10/06/2014

Os mistérios da Fazenda Ipanema


Saudações galera. Hoje volto a postar um texto da série  "Histórias e Lendas brasileiras", e seguindo a premissa inicial dessa série, o assunto de hoje foi enviado ao blog por uma estimado leitor, o nosso amigo Elson Antonio Gomes. O amigo Elson, que já contribuiu em outras ocasiões com o blog, seja participando na elaboração de postagem, ou nos comentários do blog,  nos sugeriu links que acabaram sendo usados como fonte de pesquisa para o texto a seguir: Os mistérios da Fazenda Ipanema em São Paulo. Venha comigo conhecer mais esse lugar misterioso e cheio de lendas, e descubra o que esse lugar tem haver com o misterioso caminho de Peabirú.

No interior do Estado de São Paulo, na região entre Sorocaba, Araçoiaba da Serra e Iperó, existe uma fazenda histórica, criada ainda na época do império. Sua fundação data do século XIV, no século da descoberta do Brasil. Nesse local deu-se início à primeira fábrica destinada a forjar metais, produzindo-se armas e peças diversas utilizadas pelo exército e cavalaria na época do império. Seu nome era "Real Fábrica de Ferro Ipanema", hoje conhecida como "Fazenda Ipanema" (Coordenadas: 23°25'32.95"S, 47°35'55.47"W).


História de sangue, suor e escravidão

Como em todo Brasil colonial, na Fazenda Ipanema também era utilizada ostensivamente a mão de obra escrava,  para a realização dos trabalhos pesados existentes na fazenda.


Os Engenheiros responsáveis pelas obras comandavam capatazes que não exitavam em torturar e punir severamente os escravos que não cumpriam as ordens e tarefas que lhes era passada durante o dia. A punição mais utilizada era o açoite, onde os escravos eram amarrados em pelourinhos e chicoteados rigorosamente, em muitos casos até a morte.

Na Fazenda Ipanema também foi construída a primeira represa artificial do Brasil. Sua construção teve uma característica peculiar: as margens eram fundas, chegando à ter aproximadamente 40 metros de profundidade, e com a parte central mais rasa, com cerca de apenas um metro de fundura.

Vista de represa
Essa característica foi projetada, visando evitar a fuga dos escravos. Os escravos viviam com pesos presos aos pés, e caso algum deles resolvesse fugir pela represa, morreria afogado logo na margem, e se por algum milagre algum dos escravos conseguisse nadar, mesmo com os pesos, a parte rasa no centro da represa forçaria o fugitivo a se levantar, e assim permitira que ele fosse visto a distância, facilitando sua recaptura, ou mesmo sua morte.


As fornalhas da antiga fábrica de metais e armas, também eram operadas pelos escravos. Em sua parte central, havia uma sala onde os escravos que trabalhavam alimentavam o fogo para que atingisse a temperatura necessária para o derretimento dos metais e materiais utilizados. Os escravos mais velhos morriam, quando digo mais velhos me refiro a idades em torno de 32 anos, devido à grande variação de temperatura a que eram submetidos durante seu turno de trabalho. Eles ficavam expostos a altas temperaturas da fornalha, e em seguida saiam na friagem externa para recolher o combustível (lenha ou carvão), retornando para o calor logo em seguida. Desprovidos de roupas adequadas, eles passavam várias horas do dia entrando e saindo da sala de alimentação da fornalha, em um trabalho que exigia grande esforço físico, e altamente insalubre.

Fornalhas
Tudo isso trouxe muito sofrimento para aquele povo, o qual não tinha conforto algum, liberdade e senso de humanidade por parte de seus feitores.



Anos se passaram, a escravidão foi abolida com a assinatura da Princesa Isabel, e lentamente a mentalidade das pessoas foi se alterando.

Tempos mais tarde a Real Fábrica de Ferro Ipanema foi desativada, restando apenas suas casas, construções e monumentos históricos. Muitos móveis que eram utilizados no casarão da fazenda, os quais marcaram época, foram transferidos para os museus do Ipiranga em São Paulo e de Petrópolis no Rio de Janeiro.


Atualmente o local é preservado pelo Ibama, sendo que foram realizadas restaurações em algumas construções, preservando a memória histórica do local, que foi um marco pioneiro para o Brasil.


A área em volta da Fazenda Ipanema é rica em Minério do tipo Magnetita, o qual também é utilizado entre outras aplicações, para a fabricação de imãs. Devido à esta característica, em alguns locais existem fenômenos de pertubações magnéticas em bússolas e até em marca passos cardíacos, por isso o cuidado deve ser tomado por pessoas usuárias desse tipo de equipamento.

Francisco Adolfo de Varnhagen,
o visconde de Porto Seguro.
Tenente-coronel Frederico Luís Guilherme Varnhagen, Diretor da Fábrica de Ipanema entre 1815 e 1821.

O mistérios da Fazenda Ipanema

Lugares que testemunharam muitas histórias de sofrimento ao longo dos anos, costumam ser locais cheios de histórias de assombrações, e com a Fazenda Ipanema não seria muito diferente. O diferencial dessa histórica fazenda brasileira é que suas lendas não se concentram apenas em histórias de fantasmas, como poderemos ver mais à seguir.


As Assombrações

Alguns casos sobrenaturais, entre vários ocorridos nas dependências da fazenda, foram relatados nos últimos tempos, como poderemos ver alguns à seguir:

Em uma determinada noite, durante uma ronda feita por um segurança próximo à antiga Casa de Armas, ele ouviu um barulho no local e foi investigar a ocorrência. Chegando até o local com sua lanterna e arma, observando o interior da construção, observou um menino negro encolhido em um canto, chorando, e ao mesmo tempo uma mulher, também negra, se deslocando próximo ao menino, chorando e gemendo. Após alguns instantes ambos desapareceram diante dos olhos espantados do segurança. No dia seguinte ele pediu demissão.

Interior da Casa Sede
Também na antiga Casa de Armas, já fora m relatadas visões de vultos que "passaram de forma rápida" próximo às pessoas durante a visita naquele local.

Na casa sede, onde residiu na época remota de quando a Real Fábrica de Ferro Ipanema ainda funcionava, o Engenheiro Vanhagen, muitos turistas juraram ter visto vultos de pessoas negras se deslocando por alguns cômodos, desaparecendo em seguida. Pessoas sensitivas já chegaram a desmaiar no interior da casa, relatando a forte sensação da existência de presenças sobrenaturais no local.

Casa das armas
Por volta do ano de 2000, um dos casos mais espantosos aconteceu na Fazenda. Nessa época houve um assassinato nas dependências da Fazenda Ipanema, onde uma moça foi morta à enxadadas. Por volta do ano de 2007, dois médicos se hospedaram no alojamento da Fazenda para passar o fim de semana, a fim de conhecer melhor os pontos turísticos existentes ali. Na manhã do dia seguinte à sua chegada à Fazenda, ambos os médicos se dirigiram ao centro de visitantes, e pediram para que sua conta fosse fechada, pois iriam embora. Ao serem indagados o porque iriam embora antes do final de sua estadia, ambos relataram que ficaram muito assustados, pois na noite anterior, quando estavam conversando em um determinado local próximo ao alojamento, subitamente eles viram uma moça vestida de branco, com a cabeça e o corpo cheios de cortes, e ela estava gemendo muito e olhando para eles pedindo socorro. Em seguida em se afastou e desapareceu. Ambos os médicos disseram que nunca sentiram tanto medo em suas vidas. Fecharam sua conta e foram embora.

Avistamentos de OVNIs

Atualmente muitos avistamentos de luzes nos céus são relatados em locais específicos dentro dos limites da Fazenda Ipanema. Vigílias já foram feitas à noite para observar os possíveis avistamentos de luzes, e foram feitos registros fotográficos e até filmagens desses fenômenos nesse local.

Um Objeto Voador Não-Identificado (OVNI) sobrevoou o Morro Araçoyaba, na Floresta Nacional de Ipanema (FLONA), causando surpresa e perplexidade nos funcionários da reserva ambiental localizada em Iperó. Este avistamento ocorreu na noite de sábado dia 14 de julho de 2001, quando dois integrantes da brigada de incêndio da Flona estavam trabalhando numa das torres de observação da floresta. Os brigadistas e guias relataram que se não estivessem juntos naquele momento, não iriam acreditar no que viram.

"Foi adrenalina pura e ainda bem que não foi só eu que vi", resumiu um dos brigadistas ao falar sobre a "estranha luz" que surgiu do meio da floresta, junto ao lendário morro. O objeto voador realizou uma série de "loopings" no céu.

Outra aparição do OVNI ocorreu naquele mesmo ano.

Naquela noite, o estranho objeto não só foi visto, como fotografado. O Jornal Cruzeiro do Sul obteve, com exclusividade, quatro fotografias que foram tiradas por um funcionário que fazia parte da brigada de incêndio da reserva.

A luz fotografada provavelmente surgiu de uma encosta do morro. Ao mesmo tempo em que permanecia por alguns segundos parado no ar, sem emitir qualquer ruído, de repente se movia e dava rápidos "loopings", indo de um local para outro.

Foto que mostra a sequencia de movimentos do suposto OVNI
Uma fotografia registrou o momento em que o objeto estava parado, mas três outras flagraram os seus movimentos, por isso, o rastro de luminosidade devido ao movimento rápido no céu, captado no momento da fotografia.

Os brigadistas Márcio Antonio Rosa e Jackson Siqueira Campolim relataram que o estranho objeto luminoso que viram no dia 14 de julho de 2001, parecia ter surgido de dentro do morro, mais precisamente de uma imensa fenda existente na formação geológica mais conhecida na região de Sorocaba como o Morro de Ipanema.

"Aquela luz subiu do lado sul, parecia ter saído de dentro do morro, vindo na direção da nossa torre de observação, localizada na região leste. Permanecia parada, sem emitir qualquer barulho, mas por diversas vezes realizou 'loopings' no ar", contou o brigadista.

O fotógrafo detalhou que o objeto pôde ser visto por alguns minutos apenas. "Por um instante pensei que aquela luz estava nos observando. Em determinado momento, a sua luminosidade bem clara se desfez como uma cascata de luzes e permaneceu apenas um ponto vermelho imóvel no céu. Ficou assim por alguns instantes até descer em direção ao mesmo local de onde havia subido. Ao cair junto ao morro, passou a emitir clarões. Pareciam flashes de máquina fotográfica até ficar sem bateria", diz o fotógrafo.

Tanto os brigadistas, como o fotógrafo fizeram questão de insistir que o objeto teria surgido do meio de uma fenda natural existente no morro de Ipanema. "Sobre esta fenda passa o Trópico de Capricórnio", acrescentaram.

Esta não é a primeira vez que ocorre um fato do gênero envolvendo o morro da antiga Fazenda Ipanema.

Há questão de anos alguns enormes círculos surgiram estampados no mato rasteiro em uma área do topo do morro, próxima da Jazida Ipanema da empresa cimenteira Holdercim. O capim de dentro dos círculos ficou totalmente queimado e por um bom tempo nada nasceu ali.

Quem contou isso foi o engenheiro agrônomo chefe da fiscalização da Flona, que disse ter visto com os próprios olhos os estranhos círculos. O fato, no entanto, foi mantido em sigilo, mas o Engenheiro disse que uma equipe de especialistas em ufologia esteve vistoriando a área na época. "O curioso de tudo é que por meses os círculos permaneceram sem que tivesse nascido qualquer planta dentro deles", detalha ele.

Antigos moradores da região de Ipanema acham perfeitamente possível que "objetos voadores" estejam rondando o morro e as matas da histórica fazenda. Esta não seria a primeira e não vai ser a última vez que isso irá ocorrer por lá, dizem, porém, não concordam que possa ser algo ligado a extraterrestres. Acham que pode ser mais um fenômeno natural. Talvez até relacionado a uma segunda dimensão, explicável no âmbito da espiritualidade e da parapsicologia.



Antigos moradores recordam que os rituais indígenas sempre estiveram apoiados nos chamados espíritos da natureza. E que o morro de Ipanema, recheado de minérios, é (e sempre será) enigmático, possuindo energia suficiente para provocar isso que os funcionários da Flona juraram estar vendo.

Abaixo pode ser conferido um vídeo que mostraria a aparição de um OVNI na região próxima a Fazenda Ipanema.


Um mistério anterior ao descobrimento do Brasil

A história da Fazenda Ipanema possui grande relevância com a história do nosso país, mas uma das lendas mais interessantes da região remota a um tempo muito anterior ao descobrimento do Brasil pelos Portugueses. Próximo da sede da fazenda se encontra um antigo caminho na mata, muito mais antigo que a fazenda. Alguns historiadores e fã de mistérios históricos acreditam que esse caminho seja Peabirú (clique AQUI para ler a respeito), o misterioso caminho que ligaria o Brasil à Bolívia. Esse caminho, segundo muitos acreditam poderia ter sido construído tanto por Incas, como por Fenícios ou Sumérios, que teriam estado no nosso continente muito antes do que aprendemos nos livros de história.

A linha vermelha seria Peabirú, enquanto o ponto azul é a cede da Floresta Nacional da Ipanema e o ponto vermelho é o Morro Araçoiaba
Caminho no estado de Santa Catarina
Agradecimentos especiais ao amigo Elson Antonio Gomes pela dica...


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

5 Comentários
Comentários
5 comentários:
  1. Elson Antonio Gomes12 de junho de 2014 05:24

    Parabéns Adm. ficou excelente sua postagem e sua nova informação sobre o 'Caminho Peabirú'. Infelizmente o brasileiro não sabe ou não se interessa pelas coisas, pois este caminho poderia muito bem ter um grande investimento turístico e fazê-lo como o 'Caminho de Santiago de Compostela'.
    Agora sobre o descobrimento do Brasil, pelo que falam hoje foi a santidade Lula quem o descobriu, mas na verdade o Continente Americano sempre teve suas grandes civilizações. Creio eu que talvez por causa de uma ajudinha da religião, pareça que a única antiga grande civilização foi no Egito. Mas hoje já temos vários fatos que teve outras até maiores e mais sofisticadas.
    Pedro Alvares Cabral só veio tomar posse, na realidade ele não descobriu nada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que vc aprovou manolo...sua dica foi muito boa, e quando eu descobri essa relação da fazenda com o tal caminho Peabirú quase caí da cadeira...rsrsrsr

      Abraços...

      Excluir
  2. Muito interessante. Moro em Sorocaba, já ouvi falar da fazenda, mas não sabia do histórico que ela tinha.
    Apesar de poder ser assobrada, o que mais me chamou a atenção, foi o fato dela ser tão antiga, e preservar tanto a história do local. Espero poder conhece-la em breve.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito desse texto, fazendas históricas são sempre fonte de mistérios e ótimas histórias. Parabéns! Graziela Vieira

    ResponderExcluir
  4. Estive na fazenda em 2008, tirei várias fotos de todos os lugares. Mas em uma das cenzalas não foi possível tirar fotos de jeito nenhum, mesmo sendo uma câmera digital.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave