29/11/2013

Aileen Wuornos


Aileen Wuornos nasceu com o nome de Aileen Carol Pittman em Rochester, Michigan, em 29 de fevereiro de 1956. Seus pais adolescentes separaram-se meses antes de seu nascimento; o pai, Leo Pittman, passou  por um período internado em hospitais para doentes mentais de Kansas e Michigan, sendo considerado como um demente molestador de crianças. A mãe Diane Prat, lembra-se de Aileen e seu irmão mais velho Keith como “bebês chorosos e infelizes”, e seu barulho motivou-a a deixá-los com seus pais no inicio de 1960. Em 18 de março daquele ano, os avós maternos Lauri e Britta Wuornos adotaram legalmente as crianças como suas.

Infância

Na infância, Aileen mostrou pouca melhora. Aos 16 anos ela teve cicatrizes e queimaduras faciais enquanto, juntamente com Keith, estava ateando fogo com o fluído do isqueiro. Aileen depois disse a polícia que ela fazia sexo com Keith desde criança, mas pessoas próximas aos dois nessa época duvidaram da história e Keith não é capaz de se defender, já que morreu de câncer na garganta em 1976. De qualquer forma, Aileen estava claramente fazendo sexo com alguém, pois ficou grávida aos 14 anos, tendo seu filho na maternidade do hospital de Detroit em 23 de março de 1971. A criança acabou sendo adotado por outro casal.


Keith Wuornos
A avó Britta morreu em 7 de julho desse mesmo ano e, embora sua morte tenha sido atribuída a uma falha do fígado, Diane Pratt acusous seu pai de assassinato. Ela teria afirma que ele ameaçou matar Aileen e Keith se eles não fossem retirados de sua casa.

Aileen Wuornos com sua avó
Aileen Wuornos com seu avô
De fato, eles se tornaram tutelados do tribunal, Aileen logo abandonou a escola para trabalhar nas ruas em tempo integral, ganhando seu sustento como prostituta adolescente, vagando pelo país.

Entrando para o mundo do crime

Em maio de 1974 usando o pseudônimo Sandra Kretsch, ela foi presa no Distrito de Jefferson, Colorado, por conduta desordeira, dirigir embriagada e atirar com uma pistola calibre 22 de um veículo em movimento. Acusações adicionais foram registradas quando ela saiu da cidade antes de seu julgamento.

De volta a Michigan, em 13 de julho de 1976, Aileen foi presa no Distrito de Antrim por agressão simples e distúrbio da paz após ela arremessar uma bola de bilhar na cabeça do atendente de um bar. Os mandados pendentes foram também secundados pelas acusações de dirigir sem licença e consumir álcool em um veículo. Em 4 de agosto de 1976, Aileen liquidou seu débito com a sociedade com uma multa de 105 dólares.

O dinheiro veio, pelo menos indiretamente, de seu irmão. A morte de Keith em 17 de julho surpreendeu-a com um pagamento de seguro de vida de 10 mil dólares, dissipados em dois meses em luxos incluindo um carro novo, que Aileen imediatamente destruiu em um acidente. No fim de setembro, partiu novamente sem rumo. Ela pediu carona para a Flórida, ansiosa para experimentar um clima mais quente, esperando praticar seu negócio ao sol. Foi uma mudança de cenário, mas a atitude de Aileen ainda era a mesma, e ela inevitavelmente enfrentou mais problemas com a lei.

Em 20 de maio de 1981, Wuornos foi presa em Edgewater, Flórida, por roubo a mão armada de uma loja de conveniência. Sentenciada a prisão em 4 de maio de 1982, ela foi liberada após passar um ano e um mês presa, em 13 de junho de 1983.

Sua próxima prisão, em 1º de maio de 1984, foi por tentar passar cheques falsos em um banco em Key West. Em 30 de novembro de 1985, nomeada como suspeita no roubo de uma pistola e munição no Distrito de Pasco, Aileen usou o codinome Lori Grody, de sua tia em Michigan. Onze dias depois, a polícia rodoviária da Flórida citou Grody por dirigir sem carteira de motorista válida. Em 4 de janeiro de 1986, Aileen foi presa em Miami, com seu próprio nome, acusada de roubo de carro, resistência a prisão e obstrução com informação falsa; a polícia encontrou um revólver calibre 38 e uma caixa de munição no carro roubado. Em 2 de junho de 1986, os oficiais do Distrito de Volusia detiveram Lori Grody para interrogatório após um companheiro acusá-la de sacar uma arma em seu carro e exigir 200 dólares. Apesar de suas negativas, Aileen estava carregando munição sobressalente consigo, e uma pistola 22 foi encontrada sob o banco do passageiro que ela ocupava. Uma semana depois, usando o novo codinome de Susan Blahovec, ela foi multada por excesso de velocidade no Distrito de Jefferson, Flórida. A citação incluía uma observação dita: “Pobre atitude. Pensa que está acima da lei”.

Poucos dias depois daquele incidente, Aileen encontrou a lésbica Tyria Moore em um bar gay de Daytona. Elas logo se tornaram amantes e quando a paixão esmaeceu após cerca de um ano, elas permaneceram amigas próximas e companheiras de viagem, quase inseparáveis pelos quatro anos seguintes. Em 4 de julho de 1987, a polícia de Daytona Beach deteve Tyria Moore e Susan Blahovec para interrogatório, sob suspeita de terem golpeado um homem com uma garrafa de cerveja. Blahovec estava sozinha em 18 de dezembro quando os patrulheiros da rodovia citaram-na por andar em estrada interestadual com a carteira de motorista suspensa. Uma vez mais, a citação observou “atitude pobre” e Susan provou isso nos dois meses seguintes, com cartas ameaçadoras ao escriturário do tribunal da comarca, em 11 de janeiro e em 9 de fevereiro de 1988.

Tyria Moore
Um mês depois, Wuornos estava tentando uma nova abordagem e um novo pseudônimo. Em 12 de março de 1988, Cammie Marsh Greene acusou um motorista de ônibus de Daytona Beach de agressão e disse que ele a empurrou para fora do ônibus depois de uma discussão; Tyria Moore foi registrada como testemunha do incidente. Em 23 de julho, um senhorio acusou Moore e Susan Blahovec de atos de vandalismo em seu apartamento, pois elas removeram o carpete e pintaram as paredes de marrom escuro sem sua aprovação. 

Em novembro de 1988, Susan Blahovec lançou uma campanha de seis dias de telefonemas ameaçadores contra o supermercado de Zephyrhills, seguindo uma discussão sobre bilhetes de loteria.

Em 1989, o comportamento de Aileen estava se tornando cada vez mais errático e beligerante. Nunca aceitou insultos inconsequentemente e agora provocava confrontos. Raramente viajava sem uma pistola carregada em sua bolsa Ela trabalhava nos bares e pontos de ônibus, pedindo carona para aplicar golpes quando tudo o mais falhasse, complementando sua renda de prostituta com roubo quando podia. Várias vezes ela falou com Moore sobre muitos problemas de sua vida e um anseio por vingança.

Os Assassinatos e a descoberta das identidades

Richard Mallory, 51 anos, eletricista de Palm Harbor, foi visto pela última vez vivo por colegas de trabalho em 30 de novembro de 1989. Seu carro foi encontrado abandonado em Ormond Beach no dia seguinte, e sua carteira e documentos pessoais estavam espalhados nas proximidades, juntamente com diversos preservativos e meia garrafa de Vodca. Em 13 de dezembro, seu corpo totalmente vestido foi encontrado na floresta a noroeste de Daytona Beach, atingido por três tiros no peito com uma pistola 22. A polícia, ao procurar um motivo no assassinato, soube que Mallory tinha se divorciado cinco vezes, ganhando a reputação de alcoólatra, além paranoico e muito fixado em pornografia. Ele era figura de presença constante em bares de topless. Um empregado anterior descreveu-o como débil, mas a polícia voltou sem nada em sua pesquisa para o registro criminal. Eles não encontrariam nenhuma “coisa suja” na vítima, finalmente concluindo que ele foi apenas um mulherengo paranoico.

Richard Mallory
A investigação foi paralisada nesse ponto em 1º de junho de 1990, quando uma vítima nua indigente foi encontrada, atingida por tiros seis vezes com uma arma calibre 22 e jogado na floresta, 40 milhas ao norte de Tampa. Em 7 de junho, o corpo foi identificado pelos registros dentários como David Spears, 43 anos, visto pela última vez deixando seu local de trabalho em Sarasota em 19 de maio. Spears tinha planejado visitar sua ex-esposa em Orlando naquela tarde, mas nunca chegou. Ironicamente, seu chefe tinha visto a caminhonete desaparecida do homem morto em 25 de maio, estacionada ao longo da I-75 ao sul de Gainesville, mas ali os indícios perderam-se.

David Spears
Corpo de David Spears
Na época em que Spears foi identificado, uma terceira vítima foi encontrada. Charles Carskaddon, 40 anos, era um trabalhador de rodeio em período parcial em Boneville, Missouri, desaparecido desde 31 de maio. Ele desapareceu em algum lugar na I-75, a caminho do encontro com sua noiva em Tampa e seu corpo nu foi encontrado a cerca de 48 quilômetros ao sul do local do assassinato de Spears em 6 de junho. Carskaddon foi atingido nove vezes com uma arma calibre 22, sugerindo um padrão aos oficiais que ainda resistiam a ideia de os casos estivessem ligados entre si. Em 7 de junho, o carro de Carskaddon foi encontrado no Distrito de Marion, com uma pistola 45 automática e diversos itens pessoais relacionados como roubados no veículo.

Charles Carskaddon
Peter Siems, 65 anos, marinheiro mercante que se tornou missionário, foi visto pela última vez em 7 de junho de 1990, quando deixou sua casa em Júpiter, Flórida, para visitar parentes no Arkansas. Siems nunca chegou, e o boletim de pessoa desaparecida foi registrado na polícia em 22 de junho. Nenhum sinal do homem foi encontrado até 4 de julho, quando seu carro foi danificado em um acidente e abandonado em Orange Springs, Flórida. As testemunhas descreveram os ocupantes do veículo como duas mulheres, uma loura e a outra morena, fornecendo a polícia fotos de artistas que seriam parecidos a cada uma delas. A loura foi ferida e sangrava. À polícia levantou uma impressão digital da mão ensanguentada do porta-malas do veículo.

Peter Siems
Troy Burress, 50 anos, deixou a fábrica de salsichas de Ocala onde trabalhava para fazer seu turno normal de entrega em 30 de julho de 1990. O boletim de pessoa desaparecida foi registrado quando ele não retornou no dia seguinte e seu furgão de entrega foi encontrado duas horas depois. Em 4 de agosto, seu corpo totalmente vestido foi encontrado por uma família que fazia piquenique na Floresta Nacional de Ocala. Burress foi atingido duas vezes com uma pistola calibre 22 nas costas e no peito. Nas proximidades, a polícia encontrou seus cartões de crédito, recibos comerciais e uma sacola de dinheiro de um banco local vazia.

Troy Burress
Dick Humphreys era um chefe de polícia aposentado de 56 anos, depois empregado pelo Departamento de Saúde e Serviços de Reabilitação da Flórida para investigar reclamações de abuso infantil em Ocala. Sua esposa relatou seu desaparecimento quando não voltou do trabalho para casa na noite de 11 de setembro de 1990, e Humphreys foi encontrado no dia seguinte, atingido sete vezes com uma pistola calibre 22, com os bolsos de suas calças virados do avesso. Em 19 de setembro, seu carro foi encontrado abandonado e sem as placas traseiras em Live Oak. Apreendido em 25 de setembro, o carro não foi reconhecido como de Humphreys até 13 de outubro, o mesmo dia em que seu distintivo e pertences pessoais foram encontrados no Distrito de Lake, 112,6 quilômetros a sudoeste da cena do assassinato.

Dick Humphreys
A sétima vítima foi Walter Antonio, de 60 anos, um caminhoneiro da ilha Merrit que também trabalhava como oficial da reserva da polícia no Distrito de Brevard. Encontrado na floresta a noroeste da cidade de Cross em 19 de novembro de 1990, ele foi atingido três vezes nas costas e uma vez na cabeça por tiros. Antonio estava nu, exceto pelas meias, e suas roupas foram encontradas depois em uma área remota do Distrito vizinho de Taylor. Seu carro, enquanto isso foi encontrado de volta no Distrito de Brevard em 24 de novembro. A polícia determinou que o assassino de Antonio roubou um anel de ouro juntamente com seu distintivo, cassetete, algemas e lanterna.

Walter Antonio
Na época, os jornalistas observaram o padrão óbvio que os detetives estavam relutantes em aceitar, e a pressão da mídia forçou as autoridades a irem a público com os retratos falados das suspeitas em 30 de novembro de 1990. Durante as três semanas seguintes, a polícia recebeu quatro telefonemas identificando as suspeitas como Tyria Moore e Susan Blahovec. Seus movimentos foram rastreados por meio de recibos de motel e os detetives souberam que Blahovec também gostava de chamar-se Lori Grody e Cammie Marsh Greene. As comparações das impressões digitais fizeram o restante, designando Blahovec/Grody/Greene como Aileen Wuornos, colocando-a na cena em que o carro de Peter Siems foi acidentado em julho, mas ainda faltava aos oficiais rastearem as mulheres.

Enquanto isso Aileen, que agora usava o nome de Cammie Greene estava ocupada penhorando os itens roubados de suas vítimas e embolsando algum dinheiro extra. Em 6 de dezembro, ela penhorou a câmera e o detector de radar de Richard Mallory em Daytona, movendo-se para Ormond Beach com uma caixa de ferramentas roubada de David Spears (Ela também deixou uma impressão do polegar em Ormon Beach, idêntica aquela de Lori Grody.) No dia seguinte, no Distrito de Volusia, Greene penhorou a aliança de Walter Antonio, depois identificada pela sua noiva e pelo joalheiro que a ajustou.

Prisão e Julgamento de Wuornos

Com fotografias de identificação e uma lista de nomes em mãos, foi uma questão relativamente simples rastrear Aileen Wuornos, embora seu estilo de vida sem raízes atrasasse a prisão por mais um mês. Em 9 de janeiro de 1991, ela foi presa em Last Resort, um bar de motoqueiros em Harbor Oaks, detida pelos mandatos pendentes para Lori Grody enquanto a polícia acabava de construir o caso de assassinato. Um dia depois, Tyria Moore foi localizada na casa de sua irmã na Pensilvânia, onde concordou em auxiliar a polícia. De volta a Flórida, os detetives grampearam uma série de conversas telefônicas entre Moore e Wuornos, nas quais Tyria pedia a Aileen para confessar pelo bem de Moore e poupá-la da ação penal como cúmplice. Uma conversa levou a polícia a um armazém que Aileen tinha alugado, e a busca revelou as ferramentas roubadas de David Spears, o cassetete tomado de Walter Antonio, outra câmera e um barbeador elétrico, pertencentes a Richard Mallory.


Em 16 de janeiro de 1991, Wuornos convocou os detetives e confessou seis assassinatos, todos supostamente realizados em autodefesa. Ela negou ter matado Peter Siems, cujo corpo ainda estava desaparecido, e da mesma forma desmentiu qualquer ligação ao assassinato de uma vítima John Doe (nos EUA indigentes masculinos costumam ser chamado de John Doe) atingido mortalmente com uma arma calibre 22 no Distrito de Brooks, Geórgia, e encontrado em estado avançado de decomposição em 5 de maio de 1990 (nenhuma acusação foi registrada nesse caso).

Atirei neles porque era como uma coisa de autodefesa”, disse ela a polícia, “porque senti que se não atirasse neles e não os matasse primeiro... se eles sobrevivessem, poderia estar com problemas por tentativa de assassinato, assim estaria na pior nesse sentido, e se não os matasse, você sabe, claro, quero dizer tinha de matá-los... ou é como retaliação também. É como ‘idiota, você esta me machucando’”.

Nas duas primeiras semanas de sua prisão, Aileen e seu advogado tinham vendido os direitos de filmagem de sua história. Ao mesmo tempo, três investigadores principais do caso contrataram seus próprios advogados para receber ofertas de Hollywood. Criando grande embaraço publico quando esses fatos se tornaram conhecidos do grande público. Em autodefesa, os oficiais sustentaram que estavam querendo vender sua versão do caso com “intenções puras”, planejando colocar o dinheiro em um fundo para as vítimas.

Um show bizarro e paralelo ao julgamento de assassinato começou no fim de janeiro de 1991 com o aparecimento de Arlene Pralle como advogada chefe de Aileen. Arlene era uma esposa de rancheiro de 44 anos e “renascida” como Christian, Pralle informou Wournos em sua primeira carta à prisão que: “Jesus me disse para escrever a você”. Logo, elas estavam tendo conversas diárias ao telefone às custas de Pralle, que conseguiu entrevistas para Wuornos e para si própria, tornando-se um ponto fixo em programas ao vivo na televisão de costa a costa dos EUA. Nas palavras de Pralle, seu relacionamento era “um vinculo da alma. Somos como Jonas e Davi na Bíblia. É como se parte de mim estivesse presa na cadeia com ela. Nós sempre sabemos o que a outra está sentindo e pensando. Eu apenas queria ser Houdini. Poderia tirá-la de lá. Se houvesse um jeito eu o faria, e poderíamos ir e ser vagabundas para sempre”. Em vez disso, Pralle fez a melhor coisa, legalmente adotando Wuornos como sua “filha”.

Arlene Pralle
O julgamento de Aileen pelo assassinato de Richard Mallory começou em 13 de janeiro de 1992. Onze dias depois, Wuornos tomou o banco de testemunhas como a única testemunha de defesa, repetindo sua narração de estupro violento e espancamento nas mãos de Mallory, insistindo que atirou nele mortalmente em autodefesa, usando sua pistola somente após ele ter ameaçado sua vida. Sem nenhuma evidencia para apoiar sua versão dos fatos, os jurados rejeitaram a história, deliberando meros 90 minutos antes de condenarem Aileen por homicídio doloso em 27 de janeiro. “Sou inocente!”, ela gritou quando o veredito foi anunciado. “Fui estuprada! Espero que você seja estuprado! Seus sujos da América!” O júri a recomendou à morte em 29 de janeiro, e no dia seguinte Aileen foi formalmente sentenciada a morte. Em abril, ela admitiu a culpa nos assassinatos Burress, Humphreys e Spears, com uma segunda sentença de morte imposta em 7 de maio de 1992.

Na mesma época, Aileen ofereceu-se para mostrar à polícia onde o corpo de Peter Siems estava escondido, perto de Beaufort, Carolina do Sul. As autoridades levaram-na para lá, mas nada foi encontrado no local designado. A polícia de Daytona, acredita que Wuornos criou o artifício para tirar uma férias grátis da cadeia. Eles especularam que Siems estaria jogado em um depósito de lixo na I-95, ao norte de Jacksonville, mas seu corpo nunca foi encontrado.

O caso Wuornos teve uma mudança irônica em 10 de novembro de 1992, com as revelações da repórter Michele Gillen no Dateline da NBC. Até aqui, os defensores de Aileen e os promotores da Flórida tinham falhado em desenterrar qualquer registro criminal de Richard Mallory que daria certa sustentação a versão de Aileen de estupro e agressão. Na versão oficial Mallory era “limpo”, mesmo de alguma forma paranoico com relação a sexo. Gillen aparentemente não teve dificuldades em descobrir que Mallory tinha cumprido dez anos por estupro violento em outro Estado, fatos facilmente obtidos ao colocar seu nome na rede de computadores do FBI.

“A parte fascinante sobre isso”, Gillen disse, “é: aqui está uma mulher que no último ano gritou que não teve um julgamento justo e todos estavam correndo para fazer um filme de TV sobre ela” – e de fato isto se tornou verdade ( o primeiro filme da TV que retratou Aileen foi ao ar em uma rede rival uma semana após o dia do relatório de Gillen). Mesmo assim, Gillen parou pouco antes de pedir a liberação de Aileen. “Ela é uma mulher doente, que assassinou homens”, Gillen disse, “mas não é uma razão para o Estado dizer ‘ela confessou o assassinato de homens; não temos de fazer nosso trabalho de casa’”. Lembrando que a primeira das penas de morte que foram dadas a Aileen Wuornos, foi justamente pelo assassinato de Richard Mallory, caso no qual ela alegou ter sido estuprada por ele, e tendo o marado como forma de defesa.

O fato de certas informações, como esse período em que Richard Mallory passou preso, justamente por estupro, não terem sido levantadas durante o julgamento, fatos esse que poderiam ter dado certo respaldo a versão de Wuornos, servem como armas para muitas pessoas que acreditam que Aileen Wuornos era inocente, e que seu julgamento na verdade foi um grande circo midiático.

Execução

Aileen Wuornos foi executada por injeção letal em 9 de outubro de 2002, na prisão estadual da Flórida, em Starke – EUA.

Sua declaração final é um misto de religião e ficção científica: “Eu só gostaria de dizer que estou velejando com A Rocha e voltarei com em Independence Day com Jesus, 6 de junho, como no filme, na nave mãe e tudo. Eu voltarei”. A Rocha é uma referência bíblica a Jesus.

Quando a cortina da câmara da morte se abriu às 9h29min, Wuornos ergueu a cabeça e olhou as pessoas presentes com expressão de surpresa, antes de fazer sua declaração final. Às 9h30min a injeção foi administrada em seu braço direito. Dois minutos depois, ela parou de se mexer e foi pronunciada morta às 9h47min, aos 46 anos de idade.

Filme que conta a história de Aileen Wuornos, interpretada pela Charlize Theron e onde Tyria Moore é interpretada por Christina Ricci

Fontes: Serial Killers, Murderpédia e Famiregados

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
Links Relacionados:
Robert Pickton: Assassino da Fazenda de Porcos.
Edmund Emil Kemper: O caçador de cabeças.
Daniel Camargo Barbosa, a besta dos manguezais.
Yoo Young-Chul: O Canibal sul coreano.
John Wayne Gacy: O palhaço assassino.
Os estripadores de Chicago.
Jerome Brudos, o assassino luxurioso.
Armin Meiwes, o canibal de Rotemburg.
Nikolai Dzhumagaliev: O canibal do Cazaquistão.
Albert Fish, o devorador de criancinhas.
Enriqueta Matrí: A vampira de Barcelona.
Joachim Georg Kroll: O devorador Alemão.
Bela Kiss: O monstro húngaro.
Leonard Lake e Charles Ng: Assassinos e torturadores.
Canibalismo em família.
Winnie Ruth Judd: A mulher tigre.
Harvey Murray Glatman: O Assassino de Beldades.
Dennis Andrew Nilsen, o assassino gentil.
Peter Bryan: O canibal inglês.
Nicolas Claux: O vampiro de Paris.
0 Comentários
Comentários
Nenhum comentário :

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave