21/07/2014

O mistério do lago Anjikuni


Existem muitas lendas ao redor do mundo falando de desaparecimentos de aviões, navios ou mesmo desaparecimentos de grupos de pessoas. No texto abaixo falaremos de um desses casos: O mistério de Anjukuni - quando todos os habitantes de um vilarejo canadense simplesmente desapareceram por volta dos anos 30.

O estuário do lago Anjikuni se localiza ao longo do Rio Kazan na remota região de Nunavut, Canadá.

A área é rica em lendas e folclore nativo sobre espíritos malignos da floresta e monstros como o Wendigo (clique AQUI para ler). Mas por mais fascinantes que sejam essas estórias, não há nenhuma tão intrigante quanto o controverso mistério envolvendo o desaparecimento dos aldeões que viviam nas margens gélidas do Lago Anjikuni (Coordenadas GPS Referenciais: Latitude / Longitude = 62°23'16.63"N, 101°20'14.21"W), no que ficou conhecido como "O caso Anjikuni".


O caso Ankikuni

Em meados de novembro de 1930, um comerciante de peles canadense chamado Joe Lebelle, tentando fugir de uma tempestade procura um lugar para descansar e passar a noite. Ele se aproxima de um vilarejo esquimó Inuit. O vilarejo parece aninhado nas encostas rochosas do lago. Labelle já havia visitado a região anteriormente e feito amizade com os pacíficos habitantes do local.


Entretanto, tudo que ele se deparou foi com a escuridão e o silêncio do total. A vila estava completamente deserta!

Faziam apenas duas semanas desde a última vez que Labelle estivera no local. Nessa última visita, a vida transcorria normalmente no vilarejo Inuit. Nenhum indício de que os moradores do povoado pudessem estar pensando em abandonar o local foi percebido por Labelle, além do mais o que poderia forçar esse povo a abandonar suas residências?

Dessa vez, porém, nem mesmo os animais dos habitantes locais foram encontrados. Intrigado o caçador passou a procurar pistas que o levassem aos moradores do local.

Labelle logo notou algo muito estranho, as casas estavam abertas e os caiaques dos esquimós estavam nos seus lugares de costume, logo os antigos habitantes desse vilarejo não teriam abandonado o local. E se eles tivessem abandonado o fizeram as pressas, talvez sem qualquer intenção de voltar.


Ele investigou cada uma das cabanas e barracas na esperança de achar sinal de vida ou ao menos um indício do que havia causado uma migração forçada, mas para seu desapontamento, descobriu nas cabanas estoques de comida, armas e peles, que jamais teriam sido deixadas para trás.

Ao entrar numa cabana, encontrou o lugar vazio. Na lareira ele encontrou uma panela com cozido de peixe, que havia sido abandonada no fogo. O conteúdo estava queimado como se estivesse permanecido no fogo por muito tempo. Mas o mais estranho era que ainda haviam brasas na lareira, indicando que as pessoas viviam nesse local não tivessem partido a muito tempo.

Uma família Inuit
Em outro abrigo, encontrou uma mesa posta e restos de comida ainda nos pratos. Em outra achou um casaco descartado no chão, ainda com agulha e linha, como se a pessoa que estivesse costurando tivesse sido abruptamente interrompida.

Não havia sinais de luta ou confusão (se a vila tivesse sido atacada por saqueadores, os habitantes teriam reagido), tudo estava em perfeito estado com exceção das pessoas e animais que haviam sumido. Era como se a comunidade inteira, composta por cerca de duas mil pessoas, tivesse deixado suas casas no meio de um dia normal. Mas isso não fazia o menor sentido.

Ele também inspecionou o depósito onde os peixes eram guardados e percebeu que nada havia sido removido. Se a vila tivesse sido atacada por saqueadores, porque eles não levaram o estoque de peixes dos Inuits?

Ao longo de suas investigações pelo local agora deserto uma pontada de incerteza e medo passou a atormentar Labelle. Ele havia notado algo realmente perturbador, e tal fato começava a incomodá-lo: não haviam pegadas, nem rastro no chão, que indicasse que o povo tivesse saído do local.


Joe Lebelle era caçador, logo ele estava muito acostumado a seguir rastros de animais, portanto não seria difícil para ele encontrar rastros de um grupo de quase duas mil pessoas que tivessem batido em retirada de seu vilarejo, mesmo que isso tivesse acontecido a vários dias. Algo muito terrível deve ter acontecido no local nas últimas duas semanas e isso começava a encher Lebelle com um gigantesco temor.

As investigações

Tomado pelo medo, Joe Lebelle seguiu noite adentro, enfrentando temperaturas geladas da madrugada, desistindo da sua ideia inicial que era se abrigar junto aos Inuits, para fugir da tempestade que se aproximava. Ele enfrentou a tempestade seguindo rumo ao escritório telegráfico do distrito mais próximo e alertou a Real Polícia Montada do Canadá.

Exausto, ele foi ajudado pelos guardas e contou o que havia visto, sendo enviada uma mensagem de emergência para o quartel da Royal Canadian Mounted Police, a polícia montada canadense.

Os canadenses nunca tinham ouvido história parecida, e uma expedição foi imediatamente organizada a fim de investigar a vila, sendo também empreendida uma busca ao longo das margens do lago Anjikuni. Ao chegar no acampamento deserto, os policiais canadenses encontraram duas novas evidências que insinuavam a possibilidade de que houvesse ocorrido um evento sobrenatural.

Em primeiro lugar, descobriram que os esquimós não levaram os seus trenós puxados por cachorros, como Joe Labelle afirmou de início. Estranhamente, as carcaças dos huskies foram encontradas cobertas de neve acumulada pelo vento nas cercanias do acampamento. Eles morreram de inanição.


Em segundo lugar, o relatório dos policiais que conduziram a busca revela que o cemitério do vilarejo havia sido profanado. Para acrescentar outro elemento inexplicável, os policiais verificaram que a terra do cemitério havia sido removida em montes uniformes depositados ao lado de cada sepultura, evidenciando que o trabalho não havia sido realizado por animais escavando. Além disso, o solo estava tão congelado que parecia petrificado e seria impossível escavá-lo à mão.

Os esquimós não poderiam de maneira alguma ter viajado sem um dos seus meios de transporte típicos, os trenós ou os caiaques. E jamais deixariam seus servos caninos morrerem de uma forma tão lenta e dolorosa, sendo que os cães desempenham uma função essencial para a sobrevivência das comunidades isoladas pela neve e gelo. Ainda assim, eles partiram, e os cachorros foram deixados à sorte.

O segundo enigma, a sepultura aberta, era o bastante para os etnólogos familiarizados com o comportamento da tribo estranharem, considerando que a profanação dos mortos é um dos mais sérios tabus para o povo inuit. Qual a explicação para que as sepulturas tenham sido perturbadas?


Luzes estranhas

Se a história já não estava estranha o suficiente, os oficiais que estiveram no local afirmaram categoricamente que enquanto exploravam os arredores do Lago Anjikuni viram estranhas luzes pulsantes no horizonte. Nenhuma dessas luzes parecia natural ou com algo que eles já tivessem visto anteriormente.

No caminho até o Lago Anjikuni, o grupo de resgate parou numa cabana que pertencia a um caçador chamado Armand Laurent e ouviram do homem e de seus dois filhos, que algo estranho vinha acontecendo nas últimas noites. Eles haviam visto uma espécie de luz muito brilhante banhando os céus noturnos e estranhos objetos em forma de cilindro sobrevoando a área do Lago Anjikuni. O caçador havia proibido seus filhos de deixar a casa e nenhum deles se separava de seus rifles de caça. Os três contaram que os tais objetos voavam sem produzir o menor som e que por vezes ficavam no céu imóveis. Em certa ocasião contaram mais de 15 deles sobrevoando em diferentes altitudes.

Típica cabana construída por caçadores
Após algumas investigações, as investigações conduzidas pelo sargento J. Nelson concluíram que os habitantes do vilarejo haviam simplesmente partido em algum tipo de migração sazonal, porém sem nunca rastrear tal rota de imigração ou ao menos explicar por que não havia nenhum rastro recente. Além disso, porque teriam abandonado nas tendas os seus bens mais preciosos, tal como seus animais? Como afirmou um oficial na ocasião: “Esse acontecimento é, de um modo geral, fisicamente improvável.”

Nelson escreveu no inquérito que "a maioria dos testemunhos parece ter sido contaminado por relatos infundados e exageros por parte de pessoas que querem ter, de alguma forma, participação nos fatos".

Sargento J. Nelson
O sargento não havia estado no local dos acontecimentos uma única vez sequer, e toda investigação foi fundamentada nos relatos colhidos dos oficiais que estiveram nas margens do lago Anjikuni. Em em nenhum momento Nelson procurou Joe Labelle, para interrogá-lo a respeito do desaparecimento dos esquimós, nem mesmo entrevistou a família Laurent. Alguns colegas de Nelson afirmavam que desde o início ele parecia mais preocupado em contradizer as testemunhas do que apurar os fatos.

A história ganha as manchetes

Em 28 de novembro de 1930, um correspondente especial chamado Emmett Kelleher, foi enviado para cobrir a estória em primeira mão. Ele entrevistou policiais e testemunhas e publicou um relatório dos eventos em um jornal local o “Le Pas Manitoba”.


A manchete com forte apelo sensacionalista e arte condizente causou comoção nacional.

Em sua entrevista, Labelle não poupou detalhes sobre a experiência que marcou sua vida:

“Eu senti imediatamente que havia alguma coisa de errado… ao encontrar os pratos de comida ainda na mesa, eu sabia que eles haviam sido perturbados e pegos de surpresa. Os rifles estavam guardados e nenhum esquimó vai a lugar nenhum sem carregar uma arma… logo eu compreendi que alguma coisa horrível havia acontecido com aquelas pessoas.”

É claro, que a história sobre o mistério do Lago Anjikuni se espalhou rapidamente por toda a América do Norte, nos Estados Unidos o paralelo com a colônia de Roanoke (clique AQUI para conhecer) foi inevitável: a "Roanoke do Norte", assim chamaram o caso na imprensa americana.

O mistério sobre o que pode ter acontecido jamais foi desvendado e a região do Lago Anjikuni é evitada pela maior parte das tribos inuit desde então. Após o acontecimento circularam várias histórias sobre uma suposta maldição existente na área da tragédia. De fato, nenhuma outra tribo inuit vivia em um raio de 50 quilômetros do estuário.


Tal acontecimento é um absoluto mistério mesmo a mais de meio século depois. Por quem e por quê do desaparecimento, ninguém sabe.



Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

6 Comentários
Comentários
6 comentários:
  1. Parabéns para o Noite Sinistra. Eu já havia visto muitos histórias a respeito a esse desaparecimento no Lago Angikuni, mas nunca com uma riqueza de detalhes como nesta aborada por vocês.

    ResponderExcluir
  2. Como já falaram já li sobre este caso mas este blog como sempre arrasou no post. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Já li no Lua Pálida sobre esse caso, mas até então eu pensava que era só uma creepypasta. Aqui vi que não é só isso, é mistério real mesmo.
    Isso me lembrou do caso CROATOAN.

    ResponderExcluir
  4. Foi a abordagem mais completa desse caso que já li.
    ^^

    ResponderExcluir
  5. Elson Antonio Gomes22 de julho de 2014 13:52

    Faço das palavras acima as minhas.

    ResponderExcluir
  6. Belo conto. Mas era inventado, falso, como se pode ler aqui (em inglês):

    http://skeptoid.com/episode.php?id=4371

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave