28/09/2015

Hélène Jégado - A Assassina das Panelas

Hélène Jégado foi uma serial killer francesa que, em 18 anos, matou 36 pessoas usando arsênico. Hélène era empregada doméstica e também analfabeta. Não havia muita lógica na escolha de suas vítimas. Qualquer pessoa que olhasse torto ou que discordasse, seria uma possível vítima. Hélène envenenava suas desavenças e observada contente a agonia. Depois, chorava junto a família, a morte da pessoa.



Início da vida e crimes

Hélène Jégado nasceu em uma pequena fazenda em Plouhinec (Morbihan), perto de Lorient, na Bretanha. Ela perdeu a mãe aos sete anos de idade e foi enviada para trabalhar com duas tias que estavam empregadas na reitoria da Bubry. Depois de 17 anos, ela acompanhou uma tia para a cidade de Séglien. Ela tornou-se uma cozinheira ajudante e teve seu primeiro incidente sendo acusada de colocar em uma sopa, uma variedade da planta cannabis, mais conhecida como cânhamo.

Sua primeira suspeita intoxicação ocorreu em 1833, quando ela foi empregada do sacerdote, Pe François Le Drogo, na aldeia vizinha de Guern. Nos três primeiros meses, entre 28 de Junho e 03 de outubro, sete membros da família morreram subitamente, incluindo o próprio sacerdote, sua velha mãe e pai, e sua própria irmã que tinha vindo lhe fazer uma visita, Anne Jégado. Sua tristeza aparente e comportamento piedoso foi tão convincente que ela nem levantou suspeita. Vindo logo depois da epidemia de cólera de 1832 as mortes podem ter sido colocadas como causas naturais.

Jégado voltou a BUBRY para substituir sua irmã, onde três pessoas morreram em cerca de três meses, incluindo sua outra tia. Depois disso, matou mais três pessoas de uma mesma família: Marie-Jeanne-Leboucher, seu marido Leboucher e sua filha morreram e um filho adoeceu. É possível que o filho tenha sobrevivido por não ter consumido veneno suficiente. Quando na mesma cidade, a viúva Lorey que oferecia um quanto para Jégado, morreu depois de comer uma sopa que sua mais nova pensionista tinha preparado. Em maio de 1835, ela foi contratada por Madame Toussaint e mais quatro mortes ocorreram. Por esta altura, ela já tinha colocado dezessete pessoas em seus túmulos.

Mais tarde, em 1835, Jégado foi empregada em um convento em Auray, mas rapidamente foi demitida depois de vários incidentes de vandalismo e sacrilégio.

Jégado trabalhava como cozinheira para outras famílias em Auray, em seguida, Pontivy, Lorient, e Port-Louis, onde ela ficava como empregada brevemente em cada local. Muitas vezes, alguém adoeceu ou morreu. Entre seus assassinatos mais infame está de uma criança, a pequena Marie BREGER, que morreu no Château de Soye (Ploemeur), em maio de 1841, dez anos e um mês antes de sua detenção final. A maioria das vítimas morreram mostrando sintomas correspondentes ao envenenamento por arsênico, embora ela nunca tinha sido pega com arsênico. Não há registro de suspeitas de mortes desde o final de 1841-1849, mas alguns empregadores relataram furtos ocorridos em suas residências no período em que Jégado havia trabalhado no local; ela era aparentemente uma cleptomaníaca e foi pego roubando várias vezes.

Sua carreira tomou um novo rumo em 1849, quando se mudou para Rennes, a capital da região.

Prisão

Em 1850, Jégado se tornou a empregada pessoal de Théophile Bidard, professor de Direito na Universidade de Rennes. Uma de suas servas, Rose Tessier, adoeceu e morreu quando Jégado cuidava dela. Em 1851, uma das outras empregadas domésticas, Rosalie Sarrazin, adoeceu e morreu do mesmo modo. Dois médicos tentaram salvar Sarrazin e por causa dos serem semelhantes aos de Tessier, eles convenceram os parentes para permitir uma autópsia. Jégado levantou suspeitas quando ela anunciou sua inocência antes que ela sequer fosse perguntada alguma coisa, e ela foi presa 01 de julho de 1851.

Inquéritos posteriores foram ligados a ela por suspeita de 23 mortes ligadas a envenenamento, entre 1833-1841, mas nenhumas destas mortes foram exaustivamente estudadas, uma vez que estavam fora do limite de dez anos para a acusação e não havia nenhuma evidência científica. Muitas das mortes inexplicáveis foram atribuídas a folclores locais - alguns dos quais eram quase certamente devido a causas naturais. A estimativa mais confiável é de que ela provavelmente cometeu cerca de 36 assassinatos.

Julgamento

O julgamento de Jégado começou 06 de dezembro de 1851, mas, devido às leis francesas sobre provas e estatuto de limitações admissíveis, ela acabou sendo acusada de apenas três assassinatos, três tentativas de assassinatos e 11 roubos. Pelo menos mais tarde, o caso que envolvia a criança, mexeu com os policiais e eles relutaram junto aos pais da criança para autorizarem a fazer a exumação do corpo. O comportamento de Jégado no tribunal foi irregular, passando de murmúrios humildes para gritos altos de piedade e explosões violentas ocasionais contra seus acusadores. Ela consistentemente negava que sabia o que era o arsênico, apesar das evidências em contrário. Os médicos que examinaram suas vítimas não tinham geralmente notado nada de suspeito, mas quando as mais recentes vítimas foram exumadas, elas mostraram evidência esmagadora de arsênico e, possivelmente, antimônio.

O advogado de defesa, Magloire Dorange, fez um discurso de encerramento notável - argumentando que ela precisava de mais tempo do que a maioria para se arrepender e pode ser poupada da pena de morte porque de qualquer maneira ela já estava morrendo de câncer.

O caso atraiu pouca atenção na época por causa que a mídia estava todo ligada no golpe de estado que estava acontecendo em Paris.

Jégado foi condenada à morte por guilhotina e executada na frente de uma grande multidão de curiosos no Champ-de-Mars em Rennes em 26 de fevereiro de 1852.

Quando amanhecer, você já será um de nós...


CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA



Links Relacionados:

1 Comentários
Comentários
Um comentário:
  1. Boa tarde, costumo acompanhar a sua página e adoro, mas devo confessar que ao ler ou pelo menos tentar ler esta história fiquei desiludido com o português, frases sem sentido, mais parecendo que foram copy paste do google translator. que tal dar uma revisão nos textos? É que este está mesmo muito mau, até se perde a vontade de ler.

    Fora isso só tenho a agradecer e desejar boa continuação para este blog que acompanho.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave