20/02/2015

O caso Liana Friedenbach e Felipe Caffé


Saudações amigos e amigas. Hoje trago a vocês um texto que fala de um dos crimes mais marcante do início dos anos 2000 aqui no Brasil. Falo do assassinato de Liana Friedenbach e Felipe Caffé. Na época o crime foi o pivô de uma intensa discussão a respeito da maioridade penal e sobre a ação dos Direitos Humanos, que defenderam o menor acusado de liderar o ataque que resultou na morte de Felipe e Liana, que foi torturada e diversas vezes estuprada enquanto esteve cativa dos criminosos.

O crime

Os estudantes Liana Friedenbach, 16, e Felipe Silva Caffé, 19, foram assassinados na região de Embu-Guaçu (Grande São Paulo), em novembro de 2003. Eles foram rendidos pelos criminosos enquanto acampavam em um sítio abandonado.


O casal mentiu sobre a viagem para os pais (na época falava-se que os pais de Liana eram contra o namoro dela com Felipe). Liana havia dito que iria para Ilhabela (litoral de São Paulo), com um grupo de jovens da comunidade israelita. A família de Felipe disse que sabia que o rapaz iria acampar, mas acreditava que ele estaria com amigos.

Os namorados teriam passado a madrugada do dia 31 de outubro de 2003 sob o vão livre do Masp, na avenida Paulista (centro de São Paulo). Teriam ficado no local até as 5h do dia 1º, quando chegaram ao terminal rodoviário do Tietê (zona norte de São Paulo).


Liana e Felipe desembarcaram em Embu-Guaçu por volta das 9h. Na cidade, compraram macarrão instantâneo, água, biscoitos e leite em pó. De lá, pegaram um outro ônibus para Santa Rita, um lugarejo perto do sítio abandonado. Os estudantes ainda andaram 4,5 km a pé até o local em que acamparam, sob um telhado caindo aos pedaços.


No local eles acabaram sendo alvos dos criminosos: Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, na época com 16 anos e Paulo César da Silva Marques, o Pernambuco. Champinha e Pernambuco seguiam para pescar na região quando viram o casal e tiveram a ideia de roubá-los.

Naquela mesma tarde, Pernambuco e Champinha abordaram os estudantes enquanto eles dormiam na barraca. A dupla, no entanto, ficou decepcionada ao não encontrar muito dinheiro. Assim, decidiram levar os namorados para a casa de Antonio Matias de Barros, 48, na mesma região.


Com a ausência de Barros, os quatro seguiram para a residência de Antônio Caetano Silva, 50, que também estava vazia. O local foi usado como cativeiro.

Durante o trajeto, Liana disse aos criminosos que sua família tinha dinheiro e sugeriu que a dupla pedisse resgate e, depois, a libertasse junto com o namorado. Segundo a polícia, naquele momento, Champinha decidiu matar Felipe e ficar somente com a garota.

De acordo com informações da polícia, na noite do dia 1º, Pernambuco violentou Liana sexualmente, enquanto Felipe permanecia em outro quarto. A garota estava em estado de choque e não reagiu.

Na manhã do dia 2, os namorados foram obrigados a caminhar no meio do mato. Pernambuco seguiu na frente com Felipe e matou o estudante com um tiro na nuca, de acordo com informações da promotoria. Liana, que estava com Champinha, ouviu o disparo, mas não teria visto a morte do rapaz. Depois, Champinha mentiu dizendo a ela que o rapaz havia sido libertado.

Pernambuco fugiu para São Paulo e Liana permaneceu com o adolescente na casa de Silva. A jovem foi novamente estuprada, agora por Champinha.

Neste mesmo dia, o pai de Liana, Ari Friedenbach, descobriu que a filha havia viajado com o namorado. Acreditando que os dois poderiam ter se perdido na mata, na manhã seguinte, o COE (Comando de Operações Especiais) iniciou as buscas pelo casal na região. Logo, a barraca, as roupas dos estudantes, a carteira e o celular de Liana foram localizados.


Enquanto isso, Silva chegava em casa junto com Aguinaldo Pires, 41. Champinha apresentou a jovem como sua namorada e ainda a ofereceu para os colegas abusarem dela. Segundo a polícia, Pires também teria violentado Liana.

Cativeiro de Liana
No fim da tarde do dia 3, Champinha ainda recebeu a visita do irmão, que foi procurá-lo para avisar que a mãe estava preocupada com o desaparecimento dele e também o alertou sobre a movimentação de policiais na região. Mais uma vez, o adolescente mentiu que Liana era sua namorada, mas informou que a garota estava indo embora e que a levaria até a rodoviária – na verdade, ele estava planejando matá-la.

Foi então que, na madrugada do dia 5, Champinha levou Liana até um matagal, onde tentou degolá-la. Depois, de acordo com a polícia, golpeou a cabeça da jovem com uma peixeira. Quando Liana caiu no chão, o adolescente ainda a apunhalou nas costas e no tórax e, depois, fugiu.

Local onde o corpo de Liana foi encontrado
Os corpos das vítimas só foram encontrados pela polícia no dia 10 de novembro. Champinha, Antônio Caetano, Antonio Matias, Aguinaldo Pires e Pernambuco foram presos quatro dias depois. Menor de idade, Champinha foi internado em uma unidade da Febem (atual Fundação Casa), em São Paulo.

Condenação dos Envolvidos

Em julho de 2006, três envolvidos no crime foram condenados por júri popular. Aguinaldo Pires foi sentenciado a 47 anos e três meses de reclusão por estupro. Antônio Caetano da Silva pegou 124 anos de prisão por vários estupros e Antonio Matias foi sentenciado a seis anos de reclusão e um ano, nove meses e 15 dias de detenção por crime de cárcere privado, favorecimento pessoal, ajuda à fuga dos outros acusados e ocultação da arma do crime.



Champinha admitiu ter participado do crime e já cumpriu a pena prevista em lei, mas até o ano de 2012 ele permanecia sob guarda da justiça. Em maio de 2007, ele chegou a fugir da instituição, pulando um muro de seis metros de altura. Foi recapturado onze horas depois. Atualmente, ele é mantido em um hospital psiquiátrico em São Paulo, a pedido do Ministério Público, com base em laudos médicos que constataram que ele sofre de problemas mentais e não pode voltar a viver em sociedade. Em 2008, o pai de Liana, Ari Friedenbach, criticou o tratamento psiquiátrico de Champinha. Segundo ele, o rapaz estaria em "uma unidade cinco estrelas" e sem o devido acompanhamento.

Champinha
Último a ser julgado, em novembro de 2007, Paulo César da Silva Marques, o Pernambuco, negou que tenha atirado em Felipe e que tenha estuprado Liana. Segundo a defesa do acusado, ele só teria confessado a autoria do tiro em Felipe e o estupro de Liana sob pressão da polícia. Em júri popular, ele foi condenado a 110 anos e 18 dias de prisão em regime fechado, por homicídio qualificado, sequestro, estupro e cárcere privado.

A polêmica da Hospedaria

No dia 16 de dezembro de 2007, uma emissora de TV filmou Champinha numa casa confortável, decorada em alto padrão, com sofá, TV de 29 polegadas e se alimentando com 5 refeições diárias recomendadas por nutricionistas. O vídeo gerou grande revolta e críticas ao governo. O então governador José Serra defendeu a situação de Champinha dizendo que ele estaria melhor ali do que nas ruas cometendo delitos. O secretário da Justiça de SP também repudiou a imprensa, dizendo que queriam linchar moralmente o Estado. Foi informado que Champinha custaria R$ 12.000,00 (doze mil reais) mensais ao Estado estando hospedado no local.

Fontes: Folha OnLine, Ig, Wikipédia e Teatrologia Criminal

Quando amanhecer, você já será um de nós...

Não deixe de dar uma conferida nas redes sociais do blog Noite Sinistra...

Noite Sinistra no YouTube

Gostaria de convidar os amigos e amigas a darem uma conferida no canal Noite Sinistra no YouTube, onde vocês podem encontrar várias matérias interessantes. Para acessar basta clicar no banner abaixo.

Acesse o canal Noite Sinistra no YouTube

Não deixem de se inscrever!!!

CONFIRA OUTRAS POSTAGENS DO BLOG NOITE SINISTRA




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL...

19 Comentários
Comentários
19 comentários:
  1. JUDIA 16 ANOS NAMORANDO UM GOYIM A FAMILIA NÃO QUERIA NOVA JA DANDO NAQUELA EPOCA ASSISTIAM MUITA MALHAÇÃO E ACHAVAM QUE O MUNDO LA FORA ERA UM COMERCIAL DE MARGARINA QUE TUDO DA CERTO NO FINAL; PAULISTAS DE BAIXA CASTA POS-CAFES COM POS-BARI E MIGRANTES TIDOS COMO BRASILEIROS DE SEGUNDA CATEGORIA APENAS PELO SEU SOLI DO OUTRO LADO CUJO INTERIOR DO QUADRANTE FOI ESVAZIADO E DESTRUIDO PELOS PROPRIOS ALOGENOS JUDEUS DESDE SECULOS PASSADOS..ALIAS A PROPRIA MISCIGENAÇÃO QUE GEROU TAIS NEUROTIPOS VIA ALOGENICE "RESIDUAL" É AMPLAMENTE INCENTIVADA PELA TRIBO ASKENAZITA DELA..

    ResponderExcluir
  2. NOTAR QUE O FACTO DE ELA SE PARECER UMA OCIDENTAL ATRAENTE E NÃO UMA JUDIA TAMBEM AJUDOU, LOGO OS DA TRIBO DELA QUE AO GERAR A INVEJA DE CASTA E ANTI-OCIDENTAL E ALIMENTAR JOGOU ELA PRA ELES

    ResponderExcluir
  3. CONCLUSÃO: UMA AB ASKENAZITA CONDENADA PELO PROPRIO POVO - VDFS AB CONDENADOS PELA PROPRIA VDF QUE DESTRUIU O MAINLAND VIA ALOGENICES DESTRUTIVAS

    ResponderExcluir
  4. HÁ UM COMPONENTE SIMILAR COM O CASO RICHTOFEN: PAIS NÃO QUERIAM O NAMORO; UMA DECIDE MATA-LOS E PEGAR A HERANÇA A OUTRA DECIDE FUGIR COM O NAMORADO; UMA JUDIA OUTRA SOCIALMENTE GERMANICA; UM REJEITADO POR SER GOYIM O OUTRO POR SER POBRE; AMBOS HISPANICOS

    ResponderExcluir
  5. UM MATA OS SOCIALMENTE MAIS OCIDENTAIS; O OUTRO É MORTO POR HISPANICOS DE DNA MAIS DESTRUIDO POR SANGUE ALOGENO POR SER VISTO COMO MAIS SOCIALMENTE OCIDENTALIZADO PELA SUA CASTA

    ResponderExcluir
  6. NO FINAL O MESMO COMPONENTE: DESTRUIÇÃO AUTOSSOMICA POR SANGUE ALOGENO INCENTIVADO PELO REGIME E INVEJA ANTI-OCIDENTAL INCENTIVADA PELO REGIME E TAMBEM CONFLITO DE CASTAS ECONOMICAS TAMBEM INCENTIVADO PELO REGIME

    ResponderExcluir
  7. Na minha opinião os criminosos deveriam receber como punição execução com um tiro na cabeça. Quanto ao casal me questionou que tipo de rapaz leva a namorada pro meio do mato e que tipo de moça se submete a isto...pura doideira ou tentação do diabo.Já os colegas que segundo do a mídia sabiam e ficaram falador deveriam ser presos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Um acampamento com uma pessoa que se gosta é tentação do diabo?
      Quem no mundo vai imaginar que isso iria acontecer?!
      Eu já acampei e nada do tipo aconteceu comigo.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Eram jovens, e aí eu me pergunto: que jovem não erra? Adolescente que faz merda em algum momento da vida ou tem atitudes impulsivas? Foi burrice ir nesse lugar, eu concordo. A garota tinha 16, a idade da teimosia e do desejo de ter liberdade sem a aporrinhação dos pais. Ela foi porque provavelmente queria agradar ao namorado e estava apaixonada. O cara era mais velho e realmente não devia levar a moça para o meio do nada (achou que seria uma viagem romântica, só eles dois, acampar e talvez ter uma aproximação com a natureza, quem sabe, isso foi para o túmulo com eles). Mas essa pobre menina com certeza viveu horas e dias de horror nas mãos desses brutos impiedosos, estuprada repetidas vezes, e certamente queria morrer depois disso. Um plano tolo de dois jovens que terminou em pesadelo. Champinha foi um filho da puta esperto que teve o benefício de ser menor de idade. Um menor tem que arcar com as consequências de seus atos. Ser julgado como adulto e de acordo com a gravidade do crime. Porque pra fazer o que fez e ser protegido...

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente vivemos tempos de impunidade e proteção excessiva ao ser humano, proteção essa que acaba sendo estendida àqueles que deveriam ser punidos severamente e servir de exemplo a fim de inibir a repetição de tais condutas. O pior de tudo é que um dos indivíduos envolvidos e, ao meu ver, principal orquestrador desse pesadelo, é sustentado pelo povo através dos tributos, quando deveria ser brutalmente vilipendiado em público e ter suas partes corpóreas violadas e expostas ao público, para transmitir a mensagem de que tal ato é extremamente repudiado pela sociedade e sujeito a punição severa. Espero, do fundo do coração, que um dia o Estado e os Direitos Humanos sejam menos coniventes com tais atos e extinguam toda a forma de defesa dos indivíduos que praticam tais atos, pois acredito que "aquele que viola o direito de outrem, deve ter seu direito violado proporcionalmente".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em outras palavras você defende a lei de Talião - olho por olho e dente por dente.
      Só que aqui no Brasil, o país da impunidade, basta ser menor de 18 anos e você pode matar, roubar, estuprar e não vai pra cadeia. Esse "champinha" é um caso clássico de um delinquente que não foi julgado pelos seus atos porque era "de menor".

      Excluir
  11. se fosse algum parente ,eu esse champinha e esse pernambuco tavam comendo terra!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pai dessa menina é um corno manso.

      Excluir
    2. quem é vc pra chamar o cara de corno, transou com mulher dele por acaso seu pateta

      Excluir
  12. Bolsonaro para o FIM dessa poca vergonha e degradação humana que é esse "DIREITO DOS MANOS",bando de filhos da put* que só querem enriquecer em cima do cidadão de BEM,que tem FIBRA,MORAL,ÉTICA,e DIGNIDADE pra andar de cabeça erguida,e poder a noite deitar a cabeça no travesseiro com a consciência limpa,pois não está à prejudicar ninguém,e tudo o que quer é viver sua vida com sua família em paz e à deixar quando assim for a hora à qual ele ou ela estava predestinado(a) a deixá-los,e não pelas mãos e pelo bem querer de um verme desumano que o assaltou (a) na rua no trajeto de volta pra casa depois de um dia de trabalho,e acabar,pelas mãos desse escroto,roubado a sua vida.Quero uma justiça pra quem sair da linha,quero morte à aqueles que matam inocentes,estupram,roubam,depredam,e igualmente pra esses lixos que os defendem e os rotulam como os "excluídos da sociedade",mundo perfeito só existe em contos de fadas,e olhe lá,já esta na hora de deixarmos de ser incompetentes pois assim como Papai Noel não existe uma sociedade socialista NÃO existe,se não há justiça por parte do Governo,justiça será feita pelas mãos do povo,não me importo em apodrecer na cadeia ou qualquer outro destino macabro que me assolaria,mas se um desses lixos escrotos escória da humanidade fizesse algo pra alguém que amo,eu o localizaria,torturaria como nem mesmo o próprio Diabo não o faria,faria ele implorar pela morte,o torturaria mais um pouco,e aí sim deixaria ele morrer lentamente conforme o organismo do mesmo o fizer,não ligo pro meu bem estar,mas dou a vida e se preciso for,minha humanidade por aqueles que amo,cometeria o pior pecado de todos,matar outro alguém,e disso teria orgulho.Quero que essa escória receba o que deles pertence,dor,fracasso,humilhação,angústia,tristeza,solidão,medo,castigos,trabalho forçado,pouca comida,pouca água,situações realmente DESUMANAS porque é isso,e somente isso o que eles têem o privilégio de receber.

    ResponderExcluir
  13. Esse champinha deveria ser morto ,ele e sua corja maldita,um deles tem um antecedente criminal extenso ( vários estupros . Matar esses desgraças seria melhor,pq n geraria despesas ao Estado responsável,tão puco esses diabos cometeriam tal crime bárbaro outra vez.

    ResponderExcluir
  14. Pela crueldade ele merecia a morte para servir de exemplo a outros marginais,pois é melhor a morte de um bandido que mais parece um animal,de alma maligna,do que uma pessoa de bem que não cometeu crime algum para merecer uma morte tão brutal!

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave