09/08/2013

Elmer McCurdy: A múmia que as pessoas pensavam ser um boneco


Olá amigos e amigas... Hoje dou uma pausa na série de postagens que fala de cruéis assassinos por um ótimo motivo. Acontece que o amigo Silvio, dono do sempre formidável blog O Mundo Real, decidiu participar das comemorações de aniversário do Noite Sinistra (o aniversário será no dia 27 de Agosto, mas durante esse mês serão feitas algumas postagens especiais por conta dessa data), e nos enviou um material muito doido, que acabou virando a postagem abaixo. Nela falaremos da impressionante história de Elmer McCurdy, um homem que depois de morto foi mumificado e vendido como atração de circos e museus espacializados em show de horror, com o passar do anos a sua história acabou se perdendo e as pessoas passaram a vê-lo como um boneco.

A macabra descoberta


Em dezembro do ano de 1976, durante filmagens para o programa de TV "The Six Million Dollar Man", realizados em "The Pike", um membro da equipe técnica queria mover um boneco que estava preso a uma força, ajustando sua posição para a próxima cena, tal fato acabou quebrando o braço (alguns relatos dizem ter sido um dedo) do boneco. Esse evento expôs os ossos e articulações do boneco, o que espantou a equipe de filmagens por conta do realismo e riqueza de detalhes do boneco. Isso acabou motivando uma investigação, que comprovou que o boneco era de fato constituído de restos mumificados de um homem que teria morrido com idade entre 30 e 40 anos.


Posteriormente foi realizada uma autópsia, que acabou por revelar algumas cicatrizes, como um ferimento a bala na garganta. Foram encontradas também, uma moeda de 1924 e alguns bilhetes antigos dentro do cadáver. Essas "descobertas" foram de fundamental importância para a identificação do misterioso boneco. O caso ganhou destaque nos EUA surgindo muitas fotos relacionadas com o cadáver, dessa forma descobriu-se que  corpo mumificado pertenceu a um homem chamado Elmer McCurdy, um bandido de Oklahoma.



A morte de Elmer McCurdy

Elmer nasceu em Janeiro de 1880 e faleceu no dia 07 de Outubro de 1911. Elmer McCurdy foi um bandido em Oklahoma. Ele tinha um longo histórico de crimes cometidos, principalmente assaltos a trens.

Após cometer o seu último assalto a trem, Elmer McCurdy se refugiou por dois dias na fazenda de Dave Sears. No dia 6 de outubro de 1911, Sears tomou conhecimento que o xerife Harve Freas estava no encalço de McCurdy, o que forçou Sears a levar McCurdy  em estado de embriagues, para o rancho de Charlie Revard. Ao retornar para sua fazenda Sears encontrou o xerife Freas acompanhado de Robert e Stringer Fenton, esses interrogaram Sears a respeito do paradeiro de McCurdy. Com medo de ser considerado cúmplice de McCurdy, Sears acabou delatando o paradeiro do procurado.

Na manhã do dia 07 de outubro os homens da lei, liderados pelo xerife Harce Freas cercaram McCurdy no rancho Revard. Como era de se esperar McCurdy resistiu à prisão, iniciando um tiroteio apesar do estado ébrio do mesmo. Os oficiais da lei tentaram negociar a rendição do bandido, uma vez que vivo ele valeria uma recompensa de $ 2000,00 dólares, o que era um bom dinheiro para aquela época.

Como McCurdy não apresentava sinais de que iria se entregar, o grupo liderado pelo xerife, que contava com Robert Fenton, Stringer Fenton e Robert "Dick" Wallace, resolveram usar a força. O embate acabou com a morte de McCurdy, sendo que o mesmo foi alvejado no peito e garganta. Após sua morte Elmer McCurdy, foi levado para a cidade de Pawhuska.



A mumificação e venda do corpo de Elmer McCurdy

O corpo de Elmer foi levado para uma funerária em Pawhuska, Oklahoma. Ninguém reivindicou o corpo,  então o agente funerário embalsamou o cadáver com um conservante à base de arsênico e permitiu que as pessoas vissem "O bandido que não iria desistir" por um níquel. As pessoas colocavam moedas na boca de McCurdy, moedas que o agente funerário iria recolher mais tarde. A atração passou a chamar um número cada vez maior de pessoas que passaram a ver os restos mortais do bandido, sendo que cada uma dessas pessoas deixava pelo menos um níquel. Por causa disso, dizem que McCurdy arrecadou mais dinheiro depois de morto do que em vida. Muitos tentaram comprar o corpo mumificado do agente funerário e agora empresário do entretenimento grotesco, mas ele recusou.


Quase cinco anos depois que McCurdy morreu, um circo itinerante apareceu pelas proximidades, o crico era conhecido como os Grandes Shows Patterson. O responsável pelo circo alegou ser irmão perdido de McCurdy. Ele indicou que ele queria remover o cadáver para dar-lhe um enterro digno. Dentro de duas semanas, no entanto, McCurdy tornou-se exposição de destaque do circo de bizarrices.

Nos 60 anos seguintes, o corpo de McCurdy foi vendido para a sucessivos museus de figuras cera bizarras, circos itinerantes e casas assombradas (espécie de museus com artefatos macabros). Certa vez o proprietário de uma casa assombrada perto de Mount Rushmore, Dakota do Sul, teria recusado comprar o corpo de McCurdy, porque ele pensou que o corpo era na verdade um manequim, não acreditando no vendedor que estava a oferecer uma múmia, e não era realista o suficiente.

Eventualmente, o cadáver de McCurdy acabou em " The Pike ", uma zona de diversões em Long Beach, Califórnia, que existiu de 1902-1979, sob vários nomes diferentes, onde um erro da equipe técnica do programa "The Six Million Dollar Man", possibilitou a descoberta dessa história.

Se nenhum técnico tivesse danificado o "boneco", muito provavelmente a impressionante história do bandido que foi mumificado e assim viajou por inúmeras cidade do oeste e sul dos EUA fazendo parte de shows de horror, poderia acabar se perdendo.

Hoje os restos mortais de Elmer McCurdy descansam em paz, no Summit View Cemetery em Guthie em Oklahoma.



Essa postagem é um oferecimento do blog O Mundo Real

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Postagens em Destaque do Noite Sinistra                   
Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...
Cidade fantasma turca: Cidade das 1001 Igrejas
Os mistérios da zona do silêncio no México
Misteriosa pirâmide chinesa do monte Baigong
Silent Hill teria sido baseado em um diário encontrado em Centralia
Links Sinistros 48
Clique nas imagens, para acessar as postagens que você deseja ler...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
Links Relacionados:
Torre na Lua.
Estranha criatura encontrada no mar do Golfo Pérsico.
Tapeçaria antiga com representações de alienígenas.
Galeria de antigas imagens contendo UFOs e OVNIs.
Físico afirma que extraterrestres estão usando o sol como portal.
Poltergeist expulsa familia de casa em Memphis, EUA.
Monstro encontrado em praia da Nova Zelândia.
Videos de supostos Poltergeists.
Imagens curiosas e estranhas parte 4.
Galeria de supostos Fantasmas do Reino Unido.
Fantasmas Infantis parte 4.
Imagens curiosas e estranhas parte 3.
Foto de fantasma enviada por leitora do Blog.
Fantasmas Infantis parte 3.
O monstro de Montauk.
Encontrada misteriosa criatura.
Britânico encontra estranha criatura na praia.
Estranhos bonecos de múmias.
Antigas imagens estranhas.
As múmias mais estranhas e assustadoras do Japão.
7 Comentários
Comentários
7 comentários:
  1. Que bizarro. Curti. Bem interessante

    Linkicha - http://linkicha.com.br/

    -

    ResponderExcluir
  2. incrivel hein Nando!!!como dizem os antigos ,lhe enviei o fuba e vc fez uma baita de uma polenta kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando o fuba é bom...a polenta também fica boa...rsrsrrs

      Abraço manolo...

      Excluir
  3. mesmo depois de morto continuou fugindo até que o enterraram para descansar boa matéria gosto muito deste blog...

    ResponderExcluir
  4. Isso porque vocês não conhecem o velho Atanásio Ilário - vulgo fininho cheiroso.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave