19/08/2014

Touradas, treino de artilharia e forca nas ruas de SP no século 19


Hoje voltamos a contar com a participação do amigo Rusmea, dono do brilhante blog Rusmea.com, na elaboração de uma curiosa postagem. O amigo Rusmea nos enviou o texto que segue abaixo, onde poderemos descobrir algumas das muitas bizarrices que aconteciam pelas ruas da maior cidade brasileira no século 19.

A mega metrópole de São Paulo é uma das maiores cidades do mundo, conhecida pelo seu trânsito caótico e pelas inúmeras opções para diversão, seja a noite ou durante o dia, São Paulo se gaba por ser uma das cidades com mais opções de passeios no mundo. Mas o que fazia o pessoal que morava por aqui no século 19? Grupos de amigos podiam escolher, por exemplo, entre assistir a uma tourada onde hoje fica a praça da República ou a um enforcamento de um condenado à morte na praça da Liberdade.

Para ir a dois, a moda era fazer piquenique na ilha dos Amores, um pedaço de terra incrustado no rio Tamanduateí, no parque Dom Pedro 2º —que, diga-se, ainda era um parque.

Abaixo os amigos e amigas poderão conferir algumas atividades peculiares que podiam ser encontradas nas ruas da metrópole paulista ao longo de cerca de 200 anos atrás.

Enforcamentos em praça pública

No século 19 o local era conhecido como o largo da Forca, no dias atuais praça da Liberdade, região central, onde é feita a feirinha oriental.

Quando vigorava a pena de morte no Brasil, a praça da Liberdade era um dos locais de execução. E tinha outro nome: largo da Forca. Em 20 de setembro de 1821, um desses enforcamentos tornou-se folclórico: o do soldado Francisco Xavier da Chagas, o Chaguinhas.


Condenado à morte por participar de uma rebelião que reivindicava salários atrasados, Chaguinhas se safou na primeira tentativa de execução porque a corda da forca se rompeu. Na sequência, tentaram eliminá-lo com uma tira de couro, que também se partiu.

O público que assistia à execução interpretou as falhas como um sinal divino da inocência do soldado e pediram clemência, mas ele acabou morto na terceira tentativa, a paulada.

Em honra dele, que já era cultuado pela massa, ergueu-se no local uma cruz, a "Santa Cruz dos Enforcados", que daria origem à capela Santa Cruz das Almas dos Enforcados, até hoje no bairro.

Ilha dos Amores

No século 19 rio Tamanduateí, Parque Dom Pedro 2º (ainda era um parque). Hoje rio Tamanduateí, entre a avenida do Estado e o terminal de ônibus, região central.

No trecho que passa por São Paulo, o Tamanduateí é hoje um rio poluído —tem qualidade péssima segundo a Cetesb. Era bem ali que ficava uma ilhota ajardinada onde os paulistanos passeavam nos anos 1870 e 1880.

A ilha dos Amores foi um pedaço de terra que sobrou no meio do rio após sua primeira retificação (alinhamento). Ficava próxima da rua 25 de Março e mantinha um quiosque de comidas e bebidas, um espaço de descanso e uma casa de banhos —muito útil em tempos sem água encanada.

"Digamos que era como um Ibirapuera em termos de lazer", compara o pesquisador Jorge Eduardo Rubies, da Associação Preserva SP. Claro que observadas as devidas proporções: o censo de 1872 registrava pouco mais de 31 mil habitantes em São Paulo.

Mais tarde, a ilha acabou abandonada. As chuvas que a alagavam parcialmente foram parte do motivo. Por fim, não sobreviveu à segunda retificação do Tamanduateí, no início do séc. 20.


Mercados dos caipiras

No século 19 rua de Baixo, nos dias atuais rua 25 de Março, região central.

Para quem acha moderno comprar direto do produtor na feirinha de orgânicos da Água Branca, saiba que os paulistanos já fazem isso há séculos.

Na rua de Baixo —que passou a se chamar rua 25 de março em 1865— foi construído, em 1860, um mercado municipal, conhecido como Mercado Grande ou Mercado Velho. Junto dele havia um outro, informal, o "mercado dos caipiras", onde os produtores vendiam diretamente ao público.


Ambos ficavam bem próximos do rio Tamanduateí, nos tempos em que barcos atracavam por ali. Havia até um porto —a ladeira Porto Geral não foi batizada ao acaso. Algumas décadas depois, o Mercado Grande e sua filial clandestina foram demolidos e substituídos pelo Mercadão, inaugurado em 1933.

Circo, touradas e varíola

No século 19 o local era conhecido pela população local como largo dos Curros, mas atualmente o nome dado é praça da República, região central.

Loucos, doentes, excluídos e animais tinham um lugar em São Paulo: o largo dos Curros (atual praça da República).

Era um campo aberto que, embora hoje faça parte da região central, integrava a periferia paulistana até o século 19 —o centro se restringia à região do Pateo do Collegio, no chamado platô histórico.

Por ser afastado e considerado mal frequentado, o largo dos Curros era uma região desvalorizada. Foi o local escolhido para instalar um hospício e também o Hospital de Variolosos. Concentrava ainda o comércio ambulante, os circos e era utilizado para adestramento de cavalos e para habilitação de cocheiros.

Ali também ficava uma arena para as corridas de touros, realizadas para festas do Espírito Santo e outras comemorações. "Em 1887, após alguns anos de proibição pela Câmara, a volta das corridas foi apresentada pela imprensa como um retrocesso da cidade ao tempo dos divertimentos bárbaros", conta a historiadora Laura Antunes.


A área começou a ser valorizada com a edificação da Escola Normal Caetano de Campos, em 1894.

Rios vermelhos de sangue

Nos séculos 18 e 19 rio Anhangabaú e ribeirão do Itororó. Hoje avenidas 9 de Julho e 23 de Maio, região central.

Quando São Paulo era apenas um povoado, surgiu às margens do rio Anhangabaú, em 1773, um dos primeiros matadouros da cidade, na rua Santo Amaro (também conhecida como rua do Curral e rua do Verde).

Abatidos sobre o chão de terra, os animais mortos tinham seus restos e sangue despejados no rio. Por questões sanitárias, o matadouro foi transferido para a baixada do Humaitá, em 1856, quando os dejetos passaram a ser jogados no rio Itororó, onde fica hoje a avenida 23 de Maio.

Ocorre que o Itororó era um dos formadores do rio Anhangabaú. Portanto, o sangue, os restos de carne e de ossos viajavam até o centro da cidade. Só em 1887 foi inaugurado o matadouro da Vila Mariana (hoje a Cinemateca), com instalações maiores e mais adequadas. O rio Anhangabaú foi canalizado no século 20, assim como o Itororó.


Área de artilharia

No século 19 praças da Artilharia e da Legião. Hoje largo do Arouche, região central.

O marechal José Toledo de Arouche Rendon foi dono de vastas terras no centro de São Paulo, incluindo o largo do Arouche. Entre o final do século 18 e o começo do século 19, a área não passava de uma chácara com plantações de chá e uma sede. Ilustre figura da província, o marechal recebeu a incumbência da Câmara de demarcar e abrir ruas na região no início do século 19.

Foi então que ele decidiu implantar uma área para exercícios militares, nomeadas de praça da Artilharia e praça da Legião, que viriam a se tornar o largo do Arouche.

Em 1811, o marechal enviou à Câmara um ofício justificando a iniciativa: "Por não haver dentro desta cidade nem nos seus subúrbios uma praça em que se possa disciplinar os milicianos por brigadas". A área, que deixou de ser um campo militar no fim do século 19, foi toda loteada e deu origem à Vila Buarque.

Tio do Zé do Caixão foi toureiro em SP

Em 1904, o espanhol José Marins chegou ao Brasil e passou a sustentar a família se apresentando como toureiro em várias cidades paulistas.

Ele criou um misto de tourada com circo, no qual enfrentava as feras vestido de palhaço.

Seus dois filhos, Miguel e Antônio, seguiram seus passos. Enquanto Miguel se dedicava ao trabalho com os touros, Antônio fazia apresentações eventuais. Em algumas delas, levava o filho pequeno, José Mojica Marins, que se tornaria o cineasta Zé do Caixão.

Fonte: Folha de São Paulo

Essa postagem é um oferecimento do Blog Rusmea:



 Rusmea

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Se paulistano se gaba por sua cidade ser uma das com mais opções de passeio do mundo, é pq paulistano nunca saiu de sua cidade.

    ResponderExcluir
  2. Elson Antonio Gomes19 de agosto de 2014 13:01

    Só pq foi o aniversário de 460, pq se fosse o aniversário de 1000, com toda certeza teria 1000 programas para curtir a cidade de S.Paulo. Fora os que estão de rosca em obras.
    http://vejasp.abril.com.br/infograficos/sao-paulo-460-anos

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave