22/12/2016

A lenda da mulher do Táxi


Olá amigos e amigas, hoje damos continuidade a série de postagens que aborda as "Lendas e histórias brasileiras". O texto de hoje é uma cortesia do amigo Hyldon Bosco Ferreira e Silva, e fala de uma lenda ambientada na cidade de Belém, no Pará, conhecida como "A lenda da mulher do Táxi" ou "A lenda da moça do Táxi". Além dessa lenda, o amigo Hyldon nos enviou um conto que pode ser acessado clicando AQUI, cuja inspiração é a lenda que estaremos conhecendo mais abaixo.

Os amigos e amigas podem conferir essa história de duas formas. A primeira delas através do vídeo abaixo, onde eu falo sobre a lenda e a crença popular em torno do assunto, ou por meio do texto. Tanto vídeo como texto possuem atrativos a parte, pois o vídeo conta com várias imagens do cemitério onde estaria sepultada a moça que deu origem a essa lenda, e o texto conta com um relato do amigo Hyldon a respeito da noite em que ele e alguma amigos entraram no cemitério onde a moça estaria sepultada.

Vídeo da lenda da moça do Táxi


A lenda da Mulher do Táxi (Belém, Pará)

Em vida, durante seu aniversário, seu pai lhe dava como presente uma corrida de táxi pela cidade de Belém, por seus pontos turísticos. Tal costume, como testemunha a lenda popular, perdurou mesmo após a vida, pois toda a noite de seu aniversário ela costuma ainda, à meia-noite, pegar táxi e vagar pelas ruas de Belém.

Conta a lenda que tudo começou numa noite de seu aniversário, em que um taxista avistou uma moça bela, morena, vestida de branco, enfrente ao cemitério. Parou o carro e permitiu que a passageira embarcasse. Após rodar pelas ruas da cidade a moça pediu para que a deixasse em sua casa, na Avenida Gentil Bitencourt. Ao descer do carro, a moça gentilmente pediu ao motorista se este não podia vir em outro dia, em sua casa, em busca de seu pagamento. Ele concordou e, ao vê-la entrar na casa, partiu. No outro dia o motorista foi a casa; ao chegar lá, uma velha senhora lhe atendeu; ele lhe disse que estava ali para receber por uma corrida que uma moça tinha lhe pedido para buscar outro dia. A senhora lhe respondeu que a única mulher que morava na casa era ela, há anos. Disse ele que não podia ser, pois tinha visto a mulher entrar na casa. Após tentar várias vezes convencer a senhora, eis que o vento abre a porta de um cômodo que dava para uma sala, expondo um retrato na parede. O motorista imediatamente observou: veja, foi aquela moça. A senhora imediatamente lhe respondeu: mas esta é minha filha já morta alguns anos...

Quem foi a mulher do táxi?

Segundo a própria lenda o nome da moça que hoje supostamente seria a mulher do táxi, ou moça do táxi, era Josephina Conte. Josephina nasceu em 19 de Abril de 1915 e faleceu em 1931, aos 16 anos de idade, vítima de Tuberculose. Outra fonte afirma que: "A morte de Josephina é um grande mistério, visto que sua radiografia indicava a existência de objetos pontiagudos parecidos com alfinetes em seus pulmões."



Um relato do amigo Hyldon

Segundo nosso querido benfeitor, alguns amigos seus certa vez adentraram, a noite, as dependências do cemitério onde encontra-se o túmulo de Josephina Conte. Eles relataram que a expressão do rosto na fotografia fixada no túmulo, parecia mudar com o passar do tempo, como se estivesse demonstrando diferentes emoções. Esse relato inspirou o amigo Hyldon a escrever o conto que poderemos conferir amanhã.

A primeira imagem dessa postagem, é uma foto que esses amigos do leitor Hyldon registraram nessa noite que estiveram no cemitério.

Agradecimentos ao amigo Hyldon Bosco Ferreira e Silva por ter enviado essa curiosa lenda. Lembrando os amigos e amigas para darem uma lida no conto do amigo Hyldon conforme foi compartilhado no início dessa matéria. Abaixo os amigos e amigas poderão conferir os blogs onde atua o amigo Hyldon...deem uma olhadinha...

Blog Bornal
Inferno de Sade (+18)
Conheça o livro escrito pelo amigo Hyldon: Sexo, Perversões e Assassinatos no clube de autores;
Facebook do amigo =  https://www.facebook.com/bosco.silva.334491


21 Comentários
Comentários
21 comentários:
  1. Teria essa lenda inspirado a pegadinha do silvio santos ???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai saber neah...o bacana é que essa série ta rendendo ótimas lendas e histórias...A sua ideia foi fabulosa!!!

      Excluir
    2. Te falei cara !!!

      A principio : essa primeira imagem da um frio na minha espinha

      Excluir
    3. Cara não sei se é impressão minha apenas, mas eu achei essa garota da foto igualzinha a Claudia, dona do blog Creepy World...

      Excluir
    4. Ao conhecer Belém, fiz questão de conhecer o Cemitério Santa Izabel. Fui ao túmulo de Josephina Comte.

      Belém, em si, é um cidade esquisita. Parece que você está permanentemente observado. As avenidas em que Josephina era avistada são repletas de mangueiras e casarios antigos.

      Excluir
  2. Passei uma temporada com uns parentes em Belém, e essa lenda era bem comentada! Sempre q eu e meus primos voltávamos de uma festa, a gente dava uma passadinha no cemitério p ver a josephina.. e até rolava uma trollagem de vez em quando..kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rolava trollagem...rsrsrs. Tenho até medo de imaginar a tal trollagem...rsrsrsr

      Grande abraço Kellia...

      Excluir
    2. rsrsr..essas trolagens q fez eu criar fobia de cemitério

      Excluir
    3. Em compensação eu tenho grande paixão por cemitérios...em especial cemitérios antigos...rsrsrsrs

      Excluir
    4. Quem acompanha sua página no face sabe que ce adora cemiterios, em Nando. Toda hora ce posta uma foto de um cemitério, rsrsrs

      Excluir
    5. Não precisa ter presa Nando , um dia vc vai morar onde vc gosta kkkk

      Excluir
    6. Eu gosto de apreciar cemitérios...mas não pretendo me tornar um morador dentro de um curto espaço de tempo...rsrsrsr

      Excluir
  3. Sou de Belém. Essa lenda é mais antiga que a TV. Passei minha infância ouvindo essa lenda eé adoro ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você conhece alguma variação dessa lenda?

      Abraço manolo...

      Excluir
    2. Eu não mas agora sei essa história

      Excluir
  4. Bom eu tenho com uma variação, aconteceu á aproximadamente 32 anos atras, isso se dá á 51 anos após o acontecimento com a Josephina, também foi aqui em BELÉM do PARÁ, essa história rola desde quando eu nasci, hoje estou terminando de fazer um documentário para meu trabalho na minha escola falando sobre essas duas histórias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal esse lance de vc fazer um documentário a respeito Julia...grato pela participação e se vc quiser mandar algum material relacionado com esse documentário seu para eu divulgar é só falar...

      Excluir
  5. Pow ela faleceu no dia do niver do meu pai.... q sorte ele teinh

    ResponderExcluir
  6. Moro em Santarém, Pará e fui a um congresso em Belém, ano passado. Fui visitar o túmulo de Josephina Conte. O caso e os relatos são bem mais profundos. Ela era de família rica, empresarial do ramo de marmoraria. É tanto que a fotografia da lápide de Josephina foi feita na Itália, coisa rara para a época. Dizem que os familiares acharam estranho que a imagem veio com um pingente com um automóvel, cuja foto original não tinha esse elemento...

    ResponderExcluir
  7. Essa lenda me lembrou o romance "O Retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde, e também o conto "O Retrato Oval", de Edgar Allan Poe. Fica a dica para aqueles que apreciam boas histórias fúnebres.

    ResponderExcluir
  8. Fernando, o cemitério mais badalado de Belém é o antiqüíssimo Cemitério dá Soledade.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave