01/09/2015

Combustão Humana: Casos Famosos

Combustão humana espontânea (CHE) é a designação de uma Lenda urbana moderna segundo a qual corpos humanos podem entrar em combustão sem uma razão aparente. O uso da CHE para explicar a combustão de corpos humanos, tanto em relatos e notícias quanto na literatura, compartilha características comuns tanto quanto às circunstâncias como quanto aos restos mortais da vítima.



Casos nos quais cadáveres queimados foram encontrados em locais que exibiam pouco ou nenhum sinal de fogo já foram documentados, inclusive recentemente. Contudo, as afirmações de que esses casos são o resultado de um fenômeno inexplicável são consideradas meras especulações, pois faltam evidências científicas. A combustão espontânea de corpos humanos nunca foi testemunhada por ninguém e também faltam as provas da existência do fenômeno.

HISTÓRIA

O primeiro relato conhecido de um caso de CHE é de autoria do anatomista dinamarquês Thomas Bartholin que, em 1663, descreveu como uma mulher, em Paris, "foi reduzida a cinzas e fumaça" sem que o colchão de palha em que dormia, fosse danificado pelo fogo.

Pouco depois, o francês Jonas Dupont relatou uma série de casos semelhantes, na obra "De Incendiis Corporis Humani Spontaneis" (1673).

No segundo quartel do século XIX, M. J. Fontelle reviu alguns casos perante a Academia Francesa de Ciências (1833), tendo observado que as vítimas tendiam a ser mulheres idosas que consumiam bebidas alcoólicas e que os danos do fogo não se estendiam aos materiais inflamáveis como álcool ou querosene próximos ou mesmo no corpo delas.

Em 2011, o investigador irlandês Dr Kieram McLoughlin atribuiu a morte de Michael Faherty, de 76 anos, à CHE, sendo o primeiro destes casos em seus 25 anos de experiência.

Em 2013 a mãe de um bebê de três meses internado no Kilpauk Medical College Hospital em Xinin (Índia) alegou que o mesmo havia sofrido queimaduras devido à combustão espontânea em quatro diferentes ocasiões. O bebê, segundo a mãe, havia pego fogo espontaneamente pela primeira vez aos nove dias de idade. Contudo, exames realizados com o bebê não haviam revelado nenhuma anomalia com o mesmo, o que levou os médicos a descartar a hipótese apresentada pela mãe, levantando ainda suspeitas de que as queimaduras resultem na verdade de maus tratos por parte de seus pais.

CARACTERÍSTICAS

Existem muitos relatos de mortes atribuídas à CHE nos últimos 300 anos, porém poucas delas foram analisadas por especialistas. Os casos de mortes atribuídas à CHE por investigadores e contadores de histórias ao longo do tempo apresentam algumas características em comum:
  • A vítima é quase completamente consumida pelas chamas, geralmente no interior da própria residência;
  • os primeiros a encontrar os corpos carbonizados relatam ter percebido o cheiro de uma fumaça adocicada nos cômodos onde o fenômeno ocorrera;
  • os corpos carbonizados apresentam as extremidades (mãospés e/ou parte das pernas) intactas, mesmo que o dorso e a cabeça estivessem irreconhecíveis;
  • o cômodo onde o corpo é encontrado mostra pouco ou nenhum sinal de fogo, salvo algum resíduo na mobília ou nas paredes.
Em casos raros:
  • os órgãos internos da vítima permaneciam intactos, enquanto a parte externa era carbonizada;
  • alguns sobreviventes desenvolveram queimaduras estranhas no corpo, sem razão aparente para tal, ou emanaram fumaça sem que existisse fogo por perto.
Contudo, a possibilidade de que um corpo humano entre em combustão de forma espontânea é remota, por ser o corpo formado principalmente de água, e, apesar de termetano e gordura, é muito difícil queimar um corpo; a cremação, por exemplo, requer temperaturas da ordem de 900 °C

1. Mary Hardy Reeser (1951)

Em 1951, na Flórida, os restos carbonizados de Mary Reeser, de 67 anos, foram encontrados na cadeira em que ela estava sentada, com nada mais fora o crânio, parte do pé esquerdo e o osso da coluna. Mesmo com o corpo quase completamente incinerado, houve pouco dano à sala – nada esperado para um incêndio típico.

O chefe de polícia local, J. R. Reichet, enviou uma caixa com evidências para o FBI, junto com uma nota: “Pedimos informações ou teorias que possam explicar como um corpo humano pode ser tão destruído, o fogo confinado a uma área tão pequena e tão pouco dano à estrutura do prédio, e a mobília do quarto nem mesmo chamuscada pela fumaça”. O FBI respondeu com a teoria do pavio – um cigarro gerou o fogo.

2. John Irving Bentley (1966)

John Irving Bentley era um físico de 92 anos da Pensilvânia, encontrado morto em seu banheiro, queimado até a morte. A única sobra do corpo de Bentley foi a metade inferior da perna direita, com o pé ainda usando um chinelo. O corpo queimou tanto que as sobras foram parar no porão, embaixo do banheiro. Um teórico acredita que as cinzas do cachimbo de Bentley caíram nas suas roupas e os fósforos no bolso ajudaram no resultado. O que parece ser um jarro de água quebrado estava na banheira, sugerindo que Bentley tentou apagar o fogo, mas morreu antes de conseguir.

3. Henry Thomas (1980)

Henry Thomas, de 73 anos, foi encontrado na sala de sua casa em Wales quase que completamente incinerado – exceto pelos seus pés calçados e pernas abaixo dos joelhos, e o crânio. Metade da cadeira onde estava também foi destruída, e o calor derreteu o controle da televisão.

O policial John E. Heymer comentou que “a sala estava inundada por uma luz laranja, que vinha das janelas e de uma lâmpada. Essa luz é o resultado da luz do dia e da eletricidade sendo filtradas por gordura humana evaporada e condensada nas superfícies. O restante da casa estava completamente intacto”. A equipe forense afirmou que a morte foi resultado do efeito pavio, sugerindo que Thomas caiu na lareira e sentou-se de novo. Entretanto, Heymer discorda, dizendo que o oxigênio na sala fechada não iria permitir o efeito, e ainda lembrou-se das bordas da calça da vítima – “que pareciam queimadas por um laser”.

4. George Mott (1986)

Apenas um crânio encolhido e uma costela foram encontrados depois que George Mott, um bombeiro nova-iorquino de 58 anos, queimou até virar cinzas, junto com a cama onde estava deitado. Investigadores lançaram a ideia de que um arco elétrico e um vazamento de gás tinham causado as chamas. Mott era conhecido como um fumante e bebedor pesado, e não estava com a máscara de oxigênio que costuma usar.

5. Jeannie Saffin (1982)

Um dos poucos casos de combustão espontânea em que uma testemunha esteve presente é o de Jeannie Saffin, uma mulher de 61 anos com idade mental de seis. Saffin estava sentada com o pai, de 82 anos, na casa deles, em Londres, quando, de acordo com o testemunho do homem, ele percebeu de relance um raio de luz.

Quando se virou para a filha, ele a viu coberta de chamas mas sem movimento ou qualquer tentativa de apagar o fogo. Ele tentou apagar o fogo, machucando as mãos no processo. Jeannie sofreu queimaduras de terceiro grau na parte superior do corpo, mas morreu uma semana depois, enquanto estava no hospital.

6. Michael Faherty (2010)

O irlandês Michael Faherty, de 76 anos, foi encontrado morto, com a cabeça perto da lareira, em sua sala. Os danos no local estavam limitados ao teto acima de sua cabeça, o chão logo abaixo, e o corpo, totalmente incinerado. A polícia, entretanto, não acreditou que a lareira foi a causa do incêndio. O coronel afirmou que “esse fogo foi investigado e eu fico com a conclusão de que isso entra na categoria de combustões humanas espontâneas, para a qual não há explicação adequada”. Outros acreditam que as cinzas do fogo tenham sido responsáveis.

7. Robert Bailey (1967)

Em um estranho caso de combustão espontânea em Londres, um passageiro de ônibus avistou chamas azuis na janela de um apartamento superior e presumiu ser um jato de gás. A testemunha chamou o corpo de bombeiros, e Robert Bailey, um homem de rua, foi encontrado morto nas quentes escadarias do prédio. Um bombeiro afirmou que as chamas azuis – extinguidas com uma mangueira – estavam vindo de uma fenda no abdome de Bailey, que ainda estava vivo quando começou a queimar.


Autora da Matéria

Me chamo Bruna, sou Gaúcha de Porto Alegre, 29 anos de idade. Dona dos blogs Cova do Inferno e Bariátrica em FocoCova do Inferno surgiu pela minha paixão pelo lado sombrio da humanidade. Aquele lado que algumas pessoas tem e outras tantas ignoram. Sou apaixonada por seriados policiais e meus favoritos são Bones, Criminal Minds, NCIS e Law and Order:SVU. Adoro uma teoria da conspiração e acredito que há algo grande nesse mundo que é governado por uma minoria que fez um pacto. Já o Bariátrica em Foco surgiu depois de uma cirurgia e de um seriado chamado Drop Dead Diva que fala sobre a aceitação das mudanças. E eles dois são meus amores, meus filhos. E agora também sou colaboradora do Noite Sinistra que é um dos meus blogs favoritos."

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Links Relacionados:
2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Eu já tinha ouvido falar desses casos e sempre achei muito estranho, pois, apesar de a ciência afirmar que não há como esse fenômeno ocorrer, há provas que os corroboram, sem falar nos testemunhos. Além disso, o que me intriga muito é o fato de que geralmente não há testemunhas no momento em que se dá esse fenômeno. Coincidência?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave