05/07/2013

Jerome Brudos, o assassino luxurioso


Pois bem galera atormentada, vai ao ar agora mais uma postagem falando de um sádico assassino. Brudos, também conhecido como "O assassino luxurioso", ou "O assassino com fetiche por sapatos", foi, além de serial killer, um necrófilo. Venham comigo conhecer um pouco mais da história de mais esse perverso assassino.

Jerry Brudos nasceu em 31 de janeiro de 1939 em Webster, Dakota do Sul. Ele era o caçula de quatro filhos e foi psicologicamente danificado quando criança, por uma mãe, que queria desesperadamente uma menina. Ela vestia o pequeno Jerry como uma boneca Barbie, nessa época ele desenvolveu um estranho fetiche por sapatos femininos e roupas íntimas.

O Início

A família de Jerry mudou-se para Salem, Oregon, onde, mesmo muito jovem, ele começou a roubar sapatos femininos e roupas íntimas. Ele roubava dos vizinhos e em qualquer lugar onde ele teria acesso. Quando era adolescente, ele começou a perseguir mulheres jovens, ele batia nelas e as asfixiava deixando-as inconscientes, para que ele pudesse roubar seus sapatos.

Quando ele tinha 17 anos ele foi preso por sequestro e espancamento de uma jovem mulher, Jerry foi enviado para o Hospital Estadual de Oregon, onde ficou por nove meses. A avaliação psiquiátrica lhe diagnosticou com esquizofrenia e culpou sua perversões sexual e ataques às mulheres, como uma forma de vingança contra a mãe.

Ainda fazendo tratamento, ele se formou no colégio em 1957. Logo após a graduação, Brudos tornou-se um técnico em eletrônica.

Casamento e filhos

Em 1961, Jerry casou-se com uma moça de 17 anos de idade, com quem ele viria a ter dois filhos, e se estabeleceu no subúrbio de Salem Oregon. Ele pedia que sua jovem esposa fizesse os trabalhos domésticos sem usar roupas, exceto nos pés, ele pedia que ela usasse sapatos de salto alto, enquanto ele tirava fotos. Quando isso não era capaz de estimular Jerry o suficiente, ele saia a noite para realizar seus ataques, roubando sapatos e roupas íntimas para saciar suas compulsões.

Nessa época ele começou a sentir dores de cabeça e severas enxaquecas, ele também passou a ter alguns "apagões". Ele começou a manter, a sete chaves, em sua garagem, troféus roubados. Em breve Brudos começaria a cobrar prêmios mais terríveis. Logo o fetiche de Brudos o colocaria em uma espiral, deixando o mesmo fora de controle e levando-o a cometer estrangulamentos e assassinatos.

Os Crimes

Na garagem de sua casa em Salem, Oregon, Brudos mantinha troféus de suas vítimas, dois pares seios amputados que eram usados como pesos de papel, e o pé esquerdo de uma menina de 19 anos chamada Linda Slawson (sua primeira vítima fatal), que ele usava como modelo de um calçado que ele tinha roubado. Após cometer um assassinato, ele se vestia de salto alto e se masturbava. A polícia investigou vários locais e interrogou várias pessoas que os levaram a Brudos, que descreveu os assassinatos em detalhes.

Ele confessou ter assassinado Linda Slawson, Jan Whitney, Karen Sprinker e Linda Salee, e foi condenado à prisão perpétua.

Linda Slawson

Linda Slawson trabalhava para uma empresa de livros, indo de porta em porta vendendo enciclopédias. Em 26 de janeiro o seu percurso a levava para um bairro em Portland, Oregon. Algumas pessoas dizem que ela estava procurando por uma casa, quando acabou na casa errada, mas ninguém sabe o que realmente aconteceu, além da história contada pela pessoa que a encontrou. Ninguém nunca viu ou ouviu de Linda Slawson novamente.

A companhia de livros não tinha registro de onde ela tinha ido nesse dia, assim os pedidos desesperados de busca feitos pela família Slawson não deram em nada. Conseguiram localizar o carro dela, abandonado, mas não acharam pistas sobre o que tinha acontecido com ela. Não havia sinal de luta e aparentemente nada faltava. O tempo foi passando e o caso dela foi esfriando. No entanto, o mistério seria revivido no ano seguinte, quando outras mulheres jovens foram desaparecendo.


Jan Whitney

Em 26 de novembro de 1968, Jan Whitney, de 23 anos, desapareceu quando estava a caminho de casa para o feriado de Ação de Graças. Seu carro foi encontrado fora da estrada em uma área de acostamento perto de Albany, Oregon. Estava fechado, mas não havia sinal dela. Possivelmente uma falha mecânica fez ela ir procurar por alguém para ajudar. Esses eram dias que as meninas pediam carona livremente ao longo da West Coastand e os predadores percebiam como era fácil atacá-las sem que ninguém mais soubesse. 

Não houve ligações e assim como Slawson, ela apenas tinha desaparecido.


Karen Sprinker

Quatro meses depois, em 27 de março de 1969, Karen Sprinker, de 19 anos, desapareceu. Ela teria saído após a aula na faculdade, e sua mãe esperava encontrá-la para almoçar em um restaurante do centro da cidade. Ela esperou uma hora e então começou a ficar preocupada. Karen nunca falhava os compromissos. 

Na verdade, foi descoberto que ela estacionou seu carro na garagem da loja onde a mãe estava esperando. Mas o carro estava vazio e Karen nunca mais voltou para pegar ele. Os clientes da área disseram ter visto uma mulher muito alta e de aparência estranha na área. Uma testemunha disse que quando esta pessoa se aproximou, ela viu que era um homem travestido. Ele parecia bastante assustador, então as pessoas o evitavam. Não havia nenhuma razão para ligar os incidentes.


Linda Salee

Apenas quatro semanas mais tarde, Linda Salee, de 22 anos, que parecia ter sido sequestrada em um shopping center. Ela foi lá comprar um presente para seu namorado, mas não foi encontrá-lo naquela noite. Ela também não apareceu para trabalhar, e seu carro foi encontrado abandonado. Como nos outros casos, não havia nenhum sinal se a violência no carro ou de qualquer coisa estranha que pudesse ter acontecido. É claro, o namorado dela foi considerado suspeito, mas nada indicava que ele devesse continuar nessa condição. Nos dias seguintes de seu desaparecimento, nenhum sinal de Salee.


Investigações

A polícia estabeleceu uma linha de tempo, observando o fato de que todas as meninas tinham desaparecido na segunda metade de cada mês. E todas elas eram jovens mulheres brancas. Mas isso era tudo que os investigadores tinham. Até que restos humanos apareceram na rede de um pescador em um rio próximo.

Dias depois foi descoberto que o corpo pertencia a Linda Salee. Continuando a revistar o Tom Long River, ao sul de Corvallis, Oregon, foi encontrado um segundo corpo. Esse teve os seios amputados e tinha enchimentos dentro do sutiã. O corpo foi reconhecido pela mãe da vítima pelas roupas, e esse pertencia a Karen Sprinker. Novas revistas no rio não encontraram mais nada. As outras vítimas só foram encontradas após Burdos deixar pistas, sendo que Jan Whitney estava também sem seios.



O corpo de Salee que foi descoberto no rio. Seu corpo tinha sido atirado ao rio, e estava amarrado a uma pesada peça de automóvel. A polícia trabalha observou o nó incomum na corda de nylon usada para amarrar o corpo à peça de automóvel. Continuando a procurar o rio, a polícia encontrou Sprinker alguns dias mais tarde. Ela, também, tinha sido amarrada a uma peça de carro, por meio de um nó incomum.

Durante o curso de sua investigação, a polícia entrevistou estudantes da Universidade do Oregon em Corvallis sobre os assassinatos. Alguns estudantes relataram ter recebido telefonemas de um homem estranho que diz ser um veterano do Vietnã. Uma dos estudantes, na verdade, saiu com o um homem corpulento com cabelos claros e sardas. Durante o encontro, o homem fez alguma referência às mulheres encontradas mortas no rio. A polícia pediu a ela para chamá-los, caso o homem entrasse em contato novamente, caso isso acontecesse a garota deveria combinar um encontro com o homem em seu dormitório. Depois de alguns dias, o homem que acabou por ser Brudos entrou em contato e concordou em se reunir com a jovem.

Em vez da jovem, Brudos encontrou a polícia esperando por ele, quando ele chegou. Eles entrevistaram o eletricista e decidiram investigá-lo como um possível suspeito. Depois de uma jovem mulher, que ele havia tentado raptar, o identificou, a polícia foi capaz de obter um mandado de busca para a casa dele. Lá eles encontraram uma riqueza de evidências, incluindo corda de nylon e as fotos das vítimas das Brudos.

Jerry prontamente admitiu seus crimes quando pego e explicou em detalhes. Ele foi condenado à prisão perpetua, pelos quatro assassinatos. Ele passou o resto de sua vida atrás das grades. Na prisão ele se tornou colecionador de catálogos de sapato, até que ele morreu, por culpa de um câncer no fígado, em 2006, com a idade de 67 anos.





Quando amanhecer, você já será um de nós...

Postagens em Destaque do Noite Sinistra
Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...
Os campos de concentração no Ceará
Links Sinistros 47
Vídeo mostra relíquia egípcia se movendo sozinha
Tapeçaria antiga com representações de alienígenas
A estranha anomalia do Atlântico Sul
Clique nas imagens, para acessar as postagens que você deseja ler...


Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
4 Comentários
Comentários
4 comentários:
  1. Se tivessem matado esta merda no ninho, nada teria acontecido as pobres moças.
    Este tipo de lixo humano, nao tem conserto, so morte arruma.
    No brasil, temos varios exemplos e o pior sao as nossas ridiculas leis.
    Temos exemplos destes lixos humanos na politica tambem.
    Lugar de lixo, é no lixo, apodrecendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A culpa é toda da mãe dele seu BURRO. Não sabe ler ? não viu que a mãe dele vestia ele de mulher ? tinha que ter pego a mãe dele e torturado até a morte

      Excluir
  2. Concordo em gênero, número e grau, meu amigo. Tá na hora de começar à "incinerar" este lixo que tomou conta do nosso país!

    ResponderExcluir
  3. É muita luxúria! Cara, ele matava e roubava os sapatos? Gay...

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave