02/06/2016

A trágica história da modelo que inspirou famosas estátuas de Nova York


Imagens de Audrey Munson podem ser vistas em vários monumentos de Nova York

As ruas e prédios de Nova York exibem belos monumentos e estátuas, geralmente de figuras femininas. O que poucos sabem é que uma só mulher foi a inspiração e modelo para grande parte dessas obras do início do século 20: Audrey Munson.

Estátuas famosas de locais como a Biblioteca Pública de Nova York, a entrada da Manhattan Bridge e a Columbus Circle foram criadas a partir de sua beleza. No topo do prédio da prefeitura, no sul da ilha, está a maior delas, de mais de 7,6 metros de altura.

A vida da modelo e atriz de cinema mudo virou recentemente um livro, escrito pelo jornalista James Bone. O título da biografia já mostra que sua trajetória não foi nada comum: The Curse of Beauty: The Scandalous and Tragic Live of Audrey Munson, America's First Supermodel ("A Maldição da Beleza: A Vida Escandalosa e Trágica de Audrey Munson, Primeira Supermodelo dos Estados Unidos", em tradução literal).

Munson viveu bastante, até os 104 anos. Mas morreu esquecida em um manicômio da costa leste dos Estados Unidos, onde morou durante mais da metade de sua vida, e seu túmulo nem sequer recebeu uma lápide.

Munson foi modelo para a estátua do topo de prédio da prefeitura de Nova York

Beleza clássica

Nascida no interior do Estado, Audrey Munson chegou a Nova York em 1909, quando tinha apenas 18 anos. O objetivo: ser corista.

"Para sorte dela, Audrey era muito bonita, escultural, tinha 1,77 m de altura, alta para uma mulher da época. Tinha traços quase clássicos, com um nariz longo e reto", contou Bone à BBC.

O jornalista afirma que 1915 foi o ano em que tudo aconteceu para ela: grande parte dos monumentos e estátuas que se vê nos dias de hoje em Nova York foram esculpidos e construídos naquele período.

"Os prédios precisavam de deusas, figuras alegóricas de mulheres."

Modelo era tipo ideal que artistas buscavam para monumentos como o da Columbus Circle
Com seu corpo esbelto e alto, traços delicados e nariz longo, Munson se encaixava perfeitamente no que os artistas procuravam.

Segundo o The Wall Street Journal, ela era chamada à época de "Vênus Americana" - em conversa com o jornal, Bone explicou que a modelo e atriz era considerada parecida com a Vênus de Milo, famosa estátua grega hoje pertencente ao Museu do Louvre, em Paris.

Cinema mudo

Aproveitando sua fama, Munson tentou a sorte em algo então novo: o cinema mudo.

Na maioria dos filmes, a atriz interpretava a modelo para algum artista

Ela estrelou uma série de filmes, na qual sempre interpretava praticamente a mesma personagem: a modelo de um artista.

De acordo com o The Wall Street Journal, esse papel permitia que ela fizesse algo que já sabia - seu talento dramático era considerado "limitado".

James Bone cita um filme em especial: Purity, de 1916.

"Ele foi redescoberto em 1993, quando um francês morreu e um sobrinho descobriu sua coleção do que era considerado pornografia (na época)", explicou o jornalista à BBC.

Segundo o escritor, a pressão do show business começou a influenciar o comportamento de Munson já na época em que essa película foi filmada.

"A partir da segunda metade de 1916 ela começou a ter episódios de doença mental."

Hospital psiquiátrico

A partir de 1916, Munson começou a apresentar sintomas de problemas mentais

A atriz nunca se casou. Depois que sua fama acabou, se mudou com sua mãe para o norte do Estado de Nova York, onde trabalhou até como garçonete.

Munson chegou a tentar se matar bebendo veneno. Ela e a mãe viveram por muitos anos na região, até que, a mãe a internou, aos 40 anos, em um hospital psiquiátrico.

Seu passado era algo que a abalava. "Quando as pessoas perguntavam sobre o passado, ela fechava os olhos e cruzava os braços. Se recusava a falar", contou Bone.

Depois de quase 65 anos internada, Audrey Munson morreu aos 104 anos. Seu corpo foi sepultado em um cemitério de New Haven, em Connecticut - e, como contou Bone, não havia espaço nem sequer para colocar uma lápide no túmulo.

Para o jornalista James Bone, é uma "vergonha" Munson não ter sido homenageada
"A mulher que inspirou tantos monumentos famosos não tem nem uma lápide. É uma grande vergonha que ela não tenha sido homenageada."

Fonte: BBC Brasil

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



1 Comentários
Comentários
Um comentário:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave