é o terceiro caso trágico nos últimos dias, após os aviões An-26 e Su-25 das forças armadas ucranianas serem derrubados a partir do território da Rússia", declarou Poroshenko em comunicado.

Fonte: Yahoo

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

2 Comentários
Comentários
2 comentários:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave