16/01/2013

Jogo macabro em Taiwan


Veio ao conhecimento da imprensa um jogo macabro que surgiu em Taichung, Taiwan, onde as pessoas estão fazendo apostas, em hospitais da cidade, sobre quanto tempo de vida resta, ha alguns pacientes com câncer incurável. E não estamos falando de casos isolados de jogadores que se viram moralmente desafiados a fazer algum dinheiro através de qualquer meio possível, esta é uma verdadeira indústria do jogo onde estão envolvidas mais de 30 milhões de dólares.

Assim como os nosso tradicionais jogos do bicho, existe nas ruas de Taichung há mais de 60 anos os chamados "clubes de idosos" que se apresentam como organizações de caridade para pessoas das terceira idade, que nada mais são do que casas de jogos que desafiam os apostadores a fazer suas apostas em qualquer paciente com câncer que acham que tem mais probabilidade de morrer dentro de um mês. O que é ainda mais perturbador sobre esta prática é que os médicos, enfermeiros e até familiares dos próprios doentes terminais também apostam.

Relatos da mídia local, dão conta que os leitos de muitos pacientes terminais nas enfermarias dos hospitais de Taichung são acompanhados de perto, não apenas por seus parentes, mas também por grupos de jogadores verificando os sinais vitais e perguntando sobre o prognóstico médico.

Organizadores de apostas também vagam nos hospitais regularmente, sussurrando para vários clientes que em breve será hora de "pagar a conta" ou "fechar o caso". O jogo doentio é muito simples: os jogadores devem fazer uma aposta de pelo menos 130 reais -as reportagens dizem que alguns apostam até 700 reais- na possível sobrevivência de um paciente com câncer. Se o paciente morrer dentro de um mês, a casa leva o bolo inteiro, mas se ele sobreviver, os prêmios dos apostadores aumentam proporcionalmente a cada dia e semana que a pessoa doente consegue enganar a morte, até seis meses, com um prêmio total de até 3 vezes o valor apostado.

O que há de mais terrível nisso tudo é que os apontadores do jogo pedem permissão da família do paciente com câncer, para colocá-lo em jogo, e prometem 10% do que for coletado se ele não sobreviver por mais um mês. Algumas reportagens dizem que os 10% de taxa são pagos às famílias dos pacientes sem importar se ganham ou perdem, tornando o jogo ainda mais difícil de resistir, especialmente para as famílias pobres que não podem mesmo pagar o custo do enterro. Em alguns casos, as famílias recebem bônus dos organizadores de apostas se instruírem os médicos a suspender tratamentos que prolongam a vida. A polícia de Taiwan está investigando esta tendência de jogo macabro.

Fontes: STOMP, DailyMail e Mdig.

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

7 Comentários
Comentários
7 comentários:
  1. Excellent article. Keep writing such kind of information on your page.
    Im really impressed by it.
    Hi there, You've done a fantastic job. I will definitely digg it and individually recommend to my friends. I'm confident they
    will be benefited from this website.
    My web site ; http://www.gettysocial.com/facebook-fans/

    ResponderExcluir
  2. Do jeito que eu sou "sem noção" eu ia apostar, até contra mim mesma...(caso estivesse em caso terminal). Mas não deixa de ser foda, saber que você já está morrendo e o povo fica "urubuzando" em cima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk Aqui no Brasil vc paga para morrer em Taiwan vc é pago para morre ^~'
      Pelo menos a morte da dinheiro lá!

      Excluir
  3. Oque o povo não faz para ganhar dinheiro neah? Imaginem médicos que também apostam na morte de seus próprios paciente...eles poderiam "manipular o resultado" não acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso me veio a cabeça depois de metade do primeiro paragrafo.

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave