14/03/2014

Fritz Haarmann: O vampiro de Hannover


O texto de hoje falará de Fritz Haarmann, o "Açougueiro de Hannover" ou "Vampiro de Hannover", como também ficou conhecido, por deixar ferimentos de mordida no pescoço de suas suas vítimas. Haarmann foi um assassino e molestador alemão condenado por matar cerca de 24 pessoas, mas o número de mortes atribuídas a ele pode ser bem maior. A crueldade e forma com que Haarmann tratava as vítimas deu a ele a classificação de Vampiro Moderno.

Início

Fritz Haarmann nasceu em Hanover, Alemnha, em 25 de outubro de 1879. Ele foi o sexto filho de seus pais. Haarmann era uma criança quieta, inativa e que não gostava de brincadeiras típicas de meninos preferindo brincar com as irmãs, o que despertou a ira do rigoroso pai, que em 1895 enviou o jovem Fritz, com 16 anos, para uma escola militar New Breisach. Haarmann consegui bom desempenho no treinamento, mas apenas um ano depois de ter entrado para a academia ele acabou sendo dispensado por conta de suas crises de epilepsia.

De volta a sua cidade natal, Fritz passou a trabalhar em uma fábrica de charutos, mas em 1898 Haarmann foi preso por molestar crianças, mas um psicólogo declarou Haarmann era mentalmente incapaz de ser julgado, e ele foi enviado para um hospital psiquiátrico por tempo indeterminado. Seis meses depois, Haarmann escapou e fugiu para a Suíça, onde trabalhou por dois anos antes de voltar para a Alemanha.

Mais uma vez ele se alistou no exército, desta usando um nome falso, mas em 1902, ele foi novamente descartado pelos médicos. Ele foi premiado com uma pensão militar integral, e voltou a viver com sua família, nesse período ele passou a trabalhar na pequena empresa que seu pai havia montado.

Depois de uma discussão com seu pai, Ollie, houve um violenta luta entre os dois, Haarmann foi preso, acusado de agressão e novamente enviado para avaliação psiquiátrica. Desta vez, um médico não diagnosticou Haarmann como mentalmente instável. No tribunal Haarmann foi inocentado e ele novamente voltou a viver com sua família. Pouco tempo depois, Haarmann tentou abrir uma pequena loja, mas o negócio logo foi à falência.

Carreira criminosa

Na década seguinte Haarmann tornou-se um ladrão, assaltante e vigarista. Ele era freqüentemente preso e cumpriu várias penas de prisão de curta duração. Nessa época ele estabeleceu uma relação com a Polícia Hannover como informante, em grande parte como uma forma de redirecionar a atenção da polícia a partir de si mesmo, e mais tarde admitiu que a Polícia começou a vê-lo como uma fonte confiável de informações sobre rede criminosa de Hannover.


Em 1914, Haarmann foi condenado por uma série de roubos e fraudes e foi preso, assim como a Primeira Guerra Mundial começou. Após a sua libertação em 1918, ele ficou impressionado com a pobreza em que se encontrava a Alemanha, como resultado da Grande Guerra. O país estava falido. Fritz Haarmann voltou para a vida de crimes tal como antes de ser preso em 1914. O novo estado da Alemanha deu-lhe ainda mais oportunidades para operar à margem da lei, e por causa do aumento da criminalidade como resultado da pobreza da nação era duradoura, a Polícia voltou a contar com Haarmann como informante.

Crimes

De 1918 a 1924, Haarmann cometeu pelo menos 24 assassinatos, embora ele é suspeito de assassinar no mínimo de 27 pessoas. A primeira vítima conhecida da Haarmann era um jovem de 17 anos chamado Friedel Rothe. Quando ele desapareceu, seus amigos disseram à polícia que ele foi visto pela última vez com Fritz Haarmann.

Sob pressão da família de Rothe, a polícia invadiu o apartamento de Haarmann, onde eles ficaram consternados ao encontrar seu informante na companhia de um adolescente semi-nu. Eles não tinham escolha a não ser acusar Haarmann de agressão sexual. Solto depois de cumprir nove meses de pena, Haarmann mais uma vez, ele recuperou a confiança da polícia e se tornou um informante.

Local onde Haarmann morava
As vítimas posteriores da Haarmann em grande parte eram jovens rapazes viajantes, fugitivos, e, ocasionalmente, prostitutos que se concentravam em torno da estação ferroviária central de Hannover. Haarmann atraia as vítimas, em especial esses jovens que viviam da prostituição, até seu apartamento e, em seguida, ele os matava mordendo suas gargantas, por vezes, enquanto sodomiza as vítimas. Todas as vítimas foram desmembradas antes de serem descartados, geralmente no rio Leine.


As posses de várias vítimas ou foram vendidas no mercado negro ou Haarmann dava-as para seu amante, Hans Grans. Rumores diziam que Haarmann também vendeu a carne dos corpos de suas vítimas como sendo carne de porco enlatada no mercado negro, embora nunca houve evidência física para confirmar isso. Algumas fonte, como a TrueTV afirmam que isso de fato aconteceu.

Seu cúmplice e parceiro, Hans Grans, também vendeu, a um preço mínimo muitos dos bens de várias das vítimas, no mercado negro, e manteve outros bens para si mesmo. Haarmann inicialmente alegou que, apesar de Grans saber de muitos de seus assassinatos, e, em um caso ele pediu-lhe para matar duas das vítimas para que ele pudesse obter suas roupas e pertences pessoais, Grans não estaria envolvido nos assassinatos.


Em maio e junho de 1924 foram descobertos ossos humanos no rio  Leine. A Polícia decidiu fazer uma varredura no rio e descobriu mais de 500 ossos humanos, que mais tarde foram confirmados como pertencente a pelo menos 22 indivíduos humanos. A suspeita dos policiais rapidamente caiu sobre Haarmann, que tinha condenações por molestar crianças e que tinha sido ligado ao desaparecimento de Friedel Rothe em 1918.

Alguns ossos encontrados no rio
Haarmann foi colocado sob vigilância e na noite de 22 de junho, foi observado rondando estação ferroviária de Hanôver. Ele foi rapidamente preso depois de tentar levar um rapaz para o seu apartamento. Seu apartamento foi revistado e as paredes estavam fortemente manchadas de sangue. Haarmann argumentou que isso era resultado de sua atividade ilegal como um açougueiro. No entanto, roupas e objetos pessoais de vários jovens desaparecidos foram encontrados na casa de Haarmann.

Quarto de Fritz Haarmann
Sob interrogatório, Haarmann rapidamente confessou ter estuprado, matado e massacrado jovens garotos desde 1918. Quando perguntado quantos ele havia matado, Haarmann alegou 'algo entre 50 e 70'. A Polícia, no entanto, consegui conectar Haarmann com o desaparecimento de "apenas" 27 jovens. Dessa forma o açougueiro de Hannover foi acusado de 27 assassinatos. É interessante notar que apenas um quarto dos objetos pessoais encontrados em seu apartamento foram identificados como tendo pertencido a nenhuma das vítimas.

Fritz Haarmann (e policiais em novembro de 24)

Julgamento

O julgamento de Haarmann começou em 4 de dezembro de 1924. Haarmann foi acusado do assassinato de 27 meninos e jovens que desapareceram entre 1918 e junho de 1924. O julgamento foi um dos primeiros grandes eventos de mídia na Alemanha. O termo "serial killer" ainda não era utilizado, e o público e a imprensa ficaram sem palavras para descrever o caso. Haarmann foi ao mesmo tempo chamado de "lobisomem" e "vampiro".


O caso foi impactante para a já fragilizada sociedade alemã do pós guerra, não apenas pela crueldade com que Haarmann aniquilou suas vítimas, mas também porque o vampiro de Hannover estar ligado a polícia da cidade como informante. Nunca tinha ocorrido à polícia que o assassino em série responsável pela morte de vários jovens era bem conhecido para eles, e que esse assassino estava atuando bem debaixo do nariz das autoridades, que nada fizeram mesmo com as alegações de que alguns dos desaparecidos foram vistos pela última vez em sua companhia. O julgamento durou apenas duas semanas.


Em 19 de dezembro de Haarmann foi considerado culpado de 24 dos 27 assassinatos e condenado à morte. Ele foi absolvido de três assassinatos. Ele foi decapitado com uma guilhotina em 25 de abril de 1925.


Grans foi inicialmente considerado culpado de incitação ao assassinato, no caso de Adolf Hannappel, um aprendiz que desapareceu da estação ferroviária de Hanover em 11 de novembro de 1923. Testemunhas tinham visto Grans, na companhia de Haarmann, apontando para Hannappel, Haarmann havia afirmado que este foi um dos dois assassinatos cometidos mediante a insistência de Grans e por esta razão, Grans foi condenado à morte. A descoberta de uma carta de Haarmann declarando a inocência de Grans mais tarde levou a um segundo julgamento e uma sentença de prisão de 12 anos para Grans. Depois de cumprir sua pena, Grans continuou a viver em Hannover até sua morte, por volta de 1980.

Os restos mortais de vítimas do Haarmann foram enterrados em uma cova comum.

Após a sua execução, a cabeça de Haarmann foi preservada em um frasco por cientistas para examinar a estrutura de seu cérebro. A cabeça de Haarmann agora é mantida na Faculdade de Medicina de Göttingen.


O caso agitou muita discussão na Alemanha sobre a pena de morte, a abordagem correta para criminosos  e doentes mentais, os métodos de investigação policial, e até a respeito da homossexualidade.

Vítimas

  • Friedel Rothe de 17 anos, desapareceu em 25 de setembro de 1918;
  • Fritz Franke de 16 anos, desapareceu em 12 fevereiro de 1923. Franke era inicialmente de Berlim;
  • Wilhelm Schulze com 17 anos, desapareceu em 20 março de 1923. Um aprendiz de escritor;
  • Roland Huch, 15 anos, desapareceu em 23 de maio de 1923. Roland era estudante. Desapareceu da estação ferroviária Hannover;
  • Hans Sonnenfeld de 18 anos, desapareceu em maio de 1923. Hans era fugitivo da cidade de Limmer;
  • Ernst Ehrenberg de 13 anos, desapareceu em 25 de junho de 1923;
  • Heinrich Strauss de 18 anos, desapareceu em 24 de agosto de 1923. Haarmann estava na posse da caixa do violino de Strauss quando foi preso;
  • Paul Bronischewski de 17 anos, desapareceu em 24 de setembro de 1923;
  • Richard Graf de 17 anos, desapareceu em Setembro de 1923. Seus amigos afirmaram que ele desapareceu depois de ter dito que encontrara um emprego;
  • Wilhelm Erdner de 16 anos, desapareceu em 12 de outubro de 1923. Desapareceu da estação de Hannover. Haarmann vendeu a bicicleta do Erdner;
  • Hermann Wolf  de 16 anos, desapareceu 24 de outubro de 1923;
  • Heinz Brinkmann de 13 anos, desapareceu em 27 de outubro de 1923;
  • Adolf Hannappel de 15 anos, desapareceu em 11 novembro de 1923. Testemunhas viram a abordagem Haarmann a Hannappel;
  • Adolf Hennies de 19 anos, desapareceu em 06 de dezembro de 1923;
  • Ernst Speiker de 17 anos, desapareceu em 05 de janeiro de 1924; Desaparecido em seu caminho para comparecer como testemunha em um julgamento;
  • Heinrich Koch de 18 anos, desapareceu em 15 de janeiro de 1924. Koch era um conhecido conhecido de Haarmann;
  • Willi Senger de 19 anos, desapareceu em 2 de fevereiro de 1924. Roupas da vítima foram encontrados no apartamento de Haarmann depois de sua prisão;
  • Hermann Speichert de 15 anos, desapareceu em 8 de fevereiro de 1924. Hermann era um aprendiz elétrica;
  • Alfred Hogrefe de 16 anos, desaparecido em 06 de abril de 1924. Um aprendiz de mecânico. Todas roupas de Hogrefe foram rastreados até Haarmann;
  • Hermann Bock de 22 anos, desapareceu em abril de 1924. Bock foi visto pela última vez por seus amigos andando para o apartamento de Haarmann;
  • Wilhelm Apel de 15 anos, desapareceu em 17 de abril de 1924;
  • Robert Witzel de 18 anos, desapareceu em 26 abril de 1924. Haarman admitiu ter despejado os restos de Witzel no rio Leine;
  • Heinz Martin de 14 anos, desapareceu em 9 de maio de 1924. Martin desapareceu da estação de Hannover;
  • Fritz Wittig de 17 anos, desapareceu em 26 maio de 1924. Grans insistiu para que Haarmann cometesse tanto este assassinato e quanto o de de Hannappel;
  • Friedrich Abeling de 11 anos, desapareceu em 26 maio de 1924. A vítima mais jovem;
  • Heinrich Koch de 16 anos, desapareceu em 05 de junho de 1924;
  • Erich de Vries de 17 anos, desapareceu em 14 jun 1924. Haarmann levou a polícia a restos de Erich depois de sua prisão;
Fontes: Murdepédia, Comportamento Criminoso e Famigerados

0 Comentários
Comentários
Nenhum comentário :

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave