28/10/2013

Método de execução: Necklacing


Muito praticado na África do Sul, o Necklacing, ou colar de fogo como também é conhecido esse método, infelizmente ainda é muito comum hoje em dia. Necklacing consiste em um pneu de borracha, cheio com gasolina, tendo sido colocado ao redor do tórax da vítima, ou ao redor do pescoço, e depois lançado fogo. Esse cruel método essencialmente faz o corpo ser transformado em uma confusão derretida. A vítima pode levar até 20 minutos para morrer, sofrendo com as queimaduras graves no processo.

A prática tornou-se um método comum de linchamento entre os negros sul-africanos durante distúrbios, disputas raciais, na África do Sul na década de 1980 e 1990. O primeiro registro ocorreu em 23 de março 1985, quando um vereador negro que foi acusado de ser um colaborador dos brancos e morto através do uso desse cruel método.

As sentenças às vezes eram proferidas contra supostos criminosos por "tribunais populares", estabelecidos como um meio de impor seu próprio sistema judicial. Necklacing também foi usado pela comunidade negra para punir os membros da comunidade, que eram vistos como colaboradores do governo do Apartheid (sistema de segregação racial imposta através de legislação pelo Partido Nacional). Estes incluíram policiais negros, vereadores e outros, bem como seus familiares e associados. A prática foi muitas vezes realizadas em nome do Congresso Nacional Africano (ANC). O ANC acabou condenado oficialmente a prática. O número de mortes por mês na África do Sul relacionadas com a instabilidade política como um todo, de 1992 a 1995 variou de 54 a 605 e uma média de 244. Estes números são inclusivas de massacres, bem como mortes não atribuídas apenas ao método Colar de Fogo.

Um dos exemplos mais brutais do presente foi a execução de uma jovem garota chamada Maki Skosana, que foi acusada de colaborar com o governo. Sua irmã Moloko contou a história de como ela foi morta. Moloko disse que sua irmã foi queimada até a morte com um pneu em seu pescoço. “Seu corpo havia sido queimado pelo fogo e alguns pedaços de vidro havia sido inseridos na vagina”, Moloko acrescentou que uma grande rocha tinha sido jogada no rosto de Maki depois de ela ter sido morta.


Existem relatos de uso desse método no Haiti e também na Índia. Os traficantes de drogas nas favelas no Brasil também usam este método de execução, os quais apelidaram de microondas, sendo que os principais executados são os chamados X9 (delatores) e inimigos de facções rivais. O caso mais famoso de execução por necklacing ou microondas foi o do jornalista Tim Lopes, que investigava a exploração sexual e tráfico de drogas nos bailes funks na favela da Vila Cruzeiro no Rio do Janeiro.


Disponibilizo abaixo alguns links que levam a postagens do blog O Mundo Real, onde os amigos e amigas poderão ver vídeos e imagens a repeito desse cruel método de execução.


Fontes: Wikipédia e Revista Stilo

6 Comentários
Comentários
6 comentários:
  1. Quanta crueldade. Como é que pode, em pleno século XXI, ainda existir morte assim?? Se bem que assassinos, estupradores e outros bandidos bem que merecem ter uma morte horrível assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O ser humano já se mostrou muito apto a causar a dor e a desgraça ao seu semelhante...e esse método de execução é uma das provas disso...

      Abraço Bruna...

      Excluir
    2. Brunna só quem diz que algum ser humano mereça uma morte assim, independente do crime que cometeram são pessoas que se rebaixaram ao mesmo nível dos assassinos, estupradores, etc.

      Excluir
  2. Noite sinistra, coloca o metodo da gravata colombiana, como eu vi na ultima postagem a proxima e a dama de ferro mais tem como colocar gravata colombiana depois plssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gravata colombiana é um assunto que eu estou pesquisando...é que existe pouco material falando dela...mas vou fazer o possível para atender o seu pedido...

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave