17/07/2013

A vida dura dos albinos tanzanianos


Olá meus queridos amigos e amigas. A postagem abaixo fala de um assunto que é recorrente aqui no blog Noite Sinistra, a vida dura das pessoas albinas na África. Eu já publiquei dois textos, onde eu tratava justamente desse assunto. O primeiro texto era na verdade uma noticia sobre um menino albino que teve a mão amputada na Tanzânia (clique aqui para recordar). O segundo texto abordava as práticas de magia negra no continente Africano que envolvem o uso de membros amputados de pessoas albinas (clique aqui para recordar). Bem, a postagem de hoje trás uma galeria de imagens mostrando esses pobre indivíduos albinos que residem na Tanzânia, e fala um pouco do drama vivido por eles.

A vida é difícil para os albinos em toda a África, mas especialmente na Tanzânia, cuja população tem uma proporção anormalmente elevada de albinos -15 vezes maior que a média mundial-. Na melhor das hipóteses, eles são discriminados pela falta de cor; na pior, são caçados por sua carne, resultado de crenças supersticiosas centenárias.



Os cientistas ainda não foram capazes de explicar claramente por que nessas áreas o percentual de albinos é tão alto. Mas parece haver, pelo menos, um par de razões para este fenômeno. Em primeiro lugar, há o efeito "fundadores". Os cientistas acreditam que a Tanzânia e África Oriental pode ser o berço da mutação genética que cria o albinismo.

Em segundo lugar, os albinos são tratados como párias da sociedade e por causa da discriminação e exclusão social, pessoas com albinismo tendem a se casar com outro, o que aumenta a probabilidade de que os filhos também sejam albinos.


O assassinatos de albinos são relatados em uma dúzia de países africanos, desde a África do Sul até o Quênia, mas eles são piores na Tanzânia do que em qualquer outro lugar. Mais de 100 albinos foram violentamente atacados no país nos últimos anos, 71 morreram e 31 escaparam, embora a maioria tenha sido de uma forma ou outra mutilado. Os ataques são tão descarados que o governo abriu escolas para as crianças albinas para a sua própria proteção.

O elevado número de "consumidores de albinos" no mercado negro parece regulamentado, literalmente! Pelo menos há cinco séculos existe uma crença de que o corpo albino é a cura, e os "caçadores" vendem seus corpos ou partes para feiticeiros ou charlatães pelo equivalente ao que um tanzaniano médio recebe de salário em dois anos.

A demanda por albinos aumentou drasticamente depois da propagação da AIDS na Tanzânia. Há uma crença local de que a ingestão de órgãos genitais secos elimina a doença.


Até recentemente, a caça aos albinos era pouco ou nunca punida: muitos desses coitados eram apenas declarados "desaparecidos" com a conivência da força policial local -há mesmo uma crença comum que os albinos não morrem, eles desaparecem como fantasmas-. Mas a opinião pública ocidental, indignada com as práticas brutais na Tanzânia, forçou as autoridades locais, que ainda relutam em assumir a busca e punição dos canibais.

A maioria dos tanzanianos não entende, por exemplo, que albinos devem proteger sua pele pálida, com mangas compridas, chapéus e protetor solar para evitar o câncer de pele, que mata 98% dos albinos da Tanzânia antes de chegarem aos quarenta anos de idade.

E se já não bastasse serem caçados como bichos, sua pele e olhos são particularmente sensíveis à luz ultravioleta, então é bem comum que quase 60% deles fique sem a visão entre os 16-18 anos, o mesmo percentual tem chance de desenvolver câncer de pele até os 30 anos.

Nas salas de aula, os professores muitas vezes desconhecem que albinos têm problemas de visão que os impede de ler como as outras crianças, os alunos albinos muitas vezes ficam para trás na escola por ignorância do próprio professor.


Menos mal que o Ministério da Educação da Tanzânia providenciou uma introdução ao albinismo para os professores de escolas públicas e professores da faculdade. E no ano passado, a Liga Internacional das Sociedades Dermatológicas começou a oferecer roupas, chapéus e protetor solar para albinos na África Oriental.


Em 2009, a Tanzânia viu o primeiro julgamento dos assassinos de um albino. Três homens pegaram um garoto albino de 14 anos de idade, e esquartejaram em pequenos pedaços para vender como medicamento. O tribunal condenou os criminosos à morte por enforcamento.

A partir disso, os canibais se tornaram mais inventivos: deixaram de cometer assassinatos de albinos e agora "apenas" cortam seus membros. Mesmo que o autor seja capturado, eles serão capazes de evitar a pena de morte e enfrentarão penas de apenas 5-8 anos por lesão corporal grave.

Nos últimos três anos, pelo menos 90 albinos tiveram algum membro amputado e 3 deles morreram em decorrência disso.

Aumentar a qualidade e expectativa de vida desta gente sofrida por meios de medidas se saúde não parece muito difícil: basta um protetor solar e usar óculos de sol. Entretanto o estigma do albinismo deve demorar mais tempo a dissipar.











Fonte: Mdig.

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Que horror,quanta crueldade!! Imaginem como esses albinos devem se sentir, são literalmente presas desses monstros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma situação terrível mesmo...na verdade toda essa onde de ataques que vem acontecendo na África por motivos de magia negra tem sido terrível...o ser humanos é muito pior que os animais em muitos sentidos...

      Grato pela participação...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave