11/05/2014

O Mistério da Radioatividade em 774 d.C.


A história do nosso planeta sempre nos revela surpresas e mistérios a medida que estudos científicos em diferentes campos são realizados. O texto abaixo refere-se a um desses mistérios. Alguma coisa grande aconteceu no ano de 774 DC, pois cientistas que estudam os anéis das árvores encontraram um aumento acentuado na quantidade de carbono radioativo.

As árvores mais antigas, ao redor de todo o mundo guardaram em seus anéis etários a memória química desse misterioso evento. Essas árvores contam parte de uma mesma história. Todas elas possuem os núcleos de seus troncos, camadas de época (mais de 1 300 anos atrás) saturadas por altos níveis de carbono radioativo.


A evidência torna-se mais significativa considerando que, na Antártida, onde os núcleos de gelo também são como um diagrama cronológico que armazena a memória bioquímica de eras passadas, as camadas correspondentes 774 d.C., também apresentam um teor anormalmente alto de isótopo de berilo.

Nenhum fenômeno semelhante foi encontrado no planeta antes ou depois daquele ano, quando todo o globo foi intensamente banhado em raios gama cuja fonte é um mistério para os cientistas.

Os Raios Gama

A radiação Gama é uma dos mais poderosos e (danosos para o homem) entre os tipos de radiação que resultam de reações explosivas nucleares.


A alta frequência do raios Gama causam danos às células, queimaduras e diferentes processos de adoecimento em todos os organismos vivos. É uma radiação mortal com potencial para matar suas vítimas em virtude de curta exposição. No espaço cósmico a radiação Gama é comum, o que torna necessário que trajes e naves espaciais tenham várias camadas de material protetor.

Na Terra, o meio ambiente e os seres vivos não sofrem com a radiação porque essas energias são absorvidas naturalmente pela atmosfera. Seria necessária a incidência de uma intensa e continuada superemissão de raios Gama para que isso chegasse a afetar a vida na Terra. Aparentemente, por mais estranho que pareça, isso de algum modo aconteceu! Um fenômeno cuja origem que só pode cogitada em termos astronômicos, deve ter ocorrido, necessariamente, relativamente perto da Terra.

O que causou?

Não existem muitos eventos celestes capazes de liberar tamanha intensidade de radiação na superfície da Terra. Os cientistas apontam quatro possibilidades:

1. A erupção de uma supernova nas proximidades;

2. Uma poderosa tempestade solar;

3. A formação de um buraco negro, que é uma estrela antiga e mutante, sujeita a uma condição extrema gravidade, devora a si mesma e tudo à sua volta. Tomando a forma de um cone, cuja base larga, atrai irresistivelmente corpos celestes. Estes, sugados pela força da cratera negra, são decompostos e expulsos como energia pura pela sua extremidade;

4. A colisão da colisão de duas estrelas de nêutrons.


A colisão de estrelas e a formação de um buraco negro foram descartadas porque teriam que ocorrer a uma proximidade da Terra suficiente para permitir sua observação e para produzir a onda de raios gama que atingiu o planeta, em 774 d.C..

O mesmo argumento aplica-se à ideia da monstruosa tempestade solar que, no mínimo, tendo uma magnitude capaz de saturar a atmosfera terrestre com raios gama que marcaram as árvores.

Um fenômeno assim, produziria um uma série de espetaculares auroras boreais em todo o mundo, espantoso o suficiente para ser fartamente registrado nos registros históricos da época. No entanto, não existe nenhuma referência a um episódio como esse naquele período da Baixa Idade Média.


O sinal

Até hoje os pesquisadores somente encontraram um registro, um evento astronômico em particular: a aparição de um "crucifixo ardente”, vermelho, que lampejou no céu ocidental, a oeste, em um pôr do sol do ano de 774 d.C..

A referência está na Anglo-Saxon Chronicle, um livro detalhado sobre a História anglo-Saxã. Um livro que foi preservado em inúmeras cópias e atualizado em mosteiros da Inglaterra medieval.

Crônica Anglo-Saxã menciona a aparição de um crucifixo luminoso no céu crepuscular
do Hemifésrio Norte, ao Ocidente.
A possibilidade da eclosão de uma (estrela) supernova parece a mais coerente. Uma explosão desse tipo, ocorrendo nas vizinhanças do Sol, sujeita a estar encoberta por uma nuvem de poeira cósmica, não seria algo de muito chamativo e talvez não pudesse ser visto a olho nu em todos os lugares do mundo.

Nesse caso, o relato de apenas um cronista sobreviveu ao esquecimento daquele crepúsculo. A cor avermelhada e a forma cruciforme podem ter se destacado porque aqueles comprimentos de onda de luz (o espectro) não foram absorvidos pela poeira cósmica.

O quê intriga os astrofísicos - geólogos e outros cientistas - é como essa forte onda raios Gama, que marcou os anéis da madeira das árvores antigas e o gelo da Antártida poderia ter marcado, imperceptivelmente, também os homens e outros animais.

Aparentemente, tal evento não seja cíclico e sim único e aleatório, como os registros históricos parecem indicar.

Em 774 d.C., um banho radioativo Gama poderia passar desapercebido da população mundial. Mas, atualmente, um episódio desse tipo seria desastroso. Isso se deve ao fato de que a sociedade globalizada depende de satélites, o qual seriam imediatamente desativados e irreparavelmente danificados pela exposição à radiação. Significa um apagão completo de todos os meios de comunicação de massa. A desativação da transmissão de todas as informações que sustentam, a cada segundo, a economia de mercado, de compra e venda de produtos e serviços.

No entanto, dado a intensidade deste evento e como ficou marcado nos seres vivos deste planeta, isso nos faz pensar: de que forma ele influenciou e modificou a nós, humanos? De que forma silenciosa, nós fomos alterados? Esse é um ponto a se pensar.


Fonte: Ab Origine

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. Elson Antonio Gomes11 de maio de 2014 19:58

    É, é uma questão intrigante!

    Eu ficaria com "uma poderosa tempestade solar"; que até está sendo esperada, pois de acordo com algumas teorias de cientistas, a cada certa quantidade de anos (que me perdoem, pois não me recordo o número exato) acontece uma tempestade solar gigantesca que acaba afetando nosso planeta, e estamos neste período.

    O grande problema é que estamos vivendo no período de grandes catástrofes que acontecem de tempos em tempos, mas até agora nada! Um exemplo é este da 'tempestade solar' que se acontecer, vai torrar todos os geradores (é geradores?) do mundo e não haverá energia elétrica por um bom tempo, pois para se fazer um único gerador se leva pelo menos 06 meses. Agora imaginem o mundo sem energia elétrica, o caos que vai ser principalmente para quem vive nas grandes cidades e não sabe nem como fazer fogo sem um fogão elétrico.

    Outro exemplo é uma postagem que já foi feita aqui sobre o parque Yellowstone que dizem que o vulcão entra em erupção a cada certa quantidade de tempo e que este tempo já venceu.

    Mas voltando sobre este 'mistério da radioatividade de 774 DC', o que mais me chama a atenção é como os Raios Gama afetaram as árvores que são seres vivos e não afetaram outros como os seres humanos sendo ele (Raio Gama) um dos mais danosos para nós seres humanos.

    É, misterioso, mas como a ciência explicará uma coisa que aconteceu a vários anos, se em pleno século XXI ela não consegue explicar o desaparecimento de um avião comercial de grande porte há poucos dias atrás.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os cientistas afirmam que se formos atingidos por uma grande tempestade solar todos os as redes elétricas, assim como os satélites, seriam inutilizados, o que levaria a um completo colapso da sociedade como conhecemos, afinal tentem imaginar o mundo como ele é hj sem luz, sem internet, telefone...enfim bancos, indústrias, governos ruiriam...

      Para se ter uma base, alguns cientistas acreditam que Marte já teve uma atmosfera tal como a da Terra, mas essa atmosfera foi desintegrada quando marte foi atingido por uma tempestade solar muito forte, que venceu o campo magnético de marte e assim causou grande danos e inviabilizou a vida na superfície desse planeta. (vi isso em um documentário do Discovery).

      Excluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave