28/02/2014

Assassino da máfia: Richard “Iceman” Kuklinski


Richard Leonard "The Iceman" Kuklinski, ou simplesmente Iceman Kuklinski foi responsável pelo assassinato de mais de 200 homens (nunca mulheres, ou crianças), durante a sua vida. Ele operou em Nova York e Nova Jersey de 1950 à 1988, tendo trabalhado como assassino para a família DeCavalcante, bem como várias outras famílias proeminentes do crime. Kuklinski cometeu seu primeiro assassinato, com 14 anos (algumas fontes mencionam 13 anos), batendo em um valentão até a morte com um grosso pedaço de madeira. A fim de evitar a identificação, Kuklinski cortou as pontas dos dedos do rapaz e removeu os dentes antes de jogar-lo de uma ponte no sul de Jersey.

Infância violenta

Kuklinski nasceu no dia 11 de abril de 1935 em Jersey City, Nova Jersey, tendo ascendência polonesa e irnlandesa. Filho de Stanley e Anna Kuklinski. Stanley foi um alcoólatra que batia severamente na mulher e nos filhos. Quando perguntado se achava que os crimes de seu irmão mais novo foram desencadeadas por ter uma formação semelhante à sua, ele respondeu: "viemos do mesmo pai." Anna também foi abusiva de seus filhos, por vezes, batendo-os com cabos de vassoura. The Iceman era o irmão mais velho do estuprador e assassino condenado Joseph Kuklinski.

Stanley e Anna Kuklinski
Em 1940, os sucessivos espancamentos impostos aos filhos por Stanley resultaram na morte de Florian, irmão mais velho de Kuklinski. Stanley e Anna esconderam das autoridades a causa da morte da criança, dizendo que ele tinha caído de uma escadaria.

Com a idade de 10, Richard Kuklinski estava cheio de raiva e ele passou a permanecer muitas horas do seu dia nas ruas. Para o divertimento ele torturava animais e por volta dos 14 anos de idade, ele alega ter cometido seu primeiro assassinato.

Usando um taco de sinuca em um bar ele espancou Charlie Lane, um tirano local e líder de uma gangue de pequeno porte. Iceman Kuklinski bateu em Lane até levá-lo a morte. Kuklinski sentiu, por um breve período, remorso pela morte, mas depois viu o acontecido como uma maneira de se sentir poderoso e no controle da sua vida. Posteriormente ele teria levado à morte os seis membros restantes da gangue.

Ao longo dos próximos anos Kuklinski tinha ganhou a reputação de ser um traficante de rua, com temperamento explosivo, que batia ou matava aqueles que ele não gostava, ou que o ofendiam. Segundo Kuklinski foi durante este período que a sua associação com Roy DeMeo, um membro da família mafiosa Gambino, foi estabelecida.

Associações com a Máfia

Associação com a família Gambino veio através de sua relação com o mafioso Roy DeMeo. Este relacionamento começou porque Kuklinski devia um dinheiro para DeMeo, então DeMeo foi enviado para "dialogar" com ele. Ele e sua gangue chicotearam Kuklinski. Depois de ter devolvido o dinheiro que devia, ele começou a encenar assaltos e passou a cumprir com outras atribuições para a família, uma das quais foi a pirataria de fitas pornográficas. Nessa época muitos mafiosos cobravam dinheiro dos comerciantes de determinado bairros, em troca de proteção. Caso algum comerciante se recusasse a pagar, ou não tivesse dinheiro para pagar, alguns homens da máfia iriam "visitar" e assaltar o seu estabelecimento. Esse era o tipo de assalto encenado que Kuklinski realizava.

DeMeo
Segundo Kuklinski, um dia, DeMeo levou-o em seu carro e estacionou em uma rua da cidade. DeMeo então escolheu um alvo aparentemente aleatório, um homem que passeava com o seu cão. Ele então disse para Kuklinski matá-lo. Sem questionar a ordem, Kuklinski saiu, caminhou até o homem e lhe deu um tiro na parte de trás da cabeça, enquanto ele passava. A partir de então, Kuklinski se tornou o favorito de DeMeo.

Durante os próximos 30 anos, de acordo com declarações de Kuklinski após sua prisão, ele matou muitas pessoas, seja usando arma, por estrangulamento, faca, ou veneno. O número exato nunca foi descoberto pelas autoridades, e Kuklinski em vários momentos, alegou ter matado mais de 200 indivíduos. Ele utilizou largamente o cianeto, uma vez que este mata de forma rápida e é difícil de detectar em um teste de toxicologia. Ele teria diversas maneiras de administrá-lo em suas vítimas, podendo ser através de injeção, colocando-o no alimento de uma pessoa, por spray aerosol ou simplesmente derramar sobre a pele da vítima.

Seus métodos de eliminação dos cadáveres incluíam o desmembramento, o enterro ou colocar o corpo no porta-malas de um carro e esmagá-lo em uma prensa de carros. Ele também alegou ter deixado corpos sentados nos bancos do parque, corpos jogados em "poço sem fundo" e atirou cadáveres aos ratos na Pensilvânia, servindo de alimentos aos animais. Kuklinski afirmou que muitas vezes ele atirou aos ratos vítimas ainda vivas, depois de te-las torturado.

Apesar das alegações de Kuklinski que ele era um assassino frequente para DeMeo, nenhum dos membros do grupo de DeMeo, que mais tarde tornaram-se testemunhas para o governo, admitiu que Kuklinski estava envolvido com eles. Apenas lembravam dele em uma ocasião, no Salão Gemini, onde ele teria visitado o clube e mostrado uma arma que comprou no Brooklyn.

Kuklinski alegou ter sido responsável pelo assassinato do próprio DeMeo, embora as evidências disponíveis em relatos de testemunhas acabam contrariando essas afirmações. Segundo a versão oficial e mais aceita, DeMeo teria sido morto sob ordens da própria família Gambino, pois esses suspeitavam que poderiam ter complicações com a justiça caso permanecessem ligados a DeMeo, que agora era alvo de investigações. Os encarregados de sua morte seriam Joseph Testa, Anthony Senter e Rickard Nilsson.

Casamento do homem de gelo

Enquanto sua carreira criminosa estava em alta, Richard “Iceman” Kuklinski conheceu e se casou com Barbara Pedrici, e mais tarde se tornou pai de duas filhas e um filho. Sua família e os vizinhos não estavam cientes de suas atividades, acreditando que ele era um empresário bem-sucedido. Às vezes ele se levantava e saia de casa a qualquer hora do dia ou da noite para fazer um trabalho, mesmo que fosse no meio do jantar. No entanto Kuklinski odiava trabalhar em feriados, especialmente durante o Natal, como ele sentia que era importante estar com a família.

Richard Kuklinski com a esposa e duas filhas

O apelido gelado

Inicialmente apelidado de "O Polack" por seus associados italianos, devido à sua ascendência polaca. Posteriormente Kuklinski ganhou o apelido de "Iceman", após suas experiências em disfarçar a hora da morte de suas vítimas através do congelamento de seus cadáveres em um freezer industrial. Mais tarde o escritor Philip Carlo, que escreveu a biografia de Kuklinski, afirmou que ele usou a ideia do colega Robert Pronge, apelidado de "Mister Softee", Pronge ensinou Kuklinski os diferentes métodos de utilização de cianeto para matar suas vítimas. Kuklinski também alegou ter comprado de Pronge granadas detonadas a distância usando uma espécie de controle remoto. Em 1984, Pronge foi encontrado morto a tiros em seu caminhão.

O método usado por Kuklinski foi descoberto pelas autoridades quando ele não conseguiu deixar uma de suas vítimas descongelar devidamente antes de se livrar do corpo, e o médico legista encontrou pedaços de gelo no coração da vítima.

Captura

Quando as autoridades finalmente apanharam Kuklinski em 1986, elas basearam o seu caso quase que totalmente no depoimento de um agente infiltrado. O Detetive da Polícia do Estado de New Jersey, Pat Kane, começou o caso seis anos antes da prisão e do inquérito, envolveu uma operação conjunta com o escritório da Procuradoria Geral da República e do Escritório de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo.

O Agente Especial, Dominick Polifrone, tinha experiência em casos de máfia. A Polícia do Estado de New Jersey e de Mesa deram início a uma operação conjunta. Detetive Kane recrutou Phil Solimene, um amigo próximo de Kuklinski, que apresentou Polifrone, o agente secreto, para o assassino. O agente agiu como se ele quisesse contratar Kuklinski para uma batida, e gravou Kuklinski falando detalhes sobre como ele faria. Quando a polícia do estado e os agentes federais deram a ordem de prisão a Kuklinski eles bloquearam sua rua, foram necessários vários agentes para derrubá-lo. No processo, a Senhora Kuklinski, também foi presa e acusada de porte de arma, porque o carro dirigido por Kuklinski estava registado com o nome dela. Quando a Sra. Kuklinski foi presa, um policial teve de colocar o pé nas costas dela enquanto a algemava. Esta ação deixou Kuklinski enfurecido, e essa é uma das razões pelas quais eles necessitaram de vários policiais para derrubá-lo.


Prisão e morte

Ele recebeu cinco penas de prisão perpétua consecutivas por homicídio após confessar, tornando-o inelegível para a liberdade condicional até seu aniversário de 110 anos.

Durante seu encarceramento, Kuklinski concedeu entrevistas aos promotores, psiquiatras, criminologistas, escritores e produtores de televisão sobre a sua carreira criminosa, educação e vida pessoal. Dois documentários, com entrevistas de Kuklinski ao Dr. Park Dietz (conhecido por suas entrevistas e análise de Jeffrey Dahmer) exibido na HBO a partir das entrevistas realizadas em 1991 e 2001. Philip Carlo também escreveu um livro em 2006, intitulado "O Homem de Gelo."


Em uma entrevista, Kuklinski alegou que ele nunca iria matar uma criança e "muito provavelmente não iria matar uma mulher". Ele também confessou que uma vez ele queria usar uma besta para realizar uma batida, mas não sem "testar" primeiro. Enquanto dirigia seu carro, ele parou para pedir informação para um homem e lhe deu um tiro na testa com a besta, e afirmou que a flecha "foi a meio caminho em sua cabeça".

Ele também afirmou que uma vez raptou uma de suas vítimas, e ao invés de matá-la convencionalmente, amarrou suas mãos e pés com fita adesiva. Ele então deixou o homem em uma caverna, onde ele foi comido vivo por ratos atraídos pelo choro do homem. Kuklinski alegou que ele filmou a morte do homem como prova para o comprador mostrando que o homem sofreu antes da morte.

Em uma entrevista, Kuklinski confessou que ele lamentou apenas um assassinato, que ele considera ser particularmente cruel. Quando ele estava prestes a matar um homem, o homem começou a orar a Deus por sua vida. Kuklinski lhe disse que lhe daria 30 minutos para Deus salvá-lo, mas quando o tempo terminasse, ele seria morto. Obrigando o homem a esperar 30 minutos para golpeá-lo até a morte. Kuklinski atingiu o grau de assassinato mais sádico.


Kuklinski morreu aos 70 anos as 1:15 horas da manhã do dia 5 de março de 2006. Ele estava em uma ala segura em St. Francis Medical Center, em Trenton, New Jersey. Sua morte parece muito suspeita, pois Kuklinski estava prestes a testemunhar que o ex-subchefe Sammy Gravano ordenou o assassinato da família Gambino de Nova York.

Na época, Gravano já estava preso, cumprindo uma sentença de 19 anos de prisão por usar um anel de ecstasy no Arizona. Kuklinski também afirmou que membros da família Gravano estavam tentando envenená-lo. Poucos dias depois da morte de Kuklinski, promotores retiraram todas as acusações contra Gravano, dizendo que sem o testemunho de Kuklinski não havia provas suficientes para continuar. A pedido da família Kuklinski, o patologista forense, Michael Baden, analisou os resultados da autópsia de Kuklinski para determinar se havia evidências de envenenamento. Baden concluiu que ele morreu de causas naturais.


2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Sinistro...Além de documentários,será q existe filme contando a história desse cara?

    ResponderExcluir
  2. Sim se chama O HOMEM DE GELO com ray liotta

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave