04/03/2015

Instituto Smithsoniano teria ocultado esqueletos humanos gigantes no passado


Uma decisão da Corte Suprema dos EUA pediu que o Instituto Smithsoniano tornasse públicos documentos do final do século XIX e início do XX relacionados à descoberta de esqueletos de humanos gigantes. Acredita-se que o Instituto tenha, inicialmente, ocultado e, depois, destruído os fósseis remanescentes desses seres, com a suposta finalidade de preservar a ideia convencional da evolução humana.

Os arquivos abertos mencionam a existência de antigos corpos humanos com mais de dois metros e meio de altura. Um dos textos, escrito em 1894 por pesquisadores da Oficina de Etnologia do Instituto Smithsoniano, descreve: “Debaixo de uma camada de conchas (...) descansando sobre a superfície natural da Terra, havia um grande esqueleto em posição horizontal em toda sua extensão (...). O comprimento da base do crânio aos ossos dos dedos dos pés era de dois metros e meio. É provável, portanto, que esse indivíduo, quando vivo, chegasse a quase 2,70 metros de altura”.


"Perto da superfície original, 10 ou 12 metros do centro da cidade, na parte inferior, que se estende por todo o seu comprimento. Ele foi um dos maiores esqueletos descobertos por agentes do Instituto Smithsoniano. O comprimento, como mostrado pela medição real, estive entre 2,50 e 2,70 metros. Foi claramente detectável mas caiu em pedaços imediatamente depois da extração da terra rígida onde ele foi enterrado.... "

A respeito disso, as autoridades do Instituto negaram qualquer tipo de envolvimento com esses esqueletos, o que acabou gerando várias teorias conspiratórias, muitas das quais apontam para uma ocultação inescrupulosa da existência de seres humanos gigantes no passado de nossa civilização, e até mesmo a destruição de esqueletos encontrados em estado de boa conservação

O Instituto Smithsoniano

Para quem não sabe, o Instituto Smithsoniano é um centro de ensino e pesquisa com 20 museus parceiros. É administrado e financiado, principalmente, pelo governo dos Estados Unidos, mas também tem licenças para pequenas doações, vendas e outras atividades que deixam algum dinheiro para a instituição.

Conclusões

Como eu não conheço nada a respeito da credibilidade do site Creer o Reventar que foi usado como fonte principal para a matéria, eu acabei procurando mais dados sobre essa tal decisão da justiça americana, mas não encontrei referência em nenhum veículo de grande importância, apenas no History Channel, mas a matéria do site do canal a cabo também usou o site Creer o Reventar como fonte. Encontrei também algumas referências em fóruns, o que é muito pouco para eu atestar a veracidade de tal decisão da corte dos EUA.

Antes de descarregar a metralhadora de ofensas contra o blog Noite Sinistra, favor conferir os textos fontes (ao final do texto) para esse assunto.

Com relação ao assunto gigantes, existem muitos textos na internet, com teorias da conspiração, lendas e mitos em torno desse assunto. Muitas das conspirações alegam justamente isso que o texto fala: que existem institutos de pesquisa que ao invés de investigar esse assunto, acaba contribuindo para a ocultação dos achados arqueológicos que provariam a existência de uma raça de seres humanos com tamanho avantajado.

Embora esse material provavelmente seja um hoax, existem muitos textos abordando o tema gigantes, e por mais malucas que algumas teorias sejam, existem materiais bem interessantes internet afora, e vale a pena dar uma conferida. Aqui no blog Noite Sinistra já falamos algumas vezes a respeito de gigantes em postagens como: Os Nefilins (clique AQUI para ler), A lendária tribo Si-Te-Cah: Os gigantes norte americanos (clique AQUI para ler) e Vídeo de suposto gigante (clique AQUI para ler). Compartilho esses textos para servirem como ambientação para esse assunto.

Como já falei acima, não consegui provas mais substanciais a respeito da veracidade da notícia de que a justiça dos EUA tenha emitido alguma nota contra o Instituto Smithsoniano, então é há uma chance consideravelmente grande disso não passar de mais um hoax, mas se algum leitor(a) conseguir encontrar mais algum material a esse respeito, convido-os a postar sobre o assunto nos comentários.


Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

7 Comentários
Comentários
7 comentários:
  1. realmente é um assunto bem intrigante, adorei o posicionamento do adm em relação ao assunto :>
    eu acho esse assunto fantástico demais pra ser verdade, mas ainda tem gente que crê em tudo, respeito.

    Mas, de repente, se os dinossauros foram capazes de evoluir e virar lagartixas, por que os gigantes não poderiam se tornar gente de estatura média, 1,63, tipo Eu hein? =P

    ResponderExcluir
  2. Li nessa matéria que os tais gigantes teriam em torno de 2,5 metros e 2,7 metros. Será que esses esqueletos, se é que realmente existiram, não pertenceram a pessoas vítimas de gigantismo? O homem mais alto do mundo vivo, Sultan Kosen, atualmente tem 2,51 metro de altura. Ele chegou a essa altura por sofrer desse mal, o gigantismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a ver os relatos falam de várias pessoas numa mesma região que são gigantes e as fotos mostram pessoas com proporções humanas harmoniosas e não como pessoas com gigantismo que geralmente são desproporcionais e um tanto deformadas.

      Excluir
    2. Também pensei nisso.

      Robert Wadlow teve 2,72 cm durante sua vida, logo é possível que exista pessoas com isso no passado

      Excluir
  3. O que mais museus fazem é esconder artefatos que vão de encontro ao que a ciência oficial quer impor ao público. Esse instituto também escondeu ou destruiu crânios de pessoas que possuíam chifres, só restam as fotos.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave