01/01/2016

Jeffrey Dahmer: O Canibal de Milwaukee


Visto como bom rapaz, Jeffrey Dahmer era tido pela vizinhança como um jovem trabalhador, educado e recatado, mas, dentro de si, abrigava um monstro cruel. A selvageria com que Dahmer atacou e massacrou suas vítimas assombrou o mundo fazendo dele um dos serial killers mais assustadores da história. Alimentando-se de estupros, assassinatos, necrofilia e canibalismo, o insaciável Dahmer matou, esquartejou, congelou, fritou e devorou seres humanos. No julgamento, seu advogado disse “Dahmer é um trem nos trilhos da loucura”, no que a promotoria refutou: “Ele não era o trem, era o maquinista!”.

Convido aos amigos e amigas a conhecerem um pouco mais sobre esse terrível assassino nessa postagem que me foi gentilmente sugerida pela amiga Thaiane Alves.

O Canibal de Milwaukee

Jeffrey Lionel Dahmer (21 de Maio 1960 – 28 de Novembro de 1994) foi um serial killer americano. Dahmer assassinou 17 homens e garotos entre 1978 e 1991, sendo a maioria dos assassinatos ocorridos entre os anos de 1989 e 1991. Seus crimes eram particularmente hediondos, envolvendo estupro, necrofilia e canibalismo.

Infância do monstro

Dahmer nasceu em Milwaukee, Wisconsin, no dia 21 de maio de 1960, às 15h34m. Filho de Lionel e Joyce Dahmer. Sua família em breve se mudou para Bath, Ohio, onde estudou na Revere High School. Lá Dahmer jogava tênis e tocava clarinete. Dahmer dissecava animais mortos e em sua adolescência e tinha até um cemitério particular nos fundos de sua casa. Era alcoólatra e solitário. Muitos de seus colegas o descreviam como “estranho” e “bizarro” por causa das constantes brincadeiras que cometia. Tudo parte de uma tentativa de Dahmer de se entrosar entre os colegas, algo em vão. Aos 15 anos seus poucos colegas perceberam que Dahmer era alcoólatra. Em entrevista a Philips no ano de sua morte, confirmou que seus desejos e fantasias assassinas começaram nessa época, não por causa do alcoolismo, Jeffrey bebia para poder esquecer o que pensava.

Início dos crimes

Após formar-se no ensino médio, foi abandonado por sua mãe em Bath, Ohio. Foi deixado, então, sem comida, sem dinheiro e com uma geladeira quebrada com apenas 18 anos. Estudou durante três meses na Universidade do Estado de Ohio, mas largou a universidade após 3 meses de bebedeiras. Foi então numa noite de Junho de 1978 que Dahmer cometeu seu primeiro assassinato.

Dahmer levou consensualmente um caronista para sua casa onde conversaram, beberam e, possivelmente, transaram. Dahmer golpeou a cabeça da sua visita quando esta quis ir embora, estrangulando-a depois. “Eu não sabia mais como mantê-lo comigo” — disse Dahmer mais tarde. O corpo do caronista foi desmembrado e enterrado no quintal.

O pai de Dahmer então o fez entrar no Exército, lugar onde ele pode aprender sobre a anatomia humana e se interessar mais á fundo, deveria servir por seis anos mas foi dispensado após dois anos, devido ao seu alcoolismo. Quando o Exército dispensou Dahmer em 1981, deram-lhe uma passagem de avião para qualquer lugar no país. Dahmer revelou mais tarde à polícia que não conseguiria ver seu pai, então foi para Miami Beach, Florida porque estava “cansado do frio”.

Em 1982 Dahmer mudou-se para casa da sua avó, em West Allis, Wisconsin, onde morou durante seis anos. Em Agosto deste ano, foi detido por expor a si mesmo numa feira estatal. Em Setembro de 1986 foi novamente preso por exposição pública (atentado ao pudor), depois de dois rapazes o terem acusado de se masturbar em público. Foi condenado a um ano de prisão, no entanto só cumpriu 10 meses.

No ano de 1987, com 27 anos, Jeffrey Dahmer matou novamente. Não se lembrava de como se deu este homicídio, porque havia bebido demais na noite anterior. Acordou no dia seguinte com o cadáver ao seu lado. Dahmer “levou o corpo para casa, fez sexo com o cadáver, masturbou-se sobre ele e o desmembrou.” De agora em diante, mataria e comeria cada vez mais.

No Verão de 1988 a sua avó pediu-lhe que saísse de casa, devido as suas noitadas, estranha personalidade e os maus cheiros provenientes do porão. Dahmer mudou-se para um apartamento em Milwaukee’s West side.

No dia 25 de Setembro de 1988 foi detido por molestar um rapaz de 13 anos. Psicólogos que o avaliaram recomendaram hospitalização e tratamento, pois era manipulador e evasivo. A própria defesa argumentou que tratamento seria melhor que prisão, mas que Jeffrey Dahmer ainda tinha condições de ficar em liberdade. Dahmer colocou a culpa de seu ato no álcool e disse que foi um momento de ‘idiotice’, pediu perdão e disse que isto não ocorreria novamente. Foi condenado ao regime semiaberto por um ano, devendo ficar 5 anos sob condicional.” Em 10 meses estava solto novamente por bom comportamento e com uma terrível fome.

Pouco depois ele iniciou uma terrível onda de crimes, matando quase uma pessoa por semana. Esse pesadelo só terminaria em 1991.

Ele atraía homens em bares gays para sua casa onde os sedava. Suas vítimas eram abusadas e fotografadas antes e depois dos mórbidos atos de Dahmer. Depois de mortas, tinham o corpo despedaçado e as partes preferidas eram separadas em seu congelador. Dahmer apreciava comida frita.

Nas primeiras horas da manhã do dia 30 de Maio de 1991, Konerak Sinthasomphone (irmão mais novo do rapaz que Dahmer tinha molestado), de 14 anos, foi encontrado na rua nu, sob influência de drogas e sangrando pelo ânus. Os relatórios sobre o estado do rapaz variaram. Dahmer disse à polícia que Sinthasomphone era seu namorado e que eles tiveram um desentendimento enquanto bebiam. Dahmer disse também que era o responsável pelo jovem. Os policiais sentiram um odor estranho em Dahmer, mas não investigou. Os policiais que atenderam ao caso acabaram liberando ambos, e entregando Konerak Sinthasomphone aos cuidados de Dahmer, pois os policiais acreditaram na versão do canibal de que ele era responsável pelo jovem.


Mais tarde foram encontrados corpos, atrás do seu quarto, entre eles o de Sinthasomphone.

Dahmer matou e desmembrou Sinthasomphone, guardando o seu crânio como lembrança. John Balcerzak e Joseph Gabrish, os dois polícias que devolveram Sinthasomphone a Dahmer, foram despedidos, depois das suas ações terem sido bastante publicitadas (incluindo uma cassete em que os polícias faziam depoimentos homofóbicos e piadas sobre como tinham reunido “os amantes”).

No Verão de 1991, Dahmer matava aproximadamente uma pessoa por semana: Matt Turner (30 de Junho), Jeremiah Weinberger (5 de Julho), Oliver Lacy (12 de Julho) e Joseph Brandehoft (18 de Julho).

Captura e julgamento

Em 22 de Julho de 1991 Dahmer atraiu Tracy Edwards a sua casa. Segundo a vítima, ele e Dahmer entraram em luta corporal. Edwards conseguiu escapar e chamou a polícia, conduzindo-a até ao apartamento de Dahmer. Quando percebeu que tinha sido apanhado Dahmer tornou-se violento, mas um policial subjugou-o.

Tracy Edwards
No local foram encontradas várias fotografias de vítimas assassinadas, despojos humanos (incluindo cabeças e pênis), alguns deles guardados no frigorífico. A história da detenção de Dahmer e o inventário ao apartamento 213 ganhou grande notoriedade: vários cadáveres foram encontrados em vasilhas de ácido, várias cabeças foram encontradas no seu frigorífico, e um altar de velas e crânios humanos foi descoberto no seu armário. Dahmer foi acusado de praticar necrofilia, canibalismo e uma forma de trepanação, para criar “zombies”.






Jeffrey Dahmer foi oficialmente acusado de 17 assassinatos, que mais tarde foram reduzidos a 15. As acusações eram tão pesadas, que as autoridades nem o acusaram da tentativa de homicídio de Edwards. O julgamento começou em Janeiro de 1992. Apesar de todas as provas apontarem para si, Dahmer declarou-se inocente e alegou insanidade. O tribunal considerou Dahmer culpado dos 15 homicídios, e condenou-o a 957 anos de prisão. Mais tarde Dahmer exprimiu remorsos e disse que desejou a sua própria morte.

Vítimas de Dahmer


Dahmer cumpriu a pena na Instituição Penal Columbia em Portage, Wisconsin, onde se tornou cristão. Esta conversão ocorreu graças ao material evangélico enviado pelo pai. Roy Ratcliff, um pastor local, concordou em batizá-lo.

Depois de assistir a um culto na capela da prisão, um preso tentou cortar a garganta de Dahmer com uma lâmina de navalha. Dahmer teve apenas feridas superficiais.

Morte do Canibal de Milwaukee

Em 28 de novembro de 1994, Dahmer e outro preso por assassinato, Jesse Anderson, foram atacados de surpresa e espancados até a morte por Christopher Scarver, também preso, diagnosticado como psicótico (afirmava receber visões do além e que uma delas lhe teria ordenado a assassinar Dahmer e Anderson). Dahmer morreu a caminho do hospital devido a vários traumas na cabeça.

O apartamento 213 foi demolido e agora é um lote vazio. Existem planos para transformá-lo num jardim em memória às vítimas.

Em 1994, Lionel Dahmer publicou o livro A Father’s Story e doou o dinheiro aos familiares das vítimas. Lionel mora com a mulher em Medina County, Ohio. Ambos afirmam que continuam a amar Jeffrey apesar dos seus crimes.

Christopher Scarver conta porquê matou o serial killer Jeffrey Dahmer

Christopher Scarver – que fatalmente bateu em Jeffrey Dahmer e Jesse Anderson em 1994 – disse que cresceu a desprezando Dahmer, porque ele moldava membros decepados com a comida da prisão para insultar os outros detentos. “Ele usava pacotes de ketchup como sangue. Foi muito enervante. Ele iria colocá-los em lugares onde as pessoas ficavam”, recordou Christopher em voz baixa, rouca.


“Ele cruzou a linha com algumas pessoas – prisioneiros, o pessoal da prisão. Algumas pessoas que estão na prisão estão arrependidas – mas ele não era um deles “.

Christopher Scarver, que chegou de Wisconsin Columbia Correctional Institution em torno do mesmo tempo que Dahmer em 1992, soube imediatamente que deveria manter uma distância segura do serial killer.

Christopher disse que o louco tinha uma escolta pessoal de pelo menos um guarda em todos os momentos em que ele estava fora de sua cela por causa de seu atrito com outros detentos.

“Eu vi as interações entre [Dahmer] e outros prisioneiros de vez em quando, eram explosivas”, disse Christopher Scarver, acrescentando que ele não pensava muito em Dahmer.

“Não havia nenhuma impressão”, disse ele.

Como um lobo solitário, Christopher Scarver assistia Dahmer de longe no pátio da prisão, mas nunca se aproximou dele, porque ele não queria se tornar um alvo de seu humor doentio. “Eu nunca interagi com ele”, disse ele.

Mas tudo isso mudou na manhã de 28 de novembro de 1994, quando Christopher Scarver distribuía sua justiça vigilante em um ginásio do Portage, Wis., Prisão.

Jeffrey Dahmer, Christopher Scarver e um terceiro detento, Jesse Anderson, foram levados para limpar as casas de banho por oficiais de correção, que os deixaram sem vigilância.

Christopher Scarver, que foi repelido pela luxúria do canibal pela carne juvenil, havia mantido em seu bolso um artigo de jornal detalhando como Dahmer matou, desmembrou – e em alguns casos comeu – 17 homens e meninos 1978-1991. Christopher, em seguida, tinha acabado de recuperar o esfregão e foi encher um balde com água quando alguém cutucou nas costas.

“Eu me virei, e [Dahmer] e Jesse foram tipo rindo baixinho,” Christopher Scarver contou. “Eu olhei para a direita em seus olhos, e eu não poderia dizer que tinha feito isso.”

Em seguida, Christopher Scarver seguiu Dahmer em direção a uma sala/armário de professores, então Christopherer pegou uma barra de metal da sala de musculação e confrontou Dahmer com a notícia que ele estava carregando no bolso.

“Perguntei-lhe se ele foi a causa dessas coisas que eu tinha nojo ferozmente. Ele ficou chocado. Sim, ele era ", disse Christopher Scarver. “Ele começou a olhar para a porta muito rápido. Eu bloqueei ele “, disse Scarver. E comm dois golpes com a barra, Christopher Scarver esmagou o crânio de Dahmer.

“Ele acabou morto. Eu coloquei a cabeça para baixo “, disse ele. Ele, então, casualmente atravessou o ginásio e entrou em um vestiário onde Anderson (o outro preso), estava trabalhando.

“Ele parou por um segundo e olhou em volta. Ele estava olhando para ver se todos os funcionários estavam lá. Não havia ninguém. Praticamente a mesma coisa [aconteceu] – esmaguei a cabeça dele “, disse Christopher Scarver de Anderson, que cumpria uma pena de prisão perpétua por ter matado sua esposa, em 1992.



Scarver acredita que foi por acaso que ele acabou sozinho com Dahmer – uma vez que os funcionários da prisão sabiam que ele odiava o louco e queria vê-lo morto.

“Eles tinham algo a ver com o que aconteceu. Sim “, disse Christopher, observando que os guardas desapareceram pouco antes de ele matar Dahmer com a barra de metal. Mas Christopher Scarver se recusou a explicar por temer pela sua própria segurança.

“Eu preciso de um bom advogado para garantir que não haveria qualquer retaliação por funcionários Wisconsin ou para me tirar de qualquer tipo de posição de retaliação”, disse Christopher.

O departamento de correção de Wisconsin, não retornou as ligações para comentar sobre essas alegações – mas uma investigação após os assassinatos determinaram que ele agiu sozinho.

Christopher Scarver inicialmente alegou insanidade para os assassinatos, mas depois mudou para “no contest” em troca de uma transferência para uma penitenciária federal. Ele foi condenado a duas prisões perpétuas em cima da sentença de prisão perpétua que ele já estava servindo. Christopher Scarver foi preso por matar seu ex-chefe durante um assalto em 1990.

Ele agora passa os dias escrevendo poemas para o seu site. Ele também tem livros de poesia auto-publicados para venda na Amazon.

Agradecimentos a amiga Thaiane Alves pela dica de postagem.


Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



10 Comentários
Comentários
10 comentários:
  1. A história que leio aqui me assusto ainda mais com a capacidade do ser humano de fazer o mal.Que pessoa horrível.Se estivesse vivo ainda deveria ser estudado porque do mesmo jeito que a mente dele agia assim muitos outros monstros também agem e talvez pudesse ser controlado desde pequeno pra não conseguir se tornar um adulto ruim como esse.Ao mesmo tempo que me assusto acho interessante saber como esses monstros agem.Obrigada ao blog por contar essas histórias.

    ResponderExcluir
  2. Esse cara foi quem me fez ficar interessada em serial killers. Fico curiosa de como funciona a mente desse tipo gente funciona... e eu nao sabia que esse tinha sido o motivo pelo qual ele foi morto kkk acho que é a unica coisa que nao sabia da historia dele. Obrigada por publicar minha sugestão.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente ele acabou com muitas vidas e não teve o fim merecido. Morrer é muito fácil, deveria ter vivido e sofrido o que causou a tantas pessoas. Creio que existe um pós morte e espero que ele ainda pague por isso.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente ele acabou com muitas vidas e não teve o fim merecido. Morrer é muito fácil, deveria ter vivido e sofrido o que causou a tantas pessoas. Creio que existe um pós morte e espero que ele ainda pague por isso.

    ResponderExcluir
  5. Meu serial killer favorito, ironico, mas a história mais louca que conheci.
    Ele me entrete até hoje.

    ResponderExcluir
  6. There's a chance you are qualified to get a free $1,000 Amazon Gift Card.

    ResponderExcluir
  7. E tem gente que paga pau pra esse monstro do Jeffrey Dahmer, mundo fudido.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave