21/09/2014

As Sombras de Hiroshima


A Segunda Guerra Mundial foi um conflito cujos ecos ainda hoje são ouvidos em diferentes cantos do mundo. Esse certamente foi o mais terrível conflito da história da humanidade, não apenas pelas tantas atrocidades cometidas, mas pela forma como esse terrível conflito foi bem documentado. Quando falamos das atrocidades cometidas durante a Segunda Guerra Mundial, dois eventos nos veem a mente quase que instantaneamente: Holocausto e O bombardeio a Hiroshima.

Já falamos mais amplamente sobre os eventos acontecidos em Hiroshima aqui no blog Noite Sinistra (Clique AQUI para ler). Hoje voltaremos a falar desse tema, mas dando um enfoque mais específico, afinal hoje falaremos um pouco sobre um fenômeno conhecido como: As Sombras de Hiroshima.

A tempestade de fogo

O fenômeno chamado Sombras de Hiroshima, não aconteceu exclusivamente apenas em Hiroshima, mas aconteceu também em Nagasaki, mas como em Hiroshima a destruição foi maior a ocorrência dessas sombras foi maior do que em Nagasaki.


Em ambas as cidades a destruição causada pelas bombas Nucleares foi gigantesca. O calor gerado pela explosão, aliado a radioatividade gigantesca, acabou por causar a morte instantânea de pessoas, animais e plantas em um raio de aproximadamente 8 km.


O que são as sombras de Hiroshima?

As sombras de Hiroshima são as marcas gravadas após a explosão das bombas nucleares em Hiroshima e também em Nagasaki. A explicação para essas mórbidas sombras é que a radiação térmica proveniente da explosão nuclear viaja em linha reta, e quando essa radiação térmica acaba sendo bloqueada por um objeto, animal ou pessoa, ela cria uma sombra. Estas sombras podem ser encontradas ainda hoje em dia em ambas as cidades japonesas.



Em alguns casos as sombras possuem contornos humanos, mas nenhum corpo havia sido encontrado no local. Isso acontece porque a pessoa que deu origem aquela sombra acabou morrendo vaporizada graças ao gigantesco calor da explosão. As sombras nesse caso são as únicas testemunhas silenciosas dos últimos instantes de vida dessas pessoas. Embora silenciosas a história contada pelos seus contornos mórbidos dificilmente passa desapercebido, servindo para que não nos esqueçamos do terror e destruição que uma bomba com esse poder de destruição é capas de causar.








Fontes: Mistura Urbana e Wikipédia

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

3 Comentários
Comentários
3 comentários:
  1. Sinceramente para mim houve um outro tipo de sombra nestas duas bombas que foram jogadas no Japão. A sombra do oportunismo.

    O estadunidenses lançaram estas duas bombas em cima de civis, e pelo que eu saiba (se eu estiver enganado, por gentileza me corrigem), não havia nada militar para eles destruírem. Isto foi um dos maiores crimes de guerra que houve na história.

    E o oportunismo foi os estadunidenses lançarem estas duas bombas em civis e depois com óleo de peroba na cara ofereceram ajuda, mas na verdade o grande interesse era usar os afetados pela radiação como cobaias para seus testes.

    Outra sombra de oportunidade neste evento das bombas no Japão foi o crescimento da Yakusa que foram também ótimos em se aproveitar da oportunidade de ajudar, mas com a certeza do retorno de lucro.

    Mas voltando para o que considero crime de guerra contra civis, o mais interessante é que na história os estadunidenses cometeram este crime de guerra. Depois no Vietnã cometeram crimes de guerra mais uma vez lançando o proibido "Napalm" e o "Agente Laranja". Aí mais uma vez eles inventam sobre armas em massa para invadir o Iraque e fica totalmente provado que não havia nada e ninguém vê uma punição. Agora punir outros países tudo bem!

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave