26/08/2014

Guerra na Ucrânia pode provocar nova Chernobil


Jiri Smutny, conhecido blogueiro e tradutor tcheco, causou muito barulho na mídia impressa e eletrônica do país, ao ter publicado um artigo em que afirma que os combates no Leste da Ucrânia podem provocar uma nova Chernobyl. Segundo o autor, o perigo de contaminação radiativa, que a imprensa prefere silenciar, existe.

Jiri Smutny lembra que no início de julho algumas agências de notícias independentes da Rússia e Ucrânia comunicavam sobre ataques de projéteis e mísseis a uma cidade no sudeste ucraniano, onde estão armazenados resíduos radiativos de equipamentos médicos utilizados para o tratamento de doenças oncológicas.

Por sorte, foi possível evitar a catástrofe naquela altura. Mas um impacto direto de um projétil pode tornar real o perigo de fuga de cobalto-60 e de irídio-192 radiativos e de poluição de grandes territórios, exigindo evacuar centenas de milhares de habitantes por longos anos. O nível de radiação neste caso pode atingir, como escreve Smutny, milhares de microroentgen por hora. A permanência durante uma hora nessas condições leva diretamente à radiolesão aguda.

Armazéns perigosos de materiais radiativos e fontes de radiação ionizante para o diagnóstico e o tratamento de tumores malignos de câncer há em Donetsk, Lugansk, Gorlovka e outras cidades. Na região de ações militares encontram-se 14 centros oncológicos e muitas clínicas especializadas no tratamento da doença mortal. A destruição destes estabelecimentos pode levar a consequências nefastas. Serguei Kushnarev, vice-presidente da Sociedade Nuclear da Rússia, comenta essa informação:

“Sabe-se que na medicina são utilizados isótopos radiativos para o tratamento por radiação. É evidente que esses elementos, inclusive o irídio, devem ser utilizados adequadamente e conservados rigorosamente. Mas em condições da guerra, quando até clínicas são atacadas, pode acontecer qualquer coisa. Não posso determinar a escala da possível desgraça”.

Alexei Yablokov, membro correspondente da Academia de Ciência da Rússia e doutor em biologia, também comentou a pedido da Voz da Rússia o artigo de Jiri Smutny:

“Em resultado da destruição de um armazém de resíduos médicos radiativos pode ser poluído um território em que nos próximos 50 anos será registrado um crescimento intenso de doenças oncológicas entre habitantes locais.

Devemos ter em conta que a exposição a 30 microroentgen por hora é uma dosagem habitual, mas 100 microroentgen ultrapassa o limite normal em três vezes e é perigoso viver em tais condições. Tudo depende da envergadura do vazamento de elementos perigosos. As ações militares na Ucrânia poderão levar à verdadeira catástrofe se forem destruídas usinas nucleares locais, em Khmelnitsky, por exemplo, e outras, se for assestado um golpe a um depósito de combustível nuclear usado da estação.

Resíduos radiativos de materiais utilizados na medicina não são muito ativos e a sua meia-vida é relativamente curta. Mas o combustível usado das usinas nucleares contem radionuclídeos alfa e mesmo se um pequeno projétil atingir um depósito comum de concreto, se ocorrer uma fuga de água, terão lugar desgraças gigantescas. Neste caso, a poluição irá ultrapassar em milhões de vezes a provocada pela fuga de isótopos radiativos utilizados na medicina. Mas isso não terá grande importância para as pessoas expostas a essa radiação menos nociva”.

Fonte: Voz da Rússia

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

6 Comentários
Comentários
6 comentários:
  1. Elson Antonio Gomes26 de agosto de 2014 14:25

    Minha maior preocupação são as usinas de Angra, pois o nosso governo não investiu em nada do nosso país. Investiu em Cuba e alguns outros. Mas no nosso não foi investido nada! Como será que estão as nossas instalações nucleares?
    Do mesmo modo que a imprensa não comunica explicitamente o perigo de algo que está em foco nos últimos meses que envolve esta guerra na Ucrânia, imagina se nossa imprensa lembram de nossas usinas atômicas e se elas estão sendo cuidadas devidamente, se há investimento correto na segurança delas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só vai ser noticiada e só vão falar em algo se alguma das usinas explodir...rsrsr

      Excluir
    2. Elson Antonio Gomes26 de agosto de 2014 14:57

      É a verdade, infelizmente!

      Excluir
  2. Estou curtindo muito o blog está sempre com bons conteudos. Quando o sono não chega fico vagando por aqui. Continue assim brow *-*

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu não achei nenhuma postagem aqui talvez seja antiga, uma dica seria postar sobre a droga chamada Krokodil quem usa se torna um "zumbi vivo" da uma olhada se não tiver nada sobre ela aqui no blog.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave