26/02/2014

Entre Árvores


Por várias noites eu tenho visto um homem desaparecer no bosque atrás da minha casa, um homem que eu não reconheço. Tudo começou há três noites. Eu não pensei em nada à primeira noite, talvez ele era um homem sem-teto que vive em alguma clareira na floresta, ou, eventualmente, um viciado em drogas em busca de um lugar isolado para a prática de sua doença. De qualquer maneira, eu não liguei muito. Mas, finalmente, a minha curiosidade se tornou maior e eu comecei a me perguntar o que é que ele fez sob os ramos escuros das árvores.

Desde então ele apareceu todas as noites, exatamente às nove horas, no meu quintal, caminhando em direção à borda da floresta. Gostaria partir ruma a floresta escura em sorrateira perseguição a esse estranho homem. Ele caminhou lentamente, mas com convicção, caminhando para um destino completamente desconhecido para mim. Eventualmente, eu iria perde-lo de vista entre os troncos negros dos pinheiros e meu interesse e curiosidade faria minha mente fervilhar. Onde ele estava indo? O que ele estava fazendo? As respostas a estas perguntas que, infelizmente, seriam reveladas a mim.


Outra faceta estranha sobre as viagens noturnas do homem foi que eu nunca vi ele sair da floresta no período da manhã. No começo eu pensei que ele apenas deixou o local enquanto eu estava dormindo, mas quando eu acordei mais cedo do que o habitual, justamente para testar esta teoria, mesmo assim não o surpreendi saindo da floresta. Isso me intrigou ainda mais e logo me vi querendo seguir o homem, para saber onde foi que ele passou a cada noite.

Na noite seguinte, eu decidi segui-lo à distância. Dormi durante o dia, para que eu possa ter a energia para completar a minha excursão, e acordei por volta das seis. Tal como acontece com todas as outras noites, o homem apareceu no meu quintal às nove caminhando em direção a floresta. Uma vez que eu o vi, eu me vesti e partiu atrás dele.

Demorei um tanto para me preparar e para ir para o lado de fora de minha casa, ao passo que o homem já estava se embrenhando mato adentro, mas eu ainda podia ver sua silhueta negra movendo-se entre os troncos. Segui-o por cerca de dez minutos, até que ele parou de repente. Ele não se moveu, mas ficou lá. Abaixei junto a um arbusto para evitar que ele me visse e me ajoelhei ali perfeitamente imóvel. O homem ficou assim por um minuto ou mais e, em seguida, retomou sua caminhada. Eu continuei minha perseguição.

Não demorou muito e o misterioso homem parou mais uma vez, muito abruptamente neste momento. Tal como acontece na última ocorrência, ele apenas estava no lugar, sem se preocupar em olhar ao redor, mas sim ouvir seu entorno. Sem cobertura suficiente em torno de mim, eu decidi deitar-me no chão da floresta, esperando que a escuridão me misturasse com o solo, me camuflando. Fiquei ali por um tempo, me perguntando quando o estranho homem vai retomar sua jornada, quando ouvi um estalo atrás de mim. Eu me assustei e me encolhi sucumbindo ao medo, em seguida, olhei para ver o que tinha produzido a perturbação. Não vendo nada, eu olhei para a frente novamente, mas o homem tinha ido embora!

De alguma forma, ele desapareceu da minha vista enquanto eu não estava olhando. Eu pensei que ele deve ter escapado para longe assim que ouviu o barulho que quebrou o silêncio noturno. Levantei-me de meu esconderijo terreno, procurando por ele entre as árvores, porém não pude vê-lo em lugar algum. Sem motivos para continuar e sem iluminação suficiente para estudar o terreno em busca de pegadas, eu decidi que era melhor ir para casa. Segui imediatamente o caminho de volta, me perguntando o tempo todo como o homem escapado de minhas vistas tão rapidamente e sem fazer ruído algum. Ao chegar em minha casa, eu decidi que eu iria tentar segui-lo novamente na noite seguinte.

Dormi a maior parte do dia seguinte, não acordando até cerca de três horas da tarde. Eu esperei com ansiedade até o anoitecer para o estranho homem aparecer. Mas as nove horas algo muito estranho aconteceu: o homem não apareceu! Noite após noite, o homem tinha aparecer no meu quintal, exatamente no mesmo horário, mas não esta noite. Este fato me deixou perplexo e me incomodou, talvez mais do que deveria, e eu passei a maior parte da noite tentando descobrir o que significava. A única explicação que eu pode encontrar era que ele tinha decidido ficar afastado por algum tempo, talvez por ter percebido que eu o seguia. Eu me perguntava se um dia eu iria vê-lo novamente, ou, mais importante ainda, saber o que foi que ele fez em suas andanças noturnas.

Três noites se passaram sem uma aparição do caminhante noturno, como até então eu tinha o apelidado. Eu estava sentado no meu escritório, cuja face está voltada para o bosque, com as persianas abertas e as luzes se apagaram. Às nove horas, eu instintivamente olhei para fora da janela. Lá na borda da floresta voltei a avistar o homem! Meu coração deu um pulo e eu coloquei na minha jaqueta com pressa. Mais uma vez, o homem começou a sua caminhada por entre as árvores e eu o segui, mantendo mais distância entre ele e eu desta vez do que da vez anterior.

Parecia que passaram-se horas tamanho o tempo que passei à segui-lo. O nevoeiro era pesado naquela noite, o que contribuiu para que eu o seguisse sem medo de ser notado. Ele andou mais profundamente floresta adentro que eu jamais tinha ousado, ou pensado, explorar. Comecei a me preocupar se eu seria capaz de encontrar o meu caminho para fora da floresta, ou se eu teria que passar a noite sob os ramos ameaçadores. Depois de algum tempo, o homem chegou a uma pequena clareira. Ele parou lá na linha de árvores por um tempo antes de emergir na névoa espessa que se agarrou a grama na área aberta. Mudei-me para a clareira, me escondendo atrás de uma árvore que estava no limite entre a floresta e a pequena área desmatada.

Olhando para a frente, eu podia ver o homem claramente, devido à luz da lua cheia. Ele estava caminhando em direção a uma grande árvore do outro lado da clareira. Ela era muito velha, por meu julgamento, com galhos retorcidos, nenhuma única folha para ser vista nos galhos. A característica mais repugnante, porém, foi o grande vazio no meio do seu tronco. O homem estava em pé diante desta parte oco, olhando para o seu abismo escuro, sem mover um músculo. Eu poderia afirmar que ele estava murmurando alguma coisa, mas eu não conseguia entender o que ele estava dizendo. Quando não ouvi mais som algum, o homem começou a tirar sua roupa, revelando uma visão mais horrível.

O homem estava completamente coberto de furúnculos cheios de pus. Eles pontilhavam cada parte de seu corpo exposto, dando-lhe a aparência podre. A visão disso me revoltou, como eu nunca tinha visto um exemplo tão nojento das doenças humanas. Uma vez que o homem estava completamente nu, ele se mudou para a árvore e adentrou para o vazio que havia no tronco da mesma, e o qual o homem passara longos minutos encarando. Uma vez lá dentro, ele virou-se e sentou-se ali, completamente envolvido pela madeira retorcida daquela árvore antiga. Foi neste ponto que a coisa mais assustadora e grotesca que eu nunca poderia ter imaginado que aconteceu.

A árvore começou a tremer, seus ramos estavam girando no ar da noite, mas sem uma brisa para provocar sua ação. O tremor continuou até o tronco, que começou a inchar e contrair de uma forma terrivelmente artificial. Foi então que o homem dentro começou a gritar desesperadamente, a árvore parecia comê-lo.Pus e sangue fluiu diante do oco indicando que o homem no interior estava sendo esmagado. Os gritos viraram um som borbulhante, como se combinado o gemido de madeira e o barulho melequento de carne moída, juntamente com a quebra ocasional de osso. Corri para longe disso, apavorado. O tempo todo que eu estava fugindo, eu podia ouvir os sons horríveis de morte atrás de mim e a floresta parecia viva com terror.

Aquela noite terrível tem me assombrado desde então. Não me sinto mais seguro em minha casa, pois ela fica muito perto da floresta, que se tornou a causa dos meus pesadelos. Mas a coisa mais assustadora sobre o calvário inteiro é que o homem que eu vi consumido por aquela árvore do mal, o homem que por todas as razões não deveria estar vivo, ainda aparece na borda da floresta, exatamente às nove horas todas as noites.

Texto de Marcus Porche


1 Comentários
Comentários
Um comentário:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave