13/09/2013

Gertrude Baniszewski: Assassina e torturadora


O caso abordado no texto abaixo se passou em Indianapolis, Indiana, EUA. Gertrude Nadine Baniszewski (19 de setembro, 1929 – 16 de junho, 1990), também conhecida como Gertrude Wright e Nadine Van Fossan, era uma mulher divorciada que com a ajuda de alguns de seus filhos e filhos de vizinhos, tais como Ricky Hobbs e Coy Hubbard, administrou e facilitou a prolongada tortura, mutilação, e eventual assassinato de Sylvia Likens, uma adolescente que ela levou para seu lar.  Além de Sylvia Gertrude também teria abrigado sob seu teto a irmã da vítima, Jenny Likens.

Quando Gertrude foi condenada por assassinato em primeiro grau (premeditado) em 1966, o caso foi chamado de "O PIOR ato criminoso contra um individuo na História de Indiana". O caso já foi adaptado para o cinema algumas vezes, sendo que a última adaptação aconteceu em 2008 com o título de: Um crime Americano. Nos papeis principais Catherine Keener no papel de Gertrude Baniszewski e Ellen Page no de Sylvia Likens.


A vida de Gertrude Baniszewski

Baniszewski nasceu em 1929, filha de Hugh M. e Mollie M. Van Fossan. Gertrude foi a terceira de 6 filhos. Em 1940, Baniszewski viu seu pai, de quem ela era próxima, morrer de um ataque do coração. Cinco anos depois, aos 16 anos de idade, ela largou a escola, para se casar com John Baniszewski, 18 anos, com quem teve 4 filhos. Mesmo John tendo um temperamento instável, os dois ficaram juntos por 10 anos. Depois se divorciaram.

Após um matrimonio curto com um homem chamado Edward Guthrie, Gertrude e John se casaram novamente e tiveram mais 2 filhos, antes de se divorciar permanentemente em 1963. Baniszewski, então com 34, acabou indo viver com Dennis Lee Wright 23 anos, este abusou dela.

Eles tiveram um filho, Dennis Jr., mas após seu nascimento, ele abandonou Baniszewski e desapareceu.

As irmãs Likens

Em julho de 1965, Lester e Betty Likens, trabalhadores viajantes de um parque de diversões, sugeriram a Gertrude que cuidasse de duas das suas três filhas - Sylvia Marie Likens, 16, e Jenny Faye Likens, 15. Em retorno lhe dariam $20 por semana, enquanto trabalhavam em algumas cidades do país.

Sylvia Likens
Jenny Likens durante o julgamento
As meninas frequentavam a mesma escola e e participavam de atividades sociais semelhantes as que os filhos de Baniszewski, assim como frequentavam a igreja com Gertrude aos domingos. No entanto, quando o primeiro pagamento dos pais das meninas atrasou, Gertrude descontou sua ira as jovens batendo em ambas. Desde então as meninas apanhavam por motivos insignificantes. Assim começaram os abusos frequentes que ambas sofreram.

Sylvia e sua mãe, Betty Likens

A tortura tem início

Em agosto 1965, Baniszewski começou a abusar física e verbalmente de Sylvia, permitindo que seus filhos a agredissem, em um episódio Silvia acabou sendo empurrada escada abaixo. Baniszewski também acusou Likens de ser uma prostituta, e dava 'sermões' sobre a podridão, sujeira de prostitutas e mulheres em geral. Algumas fontes afirmam que Gertrude Bainiszewski era pedófila, o que lhe garante. Curioso como uma pessoa tão controvertida pode se dar ao luxo de discursar sobre moral e bons costumes.

Depois de as irmãs Likens repetidamente acusarem as filhas de Gertrude: Paula e Stephanie de serem prostitutas, após discussões que geralmente terminavam com as duas irmãs agredidas, o namorado de Stephanie, Coy Hubbard, e muitos outros amigos da escola e meninos locais, foram levados para ajudar Gertrude a bater principalmente em Sylvia.

Gertrude até forçou Jenny Likens a bater em sua própria irmã! Eles a queimavam com cigarros diariamente.


Em agosto 1965, Phyllis e Raymond Vermillion se mudaram para o lado da família Baniszewski e imediatamente notaram o abuso e violência contra Sylvia. No entanto eles não avisaram as autoridades, sem qualquer preocupação.

Durante esse tempo, Likens roubou uma roupa de academia da escola, mesmo ela não podendo ir nas aulas de Educação física, mas Baniszewski encontrou a roupa e arrancou dela a confissão espancando-a e queimando-a com pontas de cigarros - a pratica essa que se tornaria rotineira.

Os filhos de Gertrude chamavam os amigos para queimar Sylvia quase diariamente!

Depois disso Baniszewski tirou a garota da escola. E voltou a acusar Likens de prostituição, em certo episódio revelado posteriormente durante o julgamento Gertrude forçou Sylvia a se despir e inserir uma garrafa de Coca-Cola em sua vagina em frente a um grupo de meninos da vizinhança.

Após o episódio da garrafa a jovem acabou agredida na cabeça, o que a deixou inconsciente. Aproveitando-se disso Gertrude aprisionou a jovem no porão.

O porão

Baniszewski, começou então um regime de banho para "limpar" Sylvia, com aguá FERVENDO e esfregando sal nas queimaduras. Ela ficava quase sempre nua e raramente era alimentada. Várias vezes, Baniszewski e seu filho John Jr. de 12 anos, a faziam comer suas próprias fezes, vomito e tomar urina. Uma vez Jenny Likens conseguiu fazer contato com a irmã mais velha, Diana, através de uma carta descrevendo os horrores que ela e Sylvia estavam passando.


Jenny pediu a Diana que chama-se a policia. Diana ignorou a carta, acreditando que ela só estava descontente com alguns castigos e estava inventando histórias pra poder ir morar com ela. Porém não muito tempo após receber a carta da irmã mais nova, Diana decidiu visitar as irmãs, Baniszewski se recusou a deixá-la entrar na casa. Diana então se escondeu perto da casa, até que ela avistou Jenny, e se aproximou dela. Jenny disse a irmã mais velha que ela não podia falar com ela e saiu correndo.

Preocupada, Diana chamou o serviço social, contando que Baniszewski disse que Sylvia Likens tinha sido enxotada da casa por ser uma prostituta imunda, e que desde então ela não voltou. Quando um assistente social apareceu na casa de Baniszewski e perguntou sobre Sylvia, Baniszewski mandou Jenny mentir para o assistente social sobre onde Sylvia estava, ameaçando fazer o que ela fazia com Sylvia se ela não mentisse.

Diana e Jenny Likens
Apavorada com o que Baniszewski poderia fazer com ela se contasse a verdade, Jenny disse ao assistente que Sylvia havia fugido. O assistente social voltou ao escritório, onde preencheu as papeladas dizendo que não era preciso mais visitas a casa de Baniszewski.

O trágico fim de Sylvia Likens

Em 21 de outubro, Baniszewski mandou John Jr., Coy e Stephanie Baniszewski levar Likens do porão para  o andar de cima, e amarrá-la a uma cama.

Na manha seguinte, Baniszewski, furiosa porque Sylvia fez xixi na cama, novamente forçou Sylvia a inserir uma garrafa de coca-cola na vagina.

Isso antes de começar a escrever a frase 'eu sou uma prostituta e estou orgulhosa disto' no abdome de Sylvia com uma agulha de costura aquecida ao fogo.

Baniszweski era incapaz de terminar a frase, mandou Rick Hobbs (um dos garotos vizinhos que ajudavam na tortura) terminar a escrita.


No dia seguinte, Baniszewski acordou Likens e a ditou para que ela escrevesse o que seria uma carta, para parecer que Sylvia tinha fugido. Tal manuscrito seria enviado aos pais da garota.


Depois que Likens terminou a carta, Baniszewski começou a formular um plano para fazer com que John Jr. e Jenny Likens a largassem perto de um depósito de lixo para morrer.

Quando Sylvia ouviu isto, ela saiu correndo escada abaixo tentando escapar.

Mas foi detida por Baniszewski assim que pôs os pés para fora da casa.

Baniszewski arrastou Sylvia de volta para dentro da casa, e novamente a jogou no porão e a manteve lá.

Em 24 de outubro, Baniszewski, desceu ao porão para ameaçar bater em Linkens com uma pá larga de madeira, mas errou o golpe e acidentalmente atingiu a si mesma..

Coy Hubbard entrou e começou a bater em Sylvia com ferocidade, acusando-a de ser responsável pelo que aconteceu com Gertrude. Os golpes com o cabo de vassoura atingiam repetidamente a cabeça com um cabo de vassoura, parando apenas quando Sylvia já estava inconsciente.

Na noite de terça-feira 26 de outubro. Baniszewski disse aos filhos que ia dar um banho em Likens, de água morna dessa vez.

Stephanie Baniszewski e Richard Hobbs levaram Likens para cima e a colocaram na banheira com roupa e tudo.

Em seguida a dupla largaram a garota em um colchão no chão, nesse momento perceberam que ela não estava respirando.

Stephanie Baniszewski tentou ressuscitá-la louca e freneticamente, mas a essa hora Sylvia Likens já estava morta.

Quarto onde Sylvia Likens morreu
Stephanie Baniszewski, entrou em pânico e mandou Hobbs chamar a policia. Quando a policia chegou, Gertrude Baniszewski deu a eles a carta escrita por Sylvia dizendo que ela havia fugido.

Em meio a comoção, Jenny Likens cochichou para um dos policiais, "Me tire daqui e eu vou contar tudo".

Seu depoimento bateu com a descoberta do corpo de Sylvia, assim polícia prendeu Gertrude, Paula, Stephanie e Jonh Baniszewski, Richard Hobbs, e Coy Hubbard por assassinato.

Também prenderam outros vizinhos e crianças presentes na hora - Mike Monroe, Randy Lepper, Judy Duke, e Anna Siscoe sob a acusação de injúria (machucar, insultar, prejudicar).

Julgamento


Gertrude, seus filhos, Hobbs e Hubbard ficaram presos sem direito a fiança.

Um exame e autopsia no corpo de Sylvia Likens revelaram inúmeros ferimentos, queimaduras, danos nos músculos e nervos.



Em sua morte ela teria sofrido de espasmos e contorções, ela teria mordido os próprios lábios do lado de dentro arrancando pedaços.

A cavidade vaginal estava fechada de tão inchada, por causa das lesões. Nunca chegou-se a comprovar as acusações que Gertrude fazia a garota a chamando de prostituta, bem pelo contrário, ao que foi falado no período em que o julgamento era realizado, a jovem ainda seria virgem.


Causa da morte: inchaço no cérebro, hemorragia interna no cérebro, e choque por danos prolongados na pele.

Richard Hobbsand e John Baniszewski durante o julgamento
Baniszewski foi considerada culpada de assassinato em primeiro grau. ( premeditado) Sentenciada a prisão perpétua sem possibilidade de condicional.

Baniszewski apelou e outro julgamento aconteceu, sendo novamente considerada culpada. Embora desta vez ela fora sentenciada a 18 anos de prisão.

Gertrude Baniszewski e seu filho John, 13 dizendo adeus após o julgamento pelo assassinato de Sylvia Likens.
No curso destes 18 anos, Baniszewski se tornou uma prisioneira modelo, trabalhando na costura e depois se tornando "mãe" das prisioneiras jovens, quando ela conseguiu condicional em 1985, ela era conhecida na prisão pelo apelido "MOM" (Mãe).

As noticias da condicional de Baniszewski chocaram a comunidade de Indiana.

Gertrude saiu da cadeia em 4 de dezembro de 1985 e viajou para Iowa, onde ela morreu de câncer no pulmão em 16 de junho de 1990.





A casa onde tudo aconteceu
Paula Baniszewski
Fonte: "Serial Killer, Homicidas e Psicopatas", Murderpedia.

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Postagens em Destaque do Noite Sinistra
Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...Clique aqui para acessar...
O Misterioso Portal de Amaru Muru
Manuscrito 512 - Mistérios do Brasil!
Links Sinistros 53
Aparecem círculos em plantações no oeste de S.C.
O massacre de Babi Yar
Clique nas imagens, para acessar as postagens que você deseja ler...


Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

 Siga o Noite Sinistra no Twitter   Noite Sinistra no Facebook   Comunidade Noite Sinistra no Google +   Noite Sinistra no Tumblr
Links Relacionados:
16 Comentários
Comentários
16 comentários:
  1. Já tinha lido alguma coisa sobre a história dessas irmãs,mas não imaginei que fosse tão pesada assim e o mais absurdo nisso tudo,foi a louca querendo ensinar moral e bons costumes para as meninas,uma verdadeira megera psicopata!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vários anos atrás eu havia assistido no Super Cine (sente a decadência do sujeito), um filme em que uma mulher maltratava uma jovem que deveria estar aos seus cuidados. A atriz que fazia o papel da megera era a mesma que fez aquele filme "Olha quem está falando". Quando comecei a pesquisar a respeito desse caso lembrei desse filme, do qual não lembro mais o nome...e que foi meu primeiro contato com essa história...rsrsrsr

      Excluir
    2. Não é "Pecados em Família"?

      Excluir
    3. Exatamente...o nome do filme é esse mesmo. Não recomendo que assistam a esse filme (achei ele ruim), mas ele foi meu primeiro contato com essa história...

      Abraços...

      Excluir
  2. vi um filme sobre esse assunto,uns tempos atras.mas tmbm nao lembro o titulo.kkkk.mas que historia mais sinistra.putz.

    ResponderExcluir
  3. Antes fosse apenas uma historia de filme..ate onde vai a crueldade de um ser humano!essa mulher (demonio) sendo mae,como pode fazer algo tao horrivel ??tamanha maldade me lembrou dakele caso dos adolescentes japonese q torturaram uma estudante ate a morte,o famoso caso do concreto..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...essa história é bem macabra mesmo... O que mais me impressionou foi o lance da mulher torturar a garota e incluir seus filhos e até garotos da vizinhança nesse processo. E esses jovens participaram de boa...isso me leva a pensar que eles participaram da tortura, pois possuíam a aprovação da mulher (Gertrude), ou seja se a sociedade permitisse muitas pessoas simples seriam maníacos em potencial?!!! Será que essa maldade é algo tão enraizado no ser humano, mas as pessoas não deixam esse "monstro" sair pois seria considerado errado e punido pela sociedade?

      Excluir
  4. Tem um filme, um remake do filme original, que se chama A Garota da Casa ao Lado ou algo assim(tem ele completo no youtube) que é baseado nesse fato. É muito interessante, mas também é muito triste...

    ResponderExcluir
  5. Tem um filme, um remake do filme original, que se chama A Garota da Casa ao Lado ou algo assim(tem ele completo no youtube) que é baseado nesse fato. É muito interessante, mas também é muito triste...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante Isabella...eu desconhecia esse filme, vou dar uma busca nele para xeretar...rsrsr

      Obrigado pela participação..

      Excluir
    2. Te aconselho a tomar cuidado o filme é muito triste angustiante um verdadeiro terror psicológico e físico e com final surpreendente, malditos sejam esses monstros e toda criatura que descendem de seus ciclos familiares por pactuaram com essas atrocidades, monstruosidades e covardia, praticados a esse ser maravilhoso e inocente chamado Sylvia Likes.

      Excluir
  6. Sinceramente essa historia me deixou arrasado, indignado e impotente, mesmo tendo passado todos esses anos, a vários fatores que me fizeram me revoltar contra esses monstros covardes malditos desgraçados desprovidos de respeito e amor ao próximo, malditos Baniszewski polacos desgraçados queria ser um Tirano nessa hora, aplicaria torturas muito piores do que essa a todos que humilharão essa garota e a mataram, pois a pior morte que ela teve foi em vida, nem prisioneiros de guerra são tratados com tanto ódio. Um desses malditos se tornou crente "John “Baniszewski .jr", o que dava fezes, urina e baratas além de alimentos estragados para Sylvia, pasmem o filho da puta virou pastor e conta pra todo mundo sobre o que fez a menina como testemunho de vida, pra se vangloriar para os alienados pela maquina mercantilista chamada cristianismo, quem quiser pega-lo é só descobrir a igreja, dizem que mudou o seu nome para John Blake. Gostaria de compartilhar uma informação ha todos do blog incluindo o proprietário do mesmo, eu estava verificando sobre esse caso, quando derrepente surgiu no Google imagem, uma linda garota de grandes e lindos olhos claros atendendo pelo nome, “Julie Baniszewski” acredito fortemente que ela tem parentesco com essa raça de assassinos, talvez venha de uma dessas filhas da megera e bruxa “Gertrudes” que torturava Sylvia olhem as fotos de seu face ela esta em uma fazenda no estado do Kentuch em uma dessas fotos uma coisa que me deixou intrigado e me chamou a atenção, curiosamente ha uma garrafinha de Coca-Cola de vidro, que foi colocada estrategicamente no cenário da foto, logo associe as coisas me parece que essa garota quis fazer uma ironia, alusão, zombaria tirando onda da deplorável monstruosidade que sua ancestral, ou matriarca causou a desprotegida menina Sylvia Likes. Vejam lá e comente depois no blog: procurem por “Julie Baniszewski”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julian, uma coisa é ler e pesquisar sobre uma caso horrível como esse e outros tantos crimes igualmente brutais; outra bem diferente é ficar obcecado a ponto de querer iniciar uma caça aos possíveis parentes ou descendentes desta, como você diz, "raça de assassinos". Realmente existe uma garota chamada Julie Baniszewski e aqui estão alguns links sobre ela...

      https://www.youtube.com/watch?v=8kbGOTgEx40

      https://www.google.com.br/search?q=Julie+Baniszewski&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwismsLXmo3KAhXJEpAKHRagA00Q_AUIBygB&biw=1024&bih=646#imgrc=d2WDmCIuns5JHM%3A

      http://www.scholars.ufl.edu/julie-baniszewski.aspx

      Antes que eu esqueça, neste exato momento estou bebendo Coca-cola; será que isso faz de mim e de bilhões que consomem este refrigerante assassinos em potencial?

      Ass. Dininha Torres Luize

      Excluir
  7. Uma assassina e torturadora qualificada, mas que teve colher de chá porque é mulher.

    ResponderExcluir
  8. Devemos parar de associar sempre a psicopatia a pessoas que puro e simplesmente alimentam sua maldade intrínseca num grau perverso e desumano essa mulher era ao meu ver perversa, cruel, ruim, miserável. Não consigo mensurar a dor física, psíquica e emocional dessa criança e pra nós fica a dica de que nossos filhos devem estar conosco independente da situação no banquete ou na fome sempre embaixo de nossas asas.

    ResponderExcluir
  9. Tem uma pessoa nos comentários tão alienada que até pragueja contra os "supostos" descendentes da assassina, além de ofender gratuitamente os poloneses, pessoas tão dignas quanto quaisquer brasileiros. Vamos rever os nossos conceitos de tolerância para nos tornarmos, de fato, pessoas melhores e úteis ao mundo.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave