17/08/2015

Cesar Legorreta ("el coqueto"): O serial killer do lotação


Cesar Armando Librado Legorreta (1981) é um assassino em série mexicano, ele teria estuprado e assassinado sete mulheres, mas foi condenado por apenas seis dos estupros e assassinatos (duas das vítimas nunca tiveram as suas identidades descobertas), cometidos no Vale do México (outras fontes afirmam que ele foi condenado por sete dos estupros e seis das mortes). Essa postagem foi uma dica do nosso amigo Juliander Farias. Legorreta acabou recebendo o apelido de "el coqueto".

Modus Operandi

Legorreta se aproveitava de seu emprego como motorista de ônibus na Rota 2 entre o metro de Chapultepec e Golden Valley. Ele fazia esse trajeto a altas horas da noite, e por vezes tirou vantagem disso para atacar as passageiras, com idades entre 17 e 34 anos. Ele estuprava e matava as vítimas.

A forma de abordagem variava. Certa vez ele teria simulado uma pane na condução, assim os passageiros acabaram se dispersando em busca de uma nova forma de chegar ao seu destino, daí ele abordava a sua vítima oferecendo-se para acompanhá-la. Outras vezes ele atacou a passageira que ficava por último no lotação. Ele descartava os corpos em diferentes lugares, como por exemplo o canal de Tlalnepantla.

Dificuldade nas investigações

A polícia só passou a ligar as mortes após denúncia dos parentes das vítimas. Uma jovem de 16 anos, de nome Eva Cecilia Perez Vargas, conhecida como Ceci, havia tomado a condução dirigida por Legorreta no final de 2011 perto da meia noite. O assassino estuprou e matou a jovem, e jogou seu corpo embaixo de uma ponte. As autoridades encontraram o corpo da garota quatro semanas após a sua morte. Ceci era a quarta vítima do maníaco.

Como a descoberta do corpo demorou muito tempo, e a família da garota não sabia se ela estava viva ou não, os próprios familiares, descrentes nos trabalhos da polícia, acabaram realizando buscas para encontrar a jovem. Nesse processo de investigação eles tomaram conhecimento da morte de outras mulheres na mesma região em que Ceci havia sido sumido. Eles entraram em contado com parentes dessas mulheres e levaram esses dados à polícia.

A polícia até então não havia trabalhando com a hipótese de que os crimes estivessem relacionados e que eles poderiam ser obra de uma mesma pessoa. Isso costuma acontecer em cidades grandes, ou em casos de serial killers que costumam se movimentar muito. Um exemplo disso é o caso do Ted Bundy, um assassino de mulheres muito bem sucedido nos EUA.

A polícia local foi muito criticada por não ter relacionado os tais casos, e com toda razão, afinal de conta o tipo de agressão ao qual as vítimas eram submetidas era o mesmo, agressão sexual e estrangulamento. Isso não poderia ter passado desapercebido pela polícia.

Geralmente um crime deixa algumas pistas, mesmo que pequenas. Observar cada caso individualmente pode não gerar indícios suficientes para que a polícia consiga chegar a identidade de um assassino cuidadoso. Agora, quando os investigadores descobrem relações entre diferentes casos, e vinculam eles ao mesmo assassino, cada pequena pista desses assassinatos passa a complementar as pistas dos outros casos. Para um assassino em série a receita do sucesso é não deixar que a polícia ligue as mortes causadas por ele.

Quando a polícia passou a ver todos os casos juntos, os investigadores encontraram um dado importante para a solução do caso: todas vítimas haviam entrado em um micro-ônibus antes de serem atacadas.

Prisão e julgamento

Após a morte de Ceci a polícia começou a trabalhar na hipótese de que um serial killer estava agindo na área, mas após a morte dela e a localização do corpo, outras quatro mortes aconteceram antes de finalmente o maníaco ser capturado.

No dia 19 de fevereiro de 2012 Cesar Armando Librado Legorreta finalmente foi preso. Ele rapidamente confessou seus crimes, com riqueza de detalhes, o que impressionou os investigadores por conta de sua frieza ao falar do assunto.


Ele foi levado para uma sala de detenção na Procuradoria-adjunta localizada em Tlalnepantla, na aldeia de San Pedro Barrientos. Legorreta ficaria preso lá até o dia 27 de fevereiro, mas conseguiu fugir do lugar, pulando uma janela do terceiro andar do prédio.


Uma semana depois ele foi recapturado na casa de uma tia na Cidade do México. Depois de preso ele acabou operado para corrigir algumas lesões que ele tivera nas pernas e na coluna, ocorridas quando ele saltou do terceiro andar prédio da Procuradoria.


No dia 12 de dezembro de 2012 ele foi condenado a 240 anos de prisão pelos seis assassinatos (algumas fontes afirmam que a pena foi de 301 anos de prisão).

Vítimas

Abaixo os amigos e amigas podem conferir algumas informações a respeito de algumas das vítimas do assassino.
  1. Identidade não revelada (19 anos) atacada em Junho de 2010. Essa vítima sobreviveu fingindo-se de morta. O próprio assassino confessou o ataque em San Lucas, Naucalpan, Estado do México.
  2. Delia Magaña Quintero (26 anos) morta em 2011, em Las Torres e Avenida 16 de Setembro, Tlalnepantla, Estado do México. 
  3. Vítima não identificada (aproximadamente 17 anos) 2011 Col. Juarez, Cidade do México. 
  4. Eva Cecilia Perez Vargas (16 anos) 26 de novembro de 2011 no bairro de San Isidro em Ejido, Tultitlan, Estado do México. 
  5. Fidelia Pulido Garcia Ayala (22 anos) 25 de dezembro de 2011 no Lago de Guadalupe, Estado do México. 
  6. Identidade não revelada (18 anos) 31 de dezembro de 2011 na Constitution Avenue, perto da rodovia México-Querétaro. 
  7. Vítima não identificada morta em janeiro de 2012 Av. Reyes Heroics, Tlalnepantla, Estado do México. 
  8. Patricia Briano (35 anos) 18 de janeiro de 2012 em Guadalupe Lake Road, Estado do México.
Mães das vítimas

Agradecimentos ao amigo Juliander Farias pela dica.

Fontes: Yahoo e Enciclopédia dos Assassino em Série.

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Links Relacionados:

1 Comentários
Comentários
Um comentário:

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave