02/08/2013

Yoo Young-Chul: O Canibal sul coreano


Olá amigos e amigas, hoje voltaremos a falar de um assassino frio e cruel. O homem da vez é sul coreano Yoo Young-Chul. Yoo além de matar de maneira brutal suas vítimas, ainda praticou canibalismo em algumas delas. Venham comigo conhecer mais um "monstro humano".

Yoo Young-chul ou Yoo Young-Cheol nascido em Hangul, em 1970 é um assassino em série sul-coreano e canibal confesso. Embora ele tenha admitido que matou 21 pessoas, a maioria prostitutas e homens ricos idosos, o Tribunal Distrital Central de Seul o condenou por 20 assassinatos (num caso ele foi absolvido por falta de provas). Yoo queimou três e mutilou pelo menos 11 de suas vítimas, admitindo que comeu o fígado de algumas delas.

Ele cometeu seus crimes entre setembro de 2003 (mês em que foi libertado do Centro de Detenção de Jeonju onde cumpria pena por roubo e estupro) e julho de 2004 (quando ele foi preso novamente). Enquanto cumpria pena por roubo e estupro, Yoo estudou a vida e os crimes de Jeong Du-Young, outro serial killer que matou nove vítimas ricas em Busan, Ulsan e outras cidades da província de Gyeonggi de junho de 1999 a abril de 2000. Os assassinatos cometidos por Jeong eram simplesmente parte de seus roubos durante o dia. No momento de sua captura, ele falou que tinha um desejo de roubar casas que eram equipados com câmeras de segurança. Seguindo a história de Jeong, Yoo colocou nos ricos a culpa de tudo o que estava errado com a sociedade coreana e dos fracassos em sua vida. Ele iria caçar eles como um cão. Ele planejava matar mais de cem pessoas.

O início de tudo

Yoo Young-Chul nasceu e cresceu em meio a pobreza na aldeia de Waha em Gochang County, na província norte Cheolla, sendo um filho indesejado de uma gestação inesperada.  Seus pais não queriam ele, e anos mais tarde, ele foi informado por sua avó que sua mãe considerou matá-lo. Seus pais se separaram, e em seus primeiros anos, ele foi criado por sua avó. Quando tinha seis anos de idade, mudou-se para Seul para viver com seu pai e sua madrasta. Seu pai era um veterano da Guerra do Vietnã e voltou com uma grande economia de pagamento como soldado. Ele jogou a maior parte fora em especulações de negócios pobres. Yoo tinha dois irmãos mais velhos e uma irmã mais nova. A madrasta de Yoo constantemente agredia a sua irmã, mas nunca maltratar o garoto, porém os mal tratos contra a irmã fizeram Yoo odiar profundamente a madrasta.

Desde muito cedo Yoo já demonstrava ser uma pessoa violenta e desde muito jovem esteve envolvido com tortura e morte de animais, em especial cães. O pai de Yoo  era um homem muito amargurado e rigoroso. O caráter rigoroso do pai e o jeito rebelde de Yoo, gerou entre grandes atritos.

Ele entrou na escola média em 1984. Embora Yoo afirma que ele tem um QI de 140, seus registros escolares indicam que é em torno de 95-100. Logo no início, Yoo sentiu atraído pela artes. Ele é daltônico, mas gosta de pintura e lê poesia. Ele gostava de cantar e ao mesmo tempo estava em um grupo gospel em uma igreja. Com seus amigos, ele formou um grupo musical chamado "Evergreen" para competir em um concurso de talentos. Ele era um bom atleta.

No dia de 23 de Junho de 1993 Yoo Young-Chul casou-se com sua namorada a senhorita Hwang, com quem ele teve um filho no ano de 1994. Com dificuldade para pagar o aluguel Yoo passou a cometer pequenos roubos para "ajudar" no orçamento familiar. O casamento durou até o 27 de outubro de 2000. Sua esposa pediu o divórcio apos a prisão de Yoo, acusado de estupro.

Lista de delitos cometidos por Yoo Young-Chul, antes da onda de assassinatos:

  • 1988: Roubo
  • 1991: Roubo (condenado 10 meses de prisão)
  • 1993: Roubo (condenado oito meses na cadeia)
  • 26 de outubro de 1994: O seu filho nasceu
  • 1995: venda de pornografia ilegal (condenado a pagar 3.000.000 KRW)
  • 1998: roubo, falsificação, roubo de identidade (condenado dois anos de prisão)
  • 2000: O abuso sexual infantil (estupro) (condenado 3 anos 6 meses na cadeia)
  • 11 de setembro de 2003: libertado da prisão

Modus Operandi

Os crimes cometidos por Yoo Young-Chul, contra prostitutas e idosos ricos, eram repletos de muita brutalidade. Ele tinha como arma preferencial um martelo, com o qual ele esmagava a cabeça das vítimas. Muitas das vítimas acabaram decapitadas depois de mortas, sendo que suas cabeças eram arremessadas por Yoo em um imenso canteiro de obras. Segundo o próprio Yoo ele comeu o fígado ainda cru de pelo menos 11, das 21 pessoas que ele assassinou. Três das vítimas tiveram seus corpos carbonizados depois de mortas.


O primeiro ataque

Meio da manhã no dia 24 de setembro de 2003, Yoo entrou no metrô com destino a Estação Apgujeong-dong, o bairro mais afluente, em Seul. De lá, ele andou pelas ruas do bairro Sinsa procurando uma igreja. Uma vez que ele viu uma, ele procurou nas proximidades por uma casa de aparência cara, algo que poderia indicar que os seus proprietários eram ricos.

A casa que ele escolheu parecia fácil de arrombar. Uma característica comum da maioria das casas de dois andares na Coréia é uma área murada em volta da casa, que forma um pátio. A maioria das casas usam este espaço para cultivar bonsais, ervas e vasos de plantas ou ter seu próprio micro-pedaço de grama no meio da mancha de concreto urbano de Seul. A parede externa desses muros geralmente possuem a altura dos ombros ou não muito superior a cabeça de um homem comum, caracterizando um obstáculo fácil de ser superado.

A casa escolhida por Yoo encaixava-se nesse perfil. Situava-se na entrada de um beco perto de uma estrada principal. Ela tinha um pequeno jardim atrás do muro e nenhum sistema de segurança. Parecia que as únicas pessoas que viviam no local era um casal de idosos. Ele observou a casa por dez minutos antes de fazer a sua jogada. Usando luvas, ele escalou a parede dos fundos e entrou pela porta da frente. Ele estava armado com seu martelo e uma faca com uma lâmina de seis polegadas.

O casal de idosos proprietários da casa eram o Sr. Lee, um professor da universitário honorário de 72 de idade, e sua esposa de 68 anos de idade. Yoo subiu para o segundo andar para verificar se outras pessoas estavam lá e não encontrou ninguém. Ele desceu as escadas, entrou no quarto principal e esfaqueou o professor no pescoço. Sua esposa, a Sra. Lee, gritou de horror, e estranhamente, Yoo tentou acalmá-la, dizendo-lhe que estava tudo bem. Quando ela estendeu a mão para tentar estancar o sangramento marido, Yoo esmagou seu crânio com seu martelo.

Ele verificou se as vítimas estavam mortas, trancou a porta do quarto e saiu pela porta da frente.Usando uma toalha retirada da casa ele tentou limpar o sangue de suas calças, e então ele se lembrou da sua faca. Ele havia deixado ela para trás, trancada no quarto junto a suas vítimas. De volta ao interior da casa, ele chutou a porta trancada, pegou a faca e coloque-o em sua bolsa. Yoo notou que ele deixou a sua pegada na porta, e ele foi capaz de removê-lo parcialmente. Para confundir a polícia, fazendo parecer que o ataque havia sido realizado por uma pessoa que visava cometer um assalto, ele vasculhou o guarda-roupa removendo as roupas que estavam dentro. Ele roubou nenhum dinheiro e jóias. De volta à Estação Apgujeong-dong, ele limpou a si mesmo e lavou suas ferramentas no banheiro do metrô.


Segundo ataque

Em 9 de outubro, Yoo tomou o metrô seguindo para a Estação Bulgwang e pegou um táxi para Gugi Tunnel. Novamente ele procurou por uma bela casa próxima de uma igreja, o que não foi difícil. Ele percebeu que não havia sistema de segurança e tinha um muro ao redor e um jardim interior. Ele observava o movimento de pessoas dentro da casa através da janela e, em seguida, subiu a parede usando luvas. Ele saltou sobre algum cascalho fino, em seguida, caminhou até a casa, tomando cuidado com o ruído, com seu martelo caseiro na mão.

A avó Kang ouviu a porta da frente aberta quando ela saiu do banheiro e estava olhando para ver quem chegava em casa. Yoo golpeou a mulher de 85 anos três ou quatro vezes na cabeça, perto da porta da frente. Naquele momento, a mãe desceu as escadas até a sala. Yoo a chutou duas vezes no estômago e pediu a dona de casa de 60 anos, se haviam mais pessoas na casa. A mulher disse que o marido e o filho estavam no andar de cima, e Yoo atingiu a mesma no crânio com o martelo até que ele tinha certeza que ela estava morta. Subindo para o segundo andar, Yoo correu para Mr. Go, o filho de 35 anos de idade, e obrigou-o a ajoelhar-se. Yoo acertou oito a nove vezes até que seu crânio cedeu e deixou-o na escada.

Ele olhou ao redor do segundo andar, mas não conseguiu encontrar o marido da senhora que ele acabara de matar próximo as escadas. Novamente Yoo tentou disfarçar a cena do crime como roubo. Ele verificou duas vezes para se certificar de que ninguém ainda estava vivo e, em seguida, ele limpou suas pegadas com uma toalha. Yoo voltou para o túnel Gugi e tomou um táxi de volta para Bulgwang Station.

Como é comum a muitos assassinos em série, Yoo também aperfeiçoava seus métodos a medida que ia adquirido experiência.


Assassino de prostitutas

Depois do divórcio Yoo tornou-se um homem amargurado, ele não apreciava o contato com pessoas desconhecidas, mas passou a utilizar frequentemente serviços de tele sexo. A prostituição é ilegal na Coréia do Sul. No entanto, a indústria do sexo está em toda parte, desde a menor das cidades do país para os grandes distritos da luz vermelha, em Seul. Por conta da proibição muitas prostitutas atendem a domicilio, e a contratação é feita via telefone. Foi dessa forma que Yoo passou a procurar suas possíveis vitimas. Dessa forma ele não precisaria se expor, sendo que ele atacava usando o próprio apartamento como "local de abate".

Assim em Março de 2004 Yoo ligou para uma prostituta, marcando um programa a ser realizado no seu apartamento em Mapo. Quando ela chegou ao local ele bateu na cabeça dela com o martelo, em seguida, cortou o corpo em dezoito pedaços. Tudo isso feito dentro da própria casa, ele apenas saiu do seu apartamento para se livrar do corpo. Ele arrastou a mulher desmembrada por uma pequena trilha de montanha atrás da Universidade Seogang e enterrou a jovem lá.

Poucos dias após Yoo matou um homem conhecido por Ahn. O senhor Ahn era um comerciante que vendeu a Yoo comprimidos falsos de viagra. Yoo atacou Ahn e o empurrou para dentro da própria van. Depois de dominar a vitima Yoo voltou para Mapo e estacionou perto de sua casa. Ele colocou suas luvas, martelo e faca dentro de um saco, voltou para o veículo e dirigiu até um estacionamento subterrâneo de um hospital próximo. Em seguida, ele matou Ahn dentro da van. Yoo voltou para casa e lavau as manchas de sangue e trouxe outra faca junto com ele. De volta à van, ele limpou a névoa de sangue fora das janelas. Às 01h00, Yoo levou a Wolmi Island perto de Incheon, a 25 km a oeste de Seul.

Ele estacionou perto de um posto de gasolina abandonado e serrou as mãos de Ahn. Então ele colocou em um saco plástico e jogou no aterro do cais. Yoo incendiou a van e recuou para as sombras para vê-lo queimar. Com a chegada dos bombeiros Yoo pegou um táxi e deixou o local.

Até Julho de 2004 Yoo Young-Chul assassinou cerca de 10 mulheres da forma que foi descrito mais acima. Sempre prostitutas que atendiam chamadas por telefone.

A polícia chega até Yoo Young-Chul

O grande número de morte de mulheres parecia ter atordoado a polícia local. Na quinta, 15 de julho de Yoo foi preso por espancar uma prostituta em um Motel no bairro Yeoksam no sul de Seul. A polícia não tinha ideia de que havia capturado o assassino. Yoo fingiu espasmos epilépticos em uma das pernas. Isso foi o suficiente para gerar simpatia da polícia, pois Yoo não foi algemado durante o interrogatório. Quando eles não estavam prestando atenção, Yoo fugiu.

Yoo foi visitar sua mãe. Ele deve ter previsto que sua matança iria terminar em breve. Sua mãe relatou mais tarde: "Eu conheci o meu filho no dia 15 de julho. Ele apenas disse 'Eu quero morrer, eu quero morrer!' Eu não era capaz de dizer nada. Chorei.'' 

Nessa imagem podemos ver o martelo usado por Yoo para cometer seus crimes
Os cafetões locais sabiam que algo estava acontecendo. Eles resolveram conduzir as suas próprias investigações, e consultaram uns aos outros,descobrindo assim que as mulheres que receberam uma chamada de um determinado número de telefone celular não voltaram. Sr. "A", um cafetão do sexo por telefone, passou essa informação para Yang Pil-ju, um policial que ele conhecia. Yang disse a ele que, se o número de celular misterioso voltasse a ligar, o oficial deveria ser informado.

Poucos dias depois, em torno de uma ou duas horas da manhã, um outro cafetão recebeu um telefonema do número suspeito e chamou o Sr. "A." A mulher já havia sido enviada para atender o cliente, mas Yoo ligou de volta dizendo que ele rejeitou a mulher porque ela era muito velha e feia. Ele exigiu que eles enviassem uma mais bonita, mais jovem.

Sr. "A" ligou para Yoo e disse que estaria enviando uma mulher mais atraente, assim que ele tivesse alguma disponível, que Yoo teria que esperar um momento. Foi uma manobra para ganhar tempo para chamar a polícia e organizar um plano. Sr. "A" chamou Yang e disse-lhe o que estava acontecendo.

Assim enviaram uma mulher para Yoo como isca, e se dirigiram para o local da encontro, por trás do Sincheon Grande Mart. Sr. "A" trouxe seu amigo, dois funcionários e três outros cafetões. Por volta das quatro da manhã, eles se reuniram com Yang e seu colega, Kim. Estava chovendo quando o celular da mulher tocou. Yoo disse a ela para tomar um beco à sua esquerda, outra à sua direita, e as direções que ele deu fez parecer que ele era suspeito.

O grupo de homens se espalharam ao redor da área. Dentro de dez minutos, Yoo surgiu de um beco escuro e foi descoberto pelo Sr. "A", assim Yoo foi capturado e levado para o caro, afim de levar Yoo para a delegacia. Uma vez que ele estava sob custódia da polícia, Yoo confessou tudo.

As investigações policiais dos assassinatos em série de Yoo Young-Chul revelaram mais tarde que ele era um homem metódico. Sua premeditação foi extraordinária e sua atenção aos detalhes foi incrível. Yoo explicou seus motivos na frente de uma câmera de TV dizendo que "As mulheres não devem ser vagabundas e os ricos devem saber o que fizeram." Ele foi condenado à morte em 19 de junho de 2005 pelo Tribunal Supremo. O caso dele, que chocou o povo sul-coreanos, tem alimentado o debate sobre a pena de morte na Coréia do Sul. Embora a pena de morte ainda seja permitida pela lei, não tem sido realizada desde 1997. Muitos queriam o fim da pena capital antes da prisão de Yoo, mas o apoio à pena de morte tem crescido desde a sua detenção. O Tribunal Distrital Central de Seul, disse: "O assassinato de mais de 20 pessoas sem precedentes no país é um crime muito grave. A pena de morte é inevitável para Yoo à luz das enormes dores infligidas às famílias atingidas e de toda a sociedade."






Fontes: Mundo Mau, Crime Library e Murderpedia.

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
Links Relacionados:
4 Comentários
Comentários
4 comentários:
  1. Histórias de serial killer me despertam um fascínio..rsrs, estranho! Cada dia amando mais o blog! *---*

    ResponderExcluir
  2. A mim também, eu não consigo parar de ler! E isso me assuata!

    ResponderExcluir
  3. Ele não nasceu em Hangul (Hangul é a língua que se fala na Coreia), ele nasceu em Gochang County.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave