03/06/2015

O Cangaço: O banditismo social brasileiro


Hoje voltamos a contar com a participação do amigo Rusmea, dono do brilhante blog Rusmea.com e editor do blog Curionautas, na elaboração de uma curiosa postagem. O amigos Rusmea nos indicou o assunto que veremos a seguir: O Cangaço.

O assunto divide opiniões: para uns os cangaceiros eram apenas bandidos, para outros heróis e para alguns poucos os cangaceiros eram ambos. Nesse texto vamos dar uma aprofundada no assunto, e entender como esses grupos usaram o crime, num primeiro momento, para se rebelar contra o descaso e contra o autoritarismo.

Esse texto não possui o intuito de convencer ninguém a escolher um dos lados da discussão a respeito do cangaço, mas sim tem a intenção de trazer alguns fatos e dados a respeito do assunto, e assim provocar a reflexão a respeito do tema, afim de visualizarmos como alguns aspectos importantes no surgimento do cangaço permanecem ativos em outros campos da sociedade brasileira atualmente.

À própria sorte desde que se tem notícia, onde o Estado só comparece para cobrar tributos e a escassez está sempre por perto. Cidades e minúsculos distritos são controlados por figuras que muito bem se assemelhariam a senhores feudais, os coronéis, como eram conhecidos, eram autoridade máxima. Autoridade quase sempre incompatível com as péssimas condições de vida do sertão nordestino da época.

Foi nesse contexto que surgiu o Cangaço. Um banditismo digno dos clássicos filmes de faroeste, onde criminosos itinerantes driblavam a lei atravessando fronteiras estaduais.Sempre acompanhadas de sangue, as histórias do Cangaço remetem a pessoas muito humildes que, por um motivo ou outro, se recusaram a seguir a inércia de permanecer sob controle dos coronéis, optando por um caminho incerto que tratava com especial truculência aqueles tidos como seus inimigos.

Mas o Cangaço não possuía apenas inimigos, entre fazendeiros estrategicamente aliados e outros pobres sertanejos, a opinião pública se manteve dividida. Se os miseráveis insatisfeitos com os abusos dos coronéis se sentiam representados na contestação desaforada daqueles homens e mulheres fora da lei, os frequentes requintes de crueldade e frieza garantiam o medo e a tensão permanente nas cidades por onde passavam os bandos de cangaceiros.

Maria Bonita, mulher de Lampião, posa para o fotógrafo libanês Benjamin Abrahão junto aos seus dois cães, Guary e Ligeiro, 1936
Inicialmente o movimento do cangaço de fato foi um grito de independência contra o autoritarismo do governo e dos coronéis locais, mas com o passar dos anos muitos foram os grupos de cangaceiros que de uma forma ou outra, acabaram se tornando parceiros comerciais de fazendeiros importantes.

O poder inquestionável dos coronéis no Sertão

Desde os tempos do Império, a falta de interesse do Estado pelo Sertão obteve efeitos sangrentos na região. Entre os mais devastadores episódios de clara resposta à situação negligente e única presença para cobrança de tributos, destaca-se a Guerra de Canudos e o fenômeno de banditismo conhecido como Cangaço. Ambas as experiências possuíam em sua essência o sentido de contestação das figuras conhecidas como coronéis.

Em meio a uma vasta extensão territorial de pouco interesse público, o Império instituiu a titulação de Coronéis da Guarda Nacional para grandes latifundiários Brasil a dentro (parece que a política de proteger e dar poder a bancos, empresas e ricos empreendedores é uma prática bem antiga no Brasil). Na prática, o governo passou a legitimar uma relação de domínio que já se fazia efetiva desde os tempos coloniais. Os coronéis eram, quase sempre, pessoas que possuíam total influência na atividade econômica de cidades inteiras. O que representava poder absoluto em uma região onde a opção era se submeter ou sucumbir.
Os coronéis eram homens acima da lei. Além da tradicionais forças policias, também submetidas aos seus interesses, eles tinham sua própria "polícia", eram capangas conhecidos como jagunços: figuras armadas que tratavam de fazer a guarda de terras, castigar e executar inimigos de seus chefes. Foi a truculência desses jagunços que deu origem à jornada de diversos cangaceiros motivados pelo desejo de vingança.

Muitas vezes os cangaceiros são apontados como pessoas que se faziam valer da força e crueldade em seus atos, sendo muito acusados de assassinatos e estupros, mas os grupos de jagunços já faziam uso das mesmas práticas muito antes do surgimento do cangaço.

Fazer parte da tropa de capangas de algum coronel era algo muito importante na época, afinal de contas um jagunço era quase um agente da lei, sem ter que necessariamente seguir a lei. Quem se oporia a um jagunço de um coronel casos esse estivesse tentando tirar vantagem de um pequeno agricultor? Comprar briga com um capanga poderia significar comparar briga com toda tropa do coronel.

Virgínio Fortunato, cunhado de Lampião, posa sorridente junto aos "cabras" e mulheres de seu bando para as lentes de Benjamin Abrahão, 1936. (Benjamin Abrahão/Acervo Abafilm).

A vida criminosa como alternativa à miséria e submissão

As condições naturais do Sertão são especialmente infavoráveis à vida humana. Os longos períodos de estiagem castigam seus habitantes através dos efeitos consecutivos que a falta de água produz. O gado morre e as plantações ficam comprometidas, assim, famílias inteiras tentam se equilibrar num contexto de subsistência precária. Quando havia oferta de emprego, ou melhor, de trabalho, ela era ligada ao coronel da região, figura nem sempre louvável.

"Inteiramente só, o sertanejo é um homem abandonado a sua própria sorte, nada lhe resta senão a desesperança. Ou a rebeldia, que é um simples efeito de causas profundas, da ausência de justiça, analfabetismo, precariedade de comunicação, baixos salários, débil capitalismo e um lentíssimo desenvolvimento das forças produtivas."


Pensar nas autoridades da região como figuras de violência e senso de justiça similar aos dos temidos cangaceiros faz com que se compreenda melhor como tantos sertanejos optaram por esse caminho. A vida criminosa não era nada cordial, mas entre fugas e investidas, oferecia o poder de ter tudo aquilo que passava longe da realidade da maioria: ouro, respeito e mulheres (e sobre este último ponto, como é de se imaginar, o estupro era algo recorrente).

Corisco, o primeiro a esquerda, tendo ao seu lado a companheira Dadá e integrantes do seu grupo, 1936. (Benjamin Abrahão/Acervo Abafilm).

O sangrento preço da vida entre os cangaceiros

O vermelho é uma cor muito compatível com o trajeto do Cangaço, não apenas pelo coro de luta ou coragem, mas principalmente pelo sangue. Se entre os coronéis, representantes da lei no Sertão, a violência já era evidente, no Cangaço ela era uma assinatura. O traço hediondo da tradicional execução por sangramento era regido pelo punhal, introduzido em pontos vitais de suas vítimas. Para lidar com tamanha rotina, outra característica chamava atenção: a frieza aterrorizante.

Inacinha, em vestido de batalha, mostra como a perneira casava com a alpercata, Piranhas, Alagoas, 1936
Ao passo que se comandava torturas e execuções, as histórias também falam dos cangaceiros como figuras musicais e risonhas. Como se a vida e a morte fosse (e era mesmo) parte do dia-a-dia daquelas pessoas.

Já dizia o mítico Rei do Cangaço, Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião:

"Três coisas eu trago de Pernambuco: dinheiro, coragem e bala."

Bem como a tradição oral transmite, em certa ocasião um sujeito estava cometendo incesto e foi flagrado por Lampião, o cangaceiro separou os dois irmãos e trouxe o rapaz para conversar. Ele falou para o homem que ele devia colocar os seus testículos dentro da gaveta e fechar com chave. Em seguida, Lampião colocou um punhal sobre o criado-mudo e disse "Volto em dez minutos, se você ainda estiver aqui eu te mato".
Assim se construiu uma lenda, e essa é só uma das histórias que se contam até hoje.

Os cangaceiros eram temidos, mas adorados, não apenas por questionar o poder dos coronéis opressores, mas por muitas vezes fazerem a justiça do povo, quando a justiça do estado não tinha qualquer interesse em tais questões.

O lendário cangaceiro Lampião posa para foto segurando uma edição de um dos jornais que costumava ler, "O Globo", 1936. (Benjamin Abrahão/Acervo Abafilm).

A opinião pública dividida entre amor e ódio

Lampião já era uma lenda viva antes mesmo de sua vida ser documentado pelo corajoso jornalista sírio-libanês, Benjamin Abrahão. Tratado pela polícia dos estados como uma verdadeira praga a ser exterminada, temido por onde passava, ainda assim ganhou a simpatia de muita gente. Virgulino tinha a confiança de gente de diversos setores da sociedade: coronéis aliados, sertanejos e até mesmo a igreja, representada pelo inigualado Padre Cícero, a quem se deposita regionalmente o prestígio de uma santidade.


A situação de considerável apoio da sociedade pode se amparar no senso de justiça em crítica à força oficial vigente. O respeitado historiador britânico, Eric Hobsbawn, em uma de suas obras (Bandidos/1969), apontou o Cangaço brasileiro como um exemplo claro do fenômeno do banditismo social, que se alinhava ao princípio de contestação, como um sentido primitivo de revolta.

“O ponto sobre bandidos sociais é que eles são criminosos camponeses a quem o senhor feudal e o Estado enxergam como criminosos, mas que permanecem dentro da sociedade camponesa, e são considerados por seu povo como heróis, como campeões, vingadores, lutadores pela justiça, talvez até mesmo líderes de libertação e, em qualquer caso, homens para serem admirados, ajudados e apoiados. Esta relação entre o camponês comum e o rebelde, bandido e ladrão é o que faz o banditismo social interessante e significativo.” - Eric Hobsbawn.


As volantes

Por décadas a República simplesmente amargou a inferioridade de suas forças diante do preparo e conhecimento preciso dos bandos cangaceiros. Equipados com cangas de madeira e utensílios metálicos (daí o nome cangaço: canga+aço), esses grupos eram compostos por homens (e também, muito raramente, mulheres) de invejável experiência de combate, sempre furtivos e ágeis.

Volantes do estado da Bahia em registro de Benjamin Abrahão, circa 1936. (Benjamin Abrahão/Acervo Abafilm).
Nas cidadelas invadidas, a polícia costumava ser ínfima e sem a menor condição para impedir investidas tão bem articuladas. Quando chegava algum reforço capaz de enfrentá-los, os cangaceiros simplesmente desapareciam em rotas de fuga que os levavam para outros estados, onde somente as forças policiais correspondentes poderiam atuar.

A reação dos estados foi precisa: responder na mesma moeda. Foram constituídas as chamadas forças volantes, o braço cangaceiro da polícia, formadas por homens (alguns deles até ex-cangaceiros) de preparo e práticas de combate idênticas às dos bandos criminosos. Assim, rotas de fuga, abrigos e investidas furtivas estavam mais sujeitas a falhas.

O jornalista libanês que documentou a vida dos cangaceiros

Figura responsável pelos mais preciosos registros iconográficos do Cangaço, Benjamin Abrahão Botto conheceu de perto, por vários meses, a rotina de diversos bandos cangaceiros, inclusive os dos notáveis Corisco e Lampião. Ele foi por muitos anos secretário de Padre Cícero em Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, até que com a morte do sacerdote em 1934, colocou em prática seu projeto mais ambicioso: filmar e fotografar Lampião e seu bando.

O encontro de Abrahão com o bando de Virgulino, em foto tirada pelo cangaceiro Juriti. Da esquerda para a direita: Vila Nova, não identificado, Luís Pedro, Benjamin Abrahão (à frente), Amoroso, Lampião, Cacheado (ao fundo), Maria Bonita, não identificado, Quinta-Feira, foto de 1936. (Acervo Abafilm).
Se aproveitando da ligação de Lampião com Padre Cícero, Abrahão facilmente se aproximou do cangaceiro. Lampião era uma figura extremamente vaidosa, característica que o consolidava como Rei do Cangaço, se deixando acompanhar pelo jornalista. O material coletado ao longo de cerca de 2 anos (1936 e 1937) era de extrema preciosidade e foi recebido nas grandes metrópoles como um verdadeiro escândalo. O Cangaço era uma ofensa ao Estado Novo de Getúlio Vargas, que tratou de censurar e confiscar o registro de Benjamin.

“As fotos e filmes de Benjamim eram um atestado da incompetência das forças policiais e uma afronta ao Palácio do Catete” - Frederico Pernambucano de Mello.

Com a morte de Lampião, Corisco se torna o cangaceiro mais importante
O sírio-libanês Benjamin Abrahão trouxe a público relatos detalhados sobre a rotina e características dos bandos cangaceiros, o que pode ter sido nocivo à estratégia dos bandos, cada vez mais combatidos em esfera interestadual. Em menos de três anos a maior parte dos principais bandos foi desmantelada, inclusive com a execução de Lampião (1938) e Corisco (1940). O próprio Benjamin também teve seu fim em 1938 (dois meses antes da morte de Lampião e seu bando), vítima de nada menos que 42 facadas em um assassinato até hoje não esclarecido. Segundo o historiador Frederico Pernambucano de Mello, a mesma força que matou Lampião, matou Benjamin: o desmoralizado Estado Novo.

“Antes que o Estado Novo espatifasse o sistema de poder do sertão, era alto negócio para qualquer fazendeiro comercializar com o cangaceiro. O Estado Novo acabou com esse colaboracionismo. A morte de Benjamin foi, sobretudo, uma queima de arquivo histórica.” - Frederico Pernambucano de Mello.

Nesse momento o cangaço já mostrava uma certa união com fazendeiros importantes. Essa ligação não se dava com os ditos coronéis, mas os amigos e amigas podem imaginar um cenário de disputa de poder entre importantes fazendeiros. Para um fazendeiro de determinada região disputar poder com algum coronel, seria importante ele firmar uma aliança por "debaixo dos panos" com algum grupo de cangaceiros.

Vídeo "Lampião o Rei do Cangaço" de Benjamin Abrahão

Abaixo os amigos e amigas poderão ver uma gravação feita por Benjamin Abrahão com o Lampião em carne e osso. Vídeo histórico (sem áudio) com 4 minutos de cenas inéditas desse que, sem dúvidas, foi um dos mais polêmicos personagens que o Brasil já teve. Este vídeo faz parte da obra "Iconografia do Cangaço", da editora Terceiro Nome, com organização do Ricardo Albuquerque.


Um cerco que se fechava: a falência dos bandos e o fortalecimento do combate ao cangaço

Com o passar dos anos, a forma que o Estado tratava o Cangaço era cada vez mais madura. A segunda metade dos anos 1930 foi especialmente difícil para os bandos cangaceiros. Um a um, os criminosos iam sucumbindo ou se entregando em troca da anistia. O marco do fim dos tempos do Cangaço foi a emboscada que executou Lampião, Maria Bonita e diversos membros de seu bando. Suas cabeças foram expostas ao público em muitas cidades do Sertão nordestino.

O encontro de Abrahão com o bando de Virgulino, em foto tirada pelo cangaceiro Juriti. Da esquerda para a direita: Vila Nova, não identificado, Luís Pedro, Benjamin Abrahão (à frente), Amoroso, Lampião, Cacheado (ao fundo), Maria Bonita, não identificado, Quinta-Feira, foto de 1936. (Acervo Abafilm).
Cadáver do cangaceiro Cirilo de Engrácia, morto por civis e usado como exemplo pela volante alagoana. A cabeça de Cirilo já havia sido decepada, foi recolocada para a foto. 1935. (Autor desconhecido/Acervo Sociedade do Cangaço).
Cabeças cortadas de membros do bando de Lampião, incluindo o próprio e sua parceira, Maria Bonita, mortos em uma emboscada em Porto da Folha, Sergipe. Elas foram expostas como troféu na escadaria da Prefeitura de Piranhas, no estado de Alagoas, este episódio simbolizou o fim dos tempos áureos do Cangaço. Foto de 1938 (Autor desconhecido/Acervo Sociedade do Cangaço).
“Naquela época, Lampião mobilizava grossos capitais. Travava com coronéis da região que financiavam seus roubos e recebiam parte do lucro. Seu bando era a imagem do sucesso da organização fora da lei." - Frederico Pernambucano de Mello.

O fim do Cangaço foi causa direta da insatisfação com tamanha desmoralização do Estado Novo causada pelas imagens de Abrahão. Não só como atividade marginal, mas também como exemplo escancarado da corrupção de coronéis colaboradores, o Cangaço era uma afronta a Getúlio Vargas e sua proposta ideológica. E sistematicamente pagou o preço da visibilidade que adquiriu.

As cabeças mumificadas de Lampião e Maria Bonita foram posteriormente estudadas de por pesquisadores adeptos da Frenologia. O blog Noite Sinistra já destinou um texto a esse assunto intitulado "Frenologia no Brasil", onde falamos dos estudos realizados na cabeças de alguns cangaceiros.

Uma breve reflexão

Como foi dito no início desse texto, o tema é polêmico, e até hoje em dia muitas pessoas discutem a classificação que deveria se dar aos cangaceiros: bandidos, heróis ou rebelados reprimidos. Mas vejamos alguns dados apresentados no texto:
  • O movimento do cangaço teve origem numa espécie de revolta contra o autoritarismo dos coronéis (representantes da lei);
  • O estado dava as costas aos problemas na comunidades distantes, onde mais tarde o cangaço floresceu;
  • Inicialmente o povo local viu os cangaceiros como heróis que se rebelaram contra os poderosos e opressores coronéis;
  • Os grupos cangaceiros usavam de grande violência em suas ações, e impunham a sua própria lei na região;
  • Num último momento o cangaço já possuía relações comerciais com fazendeiros importantes;
  • O cangaço foi vencido por uma polícia especializada em combater suas técnicas;

Os tópicos acima podem ser trazidos para os dias atuais, e alguns deles podem até ser usados para explicar, ou exemplificar, como certos traficantes de drogas são tão importantes dentro das comunidades que eles "governam".
  • Os traficantes ocupam favelas, que são áreas para as quais o governo costuma dar as costas;
  • Muitos traficantes são vistos como membros importantes dentro das comunidades, por rivalizarem com a polícia, que muitas vezes é vista como uma autoridade rígida e inflexível a realidade do local;
  • Os traficantes fazem a sua própria lei, com base na violência;
  • Atualmente o tráfico de droga possui alianças com diferentes partes da sociedade e até mesmo com membros da polícia;
  • Assim como contra o cangaço foram usadas forças policiais específicas, as volantes, contra os traficantes a polícia tem usado uma nova tática: a polícia pacificadora.

Certos movimentos sociais costumam representar um povo. E muitas vezes esses movimentos acabam se repetindo, com o intervalo de algumas décadas nesse caso, em diferentes locais de uma nação tão grande como o Brasil.

Agradecimento ao amigo Rusmea pela dica.


Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Excelente texto, mas me restou uma dúvida... O cangaço lutava pelos seus próprios interesses ou ajudava uma parte menos favorecida da população?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ambos os casos...no início era mais um lance de rebeldia contra os opressores, mas depois virou interesse próprio. Isso não significa que todos grupos agiram da forma mencionada no texto. O movimento foi muito grande, então logo podemos imaginar que teve de tudo um pouco. É difícil classificar todos os elementos de um grupo, ou de uma classe como bons ou maus, entende?

      O texto fala dos coronéis que mandavam e desmandavam, mas o leitor deve fazer uma reflexão, afinal de contas, nem todos coronéis eram tiranos...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave