30/08/2013

Creepypasta: Uma Hora


Hoje, inicialmente, estava tudo perfeitamente normal, não havia nada fora do comum. O mesmo velho zumbido da televisão e dos carros durante o dia, os pássaros ocasionalmente faziam-se ouvir no quintal, apenas alto o suficiente para encobrir os sons da cidade que cercam o jardim. No entanto, no decorrer do dia um silêncio contínuo caiu. Mas não é um silêncio normal. Nem qualquer trecho de imaginação. Se não fosse os agora esmagadores bater de teclas do meu teclado, eu acharia que estava literalmente surdo.

Tudo começou por volta do meio-dia de hoje, quando os carros começaram a soar abafados enquanto eles iam passando. Na primeira vez eu pensei neles como sendo apenas possuidores de motores mais silenciosos  que os demais veículos. Eu certamente não sou um gênio quando se trata de carros, então eu não poderia te dizer uma coisa sobre eles, exceto a cor. Eu continuou assistindo na televisão meus programas habituais, até o ponto em que eu desliguei o aparelho como de costume.

Nada.

Todo o som se foi. Era como se quando eu tivesse apertado o botão de ligar/desligar do meu controle remoto ou tivesse acionado o mute para todo o mundo. Sem vento, sem pássaros, sem pessoas, sem carros, nada. Eu não ouço nem o zumbido da minha geladeira, como se o mundo estivesse envolto no silêncio que vem com a noite. Sei, porém, que não era a televisão, embora possa muito bem ter sido. Você vê, através dos meus programas, as coisas tinham gradualmente parado. Primeiro, os carros, então o vento, seguido pelo chilrear dos pássaros cada vez menos audíveis, até que todos os pássaros chegaram a um impasse, então o povo à distância, e os meus eletrônicos, até que finalmente a tela da TV ficou preta, recusando-se a retornar a exibição de imagens.

Eu nunca ouvi um silêncio como este antes. Acho que o que o tornou pior foi que não era apenas uma falta de som, mas a falta de movimento, como se o mundo inteiro tivesse sido colocado em pausa. Encontrando-me no demasiado silêncio, eu queria voltar para o som de novo, e eu estava precisando de alguns mantimentos, então eu peguei minha carteira, meu casaco e sai. Em determinado momento eu tinha alcançado o fim da minha rua, porém, alguma coisa me parou. Como se houvesse uma barreira invisível e inquebrável. Eu simplesmente não conseguia ir mais longe. Eu queria, mas não pude andar para mais longe, e então eu parei, ouvindo nada, absolutamente nada.

Foi em vão. As outras casas da minha rua estavam em silêncio. A título de curiosidade e desespero, até agora eu tinha começado a fazer uma pausa em cada portão durante o meu retorno, para observar se avistava algo ou alguém, derrotado eu seguia olhando pelas janelas para ver se avistava movimento, mas não havia nada, como se todas as casas tivessem sido abandonadas.

Nesse único momento, porém, eu pensei que ambos, minhas orações e meus pesadelos se tornaram realidade, quando me virei e acabei trombando com um estranho.

"Ah, eu sinto muito. Eu não te ouvi " eu disse em uma voz rápida de pânico, recuando para aumentar a distância entre nós. Foi então que me ocorreu que o estranho estava um pouco alto demais, mesmo para os padrões mais esticados. Eu teria que ter 6 metros e meio de altura, para que a minha cabeça apenas chegasse no meio do caminho até seu peito. Você pode imaginar a altura a que me refiro.

Ele não falava. Nem mesmo um suspiro audível. Ele apenas ficou lá, olhando para mim. À primeira vista, além de sua altura, não havia nada de estranho sobre este homem. Nada de estranho em tudo, mas quando você está trancado em silêncio, olhando para um estranho, você tende a perceber apenas a menor das coisas, como o jeito que seus olhos não parecem ter aquela centelha de vida que um ser vivo possui, ou como seu cabelo quase parecia ser feito de minúsculos fios de seda, em vez de realmente ser cabelo, ou como seu terno estava coberto de pequenas manchas de sujeira, manchas secas com um tom mais escuro do que o quase-preto do algodão dos ternos baratos.

Eu poderia jurar que eu estava olhando para este homem durante horas em nosso silêncio e, acredite-me, mas isso não seria possível. Você vê, naquele momento, como eu tinha notado a textura de sua pele parecia mais um couro macio do que a pele real, ele se afastou, nem mesmo lançando outro olhar para mim, andando pela rua, os pés calçados em botas não deixaram nem mesmo o mais fraco dos sons em seu rastro. Olhei para ele até que o sujeito dobrou a esquina da minha rua.

Eu poderia ter gritado. Oh como eu queria gritar. Algo sobre que o homem tinha me deixado com um nó emaranhado em minha garganta, me deixou tremendo, e tão sozinho. Apenas após a sua partida que eu percebi o quão aterrorizado eu tinha ficado. Eu nunca estive tão assustado na minha vida, e eu rezo para que eu nunca fique novamente.

Eu estou escrevendo isso agora para receber uma mensagem. Eu estou esperando que de alguma forma você pode acredite em mim.

Se você alguma vez encontrar-se no mesmo silêncio como eu descrevi, não se mova. Sente-se ali. Fique onde está. Eu não sei o que esse homem fez para mim, mas eu posso sentir isso agora, algo puxando minha mente, isso .. esta horrível ... Como se minha mente está prestes a ser engolida inteira pelos sons que estão voltando agora. Eu ouço o meu relógio tiquetaqueando novamente. Apenas uma hora. A mesma de quando eu olhei pela primeira vez. Apenas uma hora.

Eu os ouço. A brisa ensurdecedora contra o sicômoro no meu quintal, os pássaros ao longe, sussurros de motores de quilômetros de distância. Um por um, eles estão voltando. Eles são tão altos ... Tão alto ...

Eu quero o silêncio.


Traduzido e adaptado de: Creepypasta.com

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
11 Comentários
Comentários
11 comentários:
  1. O texto leve... ah como isso me agrada Nando. Mas então, esta creepypasta ficou como uma incógnita para mim, não entendi muito bem o que houve com o indivíduo no final... Ele podia escutar qualquer coisa? Ele escutava demais? E aquele homem... seria Deus? Vish, que creepy doida, kkk, mas é boa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No início, quando o cara fala que caminhou até encontrar uma espécie de barreira invisível, eu achei que se tratava de um domo...tipo uma cúpula igual o filme dos Simpsons, daí esse evento sobre o gigante me levou a acreditar que seria um et!!!??? E no fim quando o cara volta a escutar, me parece que de fato ele estava preso dentro de uma cúpula...

      Vc tem toda razão de achar essa creepy estranha...e foi justamente por isso que eu postei ela, afinal cada pessoa pode entender essa história de uma maneira diferente...o que geraria uma discussão e teorias interessantes não acha manolo?

      Abraços Leon!!!!

      Excluir
    2. Ah valeu meu caro, agora esclareceu-se tudo, heheheheheheh.

      Abraços

      Excluir
  2. Muito boa essa história e como vc disse ela deixa aberta um espaço para várias interpretações, a meu ver o cara deve ter tido alguma crise epilética ou um leve infarto,pois qdo aconteceu ele estava na frente da tv,teve uma experiência com a morte e deu de cara com a mesma e o seu terror foi imenso ao perceber que não queria morrer,mas que tbm não queria voltar para esse mundo,pois o que viu e sentiu o deixou tão desconcertado e desesperado que ele não tinha mais razões para querer a vida vazia dele e o pior de tudo foi saber que teria que conviver com a vida dele exatamente do jeito que ela sempre foi.
    Teoria maluca a minha mas faz algum sentido,pelo menos pra mim rsrsrsrsr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Marciela vc foi muito mais profunda na sua interpretação (eu fiquei com cara de menino ranhento...rsrsrs)...prevejo que essa assunto vai render...rsrs

      Abraços...

      Excluir
    2. rsrsrsrs Nando já esou imaginando o calibre dessas interpretações todas,só coisa boa^^

      Excluir
  3. A história é ótima. Já pensei, algumas vezes, como seria viver em completo silêncio, o mundo vazio... nada ao redor, só em um lugar sombrio.

    ResponderExcluir
  4. Leilane, onde estás? O texto acima precisa de ti.

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite! Te adicionei como parceiro do "Conteúdo Perverso" Se aceitar a parceria os banners estão aqui --> http://conteudoperverso.blogspot.com.br/p/parceria.html

    ResponderExcluir
  6. Kkkkk ai mds! Por uma parte concordo com a Marciela, por outra acho q esse cara tava sob o efeito de alguma "coisa"..hahah :p

    Bjss

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave